História Mysteries Of Destiny - Capítulo 8


Escrita por: ~

Postado
Categorias Justin Bieber, Katherine McNamara
Personagens Candice Swanepoel, Chaz Somers, Chloë Grace Moretz, Christian Beadles, Danielle Campbell, Demi Lovato, Emma Stone, Ian Somerhalder, Jaxon Bieber, Jazmyn Bieber, Jeremy Bieber, Justin Bieber, Katherine McNamara, Mackenzie Foy, Pattie Mallette, Paul Wesley, Ryan Butler, Shawn Mendes
Tags Ameaças Possessivo, Amor, Bebidas, Bullying, Drama, Drogas, Festa, Mutilação, Revelaçoes, Romance, Segredo, Sexo
Visualizações 597
Palavras 1.670
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Colegial, Crossover, Drama (Tragédia), Escolar, Festa, Luta, Mistério, Romance e Novela, Suspense, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Linguagem Imprópria, Mutilação, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Boa Leitura ❤❤❤

Capítulo 8 - Nightmare


Fanfic / Fanfiction Mysteries Of Destiny - Capítulo 8 - Nightmare

⇝ Point of view – Lizzie Miller ⇜

— Ainda dói? — Neguei com a cabeça olhando para a bota ortopédica.

— Não muito, meu corpo está bem mais dolorido do que meu pé. — Falei dando um suspiro frustrado..

— Olha Lizzie, o Shawn, ele…

— Demi não quero falar no Shawn, ele nem me deixou explicar e foi logo me chamando de vadia. — Esbravejei com raiva.

— Eu sei, ele disse que se arrependeu por isso, e que quer falar com você, pessoalmente, pra te pedir desculpas. — Fiquei quieta, não queria estender esse assunto. — Tá bem, já entendi que você não está afim de conversa. — Se levantou pegando a bolsa. — Você vai pra escola amanhã? — Assenti.

— Bem que gostaria de ficar em casa, mas quem disse que meu pai deixa?!

Will nem ligou muito quando me viu naquela cama de hospital, só soube ficar chamando minha atenção por não ter chegado com a Laura, segundo ele, se eu tivesse voltado antes, nada disso teria acontecido. Jeremy pareceu incrédulo com sua reação, Justin e Chaz foram embora antes mesmo que Will chegasse. Expliquei tudo a ele, e por mais que odiasse mentir contei somente que Chaz e Justin estavam passando de carro e ouviram meus gritos.

— Não liga pra ele amiga, vou estar lá amanhã com você. — Sorri para Demi, eu sabia que com ela poderia contar. Quando cheguei em casa tinham varias chamadas perdidas e mensagens dela no meu celular, expliquei tudo a ela e a mesma saiu de sua casa as onze da noite só pra vim conferir como eu estava. — Quer ajuda no banho?

— Já tomei…

— Sozinha? — Assenti.

— Não tenho mais minha mãe aqui pra me ajudar Demi, tenho que me virar sozinha... — Disse abaixando a cabeça.

— Lizzie, não fica assim, você tem a mim, e Sara também.. — Sorri, feliz por ter as duas, mas não era a mesma coisa sem minha mãe aqui para cuidar de mim quando eu precisasse.

— Eu sei disso. — Falei vendo Demi vir até mim e beijar minha testa.

— A gente se vê amanhã, minha mãe está na sala me esperando para irmos para casa e já deve estar impaciente. — Assenti, ela fez questão de me ajudar a deitar e me cobrir antes de sair, era bom ter uma amiga assim, que parecia mais uma irmã mais velha.

Suspirei fechando os olhos, por sorte estava chovendo e acabei pegando mo sono rápido com aquele barulho tão relaxante da chuva. Pra mim foi um alivio, por não precisar pensar em tudo que aconteceu hoje.

Sonho 

— Olá? — Tirei um galho de árvore que estava na minha frente e continuei andando naquela floresta escura e assustadora, da qual fazia barulhos estranhos que me causava calafrios.

Ouvi um barulho de galho se quebrando e olhei para trás assustada, mas não escontrei ninguém. Engoli o seco andando mais rápido, porém, a cada passo que eu dava sentia que alguém ou algo se aproximava.

— Você acha que ele vai encontra-la? — Escutei uma voz masculina falando, quase em um sussuro.

— É óbvio que vai, ela tem que ir embora, fugir, ou ele vai mata-la.-Disse uma segunda voz feminina, que parecia aflita, me escondi atrás de uma árvore escutando aquela conversa.

— A garota de cabelos de fogo está em perigo, ela tem que sair daqui antes que da lua se por, ou estará morta! — Arregalei os olhos e fiquei com a respiração descompensada, ao ouvir aquilo. A única garota com os cabelos cor de fogo que tinha aqui era eu.

— Quem está ai? — Fechei os olhos com força, me encolhendo.

— Podemos ouvir sua respiração, apareça garota, não vamos fazer mau a você. — Mesmo com cautela, sai de trás da árvore e dei alguns passos para frente, respirando fundo e abrindo os olhos, mas não vi nada ali.

— Estamos bem próximos de você, mas não pode nos ver. —:Fiquei confusa olhando para os lados.

— Por que não?

— Não pergunte nada agora, só siga nossas instruções. — Apenas assenti, não levaria a nada ficar ali fazendo perguntas e exigindo respostas, das quais tenho certeza que não iriam me falar.

— Primeiro, siga por essa trilha. — O vento me fez olhar em direção das árvores, que se abriram mostrando uma trilha escura e sombria. — No fim terá duas portas, abra a direita! — Exclamou em resposta.

— Mais, por que vocês tem tanta certeza que a porta direita é a porta certa? — Perguntei vendo tanta clareza em sua voz, me deixou um pouco desconfiada, e se eles estivessem tentando me enganar?

— Menina, você não tem muito tempo, é melhor correr antes que o pior aconteça. — Gelei ao ouvir aquilo. — Olha, o caminho certo é a porta direita, se você for para a esquerda, coisas horríveis vão acontecer! — Disse rápido, parecia aflito.

Ouvi galhos sendo quebrados, e passos, a pessoa parecia estar correndo.

— Corra menina, ele está vindo. —:Disse a voz feminina, e logo tudo foi escurecendo, e a lua estava sumindo.

Não pensei duas vezes e comecei a correr, corria tão rápido que parecia que meus pulmões sairiam pela boca.

Parei de correr assim que cheguei nas duas portas, eram idênticas, fiquei meio indecisa de seguir para o caminho direito, alguma coisa me dizia que o caminho esquerdo era o caminho certo, mas achei melhor arriscar.

— VOCÊ NÃO PODE FUGIR DE MIM! — Gritou uma voz rouca, cheia de ódio e mortalidade. Os passos aumentaram e meu medo também, abri a porta direita rapidamente e entrei na mesma.

Uma luz forte me fez recuar aos passos, mas resolvi continuar assim que ouvi outro grito de ódio.

Caminhei até a porta, a fechando, ou melhor, tentando, pois alguém tentava entrar.

Sinto a porta se fechar, do nada, como se alguém estivesse me ajudando, e sim estava, virei ficando de frente para um homem alto e bonito.

— Sabia que viria. — Encarei seu rosto, ele era muito bonito e seus olhos eram cor de mel.

— Eu conheço você! — Exclamei em resposta.

— Conhece, mas isso não vem ao caso agora. — Disse pegando minha mão e me guiando até um cavalo branco, onde me colocou sentada de lado, como as princesas fazem.

O homem a minha frente com uma roupa elegante, se sentou no cavalo ficando atrás de mim, guiando o cavalo até um vilarejo, onde haviam várias pessoas alegres, que pareciam felizes,pois  comprimentavam umas as outras, inclusive ao homem que não sabia o nome, mas que não me era estranho, e andavam sempre com um sorriso no rosto, desde as crianças, até os mais velhos.

Olhei ao redor, vendo que encima de um grande morro tinha um castelo branco e muito bonito.

Aquele lugar parecia ser tão bom, tão cheio de paz e harmonia, mas ainda sentia meu coração sendo apertado em uma angústia sem fim.

— Bem vinda a sua nova casa, minha princesa. — Fui tirada dos meus pensamentos por alguém me abraçando pela cintura por cintura por trás e beijando meu maxilar.

— C-como assim? — Perguntei o olhando espantada.

— Você será a nova rainha de tudo isso, pequena Liz

Quando ele disse aquilo, me descrudei dele e o olhei espantada, descendo do cavalo.

— J-Justin! — Sussurei em resposta, me afastando dele.

— Bingo.

— Me deixa ir embora Justin. — Pedi vendo ele sair do cavalo e vim em minha direção. — Por favor. — Já podia sentir meus olhos marejarem.

Vi Justin negar com a cabeça e estralar os dedos, fazendo aquele lugar cheio de paz e harmônia, se transformar em um lugar feio e medonho.

As pessoas andavam curvadas, com roupas rasgadas e que pareciam de bruxos, cabelos desarrumados e olhares de dar medo. Sem dizer que as casas pareciam cair aos pedaços e o céu agora era nublado, nublado não, estava mais cinza que o normal.

— Oque está acontecendo? — Perguntei mais para mim do que para ele, e sem pensar duas vezes, comecei a correr em direção da porta, mas parece que ela se afastava a cada passo que eu dava.

— Não adianta fugir pequena Liz, eu sempre vou estar aqui para te atormentar. — Dito isso, um espelho enorme apareceu em minha frente, parei de correr.

— Esse não é o caminho certo. — Falei olhando para Justin através do espelho, que agora estava atrás de mim, com aquele sorriso vitorioso e sarcástico que só ele tinha.

— Você tem razão, não é! — Umideceu os lábios e colocou as mãos no bolso, tranquilo. — Eles te enganaram. — Arregalei os olhos.

— Por que?

— Eles só estavam usando você, e te fazendo acreditar que esse era o caminho certo, eles não passam de demônios! Sabe, você é burra pequena Liz, preferiu seguir a uma pista pobre que te levou ao caminho errado, do que ouvir seu coração e achar o caminho certo! — Dito isso, uma risada saiu de seus lábios. — Sabe aquela pessoa gritando e tentando abrir a porta? Aquela pessoa queria te levar ao caminho certo, mas eu. — Apontou para si mesmo, com um sorriso orgulhoso. — Não deixei que isso acontecesse!

— E por que? Por que quer me fazer sofrer? Por que Justin? —:Perguntei deixando as lágrimas caírem

— Por que eu gosto, é fascinante ver o sofrimento nesses em seus olhos, e como eu disse, sempre vou estar aqui, para te atormentar! — Dito isso, vi Justin levantar uma faca e crava-la em meu peito. — Eu sempre serei seu pior pesadelo, pequena Liz!

Sonho off

— Ei, Lizzie, acorda. — Acordei em um pulo, assustada e aos gritos, sentindo alguém me chaqualhar. — Calma meu amor, foi só um pesadelo. — Deitei a cabeça no ombro do meu pai, em quanto abracei o mesmo o mais forte que pude, soluçando.

Ficamos assim por uns vinte minutos, até eu conseguir me acalmar, minhas lágrimas foram sessando depois de ouvir meu pai dizendo estava tudo bem diversas vezes.

Meu corpo inteiro estava trêmulo, eu tinha medo que Justin Bieber pudesse fazer algum mau para mim, e que usasse aquele beijo como alvo para mais humilhações. A sensação de que algo ruim estava por vir me deixava angústiada.


Notas Finais


Oque acharam do sonho? Comentem por favor, fico feliz com os comentários de vocês. 💜


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...