História Na floresta dos vagalumes - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Hotarubi no Mori e
Tags Ginxhotaru, One-shot
Visualizações 11
Palavras 1.110
Terminada Sim
LIVRE PARA TODOS OS PÚBLICOS
Gêneros: Fantasia, Shoujo (Romântico), Sobrenatural
Avisos: Spoilers, Suicídio
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Oizinho, essa história também está escrita no Amino, e somente lá com o nome de "Karine" qualquer outra pessoa por favor avisa pois é plágio, e é isso boa leitura criaturinhas.

Capítulo 1 - Na floresta dos vagalumes


Fanfic / Fanfiction Na floresta dos vagalumes - Capítulo 1 - Na floresta dos vagalumes

Era meu décimo oitavo aniversário, e como todas as vezes fui passa-lo com meu avô, simplesmente não conseguia mais ficar sem ao menos ver aquela floresta. Estava sentada em um banco a espera do ônibus que me levaria, não demorou muito e ele chegou, por sorte não estava cheio, o que causou uma viagem tranquila.

Chegando na rodoviária meu avô me esperava com um grande sorriso, sai do ônibus e corri até ele, o abraçando bem apertado, afinal só podia vê-lo uma vez por ano por causa da escola que me consumia muito, chegamos em casa, não havia mudado nada dês da última vez que estive aqui, para ser sincera nada mudou na minha vida, exceto minha aparência que mudou um pouco, agora estou um pouco mais alta, meus cabelos mas longos e ondulados, fora isso ainda me sinto igual.

_ Hotaru, telefone para você !! _ Meu avô vem até meu quarto, entregar o telefone, parecia estranhamente apressado.

_ Alô. _ Atendo, mas a pessoa do outro lado da linha fica em silêncio, por alguns minutos.

_ Oi, Hotaru é o Kin. _ Fala ele com uma voz alegre, posso quase visualizar ele sorrindo, Kin é meu colega de escola, quando Gin se foi ele se tornou um meu grande amigo, mesmo sabendo que ele quer algo além da amizade...

_ Ah, desculpa Kin, mas meu avô está me chamando agora, mais tarde te ligo._ Digo apressada, o problema não é ele, sou eu que não queria lhe dá falsas esperanças.

_ Tudo bem então, mais tarde nos falamos. _ Finaliza, claramente desanimado.

Depois dessa ligação, vou até meu avô devolver-lhe o o telefone, e acabamos conversando a tarde inteira sobre Kin e seu amor platônico por mim, mesmo que ele seja fofo, divertido, e interessante, não consigo me sentir atraída por ele, bem por garoto algum, sinto como se estivesse traindo Gin, mesmo que agente não tenha nada, e ele não estar mais aqui...

Saio de casa um pouco atordoada, faz alguns meses que não andava na floresta,  mas mesmo assim, ainda fico feliz por voltar aqui, sempre quando estou nesse lugar, me sinto como se estivesse seis anos novamente. Digo uma trilha que me leva até um lago, onde lembro-me de ter muitas vezes pescado com Gin no passado, senti-me em uma grande pedra que havia ali, e tiro da minha bolsa, um binóculos, para poder observar os pássaros que haviam.

  Quando o sol se põe, volto pelo mesma trilha, mas ouço um barulho e tomada pela curiosidade, ando até lá, mas olho ao redor e não vejo nada, no entanto em um rápido momento sou jogada no chão por uma onça, suas patas começam a arranhar minha pele, estava prestes a ser devorada, lágrimas brotavam silenciosamente, já havia desistido de me soltar, quando a felina é jogada para longe.

_ O quê ? _ Murmuro, ainda assustada com a sequência de acontecimentos, meus olhos pousam em jovem que estava não muito longe, seus cabelos eram cinza quase branco, sua pele branca, seu sorriso gentil dirigido a mim.

  _ Gin..._ Falo, já sem voz, e corro até ele, parando em sua frente, ele sorrir mais e me abraça, imediatamente retribuo "o que está acontecendo ?" Me perguntava mentalmente, entregue ao choro.

  _ Eu estou aqui, eu estou aqui calma._ Ele repetia várias vezes, afagando meus cabelos, enquanto ainda me abraçava, não conseguia ficar longe dele, parecia impossível ficar longe do homem que tanto amo, apenas em lembrar dos anos longe dele, meu coração aperta.

  _ Eu tentei seguir em frente, juro que tentei, mas... Você é aquele que amo, não me deixa, por favor não me deixa._ Declarei, com todas as forças que ainda residiam em mim, mesmo depois de todos esses anos, esse sentimento apenas crescia cada vez mais, já chegou ao ponto de não suportar essa pressão.

  Ficamos abraçados por minutos, horas, o tempo já nem ao menos existia para mim, apenas queria ficar em seus braços o máximo possível, mas para infelizmente nós separamos. Gin olho nos meus olhos, e sorriu, no entanto isso me preocupou muito, pois lágrimas começavam a cair de seus olhos o que me surpreendeu.

  _ Eu também te amo, mas você deve seguir em frente, eu já não pertenço a esse mundo, aliás faz muito tempo que deixei de pertencer, eu não queria te prender a mim, então prometa-me que irá seguir seu caminho, e me manterá apenas como uma boa memória._ Fala, tirando algumas mechas soltas do meu cabelo, eu não entendia o que ele quis dizer, e também não entendia o que ele fazia aqui, mas de uma coisa eu tinha certeza.

  _ Impossível, desculpa, mas não conseguirei fazer isso, você tem ideia de quanto eu pensei em você, o quanto meus sentimentos são importantes...eu só... apenas..._ Não consegui terminar de falar, pois meus olhos tornaram-se pesados, minha visão ficou turva, embasada, e terminei por cair desmaiada.

_ Desculpe Hotaru.

Abro meus olhos lentamente, me acostumando com a claridade, olho em volta e não vejo ninguém, será que foi tudo apenas um sonho ? Não, não pode ter sido, olhos minhas roupas e estão um pouco rasgadas, e minha pele arranhada, o que comprova que realmente não foi mais um de meus sonhos.

_ Hotaru você está bem ? _ Ouço meu avô falando, pareceu-me preocupado, óbvio sua neta sai de tarde, passa a noite em uma floresta, e de manhã a encontra deitada no chão machucada. Pensando nisso, me sinto culpada por isso, então balanço a cabeça.

Voltamos para casa, onde corri para o banheiro e comecei a chorar em baixo do chuveiro, já estava cansada disso, ele me disse para seguir em frente, mas como faço isso, se todas as vezes que acordo a primeira pessoa que me vem a cabeça é ele, como posso vê-lo apenas como uma lembrança ? quando tudo que me rodeia parece tão sem sentido...

A noite, eu me avô fizemos uma pequena comemoração para o meu aniversário, pude vestir minha yukata, mas quando acabou meu avô foi para o seu quarto, não é como se não estivesse gostado apenas, queria-o aqui.

Fui até meu quarto e peguei sua máscara, guardo ela com todo o cuidado, e a abrasei como se ele estivesse, aqui "logo estaremos juntos, Gin" pensei, sai de casa e fui novamente até a floresta, onde vagalumes iluminavam, deixando um cenário tão encantador. Fui até o lago, e me joguei no canto mais fundo, enquanto afogava, abraçava sua máscara com muita força.

_ Olá Hotaru, bem vinda._ Diz Gin me tomando em seus braços e me beijando docimente, não sei onde estávamos mas não importava, me sentia livre como a muito tempo.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...