História Nana, who are you? - Capítulo 61


Escrita por: ~

Postado
Categorias One Direction, Originais
Personagens Harry Styles, Liam Payne, Louis Tomlinson, Niall Horan, Personagens Originais
Tags Drama, Fanfic, Harry Styles, Liam Payne, Louis Tomlinson, Mistério, Niall Horan, One Direction, Portuguesa, Romance, Zayn Malik
Exibições 81
Palavras 2.430
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Colegial, Escolar, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 61 - II Temporada - Seven


Louis olhava-me furioso, eu via toda a raiva percorrer-lhe o corpo. Os olhos intensos, os punhos cerrados, o maxilar tenso, o peito subindo e descendo freneticamente. Mas isso não me intimidava. Eu não podia deixar que ele tivesse algum impacto em mim, como se isso me fizesse repensar nos meus actos. Eu apenas estava a priorizar a minha carreira ao invés de ir a uma festa qualquer. Mas Louis não percebia isso, para ele, eu tinha de ir nessa festa e faltar no workshop. Porque ele achava que eu não o valorizava se optasse pela aula. 

 

 

- Louis, eu não vou na aula porque ele pediu, eu vou na aula porque é bom para mim. - expliquei com o resto de calma que ainda tinha. 

- E é bom para ele que tu vás. - rebateu.

- Estás a ouvir-te, Louis? - disse mais alto - Não comeces com essas insinuações, parece que não confias em mim.

- Já te disse que o meu problema é com ele. Não lhe chega ocupar o teu tempo durante a semana, tem de ocupar também o fim-de-semana? O fim-de-semana é o único momento em que estamos apenas os dois em minha casa, apenas a aproveitar a companhia um do outro. 

- Ir à aula não impede que passemos o fim-de-semana afastados. Eu vou e volto. - expliquei como se ele tivesse apenas cinco anos de idade. 

- Não. Eu quero ter-te de manhã até à noite, não é justo para mim, Katerina. - pronunciou o meu nome com certa mágoa - Nem justo para ti. 

- Eu faço as minhas escolhas. - disse convicta - Se eu quero trocar a festa pela aula, eu troco. 

- Estás a trocar-me por ele.- disse frio e suspirei.

- Não mistures as coisas. - pedi irritada - Magoas-me com essas desconfianças. 

- Vem à festa comigo.- pediu olhando um ponto qualquer no jardim.

- Não vou. Entende que só porque tu queres aproveitar as festas todas, eu posso não querer a mesma coisa. - gritei - Além do mais, neste momento estou mais preocupada em terminar esse workshop. Depois teremos todo o tempo do mundo para ir a festas. - disse mais contida. 

- Vem à festa comigo. Não te vou pedir mais nenhuma vez. - disse sério encarando-me autoritário.

 

 

Olhei-o não acreditando no que ouvia, Louis estava a exigir algo de mim sem se colocar no meu lado. Ele não era egoísta assim. Eu não podia deixá-lo vencer esta disputa. Não podia deixar que ele pensasse que eu o obedeceria. As coisas não eram assim. Eu sei que quando me encontrei minimamente na pessoa que sou hoje, priorizei muitas vezes Louis e renunciei a outras coisas. Mas isso não podia continuar assim, eu tinha de me impor.

 

 

- Eu não vou, Louis. - disse decidida - Não vou porque tu estás apenas a pensar em ti. Coloca-te no meu lugar.

- Achas que eu estou a ser egoísta? - indagou incrédulo. Ele não estava? Confesso que fiquei confusa com a sua reação - Pelo amor de Deus Katerina. - disse novamente o meu nome lembrando-me que ele nunca o dissera tantas vezes como agora.

- Não estás? - questionei e ele olhou-me desacreditado. 

- Não. - gritou - Não estou. Tu não percebes que nas últimas semanas só te preocupas com a a faculdade? E contigo, e comigo, não te preocupas? - disse como se provasse algo amargo.

- Deverias saber que as coisas iriam mudar com a faculdade, Louis. Não somos mais crianças que podem se dar ao luxo de faltar ou não prestar tanta atenção. É tudo novo para mim, entende que eu até poucos meses atrás nem sabia o que queria. Deus, eu nem sabia cozinhar. - olhei para cima respirando fundo procurando alguma calma - E agora eu tenho de aproveitar tudo isso.

- Então preferes aproveitar isso do que viveres bons momentos comigo?

- Tens sempre de colocar duas coisas na balança como se eu fosse a porra de uma juíza para decidir qual tem mais peso? 

- Queres saber de uma coisa. - olhei-o esperando - EU vou nessa festa, com ou sem ti. 

- Vai. - disse alto - Vai mesmo. Afinal tu adoras festas, não queres perder uma. Vai, vai nessa porcaria de festa. Podíamos passar a sexta juntos mas queres tanto estar com outras pessoas, então vai. 

 

 

Ele não respondeu, ficou apenas a encarar-me enquanto eu também devolvia o seu olhar mortal. 

 

 

- Vocês são dois idiotas ou fazem-se? - Rayna gritou chamando a nossa atenção para si. - Caralho, não podem discutir a porra das vossas diferenças no quarto, tem de ser na frente do meu filho. 

 

 

Só então dirigi o olhar ao pequeno que olhava para mim e para Louis assustado. Louis fechou os olhos e encarou os chão. 

 

 

- Foda-se Louis, tu sempre tiveste atenção nisso. - Rayna disse chateada.

- Desculpa, desculpa Rayna. - disse sentindo-se culpado - Desculpa mesmo. Mas... - olhou-me por uma última vez antes de passar por mim - Ela tira-me do sério. - concluiu grunhindo de raiva entrando dentro de casa. 

 

 

Rayna olhou-me e negou com a cabeça, soltou um suspiro em seguida e aproximou-se.

 

 

- Estás bem?

- Estou, desculpa por não termos respeitado a presença do pequeno, sabes que nós dois quando discutimos acabamos por esquecer do resto.

- Vocês são tão explosivos a discutir como a fazer amor. Meu Deus. - constou e olhei-a intrigada.

- Como assim?

- Ah Katerina, eu fico com sede durante a noite e vou até à cozinha, achas que não se ouve nada... - segurou o riso - Quando vocês mudarem para o quarto de cima, eu espero que segurem esses hormónios. - riu e saiu, deixando-me sozinha ali morta de vergonha e de raiva. 

 

 

***

 

 

Depois da discussão ontem, nem Louis e, muito menos eu, falamos um com o outro. Dormimos de costas viradas, sem nos tocar, sem desejar "Boa noite", como se fossemos um daqueles casais prestes a divorciarem-se. Mas nós não éramos casados então isso não aconteceria. Ainda havia esperança para nós. Não seria uma discussão que nos levaria à ruína. Nós sempre fomos assim, as nossas discussões eram sempre extremas. As pequenas discussões eram resolvidas na hora mas as outras levavam algum tempo a mais, e eu sabia que desta vez não seria diferente.

Saí mais cedo da aula e fui esperar Louis e Ray perto do carro, eles deveriam estar a sair também.  

 

 

Louis POV

 

Olhava para o relógio de segundo em segundo, não acreditava que a professora ia levar esta aula até ao último minuto, sempre saímos antes. Bufei frustrado, precisava fumar, a raiva de Katerian ainda não tinha passado e se ela pensa que eu não irei nessa festa e que estava a fazer birra, ela enganou-se. Eu iria, estava até ansioso para isso. 

Um toque no ombro despertou-me e olhei para trás dando de caras com uma garota, ela era da minha turma. Nunca trocamos muitas palavras a não ser "Bom dia". Ela era bonitinha, tinha cabelos loiros com as pontas tingidas num verde água, usava um piercing no nariz e dava para ver no seu pulso o começo de uma tatuagem. Katerina nunca mudaria a sua imagem assim, ela gostava de ser o mais arrumadinha possível, sempre impecável. 

 

 

- Sim? - indaguei depois de a avaliar. 

- Queres ser meu par no trabalho?

- Que trabalho? - estreitei o olhar.

- A professora estava a falar disso. - franziu o cenho para mim e abanei levemente a cabeça obrigando-me a acordar de vez.

- Eu estava distraído. Mas acho que sim, acho que podemos ser dupla.

- Boa, quando começamos? - questionou empolgada e ri fraco dando conta de que todos se levantavam, graças a Deus a aula acabou. 

- Pode ser hoje. - levantei-me e ela esperou eu dizer mais alguma coisa, foi então que reparei que ela usava uma t-shirt com um fundo espacial e a frase Eletro & House & Trance & Tecno, acho que tínhamos algo em comum, além do mesmo curso. 

- Que horas? Onde? - perguntou encarando-me.

- Podes vir comigo agora, almoçamos lá em casa e fazemos o trabalho de tarde, se estiver tudo bem para ti. 

- Ótimo, dás-me boleia (carona), certo? 

- Lógico. 

 

 

Saímos da sala e lembrei-me que não sabia o seu nome. Ela caminhava descontraída a meu lado ignorando alguns olhares masculinos na sua direção. 

 

 

- Qual é o teu nome? 

- Anabelle. - assenti - Mas não estou possuída por um espírito do mal, fica tranquilo. - brincou e demorei alguns segundos para relacionar com o filme, notando que ela tinha sentido de humor. 

- Ainda bem, não queria chamar um exorcista. - rimos - Eu sou o Louis.

- Eu sei quem és, Louis Tomlinson. - disse certa de si enquanto sorria abertamente mostrando os seus dentes alinhados. - Acompanho a carreira do teu pai desde que ele veio para cá há uns anos atrás. Sempre leio os artigos dele e as entrevistas. 

- Não sabia que o meu pai tinha fãs. - descíamos agora as escadas da faculdade. 

- Ficas a saber, agora. - riu fraco - Mas não penses que foi por isso que te escolhi para ser meu par.

- Não? - indaguei curioso.

- Não. Apenas não conheço muita gente ainda, parece que a maioria do pessoal não se acostumou muito ao meu estilo. E como tu pareces ser sociável e não ligar para isso... - deu de ombros. 

- Acho que o pessoal tem inveja do teu cabelo verde. - fiz graça e ela gargalhou.

- Deve ser isso. - sorriu.

- Eu realmente não tenho preconceitos com o teu estilo, gosto do diferente. - ela olhou-me demoradamente e percebi que talvez falei o que não devia.

- Obrigada, namoras não é? - assenti - Ela não se importará comigo?

- Não, somos apenas colegas de turma, não vejo problema nisso.

 

 

Dito isso olhei em frente e vi que, talvez, não estava tão certo assim do que falei. Katerina encarava-me com uma expressão vazia e fria. Diria que ela estava a pensar em várias formas de me torturar. Mas lembrei-me da nossa discussão e sorri cínico, ela teria de levar comigo e com a minha nova amiga. 

Assim que chegámos ao carro, Rayna chegou logo atrás animada. 

 

 

- Bem, estamos todos. - constei. - A Anabelle vai connosco, temos um trabalho para fazer. 

- Espero que esteja tudo bem para vocês. - a garota disse receosa olhando Katerina que sorriu cínica.

- Nenhum. A não ser que a minha companhia durante a tarde vos incomode. - olhou-me e ri fraco, ela estava com ciúmes, perfeito. 

- Claro que não. - Anabelle respondeu segura. 

- Deixem-me apresentar-vos. Anabelle é a Katerina, minha namorada e Rayna, mãe do meu filho.

 

 

Anabelle olhou-me segurando um riso. Eu também estaria assim vendo a situação em que eu estava, tinha a sua piada, de facto. 

 

 

- Quero conhecer esse garotão. - disse entusiasmada e ri.

- Falta pouco. - abri o carro e depois de entrarmos segui caminho. 

 

 

 

Katerina POV

 

O que Louis achava que estava a fazer ao trazer aquela garota connosco? Não poderia ter combinado de fazer o trabalho na faculdade? Ou em outro lugar qualquer? Mas pensando bem, talvez, em casa seja até melhor, poderei ficar de olho. 

 

 

- Não tens workshop hoje? - Louis perguntou com um tom frio e desinteressado.

- Não, só amanhã. - respondi e coloquei o rádio mais alto, não queria conversar com ele, ainda. 

 

 

Depois do almoço, Louis acomodou-se na mesa que ficava no alpendre perto do jardim. Sentei-me perto deles e abri uma revista que peguei no quarto de Rayna, sobre moda. Observei a garota e notei que ela não tinha nada a ver comigo, ela era mais relaxada na imagem, embora ousasse na cor de cabelo e nos piercings. Não tinha como Louis se interessar nela, certo? O que eu estou a pensar? Ele não me trairia, aquele rapaz era completamente apaixonado por mim, eu tinha a certeza disso. Bufei e obriguei-me a ler a revista, uma entrevista com a maravilhosa da Kendall Jenner e o seu novo corte de cabelo, mais curto. Será que me ficaria bem um corte mais curto assim? 

Senti o meu corpo arder e levantei o meu olhar flagrando Louis que me observava atento e pensativo. Mas desviou o olhar imediatamente. 

As horas passavam e nada daqueles dois terminarem a porcaria do trabalho. Notei que Anabelle também fumava, sempre acompanhava Louis quando ele tirava um cigarro do maço, como agora. Observei os seus movimentos e notei o quão sexy ele era ao colocar o cigarro entre os lábios sugando-o e libertando o fumo em seguida como se a calma o atingisse imediatamente. Suspirei com aquela imagem e Louis deu conta pois tragou o cigarro enquanto me encarava, bastardo. Xinguei-o mentalmente e levantei as sobrancelhas desafiando-o. Ele riu e negou com a cabeça achando graça aquelas provocações. 

 

 

- Ainda bem que amanhã é sexta. - Anabelle disse acompanhada de um suspiro. - Preciso sair para esquecer da semana cansativa que tive.

- Somos dois. - Louis respondeu - Vais na Playhouse NightClub? - perguntou e prestei atenção no que eles conversavam como não estava a prestar antes, o que Louis queria com aquela conversa? 

- Achas? É um pouco acima do meu rendimento. - lamentou-se rindo fraco. 

- E se eu conseguisse VIP's sem nenhum custo? 

- Não há como negar um VIP, Tomlinson. - disse e revirei os olhos, ela estava a achar que era íntima dele para o chamar assim? 

- Então amanhã vamos os dois, o Avicci vai tocar lá. Vejo que gostas desse tipo de música. - apontou para a camiseta dela e riram. Mas não achei graça nenhuma, ele tinha reparado no que ela vestia, no que mais reparou? Louis seria um homem morto se ousasse ir nessa festa com ela. 

- Gosto muito. Também gostas? - Louis assentiu - Boa, sempre tenho de ir sozinha quando quero curtir esses lugares, mais humildes claro. - corrigiu-se fazendo Louis rir.

- Então amanhã vai ser para aproveitar. - ri sarcástica enquanto olhava a revista como se não estivesse a ouvir a conversa mas sei que Louis entendeu, o seu olhar pregou em mim nos segundos depois antes de voltar para o trabalho, novamente. 

 

 

Então ele pensa que se eu não quero ir nessa festa na boate, ele pode convidar quem lhe apetece como se me substituísse? Louis, que se preparasse porque a Kate bitch iria atacar novamente. 


Notas Finais


UIUI Gostaram? Parece que Katerina está com ideias maléficas na cabeça kkkkkkk Quem chuta o que irá acontecer? O que vocês gostariam que acontecesse?


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...