História Não Entre - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Naruto
Personagens Gaara do Deserto (Sabaku no Gaara), Hidan, Hinata Hyuuga, Ino Yamanaka, Itachi Uchiha, Kakashi Hatake, Naruto Uzumaki, Neji Hyuuga, Obito Uchiha (Tobi), Sai, Sakura Haruno, Sasuke Uchiha, Shikamaru Nara, Temari, TenTen Mitsashi
Tags Luta, Mafias, Naruto, Policial, Sasusaku
Visualizações 896
Palavras 5.499
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Hentai, Luta, Policial, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência
Avisos: Álcool, Linguagem Imprópria, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Olá pessoas! Obrigada por todos os comentários e favoritos.
Resolvi publicar logo o Capítulo 1 para começar dar uma luz para vocês.
Utilizada a música Real World - The All-american Rejects como base.
Leiam as Notas Finais.
Boa Leitura!

Capítulo 2 - Capítulo Um.


Fanfic / Fanfiction Não Entre - Capítulo 2 - Capítulo Um.

 

Capítulo Um

 

Sakura despertou em sobressalto e demorou a compreender aonde se encontrava. Acordou em sua nova casa. Pensou que fosse um sonho. Apenas 26 anos e tantos acontecimentos em sua vida. Tantas mudanças. Os eventos do último ano insistiam em perturbar seu sono. Pegou seu celular no criado-mudo ao lado da cama. O relógio marcava 5:17h. Relaxou ao olhar para o teto com seus olhos verdes. Deixou o celular ao seu lado no travesseiro. Respirou fundo. Faltava algum tempo ainda para se levantar. Fechou os olhos. Lembrou de sua semana agitada. Voltou a dormir.

Passou os últimos dias em função de achar um apartamento para morar e fazer sua mudança. Como perita criminal e investigadora da polícia estadual da Califórnia, Sakura foi removida de sua lotação em San Diego para Los Angeles. Depois de três anos de serviços prestados na fronteira conseguiu pleitear sua transferência. O destino desejado era San Francisco, cidade de sua família, porém a única vaga aberta era em LA. Aceitou. Precisava sair de onde estava. O último ano foi conturbado demais.

Após várias visitas a apartamentos por toda a cidade decidiu alugar um no centro mesmo. O edifício localizava-se na rua Figueroa com a Nona Oeste. Eram 2,5km de distância, 8min de carro e 34min a pé. O apartamento era no décimo primeiro andar, algo simples. Uma cozinha conjugada com a sala, um quarto e um banheiro. Não precisava de mais. Não sabia quanto tempo ficaria, mas para o começo estava ótimo. Os móveis, em sua maioria, eram brancos. O ar de tradicional mesclava-se com o industrial. As paredes e o chão flutuavam entre tons de marrom e cinza entrando em harmonia com todo o resto. A sala e o quarto tinham janela em todo seu pé-direito.

O celular despertou, a acordando. Era quinta-feira. Alguns segundos e o irritante alarme é desligado. Aquele seria seu primeiro dia de trabalho na nova divisão. Não sabia o que encontraria. Sentou-se na beira da cama e esfregou os olhos. Olhou pela janela e o sol já brilhava tímido. Levantou-se e foi para seu banho matinal. Lavar a preguiça e renovar as energias. Criava alguma esperança que o dia seria ótimo.

Algum tempo depois e o banheiro estava submerso em vapor. Desligou o chuveiro, enrolou-se em uma toalha e saiu do banho. Parou em frente ao espelho o limpando do embaço. Olhou profundamente dentro de seus próprios olhos no reflexo. Estava ansiosa ou talvez com um pouco de medo. Algumas coisas simplesmente nunca mudam. Primeiro aprendemos a gatinhar e depois a andar. Aprendemos a falar e depois a gritar. E como na ordem natural da vida tudo tem uma primeira vez e ela normalmente vem acompanhada daquele frio na barriga inexplicável.

- O dia vai ser ótimo! – falou para si mesma. – Não tem o que temer. - Após terminar sua higiene andou em direção ao quarto e jogou a toalha em cima da cama. Sua mãe a mataria se visse aquilo. Colocou uma calça jeans preta, uma blusa de mangas comprida marsala. Secou seus cabelos rosados de qualquer jeito e foi a cozinha tomar seu café. Jogou a louça suja dentro da pia. Olhou o relógio na cozinha. Marcava 7:22h. Estava na hora de sair. Decidiu que seu transporte seriam as próprias pernas. Calçou suas botinas surradas. Melhor para a saúde, sem contar que evitaria o estresse de encontrar uma vaga de estacionamento no centro de LA. Vamos combinar, aquilo é um caos. Pegou sua bolsa e saiu. Seu destino era o Departamento de Polícia de Los Angeles na Main St com a Primeira Oeste. Lá iria conferir se tinha algum pequeno espaço no pátio que pudesse utilizar para colocar seu Onix branco no dia seguinte.

Caminhando pelas ruas Sakura pensava: “Bem-vinda ao mundo real.”. Este seria seu mundo real agora. Esperava que fosse diferente do mundo em que vivenciou em San Diego. Ela não acreditava que não viu a verdade. Aos passos apressados buscava um pouco de esperança, mas em cada rosto havia um olhar vago. As lembranças persistiam em tortura-la. Tudo exatamente igual. Mudaram as estações, nada mudou. As sombras estão por toda parte, mas ninguém parecia se importar. A escuridão inunda cada luz que poderia prometer mudança. Ela prendia a respiração. Seus pulmões queriam explodir.

Chegou em frente ao edifício em 30min. Era alto, todo em estrutura metálica e vidro. “Todos os edifícios daqui são assim?”. A medida que ficava agitada com suas lembranças caminhava mais rápido. Esquecia de respirar. Quando parou, ofegava. Reparou na movimentação de carros e pessoas chegando para o trabalho. Tudo muito familiar. A passos mais lentos, agora, dirigiu-se para a porta de entrada, que abriu ao movimento de sua presença. A frente, um balcão. Se aproximou.

- Bom dia! – Sakura cumprimentou, chamando a atenção da moça de cabelos curtos e castanhos que se encontrava sentada atrás da grande bancada de granito.

- Bom dia, em que posso ajudá-la? – respondeu sorridente.

- Sou nova no departamento, estou procurando a divisão de perícia e investigação.

- Distintivo, por favor? – Solicitou educada. Sakura entregou o que foi pedido e esperou até a mulher anotar o número do mesmo. – Sakura Haruno. – Sorriu novamente, devolvendo o pedaço de metal sobre couro a rosada que assentiu com um meio sorriso. - Quinto andar. – Observando Sakura procurar o local do elevador, continuou. – Pela direita a senhorita pode encontrar o elevador. Seja bem-vinda!

- Obrigada! – Respondeu. Guardou sua insígnia honorífica e seguiu ao elevador. Na frente das portas de metal, que se abriam, algumas pessoas esperavam. Apertou o passo. Alguém a avistou e segurou a porta para que conseguisse chegar a tempo. - Obrigada! - Disse adentrando. A caixa não estava cheia e ela agradecia por isso. Não gostava de multidões e apertos.  Apertou o botão do quinto andar. Esperou. O elevador deteve-se apenas no terceiro andar antes de parar no seu. Sakura saiu do elevador e empacou a frente das portas. – Com quem eu falo Senhor. – Falou baixo consigo mesmo. Olhava para todos os lados e não conseguia sair do lugar. A sua frente um corredor extenso com divisórias e portas de vidro. Para a direita e esquerda a mesma coisa. – E agora? – Não via ninguém.

- Yo! – Um loiro de olhos azuis gritou em sua direção, vindo do corredor a frente. – Sakura? – Pediu, se aproximando.

- Sim. – Ela respondeu. “Da onde ele saiu?”, pensou.

- Naruto. – Parando em sua frente. – Prazer! – Estendeu a mão para cumprimenta-la.

- Prazer! – Replicou, apertando a sua mão.

- Shizune me avisou que estava subindo. – Disse apontando o caminho da onde veio.

- Shizune? -  Perguntou confusa começando a caminhar ao lado do loiro na direção indicada.

- A recepcionista. – falou meio sem jeito. – Estávamos a aguardando. Já achou lugar para morar?

- Sim, já me instalei, obrigada!

- E o que está achando da cidade? – Virou a direita.

- Não tive tempo de ver muita coisa.

- Ah, mas nem com todo o tempo de mundo você vai conseguir conhecer tudo. – Falava com um sorriso no rosto. – Esta cidade é enorme.

- Nem me fale. – ela respondeu sem muito entusiasmo.

- Bom, é aqui. – Ele parou no final do corredor que dava para uma imensa sala. A sala era incrivelmente clara. Passava uma sensação de tranquilidade. Mesas e papéis para todos os lados. Os móveis eram brancos e pretos. Gente para todos os lados. As mesas e divisórias formavam uma cruz, fazendo com que seus ocupantes ficassem de frente uns para os outros. O pano de vidro que rodeava a sala tinha vista para as duas ruas opostas a rua de entrada. – Sua mesa fica no final da sala, ao lado da minha. – Naruto comentou e voltou a caminhar pelo corredor central entre as divisórias. Sakura percebia vários olhares em sua direção. Andou até chegar as últimas duas mesas. – É aqui. – Sentou-se em uma das mesas abarrotada de papeis. Sakura presumiu que a outra fosse sua, então largou sua bolsa de lado e se sentou.

- Então...- Sakura se recostou. – Já tenho serviço? – Sorriu, batendo os dedos nos encostos dos braços da cadeira.

- Claro. – Naruto deu uma risada e apontou para a pilha em cima de sua mesa. – Muita papelada, serviço burocrático atrasado... – pegou um monte entre seus braços. – Tem serviço de campo, mas por hora... – largou os papeis em frente a rosada e riu de alívio.

- Você parece feliz se desfazendo disso. – Sakura provocou apontando a pilha, enquanto o mesmo sentava-se outra vez.

- É que você parece tão sedenta por trabalho, parece tão prestativa. – Gargalhou. – E eu não sou do tipo apegado as coisas. – colocou as mãos atrás da cabeça e os pés sobre a mesa no espaço livre onde jazia o monte de papeis que acaba de se desfazer.

- Pelo que ouvi... – Um moreno de cabelos pretos médios amarrados no alto da cabeça chegou e entrou na conversa. – Ela não só aparenta, como é. – Deu um tapa nos pés de Naruto, fazendo com que o mesmo se assustasse.

- Chefe. – colocou os pés no chão desequilibrado e ficou ereto na cadeira.

- Bom dia! – o moreno ficou em pé na frente de Sakura e estendeu a mão. – Shikamaru, muito prazer.

- Bom dia! – Ela levantou depressa. – “Essas pessoas caem do céu? Por onde ele veio?”. – Matutava sozinha em seus pensamentos enquanto cumprimentava o que parecia ser seu chefe. – Prazer!

- Espero que Naruto já tenha apresentado o resto da equipe. – olhando o loiro de soslaio.

- Na verdade acabei de chegar. – Ela tentou protege-lo. – Só deu tempo de virmos aqui. – Sorriu amarelo.

- Não sei como as coisas funcionavam em San Diego, mas aqui trabalhamos em equipes. – Escorou-se no meio dos dois com as mãos nos bolsos e foi direto ao ponto. – Somos separados em times. O nosso time é denominado Tigre. – falava calmamente. - Eu sou o líder da equipe, dificilmente vou a campo, fico mesmo com o trabalho burocrático. Naruto é o investigador. – apontava o loiro. - E você será a perita criminal e dará apoio ao Naruto nas investigações. – Respirou. – O pessoal do laboratório e do necrotério não são exclusivos da nossa equipe. Eles fazem escalas em vários times já que o quadro possui funcionários limitados. – Ele a olhou para conferir se ela o estava acompanhando. – Mas sempre serão os mesmos caso precisemos dos seus serviços. Tudo bem?

- Ok! – Ela assentiu.

- Naruto. – descorou-se e virou-se para ele. - Apresente a ela Tenten e Gaara e depois mãos a obra.

- Sim chefe. – O loiro concordou e se pôs de pé.

- Sakura qualquer coisa que precisar estou na minha sala. – Fez um aceno com a cabeça e saiu.

- E onde é a sua sala exatamente. – Perguntou-se baixo, balançando a cabeça negativamente, enquanto se levantava.

- Depois eu mostro. – Naruto cochichou.

- Você escutou. – Toda sem jeito. Era outra pergunta retórica. Apenas recebeu um sorriso em troca.

- Em agradecimento por não me dedurar, já estava esquecendo deles. – Riu. – Estava tão feliz de me desfazer de um pouco de trabalho. – Começou a se movimentar. Voltava pelo corredor de onde vieram. - Já faz tanto tempo que não tenho um parceiro para me ajudar.

- Você já teve um parceiro? – Ela perguntou o seguindo.

- Sim. – Ele respondeu meio desanimado. – Ele também conseguiu uma remoção, como você. – Ele a olhou. – A vaga está aberta faz um tempo já, ninguém quer vir para cá.

- Por que não? – Indagou preocupada.

- Sabe como é, cidade grande, alta taxa de criminalidade, sem contar essas máfias que estão tomando conta da cidade e ninguém faz nada. – Entraram no elevador e ele apertou para o térreo.

- Máfias? – O novo mundo real dela pensou em seus ombros.

- Sim. – Ele a encarou. – Não tinha dessas coisas em San Diego? Penso que sim. – Ele mesmo respondeu sua pergunta colocando as mãos no bolso. - Ainda mais na fronteira com o México. Você devia ver muito disso lá.

- Sim. – Ela respirou cansada e atordoada. – Só achei que ia fugir um pouco disso vindo para cá, mas acho que fui tola. – Deu de ombros, abaixando a cabeça e olhando seus pés.

- Era o que você fazia, então? – Ele estava curioso.

- De certa forma. – Respirou fundo. O elevador abriu as portas e eles saíram para a esquerda entrando em um corredor cheio de portas. - Nos dois primeiros anos eu realmente só periciava e ajuda nas investigações. Não eram só homicídios. Tinha também desabamentos, incêndios, explosões. Nós estávamos lá para dizer se eram criminais ou não. Mas uma série desses acontecimentos deixaram de ser apenas fenômenos isolados. Estavam ligados diretamente com o tráfico de drogas e os cartéis que dominavam a região. – Ela não tinha se preparado para essa pergunta. – Quando isso foi constatado entrou em cena uma equipe formada pela CIA, FBI e a polícia local. – Ele a olhou pedindo um minuto, bateu em uma porta e entrou.

- Tenten!. – O loiro gritou e acenou para a moça de cabelos castanhos amarrados em dois coques no fundo da sala. – Vem aqui conhecer nossa nova parceira. – Estava sorridente.

- Oi! – Ela disse largando algo na bancada e vindo de encontro aos dois.

- Tenten, essa é a Sakura. – Apontava a de cabelos rosa. – Sakura, essa é a Tenten. – fazendo o gesto ao contrário. – Ela é nossa laboratorista.

- Oi! Prazer! – Sakura disse sem jeito. Deu graças que não precisou continuar sua história. Não saberia contornar as perguntas do loiro.

- Prazer! – A morena a abraçou. – Que bom que temos mais uma mulher no time. – Deu um soco no braço de Naruto despois de se afastar de Sakura. – Não aguentava mais ser a única no meio desses tigres machistas. – Sorriu.

 - Para com isso Tenten, vai assustar a moça.

- É bom que ela saiba desde o início onde está se metendo. – Conversavam como se Sakura não estivesse ali.

- Tenten! – Outra voz masculina entrou na sala. O ruivo de cabelos espetados caminhava com o rosto enfiado em uma pasta. – Preciso que você faça um exame de... – Quando ergueu a cabeça vislumbrou a sala cheia e se calou.

- Gaara, que bom que veio até aqui. – Naruto foi logo dizendo. – Assim não precisamos descer no seu covil. – Rindo. – Essa aqui é a Sakura, nossa nova parceira.

- Prazer! – Ela disse, estendendo a mão. “Essas apresentações nunca vão acabar?”

- Prazer! – Ele a cumprimentou apertando sua mão. – Sou o médico legista. – Estava sério. – Agradeço que também está aqui Naruto. – Não se demorou nas apresentações e foi logo falando. - Esse exame que ia pedir para a Tenten é sobre a sua vítima de ontem. – Parou e folhou a pasta que trazia em mãos. – Ela tem sinais de abuso. – Concluiu, fechando a pasta e entregando um tudo nas mãos da morena.

- Então Tenten faça o exame de DNA e faça a busca no banco de dados. – O loiro complementou.

- Eu sei o que preciso fazer Naruto. – Retrucou pegando o swab das mãos de Gaara.

- Claro que sim. – a imitou revirando os olhos, feito criança. Sakura riu.

- Preciso conhecer mais alguém? – Indagou se recompondo.

- De importante? – Naruto batia o indicador em seu próprio queixo. – Acho que não. – E sorriu. – Vamos voltar antes que Shikamaru venha atrás de nós. – Arrepiou-se.

- Eu não quero nem ver uma coisa dessas. – Gaara disse virando de costas e saindo, erguendo a mão em um aceno de despedida.

- Muito menos eu. – Tenten foi a próxima a se manifestar, empurrando os outros dois, porta afora. – Amanhã depois do expediente sempre vamos num bar aqui próximo tomar umas e relaxar da semana. Você vai, não é? – Os olhos castanhos da morena, que agora tinha as mãos na porta, brilhavam em direção da recém chegada.

- Vai sim. – Naruto respondeu quando Sakura o olhou sem entender nada.

- Muito bem, até mais. – Fechando a porta na cara dos outros dois.

- Quanta delicadeza. – O loiro bufou, enquanto se virava para tomar o caminho de volta. – Não liga não Sakura, você vai se acostumar. E então, eles fizeram a força tarefa e...?

- É isso. – Ela respondeu sem olhar para o loiro que a observava. Não queria continuar aquela conversa. Não queria se lembrar.

- Você não fazia parte da equipe?

- Sim. – Foi seca. Naruto entendeu o recado e mudou de assunto.

- Esqueci do Sai. – Eles já estavam na frente do elevador novamente. – Ele é nosso técnico de informática, vulgo, hacker. – Sorriu feito um bobo. Sakura suspirou. As apresentações não tinham fim.

- Sabe, eu queria fazer algo mais pela cidade. Não acho certo o que acontece. – Falava enquanto o elevador subia ao décimo segundo andar. – Todos parecem que fecham os olhos para os acontecimentos. Todos têm medo. O medo não deveria guiar nossas ações. É o que eu acho. – Sorriu sem jeito.

- Concordo. – Sakura afirmou espantada. Ele pensava exatamente como ela. – Quem sabe nós dois juntos consigamos fazer algo. – Retribuindo o sorriso.

- Quem sabe? – levantou os ombros. O elevador abria as portas. Os dois caminharam por mais um corredor cheio de divisórias de vidro e entraram em uma das salas que estava com a porta aberta. – Sai? – O loiro chamava.

- Naruto...estou aqui. – a voz vinha de trás dos computados e equipamentos da sala.

- Sai, sai daí. – Naruto mandou. – Venha conhecer nossa nova parceira.

- Estou indo. – Gritou em resposta logo aparecendo na vista. Sua pele era branca como a luz e o cabelo preto feito a escuridão – Olá! – Seus olhos se fecharam quando ele sorriu. – Sou o Sai, prazer. – Disse chegando perto dos dois e estendendo a mão.

- Sakura. – Ela disse retribuindo o sorriso e o aperto de mão.

- Desculpe, estava arrumando uns fios que estavam desconectados. – Apontava, com o polegar, para o lugar de onde saíra. – Eu não sei quem nesse maldito prédio tem tempo para ficar fazendo essas brincadeiras de mal gosto comigo. Já estou cansado disso. – Arfou.

- Bom, quem sabe se você conversasse com o Gaara...- Naruto começou, mas foi interrompido.

- Não termine. – Ele levantava a mão em frente ao rosto do loiro. – Aquela criança. Sem contar que o Shikamaru fica o defendendo. – Sua mão estava em sua testa agora, cobrindo os olhos enquanto sua cabeça balançava em negação. – Antes que eu perca meu emprego é melhor eu continuar aturando as traquinagens daquele idiota. – Virou-se de costas e voltava para trás dos equipamentos. – Se me dão licença, preciso terminar aqui para poder trabalhar. Até mais. – E sai de vista novamente.

- O que aconteceu aqui? – Sakura estava confusa.

- Longa história. – Naruto sorriu e voltou a andar. – Resumindo, Sai está agora com a ex de Gaara, que é cunhado de Shiakamaru.

- Está legal! – Ela arregalou os olhos e suspirou. Agora entendia porque Shikamaru não tinha mencionado Sai.

Voltaram para seus afazeres. Se Sakura precisasse conhecer mais alguém acho que teria um infarto. O resto da manhã passou voando. Almoçaram no restaurante da esquina, ao lado do departamento. Nada como ter algo para se ocupar. Sua rotina já mostrava os primeiros sinais de como seria. Isso não a assustava, por outro lado, a acalmava.

Voltou para casa. Já estava escuro quando chegou. Largou a bolsa na bancada da cozinha, enquanto tirava o calçado. Se jogou no sofá. Ligou a TV. Passava de canal. E nada a interessava. Passava de canal. Realmente não assistia. O dia foi ótimo. Pensava. Ela acertou. Agora ela sabia que não estaria sozinha. Deu sorte no novo parceiro. Ou não. Deu sorte no último parceiro e quase morreu. As sombras que estavam por toda parte se amenizaram ao achar alguém que se importava. A escuridão já não inundava cada luz que poderia prometer mudança. Poderia ser qualquer um que não quisesse realmente resolver os problemas. Mas Naruto queria. Talvez isso fosse um problema. Ela queria paz e calmaria. Queria esquecer o passado. Entretanto, não conseguia deixar de ser ela. Era certa demais. Sensata demais. Não deixava nada pela metade. É, com certeza ela teria problemas.

 

 

- Todos prontos para o happy hour? – Tenten perguntava animada enquanto chegava com seu toc toc das sandálias. A sexta-feira à tarde chegou tão rápido que Sakura nem percebeu. A morena não estava com a mesma roupa do dia. Estava arrumada. Ela era a última a se juntar ao grupo. Todos estavam no quinto andar. Inclusive Shikamaru. Em volta das mesas de Sakura e Naruto.

- Só faltava você. – Shikamaru reclamou. – Como sempre.

- Então vamos. – Saiu fazendo barulho com seus saltos em direção a saída.

O grupo a seguiu. Sakura ficou para trás com Naruto.

- Podia ter me avisado que eu precisaria trocar de roupa. – Segurava o braço do loiro e cochichava ao seu lado. A bebida depois do trabalho que conhecia não envolvia saltos e maquiagens.

- Fica tranquila. – Ele sorriu. – Para a próxima você já sabe. – Não recebeu resposta oral, só uma careta e continuou. – Ficaria mais preocupado com os marmanjos que podem dar em cima de você. – Gargalhou.

- Eu hein. – Ela soltou o braço dele. – Tenten que deveria se preocupar.

- Você que pensa! – Ele estava se divertindo com a situação. – Vou te falar um negócio, mas não vai desistir de ir. – Ela assentiu. – Todos nós somos comprometidos, menos Gaara e você.

- Está sugerindo alguma coisa Naruto? – o encarou.

- Não. – Ele gargalhou. Entraram no elevador. A conversa era banal. Sai reclamava com Gaara e Shikamaru tentava intervir, enquanto Tenten e Naruto faziam piada e riam até doer a barriga. Sakura apenas escutava os outros. “Onde fui me meter?” com um pequeno sorriso nos lábios. Sincero desta vez. Saíram do prédio e foram a pé em direção ao pub localizado atrás do departamento.

- Como Gaara aceita sair com vocês toda sexta-feira sozinho?  Sakura perguntou a Naruto. Os dois ficaram para trás novamente.

- Temos mais alguns amigos solteiros que se juntam a nós.

- Entendi. – Respirou fundo. – Mais um mar de gente para eu conhecer.

- Pode ir se preparando. – Naruto brincou. Mas para Sakura com certeza não era uma brincadeira. Eram muitas interações sociais em pouco tempo. Seu limite já tinha se esgotado para o resto do ano à terceira pessoa que teve que dizer prazer. 

Atravessaram a rua. Mais alguns passos e estavam em frente ao bar. The Edison. Entraram. Passaram pelo hall de entrada que trazia uma iluminação laranja. Mais um pouco e chegaram ao salão. Sob luzes amarelas o lugar era sofisticado, e apesar do chão em cimento queimado e as paredes sem revestimento, o lugar parecia realmente elegante. Nem o próprio reboco era novo, em algumas partes estava degradado, com resto de tintas em algumas regiões e sua superfície era tudo, menos regular. A escada que dava para o andar superior era de ferro, áspera e sem pintura. Os móveis eram escuros, pareciam que tinham vindo do século passado. O bar ficava na parede a esquerda. Ao fundo, o palco com uma pista de dança a frente. A parede que dava para a rua tinha mesas espalhadas. A direita, pequenos camarotes com sofás de couro e uma mesa de centro. Na parte de cima eram as áreas vips, com salas mais privadas e a área de fumantes.

Sakura ficou admirada com o lugar e soube que sua calça jeans, sua camiseta preta com decote V solta e seu tênis envernizado preto não eram a melhor combinação. Suspirou. Era o que tinha para aquela noite, então não se importou muito. Seguiu o grupo em direção aos camarotes. Eles pararam no do meio. Sakura ficou para trás. Como de costume. Mais um suspiro. Iria começar. Viu cada um de seus companheiros de trabalho com alguém do sexo oposto. Menos Gaara é claro. Esse cumprimentava outros três rapazes que se encontravam lá.

- Sakura. – Naruto se prontificou. – Vem aqui. – Chamou. – Vou te apresentar o pessoal resumidamente. – Ele riu enquanto a rosada agradecia mentalmente a iniciativa do colega. – Todo esse pessoal aqui que você não conhece trabalha na mesma empresa de engenharia que fica no prédio da frente do nosso. – Enquanto falava gesticulava com as mãos e os outros prestavam atenção. – Essa é Hinata, minha esposa e ela é uma das advogadas. – Ele abraçava uma mulher com cabelos longos e negros, olhos perolados e uns peitos de dar inveja. Sakura sorriu. – Essa é a Ino, a outra advogada. – A loira platinada de cabelos longos e olhos azuis estava agarrada em Sai. Não precisou dizer mais nada. Mais um sorriso – Temari é a contadora. – apontava para a outra loira abraçada a Shikamaru. Apresentava certa similaridade com Gaara. Outro sorriso. – O outro contador é o Lee. – Apontava para um dos rapazes com cabelo estranho próximo a Gaara. Sorriso. – Aquele junto a Tenten é o Neji, um dos engenheiros. – Este era cabeludo e olhos iguais ao de Hinata. Ela não pode deixar de notar a semelhança. Mais um sorriso – Os outros dois engenheiros da empresa são Kiba. – Apontava um baixinho de cabelos castanhos. – E Shino. – Um alto de cabelos pretos espetados. Mais sorrisos. Respirou fundo. Terminou. Não havia mais ninguém ali. Relaxou as bochechas. Já estavam trêmulas. – E por fim o dono da empresa...- “Ah não!”. Ele procurava alguém. “Cairá do céu como os outros?”. – Ué, cadê o Sasuke? – Perguntou sem ninguém em específico.

- Está nunca confraternização com o conselho da empresa no andar de cima. – Ino respondeu. – Já deve estar descendo. – Concluiu.

- Bom, então quando ele chegar eu te apresento ele. – Sakura só assentiu. – Então pessoal, essa é a Sakura, nossa nova parceira. - Todos falavam ao mesmo tempo. Parabenizavam, desejavam boas vindas e ofereciam ajuda caso fosse necessário. Sakura agradecia. Precisava ir ao banheiro. Precisava respirar. Jogar uma água no rosto. Estava zonza com tudo aquilo.

- Hinata certo? – Tocou o braço da moça que estava mais perto e essa assentiu. – Eu vou ao banheiro e já volto.

- Quer que eu vá junto? – se prontificou.

- Não, não! Não precisa. – Sorriu, de novo, amarelo. – Só estou avisando para não ficarem preocupados. – Apontou seus companheiros de serviço. Recebeu um sorriso em troca e sumiu no meio da multidão que já se juntava ali.

Atravessou o salão em direção ao banheiro. Estava ficando cheio de mais. Entrou. Como estava no começo da noite, este ainda estava limpo, vazio e sem filas. Apoiou-se na pia. Respirou fundo. Nunca tinha conhecido tantas pessoas em tão pouco tempo. Olhou-se no espelho sem ver. Para quem era de poucos amigos, aquilo estava sendo inusitado. Mirou seu reflexo. Não sabia se gostaria de todos ou se, se daria bem com todos, mas por uma primeira impressão, eles pareciam uma família. Não conhecia nenhum realmente. Dois dias são muito pouco para isso e não queria criar pré-conceitos. Mas nunca nem tudo são flores. Abriu a torneira. Passou uma água gelada no rosto e no pescoço. Encarava a si mais uma vez. Estava na hora de enfrentar a noite. Fechou a torneira. Secou-se. Na porta do banheiro escutou o barulho da música, que já era alto demais. Abriu.

- Vamos lá, você consegue. – falou pra si mesma. – Só preciso de uma cerveja. – Caminhou. Já estava difícil se esquivar das pessoas. Pedidos de licença eram constantes. Chegando perto do camarote em que se encontrava anteriormente já podia ver a presença de mais uma pessoa, que não estava lá antes. “Deve ser o tal de Sasuke”. Se aproximou mais e teve a impressão que já o conhecia. Se arrepiou. “Mas não pode ser”. Parou no meio do caminho. Prendeu a respiração. Naruto a avistou lá parada. Fez um escândalo com os braços a abanar. O rapaz ao lado dele se virou. Ela o fitou. Soltou a respiração. Fechou os olhos por um segundo. Relaxou. Voltou a andar. Quando chegou tentava não olhar o homem alto de cabelos negros e olhos ônix ao seu lado.

- Nossa Sakura, parece que viu um fantasma. – Entregava uma long neck em suas mãos.

- Pensei que sim. – aceitou de bom grado a cerveja.

- Sakura esse é o Sasuke. – Ele apontava o amigo. Ela se obrigou a olhá-lo – Sasuke essa é a Sakura.

- Naruto ia atrás de você se não chegasse logo. – O moreno colocou uma das mãos nas costas da rosada e falava em seu ouvido. – Prazer! – Depositou um beijo em seu rosto.

- Prazer! – Retribuiu com um sorriso toda sem jeito.

- Ele é um dos donos da empresa que eu estava falando Sakura. – Naruto começou a tagarelar de novo. – Fica em frente do departamento, não sei se você chegou a reparar...

- Não. – Ela respondeu com um meio sorriso. Não conseguia para de fita-lo. Aquela sensação de que já o conhecia insistia em martelar em sua cabeça. “Eles são tão parecidos”.

- Você precisa de algo? – O moreno a perguntou. Estava ficando constrangido com os olhares dela.

- Não...- ela saiu de seu transe. – Me desculpe! - Falou sem jeito olhando o chão. – Você é muito parecido com alguém que eu conheço. – O fitou de novo. – Realmente parecido. - Recebeu só um sorriso em troca. Decidiu que precisava sair dali. Um turbilhão de lembranças vinha em sua mente. Não queria estragar sua noite com coisas do passado. Viu todas as garotas reunidas em um dos cantos. É para lá que ela iria. Passou na frente dos garotos. Parou ao lado de Tenten. Bebericou sua cerveja.

- Então mocinha... – Tenten começou a falar quando percebeu sua presença. – Qual vai ser?

- Qual vai ser o que? – Sakura não entendeu. Mais um gole.

- Não se faça de desentendida. – Ela bufou. – Você é nova no pedaço, todos os meninos estão babando em você. – Apontou o grupo masculino solteiro no canto oposto. - É só escolher.

- Eles não estão babando. – Ela começou se virando para a turma apontado por Tenten. – Eles são homens, pura testosterona, precisam mostrar quem é o mais viril, ou seja, só estão disputando quem vai levar o troféu por primeiro.

- Por primeiro? – Hinata indagou confusa.

- Sim. – A Rosada se virou para elas. – Se alguns deles conseguir algo comigo, ainda assim, não vai impedir os outros de tentarem. – Todas riram. Sakura tomou mais um gole de sua garrafa e precisou rir também.

- Pelo que eu percebi, Sasuke tem mais chance. – Ino provocou. – Pelo menos ele foi mais atrevido em te cumprimentar e o jeito que olhava para ele... – Fazia uma cara assanhada. – Foi no mínimo suspeito. – Todas concordaram entre risos.

- Não é isso. – Ela respondeu sem jeito. Suspirou – Ele se parece muito com alguém que eu conheço. – Balançava a garrafa em direção do moreno. – Só isso. – Deu de ombros.

- É algum ex namorado? – Temari se pronunciou pela primeira vez.

- Longe disse. – Ela respondeu. Mais um gole. Virou-se para as meninas novamente. – Vamos mudar de assunto? – Sorriu.

Uma, duas, três cervejas. Todos já estavam começando a ficar alegres. Quatro, cinco cervejas. Hinata, Tenten e Ino estavam bêbadas. Seis, sete cervejas. Todos já embalados. Aquela noite era um DJ que agitava o bar. Seu repertório era eclético e agravada a todos. Pop, rock, eletrônico, country... Um pouco de tudo. Foram poucas as vezes que Sakura ficava sozinha. Sempre tinha alguém ali para lhe fazer alguma pergunta ou lhe encarar de longe. Todos curiosos em saber um pouco mais quem era Sakura Haruno. Foi até questionada se seria capaz de ficar com um dos garotos comprometidos. Elas precisavam saber se a rosada representava alguma ameaça. Ela apenas riu e negou com veemência. O ar começou a ficar pesado. Estava começando ficar sufocada. A luz estava a deixando tonta. O barulho do som e das risadas ecoavam em sua cabeça.

- Ino. – tocou o braço da loira. – Vou lá em cima tomar um ar e já volto.

- Quer que vá junto? - A loira pediu, meio sem vontade, depois de captar o recado.

- Não, vou sozinha, não se preocupe. – Precisava ficar sozinha. Um momento que fosse.

Ela passou por todos e saiu em direção a escada. Subiu devagar. Um degrau de cada vez. Segurava-se no corrimão. Chegou no andar de cima. Corredores para os dois lados. A frente um deck ao ar livre. Era a área de fumantes. Seguiu nessa direção. Estava cheio lá também. Esgueirava-se entre as pessoas para tentar chegar na beirada. Avistou um espaço livre no canto direito. Dirigiu-se para lá. Inclinou-se para frente escorando os cotovelos na proteção de madeira. As mãos estavam do lado de sua cabeça massageando as têmporas. Olhos fechados. O ar frio invadia seus pulmões. Como era bom poder respirar. De repente algo a tirou do seu sossego. Arregalou os olhos. Só poderia estar sonhando. Aquela voz a fez estremecer. Virou-se. Não acreditava no que seus olhos mostravam. Suas pernas falharam. Segurou-se. Ele conversava com outro homem. Parecido com ele. Outro que não era Sasuke. “Quantos deles existem?”. Seus olhos se encontraram. Ela prendeu a respiração. Virou-se para frente de novo. O mais rápido que pode. Torcia para que ele não tivesse verdadeiramente a reconhecido. Ledo engano.

- O último lugar que pensei que te encontraria. - Ele chegava ao seu lado fumando seu cigarro. Ela respirou fundo. Contou até três. Virou-se. Sorriu falso.

- Itachi!

 


Notas Finais


E então? O que acharam? O que será que a Sakura tem com o Itachi? Querem tentar adivinha? HSUAIHSUIAS
Os primeiros capítulos sempre são um pouco chatos, mas prometo que virão acontecimentos de tirar o fôlego.
Estou divulgando a minha história por aí e agradeço a todos que tiraram um tempinho para conferir, isso significa muito para mim, podem ter certeza :D Obrigada de coração <3
Bom pessoas, aqui está alguns links dos lugares que foram mencionados neste capítulo. Se vocês tiverem interesse de ver como é:
https://imgur.com/GWHKO95 > Apartamento Sakura
https://imgur.com/WiyD9Ps > Mesas Sakura e Naruto
https://imgur.com/cLy9Y7E > The Edison
Não estou conseguindo colocar os links como nos comentários, se alguém souber como faço (vergonha kkkkkkkkk)agradeceria.
Até o próximo Capítulo :*


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...