História Não odeie Park Chanyeol - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias EXO
Personagens Baekhyun, Chanyeol, D.O, Kai, Lu Han, Sehun
Tags Aposta, Chanbaek, Festa, Hunhan, Kaisoo, Mistério
Visualizações 175
Palavras 4.340
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Esporte, Festa, Hentai, Lemon, Mistério, Romance e Novela, Yaoi
Avisos: Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Voltei com mais uma atualização no tempo prometido.

obrigada pelos favoritos.

Não tenho muito o que falar hoje então...

~~Boa leitura~~

Capítulo 3 - 0481


Fanfic / Fanfiction Não odeie Park Chanyeol - Capítulo 3 - 0481

                                                                                  Capitulo 3 - 0481 

                                                           

 

O céu estava limpo, o sol era vibrante, os pássaros cantavam e transitavam entre as várias árvores do campos, no céu as nuvens que preenchiam o espaço azul formavam desenhos engraçados se você olhasse fixamente para elas, o falatório era notável no ambiente, as pessoas andavam de um lado para o outro e observavam a cena um pouco assustadas e paravam imediatamente para acompanhar o destinatário do tumulto que estava acontecendo – povo fofoqueiro na minha humilde opinião -  naquele exato momento tudo que estava acontecendo era um pouco/muito comum para os veteranos daquela faculdade mas não para os novos estudantes que olhavam abismados para a cena. 

 

-Você vai ver o que eu vou fazer com você seu... inútil escroto – para meu azar – como se eu tivesse alguma sorte – o grupo de artes plásticas estava com uma barraca bem ao lado da minha e você sabe o que o grupo estava fazendo? Pintando... sim, pintando. Você já deve imaginar o que aconteceu - Por que essas coisas sempre acontecem comigo? Por que o destino não pode estar ao meu lado pelo menos uma vez? - Nos meus pensamentos eu achava que o Park era tão burro como uma porta. Mas ele pela primeira vez me surpreendeu quando olhou para a barraca, olhou para mim, olhou para barraca depois soltou um sorrisinho que eu tanto odeio – esse sorriso significa que o que ele está prestes a fazer vai estragar totalmente o meu dia – e não foi diferente. Mas vamos fazer alguns tópicos:  

 

A velocidade é muito importante nesse momento, mas é claro que ele vai ganhar pois se comparamos a velocidade entre nós dois  é a mesma coisa que botar uma lebre e uma tartaruga para competir em uma corrida então digamos que eu tenho 3 opções: 

 1 -  aceitar o desafio e – tento - correr atrás da lata de tinta que está mais próxima de mim.  

 2 - correr/fugir até meu pulmões saltarem pela boca. O que não era tão ruim, mas para o Byun corajoso Baekhyun fugir nunca é uma opção! 

3 -  Enfrentar o grandão/poste quando ele pegar a lata de tinta, que provavelmente ele vai pegar. 

 

Eu tinha 3 escolhas ao meu dispor então eu resolvi escolher a primeira - sem pensar muito, é claro. Eu nunca ia conseguir pegar aquela lata de tinta antes do Dumbo, Chanyeol corre em volta desse campo umas 50 vezes por dia e eu que só de levantar da cama já estou cansado -  mas eu sei que no fundo no fundo do meu coraçãozinho eu queria escolher a segunda opção – sair correndo era a melhor opção sem dúvidas nenhuma mas como eu sou um puta de um orgulhoso e claro que eu não ia sair correndo que nem uma mariquinha eu tinha uma reputação a manter - a primeira opção provavelmente vinha em conjunto com a 3 então se eu corresse só ficaria com o meu orgulho ferido e a minha reputação destruída além de lhe dar a vitória (H-U-M-I-L-H-A-N-T-E) - eu nunca ia pegar aquela lata e eu teria que brigar com o poste de qualquer jeito então... nós olhamos fixamente um para o outro e ficamos nos encarando por um certo momento. Parecíamos aqueles caubóis que se encaram prestes a começar uma briga dava até para ouvir aquela musiquinha de filmes de Hollywood. 

 

-Parem de se encarar e comecem a briga logo seus putos do caralho! - Alguém muito nervosinho (na minha opinião) falou. 

 

Quando nós saímos do transe corremos em direção as tintas que estavam no chão não muito longe de onde estávamos. A menina de cabelos pretos e curtos que estava pintando o quadro nos olhou como se fossemos marcianos, ele pegou a tinta primeiro, mas o que mais me surpreendeu foi que eu também alcancei a lata de tinta milésimos de segundos depois dele. Será que eu estou ficando mais veloz? Tão de repente assim? Há algo de errado. 

 

Ele puxou a lata, eu puxei de volta. Isso me lembra do episódio do refeitório quando a Momo ficou toda suja por causa de sua insistência. Pelo jeito o Park tem muito em comum com ela, mas é aquele ditado, né? Você e o que você come. Dei uma risadinha breve o que resultou no enfraquecimento dos meus braços – eu já não era tão forte como o Park então as puxadas que ele dava já me faziam arrastar meus pés no chão sujando meus tênis branquinhos - ele puxou a lata com força, mas minha mão já não estava no local, eu como um iludido, tive a breve esperança dele se sujar como aconteceu com a Momo, mas não foi isso que aconteceu – a lata estava fechada. Por que? Tão injusto. 

 

-Tão fraco! Parece uma menininha - falou se aproximando de mim e abrindo a tampa da lata. Eu não acredito que isso está acontecendo comigo. Justo eu? E o pior é que ele estava com aquele mesmo sorrisinho escroto nos lábios. 

 

-Menininha teu cú arrombado do caralho! - gritei. E mais uma vez usei minha linda boquinha pra falar merda. 

 

-Você que é o arrombado seu infeliz... a espera um segundo... eu esqueci que você é.... - se aproximou mais um pouco em suas mãos a lata já estava aberta colocou a mesma em cima da minha cabeça, mas não a virou – virgem? - falou em um tom claro de deboche. Todos começaram a rir e apontar para mim – qual é o problema desse povo? Tudo que acontece eles apontam – eu me encolhi um pouco. Afinal eu estava um pouco/muito envergonhado eu não queria ser virgem eu só não tive a oportunidade... afinal é errado esperar alguém especial? Por que ser virgem aos 22 anos é motivo de chacota? Eu não entendo.

 

-Não se atreva a fazer isso! - gritei de tanta raiva que eu sentia daquele troço, o rosto dele estava bem perto do meu, eu podia sentir sua respiração bater conta a minha pele. 

 

-Pode acreditar que eu vou fazer! - antes que eu pudesse contestar alguma coisa ele virou a lata de metal com tinta azul no topo da minha cabeça pude sentir o cheiro forte atravessando minhas narinas e a temperatura fria que tinha a tinta escorrendo pelos meus fios pretos e imediatamente fechei meus olhos eu ouvia as risadinhas que eram proferidas das pessoas fofoqueiras que acompanhavam a cena. Eu não podia deixar que minha imagem fosse de o nerd que todos caçoam – era isso que os novatos iam pensar de mim e eu não queria isso. Não mesmo. Como eu tinha prometido a mim mesmo que ia enfrentar isso não ia deixar barato então assim que ele se afastou quando derramou todo o líquido em mim, eu me virei e vi que a mesma menina já estava com outra lata em mãos, então, eu me aproximei da mesma e peguei a lata. 

 

-AH.. Não de novo não - a menina fofinha dizia. 

 

-Me desculpe mas eu preciso fazer isso – eu até que me senti mau pela pobre menina. 

 

A lata já estava aberta e quando  eu me aproximei mais Chanyeol estava de costas se exibindo para o grupo que nos assistia. 

-Seu  dumbo! Você vai ver o que eu vou fazer! - quando eu chamei sua atenção ele se virou de frente para mim e eu joguei a tinta na cara dele... laranja... essa era a cor. 

 

-Seu desgraçado - ele avançou em cima de mim já com o punho levantado, mas graças a umas aulinhas de defesa pessoal que eu fiz a alguns anos atrás eu consegui me esquivar... mas não consegui me livrar do outro soco que ele me deu logo em seguida bem no meu rosto... meu lindo rostinho... e aquilo estava doendo pra caralho já não bastava a bola ter acertado minha cabeça agora esse infeliz acerta um soco no meu rosto? No rosto não porra tudo menos no rosto.  Mas como sempre eu não ia deixar barato. Eu fui com tudo para cima dele, com o peso do meu corpo e do impulso que eu tinha dado nós caímos no chão e eu fiquei em cima dele com uma perna de cada lado acertei seu rosto com um soco com toda força que eu tinha, depois outro e mais outro. Eu não entendia...  por que dele não estar revidando?  

 

-Sr. Byun por favor saia de cima do Sr. Park e me acompanhe até a minha sala! - gelei... queria estar morto nesse exato momento. O reitor estava me chamando... e eu estava em cima do Chanyeol batendo nele... a situação não era nada boa para mim – Você também deve me acompanhar Chanyeol, preciso de uns esclarecimentos – Ditou sério já saindo do local... olhei pra baixo e eu ainda estava em cima do Chanyeol. O rosto dele estava todo sujo de tinta parecia uma laranja gigante.

 

-Sai de cima de mim porra! - ele gritou e eu logo saí de cima dele - não que eu quisesse ficar em cima dele não me entendam mal por favor, mas e que eu estou tão preocupado com o que vai acontecer nessa conversa com o reitor que eu estou meio avoado – estava gostando é? 

 

-Quê? Do que você tá' falando?  - Do que aquele troço estava falando? Odeio quando usam piadinhas de duplo sentido em momentos ruins. Poxa eu posso ser expulso.  

 

-Tinha que ser virgem mesmo – se afastou se dirigindo para fora do campo, lá vem ele com esse papo de virgem de novo. Ele por acaso é viciado em sexo?  

 

O pior disso tudo é que eu estava ainda todo sujo de tinta... minhas lindas roupinhas... meu cabelinho.

 

-Baek! Baek! - Ouvia meu nome ser chamado e foi fácil ver que eram os meninos pois a multidão de fofoqueiros que tinha ali a alguns minutos atrás não existia mais. 

 

-O que foi? - perguntei calmo. 

 

-O que o reitor falou? - Luhan perguntou curioso. 

 

-Ele disse para ir à sala dele. 

 

-O Chanyeol também vai? - Kyung perguntou. 

 

-Como você pôde fazer isso Baek? - Luhan questionou. 

 

-Sim ele vai, mas está claro que ele não vai ser punido é o namorado da filha do reitor – disse em tom de deboche – eu não sei como eu fiz isso, eu fiz tudo sem pensar nas consequências como em tudo que eu faço - Vocês viram tudo? 

 

-Mas é claro que vimos! Como você pôde se descontrolar assim? Sabe que  tem que se manter longe de confusão pôr causa da bolsa! - Luhan era o mais maduro é o mais velho então ele  se sentia responsável por controlar e ajudar os mais novos. Como um irmão. 

 

-Eu sei hyung eu sei, mas eu não pensei nisso na hora, eu estava com tanta raiva que só pensava em me vingar. 

 

-Mas vingança nem sempre é bom Baek. Não vê sua situação agora? O Park não vai sofrer nada e você pode perder sua bolsa por causa de uma infantilidade dos dois. - Luhan estava completamente certo. Como eu pude fazer isso tudo sem pensar nas pessoas ao meu redor eu fui egoísta e só pensei em mim mesmo, não pensei na pessoa que eu mais amo que é a minha mãe e no futuro melhor que quero dar para nós dois.  

 

-Você tem que esquecer ele e o ignorar também se não vai ser pior se você continuar com essas brigas. 

-Eu sei, Soo..., mas lembra da promessa que eu fiz a mim mesmo? Que nunca ia abaixar a cabeça pra ninguém. Quando uma briga começa eu só tenho esses pensamentos em mente e não me controlo. 

 

-Essa sua promessa fez bem para você..., mas você tem que se tocar que nem sempre tem que se vingar é só esquecer e olhar para a frente... esquecer é a melhor parte... você não precisa abaixar a sua cabeça, não, isso nunca, mas também não provocar é uma boa. 

 

-Será que o reitor vai me expulsar? - eu estou morrendo de medo será que por uma infantilidade minha eu vou perder a bolsa? Acho que eu até me ajoelho para pedir uma segunda chance... isso seria muito radical, mas minha mãe depende de mim para ter um bom futuro então eu tenho que jogar meu orgulho no foda-se e fazer o que for preciso para continuar estudando aqui. 

 

-Não, claro que não! Você tem uma das maiores notas da faculdade e já trouxe muito reconhecimento para a instituição, ele não pode te expulsar... eu acho. 

 

-Eu tenho que ir agora, depois eu falo com vocês - fui me despedindo e indo em direção a saída do campo. 

-Okay. 

-Boa sorte. Se precisar de testemunha nos chame. 

 

-Pode deixar. 

 

Eu andava pelo campo e a única coisa que eu pensava era como eu gosto faculdade apesar de não gostar muito dos populares, eu gosto muito do ensino, é um ensino de primeira e todos queriam estudar ali e tinha poucos bolsistas acho que entre os 12.000 estudantes que existiam ali 4 ou no máximo 5 eram bolsistas para você saber o nível dessa faculdade. Todos estranham quando tem um bolsista, a maioria não se mostra ou revelam que são bolsistas para não sofrerem de inferioridade esse é meu maior medo. Alguém que se acha superior a mim. Essas palavras me causam repúdio. 

A sala do reitor era grande e bem decorada, multos vasos com letras chinesas moldavam e enfeitavam o maior vaso da sala – aposto que só esse vaso dá para comprar a minha casa – o diretor não nos permitiu sentar nas poltronas - por estarmos sujos de tinta – então ficamos em pé mesmo. 

 

-Sr. Byun e Sr. Park não é a primeira vez que vejo vocês sendo o centro de muitas conversas que eu escuto nos campos da minha faculdade. Então eu vou dar a chance de vocês se explicarem – sentado na cadeira de couro vermelha ditou sério. Esse velho me assusta.

 

-Sr. Hirai você precisa acreditar em mim – Eu e Chanyeol falamos em uníssono. 

-Deixa eu falar  Poste - reclamei 

-Cala boca anão, eu vou falar primeiro - Chanyeol me empurrou para trás passando na minha frente e ficando bem em frente ao reitor. 

-Cala boca você lhama– passei na frente dele e voltei a atenção do reitor para mim. Deu pra perceber que o Sr.Hirai estava ficando um pouco confuso com tudo mas mesmo eu voltei a falar - então eu vou...  

 

-Lhama? Vai tomar no c... - Fui interrompido quando Chanyeol voltou a falar de um momento para o outro parecia que não existia mais Reitor ali e começamos mais uma briga de palavrões. 

 

-Parem agora os dois! AGORA! - O Reitor chamou nossa atenção quando estávamos prestes a sair no tapa – eu não quero essas brigas na minha faculdade e muito menos na minha sala, vocês são dois adultos – Adulto? Bem eu sou um adulto agora o Chanyeol é uma criança em um corpo de quase 2,00 metros de altura- ajam como se fossem adultos mesmo eu achando que vocês dois não passam de duas crianças birrentas, eu quero explicações do que está acontecendo com vocês dois para ficarem desse jeito – apontou para nos dois se referindo as tintas que estavam em nossas roupas e em nossa pele - Fale primeiro Chanyeol. 

 

-Obrigado sogrinho – Sogrinho? Sogrinho? Ah... Chanyeol é muito puxa saco! Deve ser por isso que o Reitor gosta tanto dele. Quem ia gostar desse velho chato por conta própria? 

 

-Que isso Chanyeol...  – disse todo envergonhado pelo apelido. Que coisa ridícula não acredito que eu estou presenciando essa cena ridícula. Meus olhos estão sangrando de tanto desgosto. - prossiga. 

 

-Então Sr. Hirai, eu e alguns amigos meus estavam jogando bola no campo, eu juro que estávamos jogando fraco para não acertar e machucar ninguém, tudo começou quando a bola acertou o Byun, foi fraco eu juro sr. Hirai! - Chanyeol começou a se explicar.

 

-Fraco??? Eu quase perdi a cabeça com tanta força que jogaram a bola. 

 

-Espere sua vez Sr.Byun - O Reitor me advertiu. 

 

-É Baekhyun espere sua vez... Então onde eu estava? Na bola... quando jogamos a bola logo em seguida eu pedi desculpas e a pedi de volta e você sabe o que ele fez? 

 

-O que ele fez? O que você fez Byun? - O Reitor estava acompanhando a história como se fosse um filme de mistério. 

 

-Eu.. Eu furei a bola – Droga! Chanyeol estava fazendo tudo para me incriminar como se eu fosse o principal culpado de tudo o que não era verdade pois se ele não tivesse jogando aquela porcaria de bola em mim tudo estaria tranquilo nesse momento – mas eu tenho uma explicação para isso! 

 

-Qual é a sua explicação, Sr.Byun? - falou com tédio como se tudo estivesse esclarecido. 

 

-Ele jogou a bola de propósito em mim... e també... 

 

-Você tem provas? -fui interrompido pelo som grave do Reitor. 

 

-É você tem provas Baekhyun? - Chanyeol provocou. Eu não tinha provas, mas eu tinha certeza que foi de propósito. 

 

-N-não. Não tenho... mas eu tenho certeza que foi de propósito - droga eu estava com tanto medo que gaguejei. Mas que merda! 

 

-Desculpa Sr.Byun mas sem provas só me resta acreditar na história que mais me convence – foi juntando uns papeis e eu torcia para que aqueles papéis não fossem o da minha matrícula – também tem o acontecido de ontem com a minha filha. Como você teve a coragem de empurrar uma menina? Além de tudo minha filha! Se ela tivesse se machucado eu processaria você e cuidaria da sua expulsão no exato momento... mas depois dessa - não por favor não faz isso – eu não sei como te manter mais aqui Baekhyun eu conheci sua mãe peça desculpas a ela por mim e espero que você encontre uma boa faculdade, você é um ótimo aluno o que atrapalha mesmo é o seu comportamento – meus olhos começaram a encher de água, e eu nunca me imaginei fazendo isso em frente de alguém, mas não me restou outras opções –você terá ótimas recomenda... - meu próximo ato deixou todos na sala de queixo caído. 

 

-Por favor Sr.Hirai... por favor me da mais uma chance... me dê mais uma chance para fazer minha mãe orgulhosa... por favor – eu me ajoelhei. Sim eu me ajoelhei e abaixei a minha cabeça com total submissão eu odeio estar nessa posição, mas eu não tive outra escolha. Meus olhos já se enchiam de lágrimas e muitas já escorriam dos meus olhos... 

 

-Baekhyun, o que está fazendo levante-se – Chanyeol tentou me levantar, mas eu me esquivei dos seus braços. 

-Cala boca Chanyeol... Sr. Hirai eu estou te implorando por mais uma chance – levantei minha cabeça e ele me olhava com pena? Eu odeio quando as pessoas me olham com pena e mais um motivo para não revelar minha real identidade. 

 

-Tudo bem. Tudo Bem, Sr.Baekhyun, agora levante-se e vá se limpar... os dois – levantou as mãos acenando para que saíssemos da sua sala.  

 

                                                                                        }{NOPC}{ 

 

Voltei para meu quarto para tomar um banho e quando eu estava entrando esbarei em alguém e cai no chão. 

 

-AAAAA...... eu sabia que os smurfs existiam – olhei para a pessoa que eu esbarrei e era o Dong. 

 

-Tá me chamando de Smurfs? - Ahh esse pirralho vai se ver comigo, como nos dois estávamos no chão me aproximei dele e comecei a fazer cosquinhas nessa criança. Eu sabia que ele era fraco para cosquinhas então... 

 

-Para Baek... para.... - O coitado não estava conseguindo respirar e quando paramos seu cabelo estava todo desarrumado e suas bochechas estavam rosadas. Mas é um bebê mesmo. Fiquei encarando ele e ele estava estático... não .... de novo não. 

 

-O inimigo dorme ao lado. 

 

-Dong! Dong! - chamei até ele voltar do transe que ele entrou – Você me assusta. Pra com isso.

 

-Por que? - Perguntou curioso. Ele já me falou uma vez que não lembra das coisas que fala, é por isso que eu me afasto quando estamos virando amigos próximos... não me culpem eu gosto dele mas eu preciso de um tempo para recuperar meu psicológico. 

 

-Você só tem essas visões comigo... e elas me assustam – fui sincero. 

 

-Acho que eu falo isso só para uma pessoa em cada fase da minha vida por exemplo na escola eu fazia isso com um amigo, mas quando eu entrei na faculdade eu só tenho feito isso com você acho que meu sexto sentido detecta a pessoa que mais precisa de avisos e tenta ajuda-la - explicou. 

 

-Bem... isso faz sentido, mas não deixa de ser assustador – me levantei e ajudei o Dong a se levantar também logo depois ele sai falando que já estava atrasado para um compromisso e eu nem liguei. Entrei no banheiro e tirei minhas roupas botando-as no cesto e entrando no boxe.  

 

Em todo momento eu ficava pensando no que o Dong queria dizer com aquilo. Era sempre assim, ele falava e eu tentava decifrar mais aquilo já era bem obvio. 

 

Eu dividiria meu quarto com Park Chanyeol. Mas eu tenho outro inimigo? Claro que eu tenho. Mas o Park é o maior deles. Sinto a raiva crescer só de pensar no Park dormindo ao meu lado. Cruzes. Não, não.  

 

Saí do banheiro coloquei uma roupa limpa e confortável peguei meu celular para verificar às horas e eram 12:48hrs, tinha uma mensagem do Kyung: 

 

Coruja assassina: Nós estamos no refeitório venha comer - só de lembrar de comida já senti meu estômago roncar eu não comia nada desde de manhã. 

 

EU: Já estou indo – depois de discar a mensagem coloquei o celular no bolso e saí do dormitório. 

 

 

                                                                                            }{NOPC}{  

 

O refeitório estava lotado. Tipo muito cheio mesmo, apesar de grande/enorme o refeitório estava cheio de carrinhas novas – vulgo os novatos – foi difícil encontrar os meninos, mas eu consegui ver perto da enorme janela tinha a mesa deles, ao me aproximar um pouco mais vi que ao lado do Luhan tinha um garoto de cabelos loiros e queixo bem definido, resumindo tudo, ele era bem bonito. 

-Oi gente – sentei ao lado do Kyung e na frente do Luhan, eles já foram me entregando a minha bandeja cheia de comida – mas que amigos bons eu tenho. 

-A fila estava muito grande e ia demorar muito para você pegar sua comida então não vá se acostumando não – Luhan ditou. 

-E quem é esse? – perguntei apontando para o garoto bonito que está ao lado do meu Hyung. 

-Esse é o Sehun, o novo membro do clube -Luhan apresentou. 

-Prazer eu sou Baekhyun, Byun Baekhyun – ele deu uma breve reverência e um sorriso breve. 

-Conta o que o diretor disse Hyung. 

-E eu também quero saber. 

-A conversa não estava nada boa, o Park ficava tentando me incriminar toda hora como se eu fosse o culpado de tudo sendo que ele também tinha grande parte da culpa. O Reitor quase me expulsou. 

-Como assim? – Luhan questionou. 

-Ele descobriu o que eu tinha feito com a Momo ontem e ele ia me expulsar só que eu me ajoelhei e pedi mais uma chance – abaixe minha cabeça de tanta vergonha que eu sentia. Se ajoelhar em frente de alguém, significa que você está desesperado. Era a minha situação naquele momento. 

-Como você pôde se ajoelhar? Você nunca foi submisso a ninguém Baek. Conversamos sobre isso hoje - Luhan falava.

-Ele começou a falar da minha mãe e a conversa que eles tiveram quando eu entrei... Ele falou que era para me desculpar com ela em seu nome pois não era capaz de manter minha matrícula nesta instituição falou que eu sou um bom aluno, mas meu comportamento deixa a desejar – eu explicava tudo direitinho para que eles entendessem o meu desespero na hora – Então ele falou que não se a possível manter minha matrícula então eu me ajoelhei e pedi por mais uma chance.  

- Ele te deu?  

-Sim. Mas da próxima vez não adiantará nada eu me ajoelhar. Será expulsão na certa, então, eu tenho que me controlar ao máximo para que nada me tire do sério. Principalmente para que Park Chanyeol não me tire do sério. 

 

-Park Chanyeol é o capitão do time de futebol, né? – o menino novo perguntou curioso.  

-Ele mesmo -Kyung respondeu.

- Como você sabe?  - questionei.

-Eu falei com ele hoje. Eu fui fazer o teste pra entrar no time e ele falou comigo. Ele parece ser legal. 

-Não fale que aquele garoto repugnante, ele já foi legal, mas não é mais - retruquei.

-Você foi fazer o teste para o time?  - Luhan perguntou.

-Sim. 

-E passou?  

-Passei, eu sempre gostei de futebol, na minha escola eu era o arremessador e capitão do time também então acho que eu surpreendi eles, o Park até falou que eu tenho um futuro brilhante pela frente se eu escolher jogar profissionalmente. 

 

-E você pensa em fazer isso? - Luhan continuava perguntando... 

 

-Não sei. Eu gosto de futebol mas gosto muito de psicologia que é o curso que eu escolhi fazer. 

 

O tempo foi passando até que terminamos nossas comidas eu voltei para a barraca e vi que os biscoitos não estavam mais lá. 

 

O pessoal gostou dos biscoitos? 

 

- Sim. Bem, a maioria gostou mais teve algumas pessoas que fizeram cara feia ao comer – com toda certeza as pessoas que fizeram cara feia estavam comendo os meus biscoitos – eles não devem gostar de morangos... O que na minha opinião é quase impossível não gostar de morangos - Kyung explicou já arrumando a barraca.

 

-Concordo. 

 

                                                                                         }{NOPC}{ 

 

Já estava no fim da tarde e o sol estava se pondo o céu está tão bonito e as árvores faziam lindas e prazerosas sombras no compus eu estava voltando para meu dormitório quando percebi um tumulto no primeiro andar do alojamento todos estavam olhando o quadro de avisos, me aproximei mais um pouco tendo que pedir um “com licença“ fiquei em frente ao quadro e senti meu coração parar com o que vi. Era a separação de quartos. Procurei o meu nome e preferi ser cego para não ver aqueles nomes tão perto um do outro. 

 

                                                                    Park Chanyeol/Byun Baekhyun- Quarto -0481 

 

  

 

 

 

 

 


Notas Finais


O capítulo teve mais interações chanbaek... e vai ser assim daqui pra frente.

Espero que tenham gostado.

Comentem o que vocês acharam. adoro ler o que vocês tem a dizer!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...