História Não pisque - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Fifth Harmony
Tags Camren G!p, Fifth Harmony, Lauren G!p
Exibições 620
Palavras 725
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Famí­lia, Festa, Romance e Novela
Avisos: Bissexualidade, Homossexualidade, Intersexualidade (G!P), Linguagem Imprópria, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Olá galerix, sou nova por aqui então sejam bonzinhos comigo. Essa história é uma adaptação de uma amiga, a qual permitiu que eu modificasse pro nosso belíssimo casal Camren <3
Sem mais delongas, se divirtam

Capítulo 1 - Nem sempre é ruim se atrasar


 

00h00. Exatamente 00h00 e aqui estou eu, indo pela rodovia principal, a 180k/h, em direção a minha nova vida.
Será que eu vou levar muitas multas passando pelos semáforos fechados? Eu posso usar a desculpa de ter daltonismo. Mas eu não tenho.
Finalmente. Condomínio Gorgie Stuco. Nome estranho, eu sei. Mas foi o que a poupança ajudou a comprar. Quando estive aqui na semana passada pra acertar as papeladas parecia até menor, mas pelo menos o estacionamento é grande e minha belezinha não vai dormir na rua.

— Lauren? Ei, aqui! — tirei meu capacete e pude ver a silhueta robusta do síndico, fumando ao lado de fora do prédio.

— Hey Jared! – fiz um aceno idiota de soldado.

— Meu sonho era ter uma moto dessa. Se você com a metade da minha idade já a tem, imagine o que terá quando chegar à minha – ri e o vi caminhando para mais perto, analisando minha Morini Corsaro 1200 Veloce.


— Só espero não ter esse bigode aí – falei debochadamente saindo de cima da moto.

— Esse bigode já me trouxe muitas mulheres, minha cara – estendeu o maço de cigarros que tinha na mão em minha direção – servida?

Peguei um cigarro e o acendi enquanto ia em direção ao elevador. Quando as portas se abriram Jared chegou ao meu encalço.

— Ei, você não pode fumar aí.

— Sei disso – entrei de costas no elevador com o cigarro já na boca e jogando o isqueiro em sua direção, apertei o botão do meu andar e antes das portas se fecharem pude ver Jared sacudir a cabeça e dar um sorriso sacana, daqueles que diz "você é das minhas".

                            £

Mas que porra de campainha que não para! Se for o Jared pra reclamar do cigarro eu mato esse velho!
Calcei minhas pantufas e fui abrir a porta.

TOC TOC TOC

— Já vai caralho! Espera!

Destranquei a porta e uma pessoa puta da vida passa correndo por mim e me xingando.

— Combinamos 9h00 no Starbucks  da Times Square!!!

— Aquele com a esquina da rua 47?

— Sim! Por que você não estava lá??!

— Primeiro, pare de gritar, são apenas – olhei pra o meu relógio e, droga – ok, são 12h41, já é tarde, mesmo assim pare de gritar porra. E segundo, combinamos sendo que eu não sei ir até lá. E esse horário ainda é confuso pra mim. Então relaxa aí.

— Será que o motivo são esses mesmo ou é por causa dessas doses de tequila dona Lauren? – ela pegou o copo e arqueou a sobrancelha pra mim – Quem foi a sirigaita dessa vez? Mal chegou e já tá arrasando! Conta tudo filhote! – bipolar.

— Não! Eu bebi sozinha. Eu cheguei e vim direto pro apê, como você acha que eu já teria conhecido alguém? Apesar que não seria nada mal – disse com meu sorriso sacana.

— Tenho esperanças que tu ainda saia dessa vida – deu uma risada e foi caminhando para a cozinha – pra me recompensar você tem 20 minutos pra tirar esse scooby-doo do pé, tomar um banho e irmos almoçar, garotas nova iorquinas lhe aguardam – me lançou seu olhar autoritário e pegou a garrafa de água na geladeira.

— Odeio você – pude ouvir a risada dela enquanto ia em direção ao banheiro do quarto.

Apesar da gritaria, e de todo o comportamento de mãe e filha, Verônica é só minha amiga, porém é como se ela fosse uma mãezona mesmo. Passei minha infância aqui em Nova Iorque e mesmo depois de ter me mudado eu e Verônica não perdemos o contato, e quando lhe contei que voltaria e dessa vez pra ficar ela não mediu esforços pra gritar pelo telefone.
    
                            £

— Galã, vou te esperar lá embaixo, não demora filhote – abri meu armário e escutei a porta da frente batendo.

Terminei de me arrumar colocando meu blusão de frio, dei uma bagunçada no meu cabelo (sorte que ele é curto!), peguei minha garrafa térmica com meu café rotineiro e tranquei o apartamento. O problema foi ter me concentrado demais naquele café. Não olhei pra frente. Quando me dei conta eu já estava com um corpo em cima do meu.

— Eita cacete – praguejei e fechei meus olhos pela dor que senti nas costas. 

— Cassilda, você não olha por onde anda!

Abri meus olhos e a pessoa que estava em cima de mim levantou a cabeça. Foi um erro olhar aqueles olhos castanhos. Ou então foi minha salvação... 


Notas Finais


Comentem, por favorrrrr, preciso do incentivo de vocês pra saber se devo continuar


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...