História Não sabia que você estava dormindo - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Percy Jackson & os Olimpianos
Personagens Afrodite, Annabeth Chase, Apollo, Ares, Artemis, Atena, Dionísio, Eros (Cupid), Frank Zhang, Grover Underwood, Hades, Hazel Levesque, Hermes, Jason Grace, Leo Valdez, Nico di Angelo, Percy Jackson, Personagens Originais, Piper McLean, Poseidon, Quíron, Reyna Avila Ramírez-Arellano, Will Solace, Zeus
Exibições 16
Palavras 2.071
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Fantasia, Ficção, Lemon, Luta, Magia, Mistério, Misticismo, Orange, Romance e Novela, Saga, Universo Alternativo, Yaoi
Avisos: Álcool, Cross-dresser, Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Pansexualidade, Sexo, Spoilers, Transsexualidade, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Olha mil desculpas pelo caps pequeno eu escrevi ele pra escola primeiramente e tinha limite de linhas oque me fez deixar ele meio pequeno mas do segundo pra frente vai ficar um pouco maior.Não muito fiz umas edições pra poder ficar maior mas eu não escrevo caps muito enormes.
Esse cap não foi betado na hora da postagem entonce desculpe se tiver algum erro de digitação, ou de ortografia, ou concordancia.
Não tem imagi nesse. vou deixar nesse cap as musicas pra vcs ouvirem com o prólogo e com esse.

Capítulo 2 - Uma folha de sulfite revoltada e uma Arara Dodô convencida


Caps 1 Uma folha de sulfite revoltada, uma arvore sedenta de amor e uma Arara Dodô convencida pra @#$&*!@$%

         Olha em minha defesa não foi minha culpa eu estava com medo e aqueles malditos me disseram que era de mentira e o Moz não entendia isso ele dizia que era de verdade, mas quando a deusa do amor te afirma que o que você sente pelo seu namorado não é de verdade seu coração vacila.

         Desculpa começar assim de supetão, mas eu não tenho muita escolha minha cabeça está a maior bagunça.

         Eu não sei quem eu amo eu não sei em quem eu confio e mais importante eu não faço a menor ideia de onde está o Mozard, ele sempre faz isso foge quando os deuses tiram tudo dele, e isso não é algo ruim seria pior se ele tentasse enfrenta-los ia se ferrar muito. Ainda bem que ele sabe disso.

         Bom ele não deve estra nos chalés, nem com o Chiron, bom o jeito vai ser ir para floresta com certeza ele vai estar lá com raiva de mim.

         Vou andando pelo caminho assobiando “evrething stays” pensando nele cantando essa música com aquela voz maravilhosa é agora pensando bem...

— Aaaaaaaa, que droga, sai de cima de mim!

         Que isso dia mundial dos pássaros bolota assassinos? E além do mais que bichos são essas bolotas raivosas do mal, pera não tão tentando me matar tão tentando fazer cocegas.

— A hahahahahaha, para com isso está me matando sério eu não consigo respirar

         Foi entã que eu percebi que eles queriam me levar para algum lugar eu não sei bem onde mas comecei a me mover e eles pararam com as cócegas então toda vez que eu errava o caminho eles me “atacavam“ eu ficava uns três minutos rindo.

O caminho foi meio às cegas eu não conseguia ver nada, mas os pássaros pareciam saber bem onde eu estava indo e não me deixavam tropeçar ou cair em nada. Quase no fim do caminho entramos em uma espécie de túnel muito escuro por sinal, mas aquelas coisas pareciam feitas para não desistirem por nada e começaram a brilhar.

Deu para ver que eu saí do túnel e que aparentava ser muito lindo a parte da floresta onde eu estava.

Quando aqueles malditos pássaros pararam de me infernizar eu pude ver que eu estava em um lindo jardim incrivelmente rosa e branco tinha muitas flores e pétalas pelo chão como se tivessem caído como neve, mas se recusassem a morrer para que aquele lindo momento continuasse sem fim.

         Porém o que é bom dura pouco e de repente a passagem pela qual eu devo ter vindo se fechou me trancando naquele paraíso rosa, sendo sincero aquilo estava começando a ficar monótono e irritante e além do mais eu queria ir embora tinha coisas para fazer.

         Bom o jeito foi ver o que tinha por lá me certifiquei de que não tinham monstros ou algo que pudesse me matar, me foquei em estar perto da entrada para ser menos perigoso, mas aqueles malditas bolotas voadoras começaram a me “atacar” de novo eu tive que prosseguir.

         Elas param de me “atacar” e se organizaram em forma se seta para indicar o caminho como no procurando Nemo, que o Percy me fez assistir junto com o Nico uma centena de vezes, pelo menos foi útil alguma parte daquele filme enjoativo.

         Eu segui a seta viva por uns cem metros até uma arvore imensa que parecia um salgueiro que envolvia alguma coisa como se protegesse sua própria vida fiquei olhando para ele durante uns cinco minutos até os pássaros começarem a cantar, uma melodia que eu conhecia muito bem era “i’m just your problem” era algum tipo de piada comigo? Aquela música era a mesma que o Mozard cantava toda vez que ele queria me irritar. Segundo ele por eu ser filho do meu pai eu era perfeitinho e todo mundo queria ser meu amigo e devia me reverenciar.

         Queria saber se aquilo tinha a ver comigo ou melhor com o Mozard.

Quando eu passei pela fina cortina de flores do salgueiro pude ver a coisa mais linda e mais assustadora que alguém poderia presenciar, era como se ele estivesse virando a arvore ou ela estivesse tentando engolir ele. A primeira coisa que eu fiz foi tentar arrancar ele, mas um pássaro do tamanho de um Dodô tentou me atacar, e se você está pensando num bicho atarracado e feio se enganou era um pássaro lindo tinha penas vermelhas azuis e amarelas, e não, não era uma arara.

Ele estava tentando proteger o Mozard ou a arvore?

— A qual, é me ajuda a salvar ele não vai querer um menino arvore né seu pássaro? Olha só para essa carinha bonitinha e então sua arara maníaca?

— Você não tem que me ofender para ganhar a minha ajuda.

— Eita o Dodô arara fala!

— Em primeiro lugar eu não pareço um Dodô em segundo lugar porque eu não falaria, quantos seres mágicos não falam?

— Como eu vou saber não sou catalogador de “seres mágicos” e então vai me ajudar ou vai ficar aí tentando me matar com essas garras enormes?

— Eu já estou lhe ajudando, você não pode tirar ele dá arvore dessa maneira se não ele morre. A arvore é o amor dele por isso ele está com o cabelo e a pele tão brancos você.

— Mas como isso é possível não dá para tirar o nosso amor do nosso corpo é impossível.

— Tem certeza que você conhecia o Mozard ele é filho do amor ele pode manipular os sentimentos principalmente o amor livremente.

— Certo o que eu tenho que... pera o que está acontecendo?

De repente o salgueiro começou a se mover e a expulsar o Mozard de dentro da arvore como se estivesse espirrando ele de dentro dela. Não foi uma saída lá muito delicada e sensível, mas o Mozard pareceu não sentir.

Ele demora um pouco para conseguir recobrar a consciência, pelo que aprece ele estava tendo um sonho muito bom ou um pesadelo muito fodido por que isso levou uns bons minutos que eu e a Arara Dodô passamos nos revezando entre nos encararmos e ficar observando ele. Mas de repente ele acorda quando isso acontece o Moz se levanta cambaleando muito grogue e me olha com o olhar fundo e sem nenhum brilho a pior expressão que eu já vi como se ele não tivesse mais nenhum sentimento bom só dor e ódio.

— O que você quer aqui?

— Eu não sei! Fui arrastado para cá por uma renca de pássaros gordos e fofinhos e fiquei preso, que lugar é esse e por que cargas d’agua você está branco?

Ele olhou para si mesmo percebendo que ele não estava da cor certa e ficou muito apavorado começando a chorar, Moz não era vaidoso mas gostava de sua aparência principalmente porque ele dizia que fica bonito para quem amava deve ser coisa de filho de Eros ficar se importando mais com o que quem se namora pensa de você mesmo que o Moz sempre fazia o que viesse na telha.

— Isso tudo é culpa sua, seu maldito! — Ele me olhava com muita raiva, mas ainda chorando.

— Olha eu também estou confuso pra caramba, mas nem por isso fiz um pacto com uma arvore sedenta por amor e virei uma folha de sulfite.

— Eu não fiz um pacto, eu fiz isso para não ter que pensar em você, mas vejo que não deu muito certo.

— É claro que não deu certo você é um cosplay de parede de hospício.

— Escuta aqui seu romano maldito e mimado eu não fiz isso por você e nem para ficar bonito para vossa senhoria me admirar.

— Mozard olha eu não sei por que raios os seus pássaros foram até mim na floresrta e me atacaram.

  — Meus pássaros que pássaros eu não tenho mais de um pássaro só o Midnight pera você não é o meu pássaro do amor cadê o Midnight?

— Ele foi pedir ajuda para seu pai e morreu quando chegou lá, a viagem foi muito dura por isso seu pai me enviou juntamente com uma ninhada para procurá-lo e te salvar dessa loucura.

         Mozard foi até o lado de fora e viu que haviam centenas de pássaros redondos e fofinhos aninhados nas arvores ele levou o maior susto voltou com uma cara mais branca ainda, se é que era possível isso.

         — Não querendo ser grosso, mas eu não pedi ajuda muito menos ajuda dele e não quero ajuda dele mesmo.

         — Me desculpa vossa majestade se tem algumas pessoas que se importam com você.

         — Aaaaahhh agora você se importa comigo e a dois dias atrás eu não era nada um mero amigo isso se você podia me chamar assim. Não vem com essa de “me desculpe vossa majestade” que você mesmo sabe que comigo não cola eu não sou obrigado a ouvir coisas assim.

         — Escuta aqui sua folha de papel mal impressa eu fiz tudo aquilo porque eu fui forçado todo mundo no olimpo ficou me enchendo dizendo para não ficar contigo!

         — E claro como boa puta você obedeceu!

         — Obedeci posso ser muitas coisas, mas nunca desleal.

         — Você não foi leal ao nosso amor.

— Me diga uma vez que não fui.

— Dois dias atrás.

— ...

— Viu nem você discorda, agora vê se some.

— Novamente temos um problema não tem como sair está fechado e se me lembro não controla nem essa arvore então vai ter que me aturar.

— Bem já que é assim vai ficar do lado de fora.

— Não vou mesmo. E que conste nos autos Eu Não Te Odeio!

— Continue afirmando isso para si talvez se convença disso.

— Essa coisa não vai me engolir se eu sentar perto dela, né?

— Não sei, melhor você não tentar vai que você mata ela de tanta insensibilidade.

         — Não sou insensível.

         — Novamente continue afirmando isso a si mesmo.

— Boa noite Mo-chan.

— Nã... Boa noite Jay-chan.

— Viu você também não me odeia.

— Nunca te odiei. — Ele falou isso como se estivesse cansado de dizer isso, entretanto nunca havíamos usado esse tipo de palavras para nos referirmos, mesmo a dois dias nunca dissemos que nos odiávamos.

— Dorme comigo?

— Nem fudendo!

— Por favor eu já te perdoei.

— Não vai ser tão fácil. Amanhã eu te ajudo a sair daqui.

— Não quero sair daqui sem você.

— Isso é uma pena porque eu não vou.

— Eu te amo.

— Nunca duvidei disso, mas eu vou repetir e dessa vez eu espero que você siga à risca minhas instruções “Continue repetindo isso até se convencer” — Dessa vez ele usou charme aquele maldito poder me deixava morrendo de raiva. — Eu sei que dentro de você algo ainda sabe disso, mas não consegue convencer o resto.

— Aí você se engana hoje quando você estava quase morrendo essa parte de mim disse que te amava e meu corpo disse sim.

— Uma vez não é necessária para sustentar um amor.

— Mas é suficiente para acender sua chama e ele já existia só precisou de um pouquinho de querosene para explodir, vou repetir minha pergunta também, dorme comigo?

— Se for fazer você calar a boca. Mas nada de mão boba.

— Hoje não, hoje eu estou te reconquistando. E olha para me fazer calar a boca você precisa colar a sua boca na minha viu.

— Só por que você estava ficando fofinho você fode tudo.

— Isso se chama carisma meu caro marshmallow de olhos vermelhos.

— Se me chamar assim de novo eu te trucido.

— Não era um momento romântico, pensei que você gostasse de marshmallow?

— Eu gosto, mas não quero que você fique me lembrando que eu to parecendo uma bala de naftalina.

— Não diz isso você está lindo não importa a cor do.... Seu corpo inteiro.

— Está Jason já deu por hoje estou morrendo de sono vamos dormir.

— Certo chega perto quero sentir você no meu aprochego.

— Adoro quando você diz isso.

Desse jeito abraçadinhos eu e ele dormimos juntinhos não foi a noite mais confortável do mundo, mas foi a que eu dormi melhor na minha vida sabendo que eu tenho o meu amor embaixo dos meus braços. O Dodô arara maldito me disse que se ele dormisse comigo perto da arvore ele voltaria a ter cor foi um extra para nós dois.

Então nós dormimos o melhor sono da minha vida já disse isso? Se disse não me importa foi mesmo e o que estava por vir seria melhor isso eu sei.


Notas Finais


Bem foi isso tá péssimo e não tem ninguém lendo mas eu até que to feliz por postar aqui.
Seguém os links: Prólogo:
https://www.youtube.com/watch?v=Q159t_RYKsY ( BTS, Blood Sweat and Tears)
https://www.youtube.com/watch?v=0oGrwGCRImY ( Regina Spektor, Two Birds)

Cap 1:
https://www.youtube.com/watch?v=ZDKMnus8qkQ ( Everything Stays Anna Ver.)
https://www.youtube.com/watch?v=lZltcgoIfqg ( I'm Just your problem Anna Ver.)
https://www.youtube.com/watch?v=dwYxlcszZAI (BTS House of Cards) [essa eu ouvi lendo 1984 agora é a unica coisa q eu cosigo pensar.]


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...