História Não sou tuas nega! - Capítulo 13


Escrita por: ~

Postado
Categorias A Seleção
Personagens America Singer, Anne, Aspen Leger, Carter Woodwork, Celeste Newsome, Elise Whisks, Gavril Fadaye, Kriss Ambers, Lucy, Marlee Tames, Maxon Calix Schreave
Tags A Seleção, Amexon, Romance
Visualizações 38
Palavras 1.455
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Comédia, Drama (Tragédia), Ficção, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Spoilers
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Genteeeeee
Quero mais Malec em shadowhunters!!!

Capítulo 13 - Jesus, agora fudeu de verdade!!!


Fanfic / Fanfiction Não sou tuas nega! - Capítulo 13 - Jesus, agora fudeu de verdade!!!

P.O.V/gostosão

-Você não?-ela respondeu, materna.

-As vezes sim, o palácio fica muito silencioso sem ela.

-Só AS VEZES?-ela perguntou com um sorriso malicioso.

-Mãe!-exclamei, ainda de brincadeira.

-Tudo bem, tudo bem!-ela disse, gesticulando com uma das mãos-vai ter muito tempo para matar a saudade semana que vem.

Revirei os olhos.

-Agora, meu dever é encontrar um esposa, você sabe disso. Seria muito egoísta da minha parte deseja -la, agora que ainda tenho quatro encantadoras garotas que parecem ser...muito adequadas para o cargo.

Ela suspirou, depois estucou o pescoço para fora da cama, estreitando os olhos.

-Mãe, pare. Vai acabar derrubando você e soro juntos para fora da cama-falei. Em seguida, ela voltou a mesma posição na cama, em quanto eu ajeitava seus travesseiros.

-Não está vindo com a companhia de um guarda?

-Mãe, eu não sou mais criança!

Ela sorriu. Acho que era o máximo que ela conseguia. Estava fraca. Esses últimos dias foram incrivelmente desgastantes para ela.

-Acho melhor eu ir-disse, me preparando para me levantar, antes de ter meu braço envolvido por sua mão.

-Não. Fique.

Me abaixei, fazendo carinho na sua cabeça.

-Você tem que descansar. Eu tenho que descansar. Todos nós temos que descansar, compreende?

-Só um pouco, por favor.

Mesmo sabendo que isso me acarretaria varias broncas e trabalhos acumulados, resolvi ficar mais um tempo ali. Apoiei a cabeça na beirada da cama, peguei delicadamente sua mão e comecei a brincar com os seus dedos finos, em quanto a sua outra mão estava em minha cabeça. O modo em que seus dedos passavam levemente sobre meus cabelos era muito relaxante. Acho que foi por isso que ambos apagaram - se me permitem ser um pouco mais informal- minutos depois.

[email protected]

 

Uma semana já tinha se passado.

"É hoje que eu volto a ver a cara incrivelmente enfezada do rei", pensava em quanto May escovava meus cabelos, tendo muito cuidado com a REPÚBLICA de nos, ali presente.

-Você vai ver Maxon de novo? -ela perguntou animada.

-Possivelmente sim.

-E qual vai ser a primeira cousa que vai falar pra ele-ela prosseguiu, em quanto separava outra mecha para escovar.

-Isso se CONSEGUIRMOS falar um com o outro.

-Ah, qual é? Vocês gostam um do outro. Por que não se falariam?

-May, eu já não estou mais na seleção...

-Porque o rei dos macacos expulsou você de lá- ela levou as duas mãos de supetão até a boca, arregalando os olhos-perdão!

-Perdão? Mas você não o detesta?

-NÃO! Perdão por ofender tanto os macaquinhos, pobrezinhos.

Não sei quando comecei a rir, só sei que a gargalhada saiu tão feia, que tive que deter minha no bruscamente com as mãos.

-Que foi? Não respeita mais os macaquinhos???-May acusou, indignada.

(Não! Pelo amor de deus! Vocês realmente acham que eu vou perder meu TEMPO e BATERIA escrevendo a viajem de avião e a chegada dela? Não se preocupem, que o avião chegou inteiro e ela também, o.k??? E ninguém foi assaltado no caminho!)

(Pfff, estamos, AGORA, NESSE EXATO INSTANTE, no fabulosos, glamoroso, magnifico, proparoxítono, Cláudio, estúdio dos jornal oficial)

Acho que, naquela tarde, estava particularmente bonita. Graças ao meu bom deus, jesus, jeova, buda, oxu, não tinha amanhecido com nem uma espinha maldita no meu rosto. Meu cabelo estava preso em um coque (que levou dez solstícios de verão inteiros pra fazer) muito bem arrumado. Trajava um vestido azul que desbotava em violeta no final. Também usava (contra a minha vontade) um sabato de salto alto preto e simples. Fiquei dois dias seguidos com minhas empregadas no quarto tentando me fazer me equilibrar naquilo. E o resultados foram muitos hematomas que GRAÇAS A DEUS eram imperceptíveis com a maquiagem, que não era muito pesada, na verdade, não estava com muita disposição para entupir meu rosto com tudo aquilo. De resto, resolvi não perder meu tempo com todas aquelas quinquilharias que chamam de MODA.

-Agora chamo aqui, a senhorita America Singer- anunciou Gravil.

Estava tão distraída, já que MAXON e EU não parávamos de nos encarar. As vezes ele fazia umas caras e bocas, e eu fazia o máximo para não ter um ataque da asma. Em outra hora, tentei arriscara a mostrar meu dedo do meio, mas não tive coragem.

Andei até o palco, onde estava sendo esperada por uma cadeira vazia e um microfone. Me sentei com a postura mais ereta possível, e fiz o meu melhor para deixar minha confiança transparecer. Tento ignorar todas as palmas e assovios.

-Senhorita America-começou ele-seja muito bem vinda! Como tem passado desde a sua volta para casa?

"Volta para casa", belo eufemismo para "chutada pra fora".

-Até agora, não quebrei nem um osso. Acho que já comecei bem.

Minha resposta foi seguida por uma onda de risadas, incluindo a de Maxon.

-Como sempre, muito descontraída, não é mesmo, srta. America?

-Não posso fazer nada. Não pedi para nascer assim-repeti quase exatamente o que disse na noite do primeiro beijo de Maxon e eu, abanando o dos com a mão.

-Bom, a senhorita foi a que teve a eliminação mais recente. Não deve estar as mil maravilhas.

-Devo admitir que fala a verdade, mas se eu não levantar e sacudir a poeira, o que será da minha vida?

-Tem toda a razão, senhorita America-disse Gravil, mas que em seguida, teve seu sorriso tomado por um brilho malicioso-mas o que muitos querem saber: Como a senhorita conseguiu permanecer tanto tempo na seleção? Porque pelo que eu saiba, você e o príncipe nunca tiveram uma relação as mil maravilhas.

Arqueei as sobrancelhas, levantei o microfone até boca, pronta para dar alguma resposta engraçadinha, mas outra ideia me veio pela cabeça.

-Por que não fazer essa pergunta a o próprio príncipe? Eu mesma também cheguei a fazer essa pergunta varias vezes.

-Excelente ideia, senhorita America- disse Gravil se levantando, andando até a cadeira onde Maxon estava assistindo tudo.

-Pode responder a pergunta para a senhorita?

Maxon editou um pouco, diante da situação, mas em seguida respondeu, sorrindo.

-Bom, Gravil. Desde o nosso primeiro encontro, a senhorita mostrou um comportamento, digamos diferente, se não, peculiar, comparada as outras selecionadas. Acho que isso a fez brotar dm mim uma certa curiosidade.

Gravil novamente voltou a tomar a fala.

-E vossa Alteza poderia revelar que tipo de coisas?

Maxon assentiu.

-Bom, ela já...- mas em seguida parou bruscamente e afastou o rosto do microfone, certamente escondendo o riso.

Estoquei o meu rosto, tentando ver um pouco do dele. Assim que ele virou a cara novamente, seus olhos se encontraram com os meus. Ele fez o número dois discretamente coma as mãos, um gesto que Gravil percebeu.

-O que tem o número dois?-Ele perguntou, todo malandro.

Maxon gesticulou novamente o número com as mãos, dessa vez para somente EU ver.

Então eu entendi.

O número dois.

Nosso segundo encontro!

Ele ia contar sobre a joelhada!

Fud&u!!!

Automaticamente, fiz um não com a boca, E DE NOVO O FILHA DA MÃE DO GRAVIL PERCEBEU!!!

-Os dois estão escondendo algo?-ele perguntou, sorrindo maliciosamente.

-Gravil, não precisamos entrar em detalhes-sussurrei para ele. Mesmo com aquele sorrisinho, e a vontade de querer saber da nova fofoca, Gravil pareceu entender meu desespero.

-Tudo bem, tudo bem. Não falaremos mais sobre isso- ele revelou para a decepção do público.

Um coro animado tomou conta do estúdio.

-Conta! Conta! Conta!

-Desculpem, mas esse dois não querem entrar em detalhes-repetiu Graviu a mesma frase que disse a poucos segundos.

Um murmúrio de decepção finalizou o coro animado de todos.

-Muito obrigada pela sua presença srta. America- ele disse, provavelmente já se despedindo.

-O prazer foi todo meu, se. Graviu-finalizei, para depois me juntar com as outras selecionadas, que também ficaram me enchendo para eu revelar o meu tal "comportamento peculiar".

(...)

Quando finamente o jornal acabou, me retirei para o quarto, depois de trocar umas poucas palavras com as outras ex-selecionadas.

Gravil também ficou me enchendo pra eu revelar-lhe o acontecido, mas eu bati o pé e disse NÃO! NÃO! E NÃO!

Estava pensando em me despedir de algo extravagante e caro que eu tenha falhado na memória, mas minha contagem foi interrompida quando estava saindo do quarto. Não pelo rei, não por Aspen, não por Maxon. Não por um pessoa, mas um objeto inanimado, um pano, um pano que tinha um cheiro adocicado. E enjoativo.

Logo depois, minha visão ficou turva, mas antes que eu desabasse no chão, fui envolvida por dois braços que me sustentaram.

Na hora, eu estava tipo: Ora, fod@-se, muito obrigado por me ajudar Mas ai, meu cérebro minúsculo se tocou. Essa pessoa não tinha me ajudado, bem nada. Ela não parecia ser alguém que estava feliz por me salvar da colisão (ou pelo menos, o que eu conseguir identificar daquele borrão gigante).

Jesus, agora fud&u de verdade!!!


Notas Finais


Hello, its me.
La em casa, deu uma chuva e o roteador queimou.
Em tão ne ajuda!
Um pouquinho!
Só vou perguntar uma vez...


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...