História Não Tenha Medo ~Jikook~ - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jimin, Jungkook, Personagens Originais
Tags Jikook, Morte, Psicopata, Sociopata
Visualizações 50
Palavras 1.892
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Colegial, Drama (Tragédia), Escolar, Ficção, Terror e Horror, Universo Alternativo, Violência, Yaoi
Avisos: Adultério, Canibalismo, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sadomasoquismo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Oiiiiii, turu bom?
Eu tô bem
Tavam com sdds?
Aaa eu tava morrendo de sdds amores <3

Fiz essa fic na supresa :3
BOA LEITURA!!!!

Capítulo 1 - Capítulo Único


Fanfic / Fanfiction Não Tenha Medo ~Jikook~ - Capítulo 1 - Capítulo Único

Seja Bem-Vindo a minha carta de "esclarecimento". Você deve estar confuso, se perguntando o porque desta carta ter chegado a suas mãos não é?! Orras você é um policial e seu dever é proteger a sociedade, então lhe mandei está carta póis tenho coisas a prestar com a polícia.

Meu nome é Park Jimin, tenho 24 anos, e acabei de meter um tiro na minha própria testa. Você deve estar "Tá mas o que eu tenho haver com isso?" é isso que você vai saber agora.

Vou contar a minha história para você.

Quando eu tinha 10 anos, fui diagnosticado com sociopatia e psicopatia ou seja eu era anti-social e agressivo -mas não ao ponto de bater em alguém-. Meus pais não acharam necessidade de me internar em um manicômio ou coisa do tipo, afinal eu era um garoto "inocente", amável e carinhoso -não, eu não fiz aula de teatro-. Até aí tudo ok, mas no meio do ano, várias crianças começaram a sumir no bairro, ninguém sábia o que estava acontecendo. Minha mãe por se preucupar comigo teve a ideia de se mudar.

Omma a única pessoa que não tinha necessidade de sair de lá era eu, sim eu que matei aquelas 8 crianças, mas eu não fiz por divertimento ou coisa do tipo; aquelas crianças me batiam e me xingavam.

Quando eu pude sentir o sangue daqueles desgraçados escorrendo pelas minhas mãos, eu me senti tão bem, tão livre; ainda lembro dos gritos de desespero deles, mas quando eles gritavam só faziam minha cede por vingança aumentar. O meu trabalho foi tão bem feito que nenhum policial descobriu.

Eu, minha Omma e meu Appa, nos mudamos para Seul -eu já tinha 11 anos-, lá eu comecei uma vida nova, mas aquela vontade de matar nunca me deixou.

Quando você se muda, você tem casa nova, escola nova, amigos novos, mas eu apenas tinha casa nova e escola nova.

Quando eu completei 12 anos, um garoto entrou em minha escola, ele era extremamente lindo; nos nós tornamos amigos, mas com o tempo essa amizade se tornou amor.

Tudo ia perfeitamente bem, mas então Jungkook começou a criar certas amizades, e digamos que eu peguei fotos pornográficas no celular do meu namorado, aquilo foi a gota d'água pra mim. Nessa mesma noite eu fui na casa de cada um deles, e matei cada um deles, aaa como eu sentia falta daquilo, e eu usei o mesmo método em todos eles -menos em um-. Vou contar como matei um dos amigos dele -não me pergunte o nome pois não faço a mínima ideia como aquele desgraçado se chamava-

As gotas da forte tempestade se chocavam contra o vidro de meu carro, eu achava a tempestade um dos fenómenos mais lindos que existem. O vidro do passageiro estava aberto, o que significa que algumas gotas caíam no banco e aquele forte vento batia em meu rosto. Parei o carro e encarei a residência,

"Não é que o desgraçado tem bom gosto" disse quase em um sussuro. Saí do carro e foi até o porta mala, peguei a pequena mochila preta e minha capa de chuva amarela; vesti à capa e coloquei uma das alças da mochila em cima de meu ombro esquerdo. Caminhei em passos calmos até chegar na frente da porta enorme; bati e bati. E fui atendido por quem eu queria morto

"Você é o namorado do Kook né?!" disse o moreno com a voz irritante, não esperei duas vezes e empurrei aquele desgraçado para dentro de sua casa, o mesmo me olhou confuso. Peguei o vaso -que certamente era muito caro- e toquei com tudo na cabeça do muleque, o vaso se estilhaçou em sua cabeça, não demora para o mesmo cair. Sorri sínico ao ver o sangue escorrer por sua testa

"Você é bonito! Que tal fazermos algo diferente com você?" disse enquanto pegava o garoto nos braços e o levava para o porão. Após colocar o garoto sentado em uma cadeira de ferro e bem amarrado, eu voltei para a sala onde ainda se encontrava os cacos do vaso, peguei minha mochila e um caco, voltei para o porão, tranquei a porta e acendi as luzes. Arrumei todas as minhas ferramentas em uma mesa; deixando cada por ordem de tamanho. Com o copo d'água na mão, eu virei o líquido em cima da cebeça do menino, pude ver o mesmo se estremecer e acordar assustado, assim que viu o estado que se encontrava começou a gritar, eu apenas ri do sofrimento alheio

"Você já está assim? Imagina quando chegar a melhor parte?!" disse rindo. Com a pequena faca em mãos, eu fui até o garoto e passei o caco de vidro em sua bochecha- o caco que estava em meu bolso me cortou um pouco mas nada de mais-.

"Fiquei sabendo que você gosta de ficar mostrando sua raba e suas pernas por aí... Que tal nós marcarmos essas belas pernas?" disse mordendo e sugando o pescoço do menor. Me ajuelhei  em frente as pernas brancas do menino -que agora estavam sem nenhum pano à cobrir-. Passei a ponta da faca sobre a pele branca, fiz esse mesmo processo em toda a perna do garoto, o último citado não tinha como gritar; pois um pano cobria sua boca que era desenhada, só conseguia ouvir as fungadas do menino.

"Já me consei disso" disse largando a faca "Vamos tirar isso não é?!" disse enquanto tirava o pano que cobria seus lábios "Agora outra brincadeira, mas nessa eu vou deixar que você grite ou gema de dor" lambo o sangue que escória por sua virilha. Pego um belo chicote e coloco entre os dentes "Por favor não faça nada" disse em desespero "Sinto muito mas isso eu não posso fazer" repondo. Pego o menino pelos pulsos, vejo o brilho em seus olhos "eu não vou te soltar!" digo e vejo seus pequenos olhos encherem de água. O levo para perto da parede. Com as algemas o predo junto ao ferro que ali havia, o deixo de costas para mim "Se você contar bem certinho quantas chicotatas eu te der eu vou pegar leve, mas se você errar... Nem queira saber o que vai acontecer!" digo enquanto mordia suas costas. Então começo a bater o chicote na pele do menino -que não se encontrava mais no tom de pele normal, e sim em um tom vermelho e roxo-, eu podia ouvir o choro, gemidos e os gritos que o mesmo dava. Eu dei exatas 23 chicotadas no menor "Quantas?" digo passando a mão em seu cabelo e em seguida o puxando para trás o que arracou um pequeno grito do menino "V-Vinte e duas" eu não pude deixar de sorrir "Você errou" digo fingindo tristeza "P-Por f-favor não faça nada comigo" disse com a voz embargada por causa do choro. O coloquei de volta na cedeira, logo em seguida vou para a mesa que continha minhas ferramentas, a minha escolha foi uma agulha e linha "O que você vai fazer?"disse assustado " Sabe eu acho que você fala de mais... Porque não mudamos isso?" digo me aproximndo menino, que se encolheu, começo a costurar sua boca, o pequeno chorava e tantava se soltar. Após algumas horas eu finalmente paro, eu acho que ele deve ter pensado que sairia dalí, na verdade ele saiu daqui e foi para um lugar melhor. Arrumei tudo. Você deve estar se perguntando onde eu deixei o corpo? Eu queimei junto com a casa.

Ao me lembrar desse dia o meu sorriso sempre volta, mas algo de ruim aconteceu, o que resultou a meter bala em mais uma pessoa.

Após aquela maravilhosa noite, eu voltei para a casa, como eu tinha tomado banho na casa de Jin, eu não estava com a roupa suja ou o corpo. A casa estava completamente quieta, isso era estranho, muitoooo estranho. Quando cheguei perto da porta de meu quarto pude ouvir fungadas e meu peito doeu, adentrei no local e vi meu namorado chorando na cama. Eu me desesperei e corri para perto de Jungkook "Amor o que aconteceu?" digo afagando o cabelo do garoto "Os meus amigos estão mortos!" disse chorando mais ainda, por um momento em me senti culpado, mas os gritos que ecoavam na minha cabeça me animavam "Eu vou te contar uma coisa" disse o olhando nos olhos, àquela era a hora "Eu matei seus amigos" disse com a maior naturalidade do mundo, Jungkook saiu dos meus braços "O que?" disse sem acreditar " olha, acho que você não vai gostar dos detalhes" digo sorrindo sínico, Jungkook levanta assustado e começa a gritar coisas como "Seu monstro, desgraçado" e muito mais, mas ele passou dos limites a hora que encostou em mim, a raiva me consomiu e eu peguei a arma que estava em minha cintura, e disparei. A bala aatravessou o peito de Jungkook que caiu no chão já sem vida. Por um momento eu senti vontade de chorar, mas as lágrimas não deciam. Eu abraçei o corpo gélido de Jeon e o beijei pela última vez..

O fogo já consomia parte da casa, eu apenas estava a guardar minhas coisas no carro. Assim que vi a casa completamente dominada pelo o fogo, foi aí que entrei no carro e parti.

Agora estou a escrever essa carta -mas quando você ler já esterei morto- em um hotel de meia tigela, a arma está aqui do meu lado e só eu pegar apontar para minha cabeça e tchauzinho. Então é isso

Lembresse que talvez uma pessoa como eu está em sua casa, em sua escola até mesmo em seu celular. Apenas digo uma coisa.. Não machuque alguém como nós, porque você vai se dar mal.

Eu só digo uma coisa:

Monstros são reais e fantasmas também são reais, vivem dentro de nós e às vezes eles vencem.

E como eu disse cuidado policial, pois alguém como eu pode estar ao lado da sua casa.

Com toda desgraça do mundo, Jimin!

Não tenha medo...

Mas uma coisa... Shiii isso é segredo!!


Eu te torturo

Me dê as mãos através das chamas

Eu te torturo

Sou um escravo dos seus jogos

Sou apenas um otário atraído pela dor

Eu quero te acorrentar

Eu quero te amarrar

Sou apenas um otário atraído pela dor

Sou apenas um otário atraído pela dor

Tenho o esquadrão tatuado dos pés ao pescoço

A pressão dos homens fez com que nos rebelássemos

Nós vamos para guerra, yeah, não vamos falhar

Faço pela família, cara, estamos dentro, cara

Prezamos amor e lealdade

Alienados pela sociedade, toda essa pressão me deixa ansioso

Ando devagar pelo fogo

Tipo, quem vai mexer com a gente?

Sinto que o mundo está contra a gente

Então colocamos o mundo nos nossos ombros

Eu te torturo

Me dê as mãos através das chamas

Eu te torturo

Sou um escravo dos seus jogos

Sou apenas um otário atraído pela dor

Eu quero te acorrentar

Eu quero te amarrar

Sou apenas um otário atraído pela dor

Estive na ativa com meus parceiros

Não importa, você não me conhece

Estou na área com meu time, os melhores no momento

Estive pela cidade com meu esquadrão

Estive pela cidade com meu esquadrão

Acabamos de chegar, ficando loucos, vivendo como se isso fosse incrível

Espera, se afaste, quando entramos em ação, porque eu sei

Fomos leais, éramos família, somos em quem vocês confiam

Não hesitarei em avançar na sua cabeça como se fosse uma concussão

Sei que dei duro, minha família nem discute

Sem hesitação, pela mira eu vejo meu inimigo

Tipo, e aí? Espere, vamos recarregar

Sim, eu recarrego, sei o que está acontecendo, sei o que está acontecendo

     (Sucker for Pain- Imagine dragons etc)


Notas Finais


Fico bom?
COMENTEM E FAVORITOS <3

Agr é de vdd... Até dia 30 ;)


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...