História Não vivo sem você! - Capítulo 3


Escrita por: ~ e ~bibifb1903

Postado
Categorias A Feia Mais Bela
Personagens Erasmo Padilla, Fernando Mendiola, Julieta Solís de Padilla, Letícia "Lety" Padilha Solís, Márcia Vilarroel, Omar Carvarral
Exibições 122
Palavras 1.101
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Famí­lia, Fantasia, Ficção, Romance e Novela
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Peoples! Quando a letra estiver em itálico ( meio inclinada ) significa que ali é um pensamento do personagem, ou até mesmo flashbacks e sonhos ( em capítulos futuros )
Sei que a fic não começou com "o pé direito" e eu no lugar de você estaria querendo matar a escritora, mas infelizmente até o capítulo 6 ( que já está escrito e revisado ) a previsão é de sofrência. A partir do 7 eu ainda não sei. Continuo ou ponho fim na sofrência?
Me perdoem por ter feito isso com a Lety 🙈

- Ary

Capítulo 3 - Uma aliada contra Fernando


- Dona Márcia... Não sei... Ai!... Sim... - Aceitou ainda em dúvida

- Maravilha!

- A senhora tem algo em mente? – Perguntou pasma

- Mas é claro. O objetivo é simples: Esmagar os sentimentos dele.

- E como faremos isso?

- Você fará. Irá seduzi-lo...

- Quer que eu brinque com ele? – É pior do que eu pensava.

- Sim, mas não necessariamente Letícia Padilla, mas outra... Uma espécie de personagem entende?

- Um disfarce?

- Sim. Ele pode perceber sua mudança de comportamento e isso não vai ser bom para nossos planos.

- Entendo

- Te espero na hora do almoço. Vamos cuidar disso hoje mesmo. Ah! Não preciso dizer que deve ser discreta com tudo e todos, não é?

- Sim dona Márcia. Com licença.

- Sim, tem toda

Antes de sair Lety questionou.

- Dona Márcia... Como a senhora vai fazer isso? Se a senhora não percebeu – Apontou para si própria – eu sou feia

- Não se preocupe, tenho contatos que poderão resolver isso.

- Tudo bem, com licença novamente

Fechou a porta atrás de si e enxugou suas lágrimas, como recomendação de sua cúmplice precisava ser discreta, nem ao menos suas fiéis amigas – essas muito menos – poderiam saber de seu mais novo objetivo.

- Lety! Que demora hein! – A viu entrar cabisbaixa

- Me desculpe seu Fernando.

- Não Lety... Não fica assim – Se aproximou para abraça-la – Eu não quis ser grosso

- Eu que devo me desculpar seu Fernando

- Não, não deve, eu sim, fui grosso com você. Me desculpe meu amor.

Tocou suavemente seus lábios com um breve selinho.

“Beijo a Lety para não perder a Conceitos” – Martelou em sua mente. Não acreditaria mais em nenhuma forma de afeto vinda dele.

- Não podemos seu Fernando, estamos na empresa

- O que houve Lety?

- Não é nada seu Fernando. Uma leve dor de cabeça que já deve passar. Com licença

Separou-se de seus braços e seguiu para sua salinha, o único lugar onde poderia deixar transcorrer em paz suas lágrimas.

Aquele cantinho sem luz do sol abrigaria agora todas suas dores. Seus lamentos. O tormento passara a lhe perseguir. Quão terrível era olhar para ele e não vê o Fernando apaixonado a quem se entregou?

Seu tão amado Don Fernando se transformara em um abjeto algoz.

As próximas horas foram acompanhadas de lágrimas, quando enfim tomou coragem de sair de seu abrigo, viu que Márcia impaciente a esperava, não sabia direito por quê tinha aceitado tudo aquilo, jamais machucaria quem ama, mesmo tendo seu coração destruído. Mas algo insistia que aquilo deveria ser feito, talvez influenciado pela maleficência de Márcia.

O carro da executiva corria com pressa, mas nada parecia fazer sentido para Lety. Estava tudo cinza e sem vida.

Pararam em prédio alto, visivelmente sofisticado, um salão de beleza típico de estrelas. Por mais cinzento que estivesse seu dia, Letícia não deixou de admirar o requinte do local, tanto por fora, como por dentro.

- Sabrina! – Abraçou a mulher, aparentemente a dona de tudo aquilo.

- Márcia, a quanto tempo não tenho uma visita ilustre dessa? – Riram juntas – Me disse que precisava de ajuda e eu não entendo em quê.

Foi então que ela saiu da frente, onde ofuscada Lety observava o ambiente.

- Ah – Suspirou com pesar – Serviço completo?

- Sim, tudo que tiver direito para a Letícia.

- Letícia, me acompanha?

- Sim

***

- Entra – Exclamou

- Fernando, posso falar com você?

- Sim

Ela entrou e trouxe sua acompanhante.

- Primeiro de tudo quero lhe apresentar minha amiga, Aurora, Aurora Mayer de Salinas

Fernando estava tão concentrado em adiantar seu trabalho que nem percebeu que Márcia não veio sozinha.

A bela mulher tinha suas madeixas vermelhas, ardentes, como o cabelo de sua mãe, tinha uma postura encantadora. Diferente das modelos que já viu, ela se vestia comportadamente, mas isso não a impedia de ser sensual, e como era sensual! Sua “pegada sexy” era inquestionável, e seu olhar... Olhos expressivos, lindos olhos, tão belos e tão... familiares! Só os olhos não, o formato do rosto, os traços suaves e delicados escondidos na maquiagem marcante, tudo, tudo o remetia a alguém, só não lembrava quem.

- É um prazer conhece-la Aurora

- O prazer é todo meu, Fernando.

- Aurora vai passar um tempo na cidade, e... não estou dizendo isso só por que ela é minha amiga mas... Aurora é linda!

- Sim, se me permite dizer Aurora, sua beleza é peculiar

Aquela simples gentileza Aurora/Lety interpretou como um gesto galanteador do Fernando galinha e isso só fez com ela se magoasse mais por confirmar as palavras daquela carta.

- Muito obrigada, Fernando.

- Então Fernando... Será que a Aurora não pode entrar em um dos comerciais?

- Bom, por mim tudo bem, fale com o Luigi, quando Lety voltar do almoço ela cuidará do seu contrato Aurora. Perdoem. Entra. – Alguém batia à porta

- Fernando eu... – Parou de falar

- Omar, essa é Aurora, minha amiga – Apresentou

- É um prazer conhece-la – Beijou sua mão – Omar Carvajal, aos seus serviços

Esse sim era o verdadeiro galinha, não se importou com os presentes para jogar seu charme.

- Encantada, Omar.

- Aurora vai integrar nossa grade de modelos. Acha uma boa escolha Omar? - Que pergunta! Claro que ele acha.

- Sim! Seja bem-vinda a Conceitos Aurora! Conhece a empresa?

- Não se preocupe Omar, eu mesma me encarrego de apresenta-la. Fernando, obrigado. Falarei com o Luigi

- Tudo bem. Como o Omar disse, seja bem-vinda Aurora e mais uma vez foi um prazer conhece-la.

- O prazer foi todo meu Fernando.

- Vem, Aurora.

Quando elas saíram...

- Mano! A Márcia só tem amiga linda! Poxa! Preciso passar mais tempo com ela, ou melhor, com elas – Riu

- Você não tem trabalho não Carvajal?

- É melhor eu ir mesmo, esqueci que você está ficando igual o Luigi. Cuidado hein Fernando, está passando muito tempo com ele.

- Eita animal hein!

***

- Prontinho, Aurora é a mais nova contratada, tudo está indo muito bem.

- Não sei não dona Márcia, não acho que isso vai dar certo.

- O que foi Letícia? Quer desistir? Lembra o que ele fez?

Perfeito! Precisava mexer na ferida Deusa da malvadeza?

- Tem razão.

- E já está dando certo. Viu como ele tratou você?

- Como ele tratou a Aurora, a senhora quer dizer.

- Sim, vai dar certo, teremos nossa vingança.

Vingança, isso não é bem o que sinto, estou magoada, mas... Não! Eu não odeio Fernando Mendiola. Eu não quero me vingar de Fernando Mendiola. EU AMO FERNANDO MENDIOLA.


Notas Finais


“Para a maioria das pessoas, dor significa ódio, e ódio significa vingança” – Paolo Mantegazza


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...