História NaruHina: Tale of Sunrise - Capítulo 24


Escrita por: ~

Postado
Categorias Naruto
Personagens Hinata Hyuuga, Naruto Uzumaki
Tags Naruhina, Reimaginacao
Exibições 493
Palavras 5.090
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Artes Marciais, Aventura, Ecchi, Hentai, Luta, Romance e Novela, Violência
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Opa, voltando /o/ Era pra ter postado ontem a noite, mas enfim, antes tarde do que nunca, rs.
Não é um capítulo tão grande quanto queria, mas acho que ficou bom. E assim damos início ao arco-clímax de toda essa treta com Danzo.
Espero que gostem!

Capítulo 24 - The Depth of Self-Delusion


Logo pela manhã Hinata chegou à casa dos Haruno procurando por Sakura. Mebuki, a mãe, não demorou a chamá-la.
Ao voltar, a senhora guiou Hinata ao quarto de Sakura. A casa tinha um clima agradável, como qualquer família normal deveria ter. Hinata sorriu ao entrar no quarto, Sakura estava sentada à cama penteando o cabelo. O cômodo era simples, mas convidativo. Muitas pelúcias e enfeites, pôsteres de grandes shinobis e kunoichis, e uma enormidade de livros espalhados, provavelmente todos de medicina.
- Hinata, o que houve? Não marcamos pra treinar hoje...
- Desculpe o incômodo, Sakura-san. Preciso de uma ajuda sua, como médica.
Sakura se espantou.
- Aconteceu algo?
- Não, não se preocupe, não é nada grave. Bem, na verdade é... é que...
Hinata corava, batendo os dedos involuntariamente. Não sabia como dizer que teve uma noite de sexo com Naruto assim, do nada.
Sakura olhava com dúvida, esperando a Hyuuga terminar de falar.
- L-Lembra quando vínhamos de Suna depois da missão de resgate?
- Lembro sim, o que tem?
- Então... Você lembra o que m-me perguntou?
Sakura fez uma expressão engraçada de seriedade, tentando puxar da memória. A encontrou, e abriu um sorriso malicioso.
- Então você fizeram?
Hinata assentiu rapidamente, com os olhos fechados. Sakura riu.
- Entendo. Mas não precisa ficar tão constrangida, somos amigas... Vamos pro Hospital, lá você me conta tudo.
As duas saíram, e Hinata nada dizia. Estava tentando se acostumar com a ideia de Sakura saber o que fizeram.

Já num quarto do Hospital, Sakura tinha essa liberdade por ser uma grande médica, a rosada rapidamente fez todos os procedimentos necessários, além de explicar formas de evitar gravidez.
- Agora que acabamos com a parte chata, me conta tudo. Como foi? -A expressão curiosa de Sakura arrancou um risinho de Hinata.
- Foi... Incrível.
- Tanto assim?
- Sim. -Hinata seguiu contando alguns detalhes do que fizeram. Não tudo, obviamente. Mas principalmente as sensações que sentiu. Sakura fazia caras e bocas que iam do mais profundo espanto à pura incredulidade.
- Nossa. É muito estranho pensar que o Naruto fez tudo isso. E vocês dois hein... Nossa... É difícil imaginar...
- S-Sakura-san! -Hinata desviou o olhar com vergonha. - Mas eu nunca pensei que fosse tão bom.
Sakura retrucaria, mas de repente um enorme barulho foi ouvido. Rapidamente as duas saíram pelos corredores do Hospital.
Ao chegarem à rua, muita fumaça podia ser vista na direção do Prédio do Fogo.

Naruto chegava à frente do Prédio do Fogo com pressa, ouviu a explosão de seu apartamento e imediatamente foi verificar. Pousou ao lado de Asuma e Gai, que também foram verificar o acontecido.
Por entre a fumaça surgiam Tsunade, Yugao e Shizune.
- O que aconteceu aqui, Baa-chan?
- Um ataque, Naruto. Vá com Asuma e Gai e verifiquem todo o entorno da Vila. Qualquer suspeito deve ser capturado ou morto.
Os três shinobi assentiram, sumindo imediatamente. Hinata e Sakura chegaram vendo a cena.
- O que houve, Sensei? -Perguntou Sakura. Tsunade respirou fundo, vendo o fogo ser apagado por jutsus de suiton.
- Já explico, venham.
As cinco mulheres entraram no prédio. Alguns shinobi afastavam a fumaça remanescente, mas havia grandes marcas de sangue por todo lado e entulho de parte do teto.
A sala da Hokage estava intacta, a loira sentou em sua cadeira com uma expressão séria. Yugao e Shizune estavam da mesma forma, Hinata percebeu que sua antiga Sensei tremia.
- Fomos atacados. Na verdade, possivelmente foi apenas uma espécie de aviso.
- E como aconteceu? -Perguntou Hinata.
- Uma criança entrou na vila correndo, parecia sem teto. Entrou no prédio, mas não conseguiu fugir da segurança. Quando iriam tirá-la, ela explodiu. Possivelmente estava coberta de bombas.
As duas garotas arregalaram os olhos com tamanha brutalidade. Usaram uma criança?
- Estávamos saindo do arquivo e vimos a cena. Por sorte, distantes demais. -Completou Yugao.
- Foi Danzo. -Hinata apertava o punho.
- É provável, mas como não foi um ataque Shinobi não podemos ter certeza. E sem um corpo pra analisar... -Tsunade estava transtornada, o olhar sério, furioso.
- Temos que acelerar o cerco. Convoco uma reunião? -Perguntou Shizune.
- Pra daqui duas horas. Até lá, talvez Naruto já tenha voltado com algo. Antes disso, informe a família do shinobi que foi pego na explosão. Prepare também a papelada para o auxílio.
Shizune assentiu, já saindo às pressas. - Podem ir, garotas. E não espalhem o acontecido ainda.

Fora da vila, Naruto procurava qualquer sinal de suspeitos, mas não encontrava qualquer um.
De repente um pássaro caiu em sua frente, se desfazendo em tinta. Sai caiu rolando, completamente machucado. Naruto correu em seu encontro, pegou nos braços com pressa, imediatamente correndo em direção à vila.
Pouquíssimo tempo depois entrou como um raio no Hospital, pedindo socorro. Um médico acelerou o processo, com enfermeiras chegando com uma maca. Naruto criou dois clones e os enviou, um para chamar Tsunade e o outro Jiraya.

Sai abria os olhos lentamente, sentindo o incômodo da luz branca em seu rosto. Olhou em volta tentando acostumar a vista. Reconheceu aos poucos as figuras em volta de si. Naruto, Tsunade, Jiraya, Itachi e Izumi.
- Finalmente acordou. -Disse Tsunade, se aproximando. - O que houve?
- U-Um deles me descobriu, nos seguiu durante toda a missão passada.
- E então? Como acabou assim? -Perguntou Itachi.
Sai com um pouco de dificuldade e ajuda de Naruto, sentou-se, encarando os presentes.
- O descobri quando voltava para a Raiz. Tive que enfrentá-lo, foi assim que acabei desse jeito.
- Conseguiu matá-lo?
- Consegui sim, Izumi-san. Era um integrante do clã Inuzuka, foi difícil.
- Agora você não pode mais voltar para a Raiz. -Concluiu Jiraya.
- Não. Na verdade gostaria que tirassem o selo da minha língua o quanto antes.
- Calma, Naruto vai com você até a divisão anti-selamentos. Ele já tem ideia do que fazer, mas uma segunda opinião é sempre bem-vinda. -Explicou Tsunade. - Depois quero que você passe por alguns procedimentos com os Yamanaka.
- Oh, sim, entendo...
Tsunade levantou a mão e um Anbu surgiu.
- Fique e vigie. -O Anbu assentiu. - Vamos, temos uma reunião. Vocês também, Naruto e Itachi.
Todos saíram do quarto, Sai deu um último sorriso a Naruto antes de vê-los partir. Deitou na cama adormecendo imediatamente. O panorama mudou para ele.

Na sala de reuniões do Prédio do Fogo, os conselheiros encaravam Tsunade com preocupação. A loira acabara de explicar o acontecido naquela manhã. Naruto apertava o punho em fúria.
- O que faremos agora? Essa situação não pode prosseguir. -Apontou Shikaku.
- Vamos partir para a ofensiva. Formarei três esquadrões, quero que cacem e acabem com qualquer shinobi da Raiz. Naruto vai ajudar a retirar o selo da língua de Sai, assim teremos informação extra.
- Hokage-sama, talvez seja mais apropriado aguardar as informações antes de mandar dos nossos. -Disse Shibi, com cautela.
- Realmente, por isso mandarei esses esquadrões apenas às proximidades da vila. Quero limpar pelo menos nosso território.
- Bem pensado. -Disse Jiraya.
- Por enquanto é isso. Jiraya, se concentre nos interrogatórios. -O Sannin assentiu. - Dispensados.

Naruto não demorou muito, imediatamente foi ao Hospital. Sai um tanto sonolento estava com Sakura, que fazia alguns exames. A garota deu um risinho ao ver Naruto, o loiro estranhou.
- Sai, vamos logo, quero retirar esse selo o quanto antes.
- Tudo bem. Já terminou, Sakura-san?
- Já. Só não exagere, por pouco você não teve danos permanentes.
Sai assentiu, saindo com Naruto. A caminhada foi breve, mas revigorante. O ex-Raiz não lembrava muito sobre Konoha.

A divisão anti-selamentos era uma sala um tanto quanto pequena na base do Prédio do Fogo. Havia três membros, todos já preparados desde que a Hokage os avisou.
Sai sentou numa cadeira ao centro da sala, tendo a língua analisada pelos três shinobi. Naruto ditava suas suspeitas e um deles, o mais velho, acenava em concordância.
- É isso, um selo que usa palavras chave, você está certo Naruto. A composição não é complexa, apenas delicada. Vamos imobilizá-lo e começar com a retirada. -Explicou o senhor que parecia ser o chefe da divisão.
E assim foi feito. Usaram uma ferramenta que manteve a boca de Sai aberta e doparam sua língua enquanto realizavam o necessário. Com algumas dicas, Naruto conseguiu ajudar muito, destruindo a ligação entre o selo e o chakra de Sai. Os demais mantinham o selo inativo para que não houvesse risco de uma autodefesa se ativar. Aos poucos as marcas foram sumindo em fumaça, Sai finalmente estava livre.

Uma hora depois o efeito da dopagem passou, e Sai já conseguia falar normalmente.
- Vamos testar. Diga uma palavra que não podia antes. -Pediu Naruto.
- Danzo... -Sai fez uma careta engraçada. - Parece que funcionou mesmo.
Todos sorriram, e Naruto agradeceu os membros da divisão pela ajuda. Sai levantou o acompanhando, não havia tempo a perder.

 

Numa sala protegida nos cantos mais afastados da vila, Jiraya encarava Sakon e Karin com atenção. O ex-shinobi mantinha uma expressão assustada sentindo seu sangue escorrer pelas feridas da tortura.
O Sannin recomeçou.
- Apenas me responda o que sabe sobre os planos de Sasuke, Orochimaru ou a ligação dele com Danzo.
- Eu não sei de nada, Orochimaru-sama só compartilha essas coisas com Kabuto, e Sasuke nos odeia.
Jiraya suspirou fundo, os Yamanaka também não conseguiram tirar nada dele, estava dizendo a verdade.
- Podem levá-lo de volta à prisão. -Concluiu a dois Anbus escondidos nas sombras.
Após levarem Sakon, Jiraya encarou Karin.
- Uma Uzumaki, hã?
- E o que tem isso?
- Meu afilhado também é um. Enfim. Você parece ser esperta, então simplesmente diga o que sabe, não gosto de machucar mulheres mais fracas do que eu.
Karin sabia que Jiraya não estava se gabando, a diferença entre os dois era abissal, ela como grande sensitiva sabia disso só pela densidade do chakra do Sannin. Não havia possibilidade de fuga, e nem ela mesma sabia se queria fugir. Sofreu muito nas mãos de Orochimaru, lembrava-se de quando ele a capturou, ainda muito jovem, e fez todo tipo de experimento tortuoso.
Apesar de amar Sasuke, e o ama desde quando prestou o Exame Chunnin, não havia motivos nem possibilidade de fugir. Respirou fundo, era melhor manter-se viva e seguir o curso natural das coisas conforme a vida mostrava.
- Os planos do Orochimaru... Bem, ele não tem planos, são simplesmente ambições de poder. Ele quer ver Konoha destruída, mas sabe que não tem mais força pra isso. Não vai agir enquanto não conseguir mais poder.
- Prossiga.
- Os de Sasuke são óbvios, me pergunto se Orochimaru está tão iludido a ponto de não perceber. Ele não tem lealdade, pretende matar Orochimaru em breve, sei disso pelas reações de seu chakra quando estão próximos. O que ele quer após isso já não sei.
- Interessante. Agora, sabe algo sobre a relação de Orochimaru com Danzo?
- Aquele velho asqueroso comprou muitos poderes de Orochimaru, mas não sei dizer quais ou como. Ouvi Kabuto uma vez dizer algo sobre "Sharingans dos mortos no massacre" e "células do primeiro", mas não sei mais que isso. A relação deles é de troca, Orochimaru não tem interesse nos planos de Danzo e vice-versa.
- Muito estranho. Você foi útil, garota. Se continuar cooperando talvez consiga perdão e até voltar a viver como shinobi.
A garota nada respondeu, apenas acompanhou Anbus de volta à prisão. E pensar que um dia foi uma simples gennin inocente...
- O que acha, Itachi? -O Uchiha surgiu por entre as sombras.
- Acho que Danzo roubou os sharingans dos mortos no massacre. Talvez... Só tenha proposto para consegui-los... Desgraçado!
- Depois que Sasuke tentar matar Orochimaru, recomendo que o procure e conversem. Essa situação está se arrastando por tempo demais.
- Farei isso, Jiraya-sama.

 

Na sala da Hokage, todo o conselho estava reunido. Sai olhava a todos, aguardando o momento de falar.
- Com o selo desfeito, pode dizer Sai. -O garoto respirou fundo com a permissão da Hokage.
- O primeiro fato é que apesar da decisão do líder dos Hyuuga, o conselho do clã mantém relações com Danzo. Não só mantém como estão vazando informações a todo momento, é assim que sabíamos sobre missões e como moldar um ataque.
Tsunade não sabia o que dizer, apenas apertou o punho. Naruto fez o mesmo, já imaginava a reação de Hinata quando soubesse.
- Então aquelas múmias... Droga. Discutiremos isso depois. Mais alguma informação?
- Infelizmente não sei quando ocorrerá um ataque direto, mas posso dar alguns nomes de shinobis fortes que estão com ele.
- Prepare um relatório, enviarei um Anbu pra te ajudar. Está dispensado.
Sai assentiu, e Naruto o acompanhou.
- E então, o que sugerem? -Perguntou a loira encarando seus conselheiros.
- Precisamos convocar Hiashi, tratar diretamente com ele. Todos sabemos a sentença para crime de traição. -Concluiu Shibi.
- O problema é justamente não sabermos com quem está a lealdade de Hiashi. Proponho que façamos a reunião, mas devemos cercar o clã, mantê-los sob vigilância constante. -Propôs Shikaku.
- Isso é um tanto quanto direto demais, podemos acabar gerando uma guerra civil. -Explicou Hana, temerosa.
- Manteremos a vigilância, porém não o cerco. Convocaremos Hiashi imediatamente.

Do lado de fora da janela, Jiraya ouvia tudo. Não era um segredo sua presença, na verdade todos sabiam que estava ali, mas preferiu não se envolver dessa vez. Estava achando tudo muito estranho, alguns fatos não faziam sentido.
Se Danzo colocou um shinobi tão habilidoso para seguir Sai, como este foi descoberto? Se Hiashi já recusou entregar Hinata e Akemi, qual o interesse no clã Hyuuga?
Jiraya sabia que precisava agir, agora com força total.

 

A próxima parada de Naruto e Sai era a divisão de inteligência, onde o moreno passaria por uma seção com algum Yamanaka.
Ao entrarem falaram com Inoichi, o chefe da seção, que os indicou a sala onde ocorreria. Naruto se surpreendeu quando viu quem conduziria, Ino encarava os dois com um sorriso.
- Olá Naruto. -A loira sorria mais, encarando Naruto de cima a baixo.
- Oh, Ino... Olá. Este aqui é o Sai, um novo aliado. Acho que você já tem ideia do que fazer.
- Claro, claro... Muito prazer, Sai. -Ino estendeu a mão para um aperto. Estava impressionada com a palidez do rapaz, era quase irreal, porém isso em sua visão só o deixava mais bonito.
Sai apenas devolveu o sorriso enquanto apertava a delicada mão da Yamanaka. Colocou-se ajoelhado ao centro da sala, onde havia alguns apoios.
Ino colocou os dois polegares sobre a testa de Sai, mandando-o relaxar.

Ino via-se dentro da mente de Sai, flutuando por um espaço escuro. Apenas alguns pequenos pontos de luz, isso indicava que ele lutava para não sucumbir à própria dor e ódio.
Aproximou-se de uma dessas luzes, encontrando a imagem de um pequeno garotinho de cabelos acinzentados e um sorriso doce. Imagens surgiam para Ino. A convivência dos dois enquanto órfãos. O treinamento desumano que tiveram. O teste de graduação onde matavam outros órfãos que estavam na mesma situação que eles, até se encontrarem no fim, encarando o triste fato de que não poderiam sobreviver juntos.
Viu ali Sai fraquejar, mas o fato que se seguiu foi inesperado. Hiruzen surgiu, intercedendo por ambos. Danzo não aceitou, mas Hiruzen insistiu, dizendo que descobriu por meio de uma enfermeira que o garoto, de nome Shin, estava gravemente doente, então a batalha seria inútil. Danzo acabou aceitando que Shin morresse pela doença, e não pelas mãos de Sai, já que matar um moribundo amorteceria a dor de Sai, não alcançando assim o que o teste queria.
Essa imagem cessou com a despedida dos dois, quando Sai foi com Danzo, e Shin com Hiruzen. Sai entregou um caderno de desenhos como forma de despedida.

A loira saiu abalada dessa memória, Sai sofreu muito durante a vida. Foi então à outra luz, encarando a face doce e serena do Sandaime.
Essa estava repleta de pequenos momentos, encontros entre Sai e o velho Sarutobi. Muitos deles como espião, algumas com simples conversas filosóficas sobre o sentido de tudo. Ino viu ali a ligação e respeito de Sai para com Hiruzen, além da promessa de seguir ajudando Konoha mesmo que o velho Hokage morresse.

Na terceira luz, não viu a face de ninguém, apenas um campo com um lago ao fundo. Sai desenhava a paisagem. Ao chão, vários papéis e quadros rabiscados, eram formas humanas perfeitas, porém sem rostos, Sai não conseguia desenhar expressões, não se lembrava mais como o fazer.

Era o limite para Ino. Ela saiu do subconsciente e abraçou Sai com carinho.
- Ei, não é pra tanto, Ino-san. -O garoto estava constrangido, embora não conseguisse expressar muito bem. -Posso pedir uma coisa?
- Claro! -Respondeu ela, soltando o abraço.
- Não diga a ninguém sobre essas coisas, tudo bem? Claro, só pra Hokage.
- Ok, mas com uma condição.
- Qual?
- Continue tentando desenhar expressões, vou posar pra você se quiser.
O moreno sorriu assentindo. Só agora se deu conta de que Naruto não estava mais na sala.

 

Num campo de treinamento, Hinata e Neji conversavam. O garoto havia acabado de chegar.
- É isso, estão interessados nos seus poderes.
- Já imaginava que isso fosse acontecer. Mantenha Hanabi segura, não vou ceder ao conselho.
- Conversei com ela, concordou em não pressionar Hiashi. O que me preocupa é usarem ela pra atingir você.
- Não acho que isso vá acontecer, ela ainda é a única herdeira. O que pode acontecer é tentarem fazer a cabeça dela, preparando-a pra ser outro fantoche dos velhotes. Eu não tenho utilidade alguma enquanto ainda não souber controlar direito meus poderes. O que eles temem é que eu controle e isso gere questionamentos dentro do clã.
- O que acho difícil, já que apenas eles conhecem a lenda.
- Verdade...
- Bom, vou tentar repassar o boato sobre a modificação do selo, isso pode acelerar as coisas.
- Na verdade, Neji, acho melhor esperar um pouco. -Disse Naruto, surgindo do nada. - Acabamos de descobrir que conselheiros dos Hyuuga vem vazando informações para Danzo, a Vila provavelmente vai se mover em torno disso.
- Isso é grave, pode desencadear até o massacre do clã. -Respondeu Neji, temeroso.
- Vamos com calma. Espere as ações da Hokage-sama e só após isso reúna as lideranças da família secundária que estiverem mais descontentes com a principal e informe o que sabe e sobre o selo. -Propôs Hinata.
- Farei isso, acho que é o mais apropriado mesmo. Enfim, Tenten está me esperando então já vou.
- Tenten, é? -Provocou Naruto com um sorrisinho malicioso.
- Idiota.
Neji sumiu por entre as árvores e Naruto jurou tê-lo visto corar.
- Bom dia, Hime. Nem tivemos tempo de conversar hoje. -Naruto a puxou para um selinho. - Como foi a consulta?
- Tranquila, Sakura-san me deu algumas dicas. -Hinata o abraçou com carinho, encostando a cabeça em seu peito.
- Ótimo, pois vamos repetir aquilo muitas vezes.
- Bobo!
Naruto riu.
- As coisas vão se complicar agora...
- Vão, mas vamos conseguir passar por tudo. -Hinata sorriu com confiança, olhando Naruto. O loiro devolveu o sorriso abraçando-a mais forte.
- EU TE AMO, HINATA! -Gritou, a levantando do chão. Esses momentos de carinho o acalmam.

 

Longe dali, num quarto entre corredores subterrâneos, um outrora grande shinobi agonizava. Orochimaru suava frio, seu corpo vinha se deteriorando rapidamente, já havia meses que se mantinha em pé graças às drogas que Kabuto produzia.
Do lado de fora do quarto, Sasuke ouvia os gritos com atenção. Era o momento que vinha planejando desde que resolveu seguir o caminho do sannin das cobras. Não poderia entregar seus olhos e corpo a alguém como ele, precisava caçar Itachi...

 

Ainda fora da Vila, uma equipe Shinobi retornava de mais uma missão. Kurenai ditava o ritmo mais a frente, enquanto Kiba, Akemi e Seiji conversavam mais atrás.
A Jonnin logo percebeu estarem sendo seguidos, mas não fez menção de atacar, esperaria até o último momento.
Eram três homens, ela olhou para Akamaru que já havia percebido também, Kiba notou logo em seguida. O Inuzuka olhou sério para Akemi, que discretamente ativou o byakugan.
Kurenai fez sinal e todos saltaram quando um dos homens criou um jutsu katon. Seiji fez selos e expandiu seu braço, acertando o oponente, mas outros dois surgiram com chutes.
Seiji voou longe, mas Kiba e Akamaru surgiram com o Gatsuga, acertando um deles que desmaiou.
O que ficou em pé se viu na área das Oito Trigramas Cento e Vinte e Oito Palmas, Akemi desferia cada golpe com firmeza, aniquilando o oponente.
Os três se juntaram, mas não viam Kurenai. De repente palmas foram ouvidas, um homem surgia por entre as sombras das árvores. Alto, loiro, usava uma máscara sem desenhos e arrastava uma Kurenai desacordada pelos cabelos.
- Parabéns, crianças. Vocês têm muito potencial. -Kiba rosnou vendo Kurenai naquele estado, mas Akamaru recuou com certo medo. - Essa cadela tentou me colocar num genjutsu, se tivesse ficado quietinha com vocês talvez eu deixasse passar, mas...
O homem travou no lugar, uma presença se fez presente.
Cobras surgiam do chão, enroscando nas pernas do inimigo. Um rastro de chakra foi visto cortar o ar, decepando o braço que segurava Kurenai pelos cabelos. Kiba sorriu vendo Anko, Asuma e Kakashi surgirem do nada.
O homem fez alguns selos e começou a tratar o braço, que agora não chegava ao cotovelo.
Kakashi se colocou em frente aos mais jovens.
- Ordens da Godaime, vamos limpar a área. Voltem imediatamente com Kurenai. -Ordenou o Jonnin, recebendo um aceno em confirmação. Kakashi não esperava shinobis qualificados a ponto de derrotarem Kurenai, uma das kunoichis mais poderosas da vila. Será necessário um largo trabalho e muita inteligência para livrar toda a área de qualquer vestígio da Raiz.

Seiji correu à Asuma, que segurava Kurenai com cuidado. O Jonnin a colocou nas costas do garoto, que com seu físico conseguia suportá-la sem muito esforço.
O Raiz encarava a situação ainda tentando estancar o ferimento. Não tinha chance contra um dos Doze Guardiões, a ex-aluna de Orochimaru e o Ninja Copiador, morreria em breve. Mas não iria sozinho. Ele olhou Kiba de longe, normalmente faria na garota, mas o olhar selvagem dos Inuzuka o irritava e talvez também acabasse contribuindo para os planos de Danzo. Fez um único selo com sua mão restante e com o olhar fixo em Kiba, fez seu jutsu.
O garoto ajoelhou aos gritos, as veias de sua testa saltavam. Kakashi nada entendia. Akemi arregalou os olhos, lágrimas desciam, sua expressão indo à completa fúria. Saltou com velocidade, Akamaru a acompanhou com um rosnado forte. Ela acertou o Raiz com a palma aberta diretamente na lateral da cabeça, a explosão de seu chakra foi ouvida por todos, enquanto Akamaru arrancou a mão dele com mordidas. Asuma surgiu em seguida, rasgando o pescoço do homem, que caiu já morto. Kiba também caiu já em coma.

 

Tsunade discutia os próximos passos com seu conselho, havia enviado três equipes de Jonnins limparem o entorno da vila e esperava os resultados. Estava na verdade temerosa.
A porta da sala foi aberta com violência, ela já iria reclamar quando viu Sakura completamente transtornada.
- Tsunade-sama... O Kiba-kun... Ele chegou em coma...
Tsunade arregalou os olhos e Hana sumiu numa velocidade absurda.
No hospital, Seiji e Akemi olhavam seu companheiro desacordado. Por sorte, Kurenai só teve ferimentos leves, diferente do garoto cujo estado era incerto.
Hana foi a primeira a surgir, travando ao lado da cama do irmão. Akamaru se aproximou dela, parecia chorar.
Tsunade chegou em seguida, com Sakura.
- Me digam o que houve, -Pediu a loira ofegante.
Seiji tomou a frente, explicando e poupando Akemi, que não conseguiria sem chorar.
Hana apertou o lençol da cama de Kiba, com raiva.
- Então foi a Raiz...
- Hana, não faça nenhuma bobagem. -Pediu Tsunade.
- Não farei, Tsunade-sama. Mas peço dispensa da reunião com Hiashi. Se eu olhar na cara dele depois disso eu juro que o mato.
- Tudo bem, fique com seu irmão.
- O que quer dizer? O que Hiashi tem a ver com isso? -Perguntou Akemi.
Ninguém a respondeu, era assunto confidencial. Nesse momento, Inoichi surgiu com pressa.
- Anko acabou de chegar com o corpo do Raiz, era um Yamanaka. Vou tratar de Kiba pessoalmente. -Disse o loiro sem deixar qualquer espaço para perguntas. Todos concordaram já saindo, apenas Hana ficou.
Akemi ainda estava intrigada com as palavras da Inuzuka. Talvez Neji ou Hinata soubessem de algo. Iria perguntar durante a reunião da geração.

 

Na Floresta da Morte, Jiraya dava as últimas instruções a Itachi e Izumi.
- A missão é de espionagem, quero saber quantos estão com ele, quais os horários de saída e entrada e qualquer informação relevante. Não façam bobagem, apenas os dois não vão conseguir contra todos e os poderes de Danzo ainda são desconhecidos.
A dupla assentiu. Era uma missão difícil, mas poderia valer todo o futuro de Konoha.

 

Na sala de reuniões do Prédio do Fogo, Hiashi sentava em sua cadeira já pré-marcada. Não sabia ainda o motivo para tal reunião, mas pressentia problemas grandes surgindo.
Tsunade deu início quando Jiraya finalmente chegou, completamente atrasado.
- Temos informações novas sobre o problema da Raiz, Hiashi. -Começou a Hokage.
- Com todo respeito, Godaime-sama, mas o que isso tem a ver comigo?
- Muito, na verdade a situação continua crítica por sua incompetência. -Disse Shibi, e todos se assustaram, não era comum aos Aburame comentários tão duros.
- É melhor ter uma boa razão para tamanho insulto.
- Se acalmem. Hiashi, por meio de fonte segura descobrimos que seus conselheiros estão vazando informações a Danzo. -Explicou Tsunade, para espanto do Hyuuga.
- Impossível! Já tratamos disso, recusamos qualquer contato com a Raiz.
- Se alega não ter envolvimento nisso, então seus conselheiros não só traíram Konoha, passando por cima de uma decisão da Hokage aprovada pelo Daimyo, como traíram você, o líder do clã. -Disse Shikaku, sem rodeios.
- Não posso acreditar nisso, quero saber qual a fonte, quero provas.
- A fonte é um espião dentro da Raiz plantado pelo Sandaime. Confirmamos todas as informações com as habilidades dos Yamanaka. Era com tamanha traição que Danzo conseguia atrapalhar e emboscar nossos shinobi durante missões. -Explicou Jiraya.
- Você sabe a sentença para traição, Hiashi.
- Tsunade-sama, me deixe investigar antes. Não posso confiar numa fonte como essa.
- Um homem tão orgulhoso, no fim se tornou apenas um fantoche do próprio conselho. Patético, Hiashi. As ações dos Hyuuga vêm constantemente envergonhando Konoha. -Mais uma vez provocou Shibi, e Tsunade não sabia o que esperar dele.

Hiashi já iria responder, quando a porta da sala de reuniões foi aberta por uma Tsume completamente fora de si. Ela voou no pescoço de Hiashi com ferocidade, como uma fera pronta a abater sua presa.
- Tsume, o que significa isso? -Perguntou Tsunade, a segurando pelo ombro.
- Só não mato esse lixo agora pois quero vê-lo sofrer. Graças ao seu clã, meu filho está em coma. Mas você não se importa, certo? Você não se importou nem com sua própria filha, que dirá o dos outros.
Tsume o largou, encarando Tsunade.
- O clã Hyuuga é o responsável pela situação atual, exijo que tomemos alguma providência.
- Entendo seu lado, Tsume, mas acalme-se. Estamos tratando desse assunto. Hiashi não parece ter envolvimento, os conselheiros agiram pelas costas dele.
- Essa acusação é um ultraje. Querem falar sobre a Raiz? Pois eu lhes digo, eles têm shinobis de todos os seus clãs, menos do meu. Não há sequer um Hyuuga sob as ordens de Danzo.
Apesar de ser uma provocação, Hiashi estava certo. Shibi estava sério sobre este fato, já sabia de pelo menos um Aburame poderoso ao lado de Danzo.
- Ainda sim, Hiashi, nossos clãs não desobedeceram a ordens diretas, muito menos vazaram informações confidenciais. -Explicou Shikaku.
- Não permitirei que sujem o nome Hyuuga por uma informação qualquer de um pretenso espião. Até que eu confirme o que ele diz e investigue o fato, não aceito qualquer acusação!
- Hiashi, você não entendeu sua posição. Não estamos em um debate, muito menos em um julgamento. A ordem será dada independente de sua posição. -Disse Tsunade, firme.
Tsume sabia onde a situação iria parar, tomou então a frente.
- Hokage-sama, não irei interferir nas decisões da vila. Mas aviso aqui, como líder do clã Inuzuka, que qualquer relação com os Hyuuga está cortada. Não aceitaremos missões conjuntas com eles enquanto o conselho estiver vivo e Hiashi no comando. Não apenas isso, abrimos o direito de defesa e retaliação, entraremos em guerra se mais algum Inuzuka sofrer qualquer ataque da Raiz por culpa da traição dos Hyuuga.
- Tsume-san, acalme-se... -Shikaku iria interferir, mas Shibi tomou a frente.
- Como sabem, o clã Aburame sempre teve boas relações com os Inuzuka, talvez a relação mais próxima que nosso clã consiga estabelecer. Acompanho Tsume nessa decisão, como líder de clã.
Tsunade não tinha o que fazer, a decisão de dois líderes era soberana, a Hokage só poderia agir com diplomacia. Respirou fundo, encarando Hiashi.
- A decisão deles está dentro do direito de qualquer clã. Informo também que a sentença para todo o seu conselho é a morte por decapitação, você deve entregá-los pessoalmente até às 8h de amanhã aos Anbus que já estão cercando a área do clã. Tenzo o acompanhará durante todo o processo, não permitiremos qualquer tentativa de fuga ou retaliação. A decisão está tomada, reunião encerrada!

 

A lua já brilhava no céu e a dupla Uchiha observava os arredores de um desfiladeiro, o local onde a Raiz se esconde.
Estranhavam a grande movimentação, alguns shinobi chegavam e saiam rapidamente, em duplas ou trios. Itachi resolveu descobrir da maneira mais fácil. Ele e Izumi seguiram uma dupla mascarada, esperando o momento certo.
Assim que adentraram uma parte mais escura do vale, Itachi e Izumi saltaram em suas costas, Izumi matou um com um corte seco e rápido na garganta, já Itachi desacordou o outro com um golpe sutil na nuca. Arrastaram ambos a um ponto mais afastado, amarrando o vivo a um tronco.
Assim que o Raiz acordou, Itachi o colocou em seu genjutsu. A tortura foi rápida aos olhos de Izumi, a cabeça do Raiz caiu para o lado, ele babava com os olhos opacos. Itachi encarou sua amada com temor no olhar.
Volte imediatamente à Vila, a situação vai ficar crítica.


Notas Finais


A "morte" do Orochimaru acontece igual no mangá, por isso não descrevi. Só coloquei aquela citação pra vocês terem noção de quando ocorreu. Enfim.
Comentem!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...