História Naruto - Aimi - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Naruto
Tags Aimi, Naruto
Visualizações 26
Palavras 2.341
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 10 ANOS
Gêneros: Ação, Artes Marciais, Aventura, Comédia, Crossover, Shounen
Avisos: Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Está é uma história importante, concentre-se, e boa leitura!

Capítulo 1 - Um Novo Caminho.


E mais uma vez eu estava aqui, sentada em minha cama, pensando, eu costumo sempre fazer isso, pensar e pensar, as vezes eu até mesmo vejo o que os outros estão pensando, antes isso acontecia involuntariamente, mas hoje eu até consigo controlar bem

Aimi havia horas aqui pensando bobagens, até que ela escutou alguém batendo em sua porta e interromper seus pensamentos, rapidamente ela levantou-se e foi em direção a porta, e ao abri-la, Nishijiki estava aos berros dizendo:

O que você está fazendo acordada a está hora? Se perdeu em seus pensamentos de novo? Ou está fazendo isso para irritar aos seus superiores? – Disse Nishijiki com um semblante de raiva.

- Ei, mais devagar, para que tanta raiva assim? E para que tantas perguntas também !? – Disse Aimi  sorrindo.

- Você sabe que já deveria estar dormindo, achei que amanhã fosse um dia especial para você. – Disse Nishijiki com um olhar curioso. – Mas parece que eu me enganei.

-Que? É claro que amanhã é um dia especial para mim, finalmente voltarei para a Vila e não viverei mais “trancafiada”. 

- Calma, não precisa se irritar comigo, e também não precisa ser tão dramática. – Disse Nishijiki.

Depois de escutar aquilo ela apenas o ignorou.

Acho que todos a quem me conhecem sabem que eu sempre quis sair daqui, e principalmente o Nishijiki. Nishijiki e Iori são meus senseis, desde que eu cheguei aqui, por volta dos meus cinco anos, eles estavam aqui, eles não foram os únicos que me ensinaram ou que estiveram aqui, mas eles foram os mais presentes.

Nishijiki é uma boa pessoa, mesmo ele se irritando fácil e sendo muito rígido, mas pelo o que eu sei a Anbu costuma ser assim, na verdade eles são piores, conseguem reprimir qualquer tipo de emoção ou sentimento, quando Iori chegou ele era assim, mas do meu jeito, eu consegui muda-lo um pouco, mas ele ainda continua “sem expressão”. Iori é uma pessoa até bonita, tem cabelos lisos, olhos de cor azul, tom de pele claro, e a cor de seu cabelo é como um preto meio acinzentado, pelo o que eu sei, ele a noite costuma sair para ficar olhando para o céu, uma vez ele me disse que seu amor pela vila é imenso como o céu, e cada pessoa é como se fosse uma estrela.

De repente, depois de alguns minutos, ela volta a escutar a voz de Nishijiki, Aimi nem havia percebido que ele ainda estava ali falando com ela, o mesmo estava muito irritado.

- Aimi ? – Disse Nishijiki com o seu semblante de irritação

- Oi, você ainda está ai? Nem percebi, desculpa, estava pensando. – DIisse Aimi com um pequeno sorriso.

- O que? Então você não ouviu nada do que eu falei? Deveria já ter me acostumado com esse seu jeito de sair totalmente da conversa e ignorar o resto do mundo. – Disse Nishijiki com um semblante de conformado.

- Desculpa, mas o que você disse?

- Eu disse que o Terceiro Hokage mandou trazerem um presente para você – Disse Nishijiki.

- Presente? Cadê? Por que você não me disse antes ao invés de ficar enrolando.

- Desculpe, não é algo grandioso, mas sei que você irá gostar, amanhã eu entregarei a você, agora vá dormir, boa noite – Disse Nishijiki.

- Obrigada, boa noite.

Em seguida Nishijiki se direcionou a porta e saiu.

Finalmente a sós, confesso que gosto de conversar com Nishijiki, mas eu queria mais um tempo sozinha, meu último dia aqui, isso me traz lembranças de quando eu cheguei neste lugar.

Quando eu cheguei, eu era apenas uma pequena criança chorona, eu fui trazida por dois ninjas da Anbu, porém eu não lembro o nome deles, e nem os seus rostos, mas lembro que era um dia chuvoso; a primeira pessoa que eu vi foi Nishijiki, um rapaz de aparência pálida, com o cabelo meio espetado, olhos castanhos, assim como o seu cabelo, eu achava ele o mais alto, mas acho que era eu que era muito pequena, eu ainda não cresci tanto, tenho a estatura baixa, e creio que não crescerei muito, mas eu espero ficar mais alta.

As horas pareciam que não passavam, desde que Nishijiki saiu daqui não passaram nem duas horas.

Sem sono, Aimi levantou-se e foi até o espelho que ficava perto de sua cômoda, não muito longe de sua cama; ao chegar lá, olhou-se no espelho, e depois direcionou-se seu olhar a uma tesoura que estava em cima de sua cômoda, e então rapidamente Aimi pegou uma tesoura e cortou um pouco de meu cabelo, mexa por mexa, fazendo assim uma franja, e logo após isso voltou para sua cama e em seguida adormeceu; Aimi não percebeu o quão cansada eu estava por conta de sua ansiedade.

No dia seguinte Aimi acordou disposta, coisa que raramente acontecia.

 Eu sempre acordo com sono, e dificilmente eu acordo de bom humor, mas hoje eu acordei assim, feliz. Logo depois de me levantar, escutei Nishijiki me chamar, então rapidamente prendi meu cabelo para trás, e coloquei uma presilha para segurar minha nova franja.

- Aimi? Posso entrar? – Disse Nishijiki.

- Pode, entra.

- Você ainda não está pronta? Você sabe que horas são? – Disse Nishijiki irritado.

- Não e não, eu já irei me arrumar, mas cadê meu presente?

- Desculpe, já tinha esquecido, vá tomar banho, enquanto isso eu o colocarei aqui em seu quarto – Disse Nishijiki.

Em seguida ele saiu de meu quarto, e eu fui tomar banho, perto de meu quarto havia um banheiro então quando voltei para o quarto estava só de toalha; quando olhei em cima de minha cama vi um pacote, eu nem quis olhar nada, fui logo abrindo, e dentro dele havia uma roupa para mim, uma blusa com as mangas até o cotovelo, uma saia tipo avental azul claro, assim como a blusa, e um short que vinha até um pouco acima dos joelhos, e atrás da blusa havia o símbolo do meu clã. Eu me senti muito feliz com tal presente, e logo depois de passar uns cinco minutos olhando para as roupas eu as coloquei, porém eu não poderia sair com elas, existem muitas normas, e com certeza não será Iori ou o Nishijiki que irão me levar; então eu coloquei um kimono por cima da minha roupa, prendi meu cabelo para trás com um coque, coloquei as presilhas para segurar a franja, e escondi as presilhas com meu protetor de testa de Konoha.

Logo em seguida sai do meu quarto e fui para a frente da casa, lá estavam dois ninjas da Anbu, Nishijiki e Iori. Então, logo me aproximei e disse:

- Vocês também irão, Nishijiki, Iori?

- Não Aimi, desculpe, agora que nossa missão de cuidar de você acabou, teremos que voltar para a Anbu, e fazer outras missões, mas não iremos agora, precisamos arrumar umas coisas por aqui ainda. – Disse Nishijiki com um olhar um pouco triste – Mas não se preocupe, Ichiro e Yasu irão te levar em segurança.

- Tome conta dela Ichiro, Yasu – Disse Iori com um pequeno sorriso.

- Sim! – Disse Ichiro.

Eu fiquei surpresa, finalmente tinha conseguido uma expressão de Iori, mas era hora de partir, e eu não gosto de despedidas então eu apenas encarei aquilo como um breve adeus, deu um sorriso e disse:

- Obrigada por tudo, espero ainda ver vocês. – Disse Aimi.

Então eu dei as costas para eles, e logo após isso, Eu, Ichiro e Yasu começamos a andar, e eu comecei a sentir que minha vida estaria começando a partir de agora. Eu sempre vivi naquele lugar, eu morava em uma casa próxima a Konoha, minha vila, mas não era tão próxima assim, precisava-se andar um pouco até chegar a Vila.

Depois de meu pai ter morrido, e minha mãe ter me deixado, eu vivi uns meses com o Terceiro Hokage, foram meses agradáveis, quando ele e outros ninjas chegaram em minha casa, praticamente tudo estava devastado pelas chamas, e eu estava com meu pai em meu colo, meu pai já estava quase sem vida, eu ainda lembro-me de suas últimas palavras: “Aimi, você será uma grande ninja, honre meu Clã, que também é o seu, e honre estes poderes que você acaba de despertar. ”

Naquele dia, mais cedo, antes disso acontecer, eu e meu pai estávamos sentados no terraço de casa, como de costume, passávamos horas ali conversando, pensando, e as vezes até mesmo jogando algum jogo; meu pai era uma pessoa gentil, cautelosa, e bem determinada, eu costumo dizer que ele era um homem “perfeito”, além de ter esse seu jeito cuidadoso, ele também era muito bonito, tinha cabelos lisos que batiam em seu ombro, seus cabelos eram pretos, ele tinha grandes olhos castanhos escuros, e um tom de pele pálida, ele costumava usar sempre um kimono, de cor azul claro, com detalhes pretos; nós sempre tivemos uma relação muito boa, ao contrário de minha relação com minha mãe, que era uma das piores, mas não por minha culpa, e sim por culpa dela, minha mãe era uma pessoa rude, fria, orgulhosa, e maldosa, desde que eu me lembro, ela me colocava para fazer treinos duros para minha idade, porém, eu não reclamava, contanto que eu estivesse com ela, estava tudo bem para mim. Minha mãe não dava atenção para meu pai, e muito menos para mim, acho que ele não a deixava por minha conta; ela também não se importava conosco, para ela as coisas mais importantes eram controlar o meu poder, e me tornar uma ninja forte, eu não sei quais eram os seus propósitos ou ideias, mas sei que sem sombra de dúvidas não eram nada bons.

Aimi continuava andando com Ichiro e Yasu, ela não tinha olhado para trás desde que deu as costas para Iori e Nishijiki, ela sentia-se bem, porém triste por saber que nem tão cedo iria ver novamente os dois.

O caminho era tranquilo, e ela se sentia segura por estar com dois ninjas da Anbu, Aimi não sabia o potencial dos dois, mas acreditava que por serem da Anbu eles veriam ser grandes ninjas, então ela continuou seguindo seu caminho, apesar de estar ansiosa, ela demonstrava estar bem tranquila, as vezes até soltava uns sorrisos, ela não conseguia conter sua felicidade, coisa que Ichiro e Yasu achavam bem estranho, já que os dois eram treinados para reprimir qualquer tipo de sentimento e emoção.

Depois de passar um tempo andando, Aimi já conseguia ver a entrada de Konoha, e o Terceiro Hokage que estava a sua espera, sem pensar muito, Aimi começou a correr disparadamente em direção ao Terceiro Hokage, e assim que o alcançou, deu-lhe um grande abraço, um abraço que fez escorrer algumas lágrimas, coisa que raramente acontecia, pois por Aimi ter passado por tantas coisas, cada lembrança, cada lagrima que ela já teria escorrido fez com que ela se tornasse um pouco fria, mesmo ela sendo assim, ainda reclamava um pouco da frieza que Iori tinha por ser da Anbu.

 Aimi e o Terceiro Hokage passaram uns minutos abraçados na frente de Konoha, até que ele a soltou, olhou para o seu rosto e disse:

- Aimi, como você cresceu, nem tanto, mas já faz tanto tempo que eu não a via que é como se eu tivesse perdido todo o seu crescimento. – Disse o Terceiro Hokage.

- Pai, eu não sei dizer o quanto estou feliz, finalmente eu pude voltar a Vila, e finalmente poderei ser uma pessoa normal, e até mesmo ter amigos. – Disse Aimi com um sorriso no rosto.

- Aqui você pode ser como quiser, não precisa mais seguir todas aquelas regras. – Disse o Terceiro Hokage.

- Ser como quiser? – Disse Aimi.

Rapidamente, Aimi removeu seu protetor de testa, retirou as presilhas que seguravam sua franja, retirou o kimono que escondia suas novas roupas que ela vestia, e soltou seu longo cabelo castanho que era uma mistura de liso com ondula, e que batia em sua cintura, e então ela recolocou seu protetor de testa, deixando sua franja por cima do protetor, sua franja era usada para o lado esquerdo, não cobria toda a sua testa, e isso fazia com que o símbolo de Konoha ficasse meio a mostra em seu protetor.

Depois de presenciar tal mudança no visual de Aimi, o Terceiro Hakage, junto com Ichiro e Yasu ficaram surpresos.

- E então, o que acham? Eu estou bem? – Disse Aimi.

- Sim! – Respondeu O Terceiro Hokage, Ichiro e Yasu, com um olhar surpreso em seus rostos.

Depois que eu escutei as palavras “ser como quiser”, eu me senti livre de todo aquele peso que eu carregava, um peso que eu carreguei por seis anos e meio, regras estupidas que eu tive que seguir; eu não tive infância, eu não tive amigos, eu não podia vestir o que eu queria, ou ao menos usar meu cabelo solto, eu sempre segui regras, eu sentia como se eles tivessem feito um cronograma de todos os meus passos, desde o meu acordar até o meu adormecer. Minha rotina era feita por acordar cedo todos os dias, me arrumar, tomar café da manhã, treinar, almoçar, ter aulas, jantar, e me arrumar para dormir; e foi assim todos os dias, até a duas semanas atrás quando eu recebi a notícia de que voltaria para a Vila para prestar o Exame Chunin, um exame que todos os genin devem fazer para se tornarem chunins, as habilidades de cada genin serão testadas, e se eles se saírem bem, se tornarão chunins.

Eu não entrei para uma academia, por ter sido afastada da Vila, a “academia” foi o meu treino, e aulas teóricas que eu tinha todos, aulas sobre os princípios de um ninja, controle de chakra, ninjutsu, genjutsu, taijutsu, entre outras coisas que eu tive que aprender; eu estou confiante para esse exame, não sou a melhor ninja, mas com o Terceiro Hokage, e o Asuma aqui, não posso perder.

Depois de Aimi passar por tal “transformação”, Ichiro e Yasu se dispersaram, e então o Terceiro Hokage e Aimi entraram em Konoha.

 


Notas Finais


Obrigada por lerem, é muito importante para mim o saber que vocês gostaram, então se puderem deixem um comentário, obrigada .


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...