História Nas Asas Do Amor - Capítulo 26


Escrita por: ~

Postado
Categorias Fifth Harmony
Personagens Camila Cabello, Lauren Jauregui
Tags Camilacabello, Camren, Laureng!p, Laurenjauregui
Exibições 421
Palavras 943
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Crossover, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Insinuação de sexo, Intersexualidade (G!P)
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


HAHA SUPRESA CAMRENDAY E PRA COMEMORAR OS 4 ANOS DE TROUXAS
MAIS UM CAPITULOS PRA VCS

Boa leitura.

Capítulo 26 - Capitulo 26


Ficaram cara a cara, nariz com nariz, encarando-se como duas crianças em um recreio escolar. Se não estivesse tão furiosa, Camila teria rido. Mas não havia nada cômico em sua ameaça. Ela faria o que prometia. Ela só tinha de olhar para seus olhos determinados para saber que Lauren pretendia realmente fazer o que dizia. Com palavras bem escolhidas, ela poderia arruinar seu negócio antes que decolasse. Literalmente.

— Isso é chantagem — Camila disse friamente.

Ela encolheu os ombros sem se preocupar.

— Então me processe.

— Não me pressione, doutora. Por dois centavos, eu posso fazer isso.

— Vá em frente, querida e veja até onde você vai. Nenhum júri neste país condenará uma mulher por cuidar do bem-estar de seu filho ainda não nascido e sua mãe.

Ela estava certa e Camila sabia.

— Dane-se, Lauren. Estou grávida, não doente! Você não tem de me rondar como se eu fosse entrar em colapso a qualquer momento. Sou saudável como um cavalo.
Pressentindo sua vitória ela sorriu.

— Fico feliz em ouvir isso. Detestaria que o piloto perdesse seu almoço enquanto voamos. Quando decolaremos?

Derrotada e gostando secretamente da companhia dela, Cammila não teve escolha a não ser ceder.

— Decolaremos em quinze minutos. Creio que há lugar para você. Desta vez. Mas não pense que se tornará um hábito me seguir como um cão de guarda. Isso não acontecerá — ela avisou.


— Faça o que quiser, querida — Lauren disse com uma inocência que não a enganou nem um segundo. — Meu intuito é agradar.
Ela bufou e voltou ao seu exame pré-vôo e o deixou fazendo as apresentações aos dois passageiros, o que não foi difícil para ela. Dentro de minutos os três  estavam rindo e conversando como velhos amigos, o que, por alguma razão perversa, a irritou ainda mais. Qual era a graça?

Acabada a checagem de última hora e vendo que tudo estava em ordem, ela suspirou, liberando a tensão em seu maxilar e forçando um sorriso para seus clientes.

— Ok, cavalheiros, estamos prontos para partir. Podem embarcar agora. Senhor Haggendorf, por que não se senta no assento do passageiro na frente? Assim o senhor poderá ver melhor — ela sugeriu, já que ele era o comprador interessado no rancho que eles sobrevoariam. —
O senhor poderá se sentar no assento atrás dele, Sr. Smith — ela acrescentou ao corretor de imóveis. — O senhor poderá apontar os itens de maior interesse. — Isso deixou o assento atrás dela para Lauren.

Ela se sentou sem nenhuma palavra de reclamação e dentro de segundos todos tinham seus cintos afivelados e ela deu partida no Cessna. Era um dia frio, mas perfeito para o vôo. Não havia uma nuvem no céu e os ventos estavam altos. Normalmente, Camila se perderia na liberdade do dia, mas sua atenção estava focalizada na mulher dos olhos verdes,seu inferno pessoal. Mesmo que ela continuasse conversando com os outros dois homens, ela podia sentir seus olhos sobre ela, prestando atenção em todos os seus movimentos. Como se ela fosse perder o controle a qualquer segundo, ela pensou, cada vez mais ressentida. O que Lauren faria se ela se sentisse mal? Tomaria conta dos controles? Não ia mesmo.


Circulando em volta da propriedade que o Sr. Haggendorf estava interessado, de maneira que ele pudesse vê-la melhor, ela praguejou silenciosamente por ter cedido à chantagem de Lauren. Ela cedeu, pensou desgostosa. Como havia cedido a Austin.
Exceto que, com Austin, ela cedia a maior parte do tempo para manter a paz. Já Lauren ela realmente queria tê-la com ela.

Mas de jeito nenhum ela devia ter aceito o blefe. Só porque estava carregando seu bebê não significava que ela tinha o direito de se intrometer na vida dela. Ela lhe diria isso assim que pousassem e ficassem sozinhas.

O Sr. Haggendorf, entretanto, não queria descer. Em vez de inspecionar apenas um rancho, ele e o corretor tinham uma lista completa que gostariam de inspecionar do alto e Camila não podia reclamar já que estavam pagando muito bem pelo serviço. Levaram horas e em nenhum momento da tarde Charlie a chamou pelo rádio para dizer que Lauren era necessário na clínica. Quando ela voltou com os três  para o campo de pouso, estava cansada, suas costas doíam e teve de juntar toda sua energia para esboçar um sorriso quando Richard Smith, o corretor de imóveis, lhe pagou e lhe prometeu telefonar sempre que tivesse alguém interessado em grandes ranchos na área.

— Preciso de uma hora de antecedência para aprontar tudo

— ela lhe disse enquanto lhe dava um recibo. — É só me telefonar.

Lauren se posicionou como uma protetora ao seu lado e, ao notar as olheiras em seus olhos, disse baixinho assim que ficaram sozinhas:

— Você está bem? Parece cansada.
Era a coisa errada para se dizer.

-- Não comece, doutora! — ela rosnou. — Você está certa. Estou cansada. Minhas costas doem, sinto como se não tivesse comido nada a semana inteira e estou com tanta raiva de você que gostaria de lhe pendurar pelos dedos dos pés.

— Eu? — perguntou inocente. — O que eu fiz?

— Não me olhe com esse olho arregalado de criança. Sabe exatamente o que fez. E não vou suportar isso. Você está me ouvindo? — ela perguntou lhe dando um soco no peito. — Você não pode me envolver em algodão e me colocar em uma prateleira como se eu fosse uma boneca de porcelana. Não deixei que Austin fizesse isso e não deixarei você.

— Austin… Então esse é o nome do idiota. Fiquei pensando… O que ele fez com você?

Notas Finais


E agora heim? Haha ate a próxima sweetie's i love vocês.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...