História Nas Sombras De Um Tempo - Capítulo 6


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Visualizações 3
Palavras 1.777
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Ecchi, Fantasia, Ficção, Hentai, Luta, Magia, Mistério, Romance e Novela, Sobrenatural, Steampunk, Survival, Suspense, Terror e Horror, Violência, Yaoi, Yuri
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Canibalismo, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Intersexualidade (G!P), Linguagem Imprópria, Mutilação, Necrofilia, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Suicídio, Tortura, Transsexualidade, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Bem, NÃO, infelizmente eu não voltei ainda, eu só separei uma madrugada pra relaxar e tentar desconcentrar dessa minha rotina corrida...então resolvi fazer esse capítulo, desculpe se ficou muito grande e entediante, e também porque de novo não teve foto de capa...então, te desejo uma ótima leitura, e lembra, se tiver alguma dúvida, pode comentar que eu vou ter o prazer de responder você! ^^

Capítulo 6 - Capítulo 5


eu acordei com os raios do sol batendo em meu rosto, indicando que já era dia, eu abri lentamente meus olhos e vi que Merlin já não estava mais ao meu lado, eu fiquei preocupada e me enrolei nos lençóis que haviam ao meu lado, descendo as escadas eu esfreguei os olhos, bocejando, senti um cheiro maravilhoso de comida, oque me fez acelerar o passo, chegando na sala, olhei pro sofá e vi que Amy já não estava lá também, eu caminhei até a cozinha e corei na hora

Merlin estava sendo coberto apenas por um avental, cozinhando, eu coloquei a mão na boca, desviando o olhar, ele deu um sorriso radiante

-bom dia! acordou cedo...-ele riu, acenando pra mim e colocando um prato com 6 panquecas empilhadas, elas eram molhadas por um caramelo e ao lado deste prato, na mesa, ele colocou um copo de café

-não sabia qual tipo de café você tomava, então fiz café com leite...-ele riu, sem graça, eu sorri e sem falar nada me sentei á mesa, começando a comer, ele se virou pra mim e continuou a cozinhar, dava pra ver meus arranhados em suas costas, eu soltei uma risada irônica

-oque foi? tem algo no meu cabelo? -ele riu alto, colocando um prato com a mesma porção de comida que a minha na mesa, logo depois se sentando

-suas costas...-eu falei, corando, que situação embaraçosa...

-não se preocupe com isso- ele sorriu enquanto devorava a comida, bebendo um copo cheio de café expresso sem açúcar, eu dei um gole no meu café, estava doce, gostava daquilo

-onde a Amy foi parar?...-eu falei, de boca cheia, ele terminou de mastigar e disse com um breve sorriso em seu rosto

-eu dei uns dribles nela...-ele riu- eu esperei ela acordar e tomar banho, ai ela saiu logo depois pra trabalhar, vocês são bem parecidas...

-por favor, não me ofenda, só porque Amy é minha irmã não quer dizer que nosso relacionamento é um mar de rosas...-eu ri ironicamente- bem, é bom que ela não te viu, ela anda bebendo muito e ficando uma filha da puta idiota...

-parece que alguém acordou de mal humor...-ele debochou e colocou seu prato e copo na pia, nessa altura a pia estava cheia de louça pra lavar

-ei! não me tire de pavio curto....-eu cruzei os braços, percebendo que ainda estava sendo coberta apenas por um lençol e ele por um avental-ei, acho melhor nos vestirmos...

-realmente, preciso voltar ao meu castelo..tenho pesquisas a terminar...-ele suspirou, eu pus meu prato e copo na pia, colocando a mão na nuca depois, estava bem á frente de Merlin

-poderei ir?...-eu disse, sem graça, ele sorriu e assentiu, me dando um beijo rápido depois disso, nós subimos e eu me troquei, com uma Jeans preta e uma camisa de botão amarela, eu olhei pra Merlin, ele vestia calças de algodão bege e uma camisa azul

-abelha...-ele debochou de mim, rindo alto, eu dei um leve soco em seu braço, de repente, meu estômago embrulhou de uma forma que parecia que ele queria se comer, que nem a Oroboros, e apagar a minha existência da história, eu coloquei minha mão direita na barriga e a esquerda na boca, correndo pro banheiro, chegando lá eu levantei a tampa do vaso e vomitei tudo que havia comido, Merlin apareceu atrás de mim, segurando meu cabelo pra o mesmo não sujar, eu sentia sua preocupação e aquilo me comovia

-deve ser...-ele falou preocupado enquanto eu terminava de vomitar-...a gravidez...isso é um sintoma típico de gravidez...-ele ajeitou meus cabelos no meu ombro, eu me virei pra pia e comecei a lavar meu rosto e boca

-sim...mas é só eu abortar...-eu disse, meio chorosa e com os olhos marejados, pegando remédios que eu e Amy usavamos pra abortar e tirando 2 pílulas do pacote, quando eu ia enfiar na boca, Merlin deu um tapa na minha mão, derrubando as pílulas no chão

-não...-ele disse sério-...não admito que você aborte, mesmo a criança não sendo minha...

-Merlin, eu vou morrer de qualquer forma, e essa criança também, só muda o tempo das coisas, se eu abortar agora, isso vai morrer antes de mim-eu disse, meus olhos encheram de lágrimas

-...''isso''?...é o seu filho, e eu nunca deixaria o bosta do Tristan te queimar...-ele disse, sério, tão sério que chegava a me assustar, Merlin era bom e tinha um ótimo senso de humor, mas quando ele se irritava, corram se puder...-...você não vai matar essa criança, eu tenho um plano...

ele passou a mão direita na minha bochecha, minhas lágrimas escorreram e molharam sua mão

-oque é?...-eu disse, fungando e saindo do banheiro, ele me seguiu e assim fomos pra sala, ele sentou á minha frente e assim, ele me explicou seu plano

(QUEBRA DE TEMPO: 1 dia depois)

POV MERLIN

Eu acordei ao lado de Clarissa, bocejando, passei a mão em meu rosto e olhei o relógio, vi que eram 12:38, tive certeza absoluta que Amy já havia saído, ela costuma sair às 08:00, por ai, então tranquilamente eu me levantei e desci as escadas, me dirigindo a cozinha, eu abri a geladeira e peguei leite, o misturei  num copo com café e açúcar mascavo e o separei na mesa, pegando um outro copo e colocando apenas café, depois peguei dois pedaços de um bolo de cenoura e beterraba que estava no armário e subi as escadas, coloquei os copos e os pedaços de bolo em cima da mesa e sentei ao lado de Clarissa, que abriu seus olhos em seguida, mostrando nos mesmo um mesclado de mel amarelado com chocolate amargo, ela olhou pra mim e deu um sorriso, assim retribui e peguei seu copo de café e seu bolo, os estendendo e esperando ela os pegar

-desculpe, acordei com preguiça de cozinhar algo melhor...-eu disse após ela se sentar e pegar o copo e o pedaço de bolo-...bom dia...

-isso está ótimo...-ela mordeu o bolo, falando de boca cheia e sorriu 

-qualquer dia desses vou lhe ensinar os modos...-eu resmunguei, afinal, desde os meus 10 anos até os meus 18 eu estudei numa escola de etiqueta

-eu adoraria isso...-ela disse, com um sorriso malicioso nos lábios e um breve olhar safado pra mim, senti minhas bochechas fervendo, desviei o olhar e ligeiramente mudei de assunto

-hoje eu volto pra o meu castelo, Lorren deve estar morrendo de ciumes- eu dei um gole no café após falar

-ahn.. eu posso ir com você?...-ela disse docemente-...quer dizer, eu iria atrapalhar muito?...

- n-não! Nunca iria me atrapalhar, só não sei como iria te apresentar á Lorren, ela é vampira, e vampiros são ciumentos, possessivos, rancorosos e vingativos...-eu falei, terminando de comer o bolo

-bem...pode falar que eu sou uma irmã da comandante das fadas, nós realmente somos amigas e sei que ela me faria esse favor...-ela disse como se fosse a coisa mais fácil do mundo

-as coisas não funcionam assim, Clary...-eu disse, franzindo o cenho-...não é tão fácil...

-é sim...-ela terminou de tomar seu cafe- é só irmos até Regalía e pedirmos á ela, ela com certeza vai aceitar, conheço a gente fina que ela é...

-tem certeza? -eu perguntei-lhe - isso pode ser arriscado...

-não enquanto estivermos juntos...-ela disse enquanto se levantava e pegava minha mão, esperando que eu me teletransportasse, com um lindo sorriso resplandecente e inocente em seu rosto, eu me teletransportei até Regalía, o país das fadas, aparecemos lá, tudo lá era meio colorido, enjoativo, uma fada se assustou conosco, (PS DA AUTORA: as fadas não medem cm, mas não são nenhum gigante, a aparência de uma fada é mais ou menos assim: 1.38 de altura, uns 30 ou 40 quilos, todas as fadas tem em alguma parte do corpo uma coloração diferente de cor de pele, que aliás, era quase branco como papel, sério, as fadas tem um tom de pele MUITO branco isso pode variar de verde, azul, rosa ou roxo, elas nunca tem cores normais de cabelo, NUNCA, tipo, ao invés de castanho, o cabelo vai ser rosa, e os olhos de todas as fadas, sem exceção, são pretos, completamente pretos, elas tem asas de tamanho médio, as asas delas se assemelham á de libélulas, a maioria da raça é dominada por mulheres, se assemelhando com a raça dos deuses), ela ficou olhando pra mim como se eu fosse um titã, acho que ela desmaiaria ao ver um verdadeiro de perto...

-quem são vocês?...da onde vocês vieram?...-ela disse, assustada, ela parecia ver um alien, estranhava tudo em nós, nossas roupas, cabelos, olhos, tudo, até porque, Regalía era semelhante á uma grande floresta colorida, as fadas se vestiam com folhas, fazendo vestidos de folhas secas e flores, coisas do tipo, os cabelos das fadas eram coloridos ao extremo, e seus olhos, completamente pretos

-somos feiticeiros...viemos de Fireclune, procuramos a sua comandante...-eu disse, sorrindo inofensivamente 

-ela se chama Bethânia...-clarissa disse pra mim, me corrigindo, a fada pôs a mão em seu queixo, provavelmente tentando lembrar de algo, ela balançou a cabeça e coçou a mesma, enfiando a mão entre seus cabelos vermelhos, a ponta de seu nariz, seu queixo e as pontas de sua mandíbula eram levemente roxas, normal pra raça

-ela provavelmente está em seu castelo...-ela disse, já mal nos conhecia e já tinha certeza que éramos confiáveis, fadas...criaturas tão ingênuas e trouxas...-posso levar-lhes até lá...

-claro....se Isso não te incomodar....-claro exclamou, naquele lugar estava nublado, a fada rapidamente começou a bater suas asas, depois de uns 3 segundos ela se deu conta que nós não tínhamos asas, então ela desceu, batendo seus pés no chão ao cair de uma mínima altura graças á suas asas

-desculpe...esqueci que vocês são apenas bruxos...-ela pôs a mão na nuca, nesse ponto eu estava estourando de raiva, como assim APENAS bruxos? Quem aquela mísera fadinha acha que é perto do próprio Merlin? Ela devia pagar com a própria língua, mas como Clarissa estava do meu lado, me segurei e apenas fiquei com uma cara feia...

-aaah..tudo bem, iremos de outro jeito então...-clarissa suspirou, pegando minha mão e esperando que eu me teletransportasse, assim eu fiz, em um piscar de olhos nós estávamos nos portões do castelo de Bethânia, o castelo dela era uma grande árvore, com várias criaturas e outras fadas ao lado do castelo, uma diversidade de folhas verdes ou coloridas, o portão era feito de madeira, obviamente, entramos devagar, este castelo não tinha muita segurança, e já estávamos no salão do trono, onde Bethânia dormia tranquilamente em seu trono, seus cabelos eram azul claro e radiante, suas mãos, pescoço e ombros eram verdes, ela vestia um lindo e longo vestido de flores que arrastava no chão, em sua cabeça, misturada com seus curtos cabelos azuis havia uma bela coroa de rosas, Clarissa se adiantou e correu pra o trono, pondo suas mãos nos ombros da amiga, que acordou assustada logo em seguida, suas asas se levantaram rapidamente por impulso




Notas Finais


Eu talvez voltarei


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...