História Nascida do céu, criada pelo inferno - Capítulo 27


Escrita por: ~ e ~amberheardr

Postado
Categorias Amber Heard, Jared Padalecki, Jensen Ackles, Supernatural
Personagens Abaddon, Adam Milligan, Aidan, Alex Jones (Annie Jones), Anna Milton, Ash, Balthazar, Bela Talbot, Bobby Singer, Castiel, Charlene "Charlie" Bradbury, Chuck Shurley, Claire Novak, Crowley, Dean Winchester, Diana Ballard, Dorothy Baum, Ellen Harvelle, Gabriel, Gadreel, Garth Fitzgerald IV, Hannah, Jo Harvelle, Jody Mills, John Winchester, Kevin Tran, Lilith, Lúcifer, Mary Winchester, Meg Masters, Michael, Miguel, Naomi, Personagens Originais, Rafael, Rowena MacLeod, Ruby, Sam Winchester
Tags Apocalipse, Lucifer, Luta, Mistério, Morte, Romance, Tortura, Violencia
Exibições 110
Palavras 3.049
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Colegial, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Fantasia, Hentai, Luta, Mistério, Romance e Novela, Sobrenatural, Suspense, Terror e Horror, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Canibalismo, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Oi gente!! Nos perdoe pela demora, com o Enem e tudo mais tivemos que estudar e essas coisas, agora o ritmo de escrita vai continuar um pouco devagar pois a Ligia acabou ficando doente um tempo depois, nada muito sério! Mas enfim, esperamos que gostem do capítulo!! <3 Bjs Tia Cami e Tia Ligia.

Capítulo 27 - Pequenas Indiferenças


Fanfic / Fanfiction Nascida do céu, criada pelo inferno - Capítulo 27 - Pequenas Indiferenças

Os caçadores chegaram na casa de Bobby no começo da manhã. Sam entrou na frente carregando sua mochila em um dos ombros, nem se importou de checar se havia alguém em casa, apenas subiu as escadas seguindo para seu quarto. 

Desde o acontecimento com as bruxas que o Winchester mais novo não trocava palavras com ninguém, nem ao menos com seu irmão. E tudo porque Catherine ainda tinha raiva dele. - E a garota tinha sérios motivos para ter, uma raiva tão grande que não acabaria tão fácil assim. 

O casal entrou logo em seguida, Cath estava encolhida ao lado de Dean enquanto o loiro mantinha um braço sobre os ombros de sua namorada. Ambos também estavam calados, mas seus motivos, eram as tensões que passavam por todo seu corpo atingindo seus cérebros, ao se lembrarem de que teriam que encarar Emma e Bobby para contarem a novidade do relacionamento dos dois. 

Sabiam bem que o casal era cabeça dura, e que possivelmente eles se recusariam a aceitar já que Dean estava com o pé na cova. Mas Catherine ainda tinha esperanças de poder salva-lo, faria o impossível, mas não perderia o Winchester para o inferno. 

Entraram na cozinha e encontraram Emma e Bobby no cômodo, o velho Singer estava sentado na mesa comendo seu café da manhã, enquanto Emma estava em pé encostada na pia. - Por algum motivo os caçadores mais novos notaram que tinham estragado alguma coisa.

- Acho que deveríamos ter entrado em silencio. - Dean riu, fazendo a garota ao seu lado sorrir. 

- Oi mãe, Bobby. - Cath cumprimentou os dois apenas com um aceno de cabeça. Estava tendo a leve impressão de que Dean não a deixaria fugir daquele abraço,ele estava muito mais nervoso do que ela. 

- Finalmente resolveram aparecer. - Emma largou sua xícara de café e se aproximou do casal, olhando exclusivamente para sua filha. - Há quanto tempo não nos falamos? Um mês? - Questionou com ironia. 

- Mãe! - Catherine suspirou se encolhendo mais ainda nos braços de Dean. Mas sabia que ela tinha razão. Desde o caso dos sonhos que ela se afastara completamente de sua mãe e de Bobby. No começo por estar chateada, não havia conseguido o que queria com o demônio. E ainda tinham o fato de que estavam atrás de Bela. 

- Desde o ultimo caso do Bobby que não nos falamos. Eu acabei de te reencontrar. - Emma agarrou a mão da garota e a puxou para longe de Dean, enquanto a envolvia em um abraço. - E ainda ficou zanzando pelo mundo com esses Winchester, poderia ter morrido. 

A mulher fitou Dean seriamente por cima do ombro de sua filha. Tanto que o loiro recuou um passo, com medo de que ela pudesse atirar nele a qualquer momento. O tom que ela tinha usado para ditar o sobrenome "Winchester" parecia ser de nojo e ódio. 

- Mãe, eu estou bem. - Cath agarrou os ombros da mulher a empurrando para longe, estava quase sufocada. 

- Não, não está. E você não vai viver nesse mundo de caças. 

- Emma já conversamos sobre isso. - Bobby interviu atraindo a atenção da mulher.

- Sim, e ambos concordamos que a Catherine deveria ficar longe desse mundo. 

- Bobby, diga que não concordou com isso. - Cath virou a cabeça olhando para o caçador logo atrás de sua mãe. 

O velho Singer apenas voltou a encarar o seu café da manhã sem dizer mais nenhuma palavra. - Aquela já tinha sido a resposta final que a garota não queria ouvir. - Voltou a encarar sua mãe na sua frente, as duas se fitavam com certa irritação. 

- Eu sou sua mãe, você tem que me obedecer.

- Eu tenho vinte anos, e faço o que eu quero. - Cath rebateu cruzando os braços. - Eu vou continuar caçando sim, e ninguém irá me impedir. - Deu as costas para Emma e andou até Dean agarrando o braço do loiro. Parou e olhou por cima do ombro para sua mãe. - A propósito, eu e o Dean estamos namorando. 

Emma gritou um palavrão enquanto chamava pela filha, mas Cath não estava afim de escuta-la, saiu arrastando Dean pela casa para subirem no andar de cima. Sem questionar o loiro a seguiu até o quarto. 

Catherine trancou a porta e se encostou na madeira, tombou a cabeça pra trás fechando os olhos e respirou fundo. Quando voltou a encarar seu namorado, ela tinha uma feição mais triste. Por mais que Dean gostasse do fato dela confiar nele para abaixar a guarda, ele não gostava de vê-la tão frágil daquela forma. 

- É impressão minha ou sua mãe odeia eu e o Sam? - Dean questionou confuso.

- Não. - Cath se afastou da porta e andou até a cama aonde se sentou. - Ela não odeia vocês, odeia o pai de vocês, e deve achar que todo Winchester é igual. 

- Meu pai? - O loiro ergueu uma sobrancelha mais confuso do que nunca. - Ah é, aquela história que você ficou de me contar ah um mês atrás, mas não falou. 

Catherine cruzou suas duas mãos e ficou encarando elas enquanto respirava fundo várias vezes, ainda parecia um pouco tensa com aquilo tudo. 

- No diário da minha mãe, ela conta que se envolveu em um caso com seu pai e eles acabaram ficando. John prometeu ajuda-la a me procurar e foi o que ele fez por um ano, eles estavam bem juntos. Até o dia em que seu pai simplesmente desapareceu sem deixar recado, minha mãe achou que tivesse acontecido algo com ele. E três meses depois...Ela foi pega por Djins, e descobriu que John havia usado ela como isca para atrair aquelas criaturas. Ela quase morreu, e depois soube que o pai da Jo havia passado pelo mesmo, mas que não teve a mesma sorte. Ela passou a odia-lo, e odiou mais ainda porque John sempre soube como achar Azazel e nunca contou isso a ela. 

- O fato do meu pai ter sido um cretino, não quer dizer que eu e o Sam sejamos iguais. 

- É.. - Cath concordou. - Mas ela não pensa dessa maneira. 

Dean se sentou ao lado da namorada e a encarou tentando ver algum vestígio de mentira ou até mesmo algo mais profundo nela. Mas ela estava apenas triste. - Passou um braço envolta da cintura dela a puxou para perto dele a abraçando enquanto afagava seus cabelos e a deixava encostar a cabeça em seu peito. 

- Não se preocupe, ainda vou conquistar a sogrinha. - Sorriu beijando a testa de Cath. 

A garota permaneceu em silencio por alguns instantes, pensando se contava pó resto da história ou não. Deu um longo suspiro e decidiu que se tinha começado, deveria levar até o fim. 

Se afastou do loiro de forma que pudesse olha-lo nos olhos novamente. Torceu o lábio em uma careta nada amigável. 

- Tem mais uma coisa. - Começou baixinho, ainda tinha receio de contar aquilo. Dean se ajeitou sobre o colchão de forma a ficar frente a frente com ela, dando a oportunidade para que Cath prosseguisse. - Quando a minha mãe foi pega pelos Djins, ela estava grávida do John. Estava grávida de gêmeos e os perdeu. 

Cath não viu Dean esboçar nenhuma careta ou simplesmente trincar a mandíbula. Mas viu as mãos dele se fecharem em punhos como se naquele instante estivesse sentindo ódio de seu pai, pela nova descoberta. - A garota permaneceu estática, se perguntando, se realmente deveria ter contado aquilo a ele. Mas ela também tinha ódio do John, a oportunidade dela ter irmãos havia sido tirada dela. Também havia sido tirada de Dean. 

*** 

Sam saiu da casa de Bobby, no instante momento em que notou que não descansaria naquela casa. Estava pensativo demais, o problema era que só pensava em Catherine e não poderia dividir esses pensamentos com ninguém. O que pensariam dele se dissesse que estava pensando na namorada de seu irmão? - O problema não era pensar nela. Não tinha nada demais seus pensamentos, eram apenas aqueles sonhos malditos que o Winchester voltará a ter. 

Mas como falaria para alguém sem que o julgassem? Para Dean não poderia falar, seu irmão nunca acreditaria que Cath poderia ou não ser uma assassina que Sam via em seus sonhos. Se bem que nem mesmo o Winchester mais novo conseguia acreditar que ela é uma assassina. Não se parecia com uma, ela tinha um coração bom demais para tal ato. Mesmo que fosse muito perturbada. 

O Winchester caminhou até o antigo ferro velho que ficava ao lado da casa de Bobby, queria ficar sozinho e longe de todos. Só ele é seus pensamentos. Ninguém o entendia, ainda mais com o histórico de paranormalidade em sua vida. Sabia que seu irmão ainda o via como alguém esquisito que tinha o poder de ver o futuro. Mesmo que Sam não visse mais. Os sonhos que ele tinha com Catherine poderiam ser considerados visões, mas do passado.

- Sam. 

O rapaz havia parado de andar ao ouvir uma voz feminina atrás dele, se virou e deu de cara com Ruby, sentiu um certo incomodo em vê -lá. Desde o incidente com as bruxas se sentia um idiota em confiar em uma demônio, mesmo que ela tivesse salvado suas vidas, havia afastado Catherine dele. E isso o deixava mais desconfortável ainda. 

- O que veio fazer aqui? - Questionou com certa apreensão enquanto dava alguns passos para perto dela. 

- Vim te alertar sobre aquela garota. - A demônio apontou para a casa de Bobby. 

- Catherine? Ela não fez nada. 

- Você tem certeza? 

- Para Ruby. - Sam ergueu uma mão no ar indicando para que a loira demoníaca se calasse. - Por sua culpa a Cath não olha mais na minha cara. Ela não é um monstro, vocês a fizeram assim. Ela passou terríveis anos no inferno. 

- Por que está defendendo ela agora? Por acaso está apaixonado por ela? A namorada do seu irmão? - A loira o provocou, parecia de certa forma irritada com aquilo. 

- Claro que não. - Sam gritou acusando sua irritação com ela. - Cala a boca Ruby e vai embora. 

- Não eu não vou. Sabe por que? - Se aproximou mais ainda do Winchester de forma a ganhar toda a sua atenção. - Por que a sua querida amada tentou te mandar pro inferno. 

- Que? - Os olhos claros de Sam se elevaram mediante aquela afirmação. - Isso é um blefe,  ela nunca faria isso. Mesmo estando com raiva de mim ela ainda tem um coração bom. 

O Winchester tentava convencer a si mesmo sobre isso.  Não conseguia imaginar a garota em uma encruzilhada tentando vender a alma dele. 

- Sabe por que  você não acredita? - A loira deu a volta ao redor de Sam como se ela fosse uma predadora prestes a ataca - lo.  Mas ele sabia que ela só estava com raiva. - Por que está apaixonado por ela. 

- Não.  

- Vamos Sam,  admita que está apaixonado pela namorada do seu irmão.  

- Chega disso Ruby.  - O Winchester se virou para encarar a demônio.  Não sabia que jogo era aquele que ela estava fazendo,  mas não iria se deixar levar por mentiras. Ele não estava apaixonado pela Catherine.  

- Você não vê que é isso o que eles querem? 

- Eles quem? 

- Os demônios.  

- O que eles tem haver com isso? - O moreno arqueou uma sobrancelha, mesmo que não estivesse gostando daquele assunto, estava tomando um rumo que o deixava curioso. 

- Ela é a queridinha do Alastair e do Azazel,  foi treinada para servir ao inferno e tem um pedaço do inferno naquela garota, todos os demônios esperam pelo retorno dela para que ela assuma o posto de "rainha" - A demônio fez aspas no ar enquanto exibia uma cara de nojo. - E você era aquele que deveria dominar os demônios,  ser o Messias deles. Você acha mesmo que o inferno não torce para que fiquem juntos? 

Sam não respondeu, apenas engoliu em seco tentando digerir todas aquelas informações.  Se lembrava de quando a demônio da encruzilhada havia citado o fato da Catherine ser a futura rainha do inferno. Mas ainda não tinha juntado os pauzinhos, se lembrando de que ele também tinha um posto lá embaixo.  Mas se recusava a acreditar em tudo aquilo. 

*** 

Na hora do almoço Cath e Dean saíram do quarto, sem nenhum pingo de receio do que fossem ouvir de Emma e Bobby,  estavam completamente dispostos a assumirem esse relacionamento e não se importavam com quem teriam de brigar para isso.  - Os dois entraram na cozinha de mãos dadas, os pais da garota estavam terminando de colocar os pratos na mesa, cada um dos caçadores puxou uma cadeira e se sentou.  Não demorou muito para que Sam também entrasse na cozinha, silencioso e pensativo,  puxou uma cadeira e se sentou na cabeceira ao lado de Emma. 

- Catherine. - Bobby chamou pela filha, olhou rapidamente para Emma ao seu lado e depois de volta para  Cath. - Eu e a Emma conversamos e decidimos. 

- Não decidimos nada, ela não vai e pronto. - Emma cortou o homem enquanto se servia com arroz e purê de batata. 

- Emma ela já é crescidinha,  com certeza se tornou madura muito mais cedo que o necessário.  

- Mas ainda é a minha filha, não vou deixar ela sair com esses dois idiotas que não se importam com ninguém além deles. - A mulher falava como se o loiro não estivesse ali presentes. 

- Mãe eu e o Dean estamos namorando. - A garota repetiu uma frase que havia dito mais cedo. Então segurou na mão do loiro que estava sobre a mesa ao lado do prato.  - Querendo ou não eu vou aonde ele for. 

Emma abriu a boca para dizer mais alguma coisa,  mas acabou por se calar,  respirou profundamente e começou a comer seu almoço.  Ninguém mais abriu a boca, o silêncio era muito mais perturbador e incomodo do que gritos e mais discussões.  

Cath  e Dean olhavam um para o outro de vez em quando.  Bobby olhava para Sam que também não falará nada,  apenas comia em silencio.  E Emma fuzilava o casal loiro com seus olhos, era como se em qualquer momento ela pudesse sacar uma arma e atirar no Winchester mais velho, o que não estava longe de ser uma boa opção.  

Quem visse todos reunidos, não acreditariam no ódio que cada um tinha pelo outro. As mágoas do passado de Emma que a faziam duvidar daqueles caçadores,  o instinto super protetor com sua filha rebelde e recém encontrada.  Dean e sua insegurança em relação aquele relacionamento,  sem contar os medos que o perturbavam em relação ao inferno.  Catherine querendo salvar seu namorado e desejando ardentemente que Sam partisse no lugar de Dean, a sede de vingança ainda lhe perseguindo para acabar com todos os demônios do inferno.  E Sam confuso com as palavras de Ruby as quais não sabia se poderia acreditar ou não.  - Talvez a única mente que não fosse tão assombrada assim naquele instante,  fosse a de Bobby,  o caçador mais velho apenas desejava que seus garotos e sua filha ficassem bem o bastante para se juntarem em uma cerveja nos fins de semana. 

- Emma. - Dean chamou pela mulher logo depois que todos terminaram de comer. Assim que a mais velha elevou o olhar para ele, engoliu em seco e prosseguiu.  - Eu queria que soubesse que eu não sou o meu pai.  Eu nunca machucaria a Cath, provavelmente eu estaria disposto a morrer por ela, assim como vou morrer pelo Sam.  - Emma lançou um olhar acusador a filha, sabia que a garota havia contato sobre a história de John. - Quando conhecemos a Cath,  eu não queria ela nessa vida, eu sei que isso não é nenhum parque de diversões.  Mas provavelmente você saiba que ela tem o seu gênio e do Bobby,  ou ela iria com a gente, ou ia sozinha. E eu prefiro que seja com a gente, não suportaria perde-la.  Tem que admitir que ela também sofreu muito com os demônios e merece ser vingar, assim como eu sei que se vingaria do meu pai se ele ainda estivesse vivo. 

Cath olhou para o namorado de boca aberta, ele já havia dito algumas coisas bonitas pra ela, mas falar daquela forma na frente dos pais dela a deixou sem palavras.  Assim como Emma que permaneceu calada com os olhos castanhos vidrados no Winchester,  ela deu um sorriso de lado então se levantou da mesa enquanto começava a retirar os pratos. Era orgulhosa,  não ia admitir que as palavras de Dean lhe afetaram, ela até chegou a desejar que John tivesse sido como o filho.  Mas ele era um canalha, um maldito canalha que morreu antes que Emma o matasse. 


*** 


 - A nossa querida Catherine está com os Winchester?  - Lilith questionou enquanto entrava em um velho galpao que estava cheio de demônios   

As tropas estavam sendo formadas, desde que Sam havia se recusado a assumir seu papel de Messias e controlar os demônios para que seguissem o plano de libertar seu chefe, Lilith havia tomado as rédeas de tudo e estava montando seus próprios esquemas para dominar o mundo e alcançar seus objetivos. 

- Ela quer vingança. - Um dos demônios se manifestou.  

- Não seria a nossa garota se não quisesse. - Lilith sorriu e parou no centro entre todos os demônios.  Olhou para cada um deles e permaneceu pensativa por alguns instantes.  

- Não acha que devemos acabar com ela?  - Outro demônio opinou.  

- Claro que sim. Mas não vai ser tão divertido pelas nossas mãos.  Aonde está nossa garotinha? 

- Estou aqui. 

 Do fundo do galpão uma voz feminina ecoou enquanto se aproximava do fruto de demônios,  a loira de olhos claros olhou para todos friamente. Alguns demônios até pensariam em ataca - lá,  ela era uma das maiores ameaças do inferno assim como a outra garota. Mas não fizeram nada, apenas a encararam.  Lilith se aproximou da garota e tocou no rosto dela enquanto lhe sorria de forma amigável.


Notas Finais


E aí? O que acharam do capítulo?? Digam no comentários se quiserem, amamos muito ver vocês surtando - ou não - nos comentários, vocês não fazem ideia de como é bom saber se estamos indo bem ou não, sempre tentando o melhor para vocês!!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...