História Nascida Em 1990 - Lust For Life (Amor Pela Vida) - Capítulo 10


Escrita por: ~

Visualizações 27
Palavras 794
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Drama (Tragédia), Ficção, Musical (Songfic), Romance e Novela, Violência
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor



Capítulo 10 - É Só Quando Perde, Que Dá Valor


Fanfic / Fanfiction Nascida Em 1990 - Lust For Life (Amor Pela Vida) - Capítulo 10 - É Só Quando Perde, Que Dá Valor

Música Tema: Bitter Pill – Gavin James.

Eu sabia que Clay amava Abby.

— Num orfanato. – repeti.

— Você abandonou a minha filha?

— Clay, eu não sou uma boa mãe. Ela merece uma boa família. Ela merece pais que cuidem dela.

— Ela tem pais que cuidam dela. – ele gritou.

— Você sabe que é mentira. – falei me levantando. — Já temos problemas demais para nós dois, ela é fruto de um estupro, e isso nunca vai embora das nossas memórias. Sempre vai ser algo estranho.

— Não! – ele me interrompeu e começou a chorar.

— Você é um bom pai, mas ela merece uma família. A gente não...

— Você está certa. – ele sussurrou.

Suas mãos em seu rosto, tapando os olhos, lágrimas escorriam. Eu o abracei.

— Me desculpe por tudo. – sussurrei.

...

Clay se afastou, fez um sinal com a cabeça, que parecia um sim, deu um passo para trás, e logo ele saia pela porta, entrava em seu carro, e ia embora de vez.

Eu ali parada, olhando para a entrada de minha casa. Lembrei de meus pais, eles nunca estiveram ali, nem mesmo agora. Se mudaram, me deixaram sozinha com Clay e minha filha.

...

Música Tema: Ultraviolence – Lana Del Rey.

Andei até a porta, coloquei a minha mão nela, é a fechei. Quer dizer, alguém a segurou, era Robert.

— Precisamos conversar. – ele disse.

— Vai embora. – falei. — Se tocar em mim...

— Não vou fazer nada. – ele falou e foi entrando, empurrou a porta e eu quase caí.

— Saí daqui! – gritei.

— Cala a boca. – ele falou fechando a porta. — E Abby, como está? Ainda bem que a filha não é minha.

— Você é um lixo. Abby não está mais comigo.

— Você a abandonou? – ele riu.

— Por sua causa. – sussurrei.

— Minha causa? Olha aqui, eu não entreguei sua filha para o orfanato. Foi você quem fez isso. – ele veio em minha direção, com o dedo na minha cara e me pressionou contra a parede.

— Como você sabe do orfanato? – falei ainda pressionada na parede.

— Ouvi por ai. – falou.

— Simplesmente ouviu? No mesmo lugar que ouviu o nome dela? – gritei.

Ele me puxou pelo braço e me jogou no sofá da sala.

— Cala a boca! – ele gritou.

— Tem alguma coisa acontecendo que eu não sei? – perguntei com um sorriso no rosto.

— Você é uma vadia. E agora está sozinha.

— Você também está. – dei uma risada.

Ele ficou furioso, saiu pela porta da frente, e a bateu.

Eu estava apoiada nos cotovelos, deitada no sofá. Então, fechei os olhos e encostei a cabeça na almofada.

— Susan! – ouvi alguém gritando. — O que ele fez? – George falou entrando em minha casa.

— Nada.

— Você está bem? – perguntou. — Parece aliviada. – se aproximou.

— George, volta com Brook. Vai pra casa, me deixa. – falei.

— Mas...

— Sem mas, sem explicações. Só vai.

...

Música Tema: Murder Song – Aurora.

Ele me encarou, fez uma expressão de decepção e virou as costas. Mais um que saiu e bateu a porta.

— Desculpa, mas eu te amo. – sussurrei.

Fiquei ali, jogada no sofá, deitada de costas e olhando para o teto.

O tempo passava.

He holds the gun against my head. I close my eyes and bang, I am dead, I know he knows that he’s killing me for mercy.

Ele segura a arma contra a minha cabeça. Eu fecho os olhos e bang, estou morta, eu sei que ele sabe estar me matando por misericórdia.

Murder Song

Logo reparei que já era noite, me levantei e andei até meu quarto. Apenas me joguei na cama, nada de pijamas, só as cobertas.

Fechei os olhos e dormi rápido. Tão rápido que parecia que o tempo não tinha passado.

...

Música Tema: Runaway – Aurora.

Manhã. Era como se nada tivesse acontecido, então como as memórias de um passado errado tinham escapado de minha mente, decidi ir para a escola.

Era como se Robert não existisse, como se eu não amasse George e Clay nunca tivesse me conhecido. Era uma memória falsa.

Me arrumei, blusa branca, por cima uma jaqueta amarela, calça jeans clara dobrada nas pernas, all star preto.

Ninguém chorava no quarto ao lado do meu. Ninguém estava com fome, ou queria me dar bom dia.

Só eu. Sozinha.

Andei até a porta da frente, a abri, tomei coragem e dei o primeiro passo. O vento bateu em meu cabelo.

...

Andei mais um pouco, a escola estava perto. Foi ali que vi Brook e George, pararam no caminho para comprar sorvete, então, ele seguiu a minha ordem, voltou com ela.

— Oi Susy! – ela gritou e acenou.

Refiz o gesto, mas continuei andando.

Nada seria igual.


Notas Finais




Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...