História Nefasto - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias EXO
Personagens Baekhyun, Chanyeol, Kai, Kris Wu, Lu Han, Sehun, Xiumin
Tags Chanbaek, Colegial, Hunhan, Kailu, Krishan, Xiuhan
Exibições 600
Palavras 1.627
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Fluffy, Lemon, Romance e Novela, Universo Alternativo, Yaoi
Avisos: Álcool, Gravidez Masculina (MPreg), Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oi!

Geeeeeente, fiquei tão feliz com as reações de vocês com a fanfic. Pensei até que ia flopar, mas ainda bem que não aconteceu. c':

Eu não vou ter uma agenda certa pra atualizar, mas vou tentar pelo menos uma vez por semana. Ok?

Desculpa qualquer erro, sempre tem. q

Boa leitura!

Capítulo 2 - Deplorável.


 

Capítulo Dois – Deplorável.

 

 

− Lu, poderia dar uma chegadinha aqui, por favor? – A voz suave de Sehun percorreu o interfone e eu podia ouvir a braveza em seu tom, normalmente brando.

Quando eu entrei e caminhei até sua mesa, tive que apertar os olhos contra a luminosidade que invadia a sala através de grandes janelas de vidro, atrás de sua mesa de mogno. Sehun, inclinando-­se para trás em sua cadeira de couro preta, era praticamente apenas um vulto escuro contra aquela luz forte do sol, embora eu pudesse distinguir bem seus braços e mãos a frente de seu corpo.

− Sim, Sr. Oh? – Perguntei nervoso.

− Eu passei a noite inteira duro como uma pedra por você, e como você me recompensa? Me ignorando durante toda a manhã? – Sua voz era cadenciada, trivial, o que era muito pior do que se ele estivesse gritando.
 

Era uma calma assustadora, uma calmaria antes da tempestade, e eu sabia que teria que deixá­-lo saciado com rapidez.

− Eu sinto muito, muito! Eu não queria ter sido grosso com o senhor. Por favor, eu vou te recompensar.

Ele ainda estava com a silhueta perdida entre as sombras, então eu não podia enxergar sua reação às minhas palavras. Depois de uma eternidade, ele respondeu.

− Sim. – Sua voz não era mais calma, mas grave, corajosa. Era perigosa. – Você certamente irá me recompensar. Dê a volta na mesa e se ajoelhe na minha frente.

Eu fiz conforme ele pediu, comandou, e ele recuou sua cadeira para que eu tivesse espaço para me ajoelhar entre ele e a mesa.

− Você vai fazer exatamente o que eu falar, entendeu? – Eu assenti, lambendo meus lábios.

Os olhos dele se fecharam quando fiz isso, e eu sabia que ele me faria pagar por provocá-­lo dessa forma, quando ele me queria com tanto desejo.

− Vem mais perto, abra o zíper da calça. E não ouse olhar para o lado.

Eu mantive meus olhos fixos nos dele enquanto habilmente me aproximava e abria seu zíper. Ele estava sem cueca por baixo, então não precisou muito encorajamento para que sua ereção surgisse pela abertura da calça. Já havia um líquido se formando na extremidade da sua ereção, e eu automaticamente passei o dedo no fluido, espalhando pela cabecinha rosada e inchada. O quadril de Sehun movimentou­-se violentamente quando eu fiz isso e ele falou, entre os dentes:

− Eu não me recordo de dizer para você fazer isso, Luhan.

− D­-Desculpa, Sr. Oh. O que você queria que eu fizesse?

O desejo que havia nos olhos dele me fez sentir subitamente encorajado, e eu adicionei num murmúrio rouco:

− Você queria que eu chupasse essa coisa dura? É isso o que você queria?

Ele soltou um resfôlego estrangulado e subitamente seus punhos estavam cerrados no meu cabelo, e a cabeça do membro dele já tocava meus lábios.

− Abre sua boca e me deixa entrar.

Eu fiz como ele falou, e Sehun imediatamente lançou seu membro dentro da minha boca, atingindo o fundo da minha garganta. Puxei o ar com lufadas longas pelo nariz enquanto ele estocava para dentro e para fora da minha boca. Durante todo o tempo, ele gemia e rosnava, praguejando e murmurando incoerências enquanto ofegava.

− Isso mesmo... Tudo desse jeito... Porra... Sua boca quente... Todo meu...

Os quadris dele se movimentaram mais freneticamente quando eu comecei a arranhar de leve com meus dentes em sua extensão a cada entrada, e eu podia sentir que ele estava perto.

− L-Luhan... Porra, vou gozar... Você vai engolir cada gota que eu te der... Lu... Você é meu. 

 

Eu  quase  saltei  da  minha  cama. Isso estava ficando ridículo. Não acredito que eu sonhei com ele. Ainda eram sete horas da manhã. 

Será que eu poderia ser um pouco mais deplorável?

E esse era o tipo de fantasia que um garoto experiente como eu deveria ter? Tirei esses pensamentos da minha cabeça e me levantei para fazer minha higiene matinal e correr.

                                                              (...)

 

As árvores do parque perto de casa cobriam a trilha de corrida e evitavam que o sol da manhã cansasse ainda mais o corredores. Agradeci por isso mentalmente quando sai de casa esta manhã, estava um dia especialmente ensolarado.

A batida da música ecoava em meus ouvidos enquanto eu passava por outras pessoas na trilha. Desci o olhar, sem desacelerar, para meu celular e mudei a música. Ao voltar o olhar para frente, vi somente um vulto antes de trombar com uma parede. Cai para trás, raspando a parte de trás de minhas coxas descobertas pelo shorts de corrida no chão.

– Nossa senhora... – Coloquei a mão no nariz. Eu tinha resolvido parar o impacto com ele, que ótimo.

– Você está bem? – O homem de pé estendeu a mão para que eu me levantasse. Aceitei sua mão e me levantei, espanando as folhas de minha roupa.

Encarei­-o e quase cai para trás ao fazê-­lo. Seus olhos castanho escuros encaravam os meus com certa preocupação. O cabelo loiro estava perfeitamente arrumado em um topete leve e a barba por fazer dava a ele um ar de bad boy.

Os músculos estavam saltados e as tatuagens ao longo dos braços a mostra por causa da regata.

 – Ahn... É... Eu... – Gaguejei algumas vezes antes de pigarrear. – Estou. Estou sim, obrigado. – Sorri levemente e ele abriu um sorriso lindo.

– Eu sou Yifan. – E estendeu a mão para mim, sorri abertamente, apertando-­a em seguida.

 – Luhan. – Ri levemente e ele gargalhou. Ficando até mais bonito do que era. – Bom, foi... Um prazer te conhecer, Yifan. – Sorri e peguei os fones de ouvido, mas ele me parou.

– Desculpe, mas se importaria de me passar seu telefone? – Ele sorriu, retirando o celular do bolso. – Quem sabe podemos sair um dia desses?

Alguém me abana, me joga um balde de água com gelo no rosto. Mas acho que nem isso resolveria o vermelhão que eu sentia chegar ao meu rosto.

– Ah, claro – Sorri, tímido, e me aproximei dele, passando o número.

– Vejo você por aí, Luhan. – Yifan se aproximou de deixou um beijo leve no canto dos meus lábios antes de voltar a correr, logo depois de me dar um sorriso arrebatador por cima do ombro.
 

 

(...)

 

– Alguém está feliz hoje. – Baekhyun se aproximou de mim, seus livros em uma mão e a outra me empurrou para longe.

Gargalhei enquanto andava pelo corredor. Neguei com a cabeça e mordi o lábio inferior enquanto observava a mensagem que piscava na tela do telefone.

“Endereço anotado. Passo aí as 20hrs hoje. 

- Yifan.”

– É... Aparentemente. – Sorri e travei o telefone, colocando-­o no bolso traseiro de minha calça. – Eu estava correndo e trombei nesse cara, ele é muito bonito por sinal, então ele pediu meu telefone e... Eu tenho um encontro hoje. – Minha voz ficou estridente quando eu gritei no final da frase, acompanhando Baekhyun.

– Qual o nome dele? – Baekhyun e eu entramos na sala de literatura. Sehun estava sentado na mesa do professor, encarando alguns papéis. Revirei os olhos e me sentei em cima da primeira carteira.

– O nome dele é Yifan. E, nossa, Baek, ele é muito bonito. – Eu suspirei, enquanto me lembrava de suas características, sua voz, seus olhos. – Eu não sei bem quantos anos ele tem, ele parecia ter 20 anos, por ai... E nossa, já disse como ele é lindo?

– E onde ele vai levar você? – Baekhyun mordeu o lábio inferior enquanto sorria e eu suspirei. 

– Eu não sei, ele disse que é surpresa mas... Eu confio nele. 

Baekhyun gargalhou comigo e se moveu para o meu lado, liberando a visão de Sehun, que me encarava com os olhos arregalados e a boca entreaberta. Franzi o cenho e desci da carteira, deixando meus livros onde eu estava sentado, e aproximei-­me de sua mesa.

– Está tudo bem, professor? – Fiz a melhor cara de santo que podia ser feita, só por que sabia o quanto aquilo tirava-­o do sério. Mas não funcionou. Sua cara de surpreso não se alterou enquanto seus olhos examinavam meu rosto com cuidado.

Seus olhos endureceram de uma hora para outra e Sehun ajeitou a postura.

– Está tudo bem, Luhan. Vá se sentar, não é só por que é filho do diretor que pode fazer o que te der na cabeça. – Ele quase gritou e eu me encolhi, enquanto voltava para a carteira. 

Ele passou as mãos pelo cabelo liso e se virou de costas para mim, começando a escrever alguma coisa na lousa. Sentei­-me com cuidado para não cair, por que minhas pernas estavam bambas. Baekhyun encarou-­me com o cenho franzido.

– Nossa... O que foi isso? – Ela estava com os olhos arregalados. Eu senti meus olhos marejarem.

– E-­eu não sei... Ele nunca usou esse tom comigo. – O que era verdade. Em semanas de provocações, Sehun nunca havia usado esse tom de ódio e raiva comigo.

– Ele deve estar bravo com alguma coisa... – Baek sussurrou e eu acenei com a cabeça, enquanto encarava-­o se virar e sorrir falsamente para a classe. 

Senti uma lágrima descer pelo meu rosto e vi seu olhar endurecer ainda mais. Quando ele mudou o foco de sua visão para o fundo da sala, eu limpei rapidamente a lágrima e funguei. Praguejando internamente por não saber por que de estar chorando mesmo assim. 

 

 


Notas Finais


Uou.
Por que será que o Sehun tratou o pequeno Luhannie assim? Façam suas apostas. jadhwjhaljs

Deixem seus comentários, me deixam muito feliz e me motiva a atualizar mais rápido!

Até o próximo. <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...