História Negrume - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Fifth Harmony
Personagens Ally Brooke, Camila Cabello, Dinah Jane Hansen, Lauren Jauregui, Normani Hamilton, Personagens Originais
Tags Ally, Camren, Depressão, Dinally, Normani
Visualizações 43
Palavras 682
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), FemmeSlash, Hentai, Lemon, Lírica, Policial, Romance e Novela, Universo Alternativo, Violência, Yaoi, Yuri
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Cross-dresser, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Intersexualidade (G!P), Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Pansexualidade, Sadomasoquismo, Self Inserction, Sexo, Suicídio, Tortura, Transsexualidade, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 2 - Brave, Honest, Beatiful


Fanfic / Fanfiction Negrume - Capítulo 2 - Brave, Honest, Beatiful

'Ally Brooke Hernandez' 

Café! Eu simplesmente amo café, e ter uma mãe que tem uma cafeteria, é simplesmente a melhor coisa do mundo, porque você economiza dinheiro e não precisa comparar os cafés com o seu.

Estou no meu horário de almoço, trabalho a quatro quadras daqui, num hospital de reabilitação, recebo aqui várias pessoas suicidas, a maioria saiu de lá curada, me sinto muito triste pelas pessoas que não sobrevivem, apesar de me sentir responsável, a chance de ser reabilitado vem deles mesmo, e se eles não querem se curar, não podemos impedi-los de seguir sua vontade. 

"Ally querida, você já está voltando para o trabalho?" estava na porta da cafetaria, pegando minhas chaves dentro da bolsa indo na direção do meu carro, na verdade não voltaria para o trabalho, mas eu não estava afim de ajudar minha mãe a lavar a louça. 

"Infelizmente sim, mamãe... Mas te ligo assim que terminar meu turno" Ela deu um sorriso triste e recolheu os copos no balcão, corri até ela é depositei um beijo em sua testa "Eu te amo, tchau mamãe"

Corri até meu carro, finalmente achando minhas chaves entrei, bati a porta com força e digitei o número pelo qual eu anciava ligar o dia inteiro, mas não poderia em nenhuma circunstâncias, no terceiro toque, o celular é atendido, dou partida no carro,  colocando no viva-voz. 

"O quanto deveria estar honrada por essa ligação?" Abri um enorme sorriso ao ouvir a voz da mulher que fazia meu coração virar uma gelatina. 

"Tenho mais meia hora de almoço, dá tempo o suficiente para a gente ter aquela conversa mal resolvida daquele dia" Ela gargalhou, e eu pude visualizar seus olhos se fechando com esse ato. 

"Se você chegar aqui em menos de cinco minutos, podemos terminar essa conversa" a ligação foi encerrada por ela, talvez eu deveria avisar que havia acabado de estacionar em frente ao seu prédio. 

O porteiro abriu o portão assim que teve a perfeita visão da minha silhueta, mandei um beijo para ele e subiria as escadarias, mas uma senhora com uma criança começou a gritar com o porteiro, balancei a cabeça e comecei a subir as escadas. 


[...] 


A porta foi aberta e eu avancei nos lábios carnudos da mulata começando a chupa-los, minhas mãos puxaram seus cabelos fazendo com que ela grudasse seu corpo no meu, me apertou contra a parede puxando uma das minhas pernas, com a outra mão fechou a porta, me soltei dela e joguei minha jaqueta no chão, me apressei em empurra-la direto no sofá, onde sentei em seu colo, até agora não havia nenhum contato entre nossas línguas, mas quando comecei a rebolar em seu colo, a mulata avançou sua língua na minha boca, o'que fez com que eu intensificasse as reboladas, nossas bocas se soltaram e Normani jogou sua cabeça para trás. 

Puxei sua regata que foi jogada em um canto qualquer daquela sala, parei de rebolar e fui descendo meus lábios pela sua pele, que se contorcia ao receber meus beijos, parei minha boca em seus seios deixando beijos de leve, a surpreendendo com um chupão o'que fez com que eu ouvisse um grito, Normani me empurrou levantando. 

"Você ouviu isso?" pronunciou arfante, do chão eu podia admirar o estrago que havia lhe feito, seus lábios estavam inchados e seus cabelos descabelados, ela era tão gostosa e tão excitando, me levantei e puxei-pelo pescoço lhe dando um selinho, mas a soltei assim que ouvi outro grito "Dessa vez você ouviu?

"Que porra é essa?" Normani vestiu sua regata e fez um coque no cabelo, peguei minha jaqueta e ela saiu pela porta fechando-a em seguida. Me sentei em seu sofá e peguei me celular, o tempo passa rápido quando estou com Normani, faltava apenas dez minutos para terminar meu horário de almoço, resolvi ir embora, abri a porta e fechei tentando ao máximo não fazer barulho, vi Normani conversar com uma mulher que socava a porta da vizinha da mulata, corri pelos corredores pegando o elevador, olhei no espelho do elevador e arrumei meu cabelo, aproveitei para limpar o batom sujo. 


Notas Finais


CAMILA SEU HINO ME MOTIVA!!

Gente vou deixar claro que essa fic será atualizada uma vez na semana, e vai ser sempre assim.

Um capítulo da Dinah e outro da Ally, okay. Então quando tiver alguma tensão vou matar vocês colocando da outra principal muaaaaaaa sou malvada.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...