História Neko world - Capítulo 25


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Mundo Paralelo, Neko, Ryo, Yaoi
Visualizações 13
Palavras 1.007
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Romance e Novela, Seinen, Shonen-Ai, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo, Yaoi
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Estupro, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


HELLO! IT'S ME!
Uns meses com, uns meses sem, fazer oq
Mas agora é sério
Voltei pro porão

Amo vcs <3
Podem ler, eu deixo

Capítulo 25 - Routine


-- Mas o quê... - Ryo entra em seu escritório

 

Musakui e Tom estavam sentados um do lado do outro, se entreolhando. Tom obtinha um galo em sua cabeça e vários arranhões nos braços.

 

--... Musakui...

-- Vamos? - O humano se levanta.

--... Ok...

-- Até amanhã, Tom!

-- Até.

 Os dois entram no elevador em silêncio.

 

-- Então... - Ryo abraça o menor. - Vou receber algum tipo de prêmio pela promoção?

-- Então você conseguiu. Não, você não vai.

-- Porquê? Eu fui um bom gatinho.

-- Você quer um prêmio? Ok, vou te dar um prêmio.

 

Musakui segura a gola da camisa do maior bruscamente, o pondo a sua altura e lambe os lábios enquanto esboça um olhar malicioso.

 

-- Ainda estamos no elevador. Espere chegarmos em casa para reivindicar sua recompensa.

 

Casa do Sal

08:00 pm

P.O.V.: Tom

 

-- Você falhou? - Encaro Sal com a melhor expressão de raiva que consigo fazer.

-- Bem... Acontece. - O neko dá de ombros.

-- Acontece. - Olho no fundo dos olhos vermelhos do mais alto. Por mais que não pareça, ele realmete estava triste, pois seus grandes olhos rubros nunca mentiam. - Seu idiota.

 

Estávamos na sala, sentados um do lado do outro no sofá. Chego mais perto dele e o abraço.

 

-- Você é um peixe.

-- Isso é um insulto? - Não olho para ele, mas sei que ele está sorrindo.

-- Sim. Sinta-se ofendido.

-- Ok. - Sal apoia o queixo sobre a minha cabeça. - Estou ligeiramente ofendido.

-- Você está apoiado no meu machucado, idiota.

-- Desculpe.

 

Ficamos assim até caírmos no sono. Ou até eu cair no sono.

 

05:00 am

 

Acordo com o alarme tocando aquela estação idiota de música internacional. Sal mexeu de novo no meu rádio-relógio. Levanto e saio do quarto quase que num pulo.

 

A casa não é tão grande, pois aquele neko não gosta de espaços vazios, sem gente.

Não sei como.

Mesmo não tendo cômodos não tão espaçosos, ela não deixa de ter seu toque de elegância. Meu quarto fica no segundo andar, do lado do quarto do Sal, caso alguém tente matar ele durante a noite. E sim, essa paranóia é minha. Cresci com esse neko me alisando a cabeça, e quero permanecer assim até que eu morra.

 

Desço as escadas e verifico se o café está pronto. Tenho uma rotina com a qual estou devidamente conformado. Após isso, vou para o banheiro fazer as higienes matinais, vinte minutos de alongamentos, verifico a despensa, pego a correspondência, mais cinco minutos de corrida em volta da casa, 40 minutos de leitura e enfim, vou acordar meu neko.

 

-- Sal. - Chacoalho o platinado. - seis e dezesseis.

--... Só mais cinco minutos. - Ele vira para o outro lado.

 

Me afasto dele e abro as cortinas, deixando a luz do sol entrar.

 

-- Já mandei levantar.

-- Hoje nem tem trabalho para mim.

-- Te perguntei? Levanta! - Dou um empurrão no neko.

 

Num movimento rápido, ele segura meus braços e me puxa, me abraçando.

 

-- Só mais cinco minutos.

-- Sal...

-- Por favor. - Ele faz uma carinha fofa.

--... Ok.

 

Rotina, doce rotina.

 

6:30 am

 

-- Hoje você tem que ir buscar seu terno novo no alfaiate. - Derramo uma quantidade generosa de mel no meu waffle.

-- Ok.

-- Você também tem que pegar aquela papelada da próxima sexta com a secretária.

-- Qual delas?

-- A bonitinha.

-- Acho as duas bonitas.

-- Não. Uma delas parece um sapo e tem uma voz insuportável. A outra tem um rosto aceitável e um corpo com várias curvas. Você devia chamar ela pra sair.

-- Não.

-- Porque?

-- Ela vive me tratando... Daquele jeito, sabe?

-- Que jeito? - Olho no fundo dos olhos dele.

-- Ela parece você, sabe? Me tratando mal e essas coisas.

-- Você acha que eu te trato mal?

--... - Ele encara o leite como se isso fosse salvar ele. - N-Não! Nunca disse isso!

-- Você acabou de dizer.

-- Foi da boca pra fora...

 

P.O.V.: Sal

 

Tom se levanta bruscamente e sai pisando forte até o quarto dele. Uma das cozinheiras aparece na porta da sala de jantar com um olhar preocupado.

 

-- Será que ele ficou irritado porque os waffles estava ruins?

-- Não, Amanda, eles estão divinos como sempre.

 

Ela sorri e volta para a cozinha. Me levanto e subo as escadas. Só de chegar no segundo andar posso ouvir ele socando alguma coisa.

 

-- Tom. - Bato na porta. Os sons de socos ficam mais fortes. - Desculpa. Não era o que eu queria dizer.

 

Silêncio total. Ele não vai me perdoar nem tão cedo, pelo visto.

 

-- E então? - Uma das empregadas aparece.

-- Ele vai ficar irritado o resto do dia. Traz sorvete pra ele, por favor?

-- Oferta de paz?

-- Quase isso.

 

P.O.V.: Ryo

Quarto

 

-- Ryo... - Musakui me chama com uma voz sonolenta enquanto puxa o cobertor. - Fecha essa droga de cortina.

-- Acorda, preguiçoso. - Me deito do lado dele.

 

Arrumo uns fios de cabelo que caíram sobre seu rosto e o abraço.

 

-- Você é uma droga.

-- Como é? - Ele abre um dos olhos. - Porque?

-- Por que a cada segundo que passo do seu lado, eu me vicio mais em você.

-- Ownt. - Ele dá um sorriso meigo. - Eu também te amo.

 

Aperto mais ainda o abraço, colando completamente nossos corpos.

 

-- Não sei se você percebeu... Mas ainda estamos nus.

-- Culpa sua. - Abro um sorriso malicioso. - Quem mandou ser tão gostoso?

 

Ele vira de costas pra mim, escondendo o rosto com as mãos.

 

-- Cada. Centímetro. Seu. É. Perfeito. - Disse distribuindo pelo pescoço do humano beijos a cada pausa. - E eu quero ver essa perfeição por completo.

--... Você está me deixando vermelho...

-- Estou? Que bom.

-- Desse jeito eu vou acabar querendo uma revanche do que aconteceu ontem.

-- Esse é o objetivo.


Notas Finais


Se preparem pq eu to preparada pra matar
QQQ

Obrigado por ler até aqui!
Não se esqueça de please comentar e favoritar!
Ketsui ni michite imasu!
Kissus de doritos (\O3^)/


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...