História Nero: O Velocista Hextech - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias League Of Legends, Originais
Personagens Caitlyn, Ekko, Ezreal, Janna, Jayce, Jinx, Personagens Originais, Ryze, Vi, Viktor, Zac
Tags League Of Legends, Original
Exibições 42
Palavras 1.766
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Ficção, Ficção Científica, Luta, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sadomasoquismo, Transsexualidade
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Bem, a historia dos capitulos é a mesma da antiga só que com muitas alterações, e se passa 3 anos depois

espero que gostem e recomendo ler escutando Polarize do Twyent One Pilots
, boa leitura :3

Capítulo 1 - Capitulo I - O retorno do velocista de Zaun


Fanfic / Fanfiction Nero: O Velocista Hextech - Capítulo 1 - Capitulo I - O retorno do velocista de Zaun


Zaun: Ponte de Valsa


Era um dia totalmente comum em Zaun, ar poluído por toda parte, ruas movimentadas e Jinx fazendo alguma besteira, ela havia voltado para a cidade-estado depois de uma de suas 'diversões' em Piltolver acabar dando errado e ela ser salva por Ekko. Mesmo sendo péssima (e nem fazer questão) em tentar agradar os outros Jinx queria recompensar Ekko por ter lhe ajudando, comprando algumas coisas deliciosas na feira da Ponte de Valsa, para comer com Ekko antes que ele voltasse de uma de suas apresentações chatas de suas invenções.


Era algo fantástico, tanto alimentos quanto apetrechos hextech, roupas e várias tecnologias sendo vendidas e amostradas naquela bela ponte onde Piltes e Zaunitas comercializavam juntos. Vestida em seu visual clássico Jinx, caminhava com uma cestinha com algumas carnes e sua pistola de raios, preparada para caso tentassem capitura-la, ao andar em uma área aonde vendia-se alguns vegetais, a azulada vê um rosto familiar, um garoto moreno com cabelos castanhos que estava comprando tomates e colocando em uma sacola, então Jinx perseguia disfarçadamente o garoto por simplesmente não conseguir se lembrar de quem ele era, até ele olhar para próximo de sí, porém,  sem ve-la, então ela conseguiu ver seu rosto, que era totalmente destacado pela cor laranja e esclera preta de seus olhos. "Nero" pensou a azulada, lembrando totalmente de quem era o garoto e ficando furiosa, rapidamente puxou Zap de sua cesta e disparou várias vezes nele, vendo várias feixes de luz laranja sairem dele, até o garoto se cansar e se ajoelha ainda segurando sua sacola com tomates, xingando todas as coisas possível. 


- MAS QUE PORRA É ES- Foi interrompido por um forte soco de Jinx em seu rosto desmaiando ele devido a potência e a eletrocussão que sentia.A azulada carregou o garoto até seu esconderijo/casa em Zaun, segurando a cesta e a sacola de tomates em um mão e apoiando o corpo do garoto em seu ombro com a outra, o que era bem estranho para uma garota tão magra, porém, eram as ruas de Zaun então estranho quer dizer normal, abriu a porta entrando devagar na pequena sala, sentindo o cheiro de algo queimando vindo da também pequena cozinha, que não tinha muita coisa ja que ela prefiria comer fora, amarrando o moreno em uma cadeira de madeira, para  ir verificar o que havia acontecido na cozinha, surpreendendo-se ao ver Ekko de uma maneira fofa e desastrada tentar cozinhar, deixando o lugar todo com cheiro de queimado.


- Ekko, não esperava te ver tão cedo aqui - Jinx não conseguia segurar o riso diante da cena.
- Acabou mais rápido do que eu esperava -Disse ele formalmente enquanto abria algumas janelas para tirar o cheiro. - Vai querer frango queimado com salada? - Continuou sarcasticamente, enquanto abria mais janelas


- Não obrigada, prefiro os sanduíches que comprei pra gente, eles parecem ser mais gostosos que sua comida - Ela disse, com um leve sorriso - A quase esqueci, um cara idêntico ao Nero ta desmaido lá na sala - Ela completou apontando para o garoto que ainda estava desacordado


- O-O QUE? - Ekko disparou para a sala olhando para o garoto. - Ele morreu à 3 anos isso é impossível.
- Foi o que eu pensei, mas, quando eu o achei ele estava comprando tomates ele era apaixonados por tomates. - Disse Jinx sentando-se em uma cadeira de madeira de frente para ele esperando ele acordar, vendo Ekko fazer o mesmo e pegar sua espada de neon. 
- Pode ser uma invenção do Viktor, ja que eles eram muito próximos - Ekko disse desacreditado de que Nero não demonstraria de alguma maneira que estava vivo todos esses anos se realmente estivesse, enquanto Jinx pegava um saco colocando-o na cabeça de Nero, dissendo que seria melhor se ele não os visse. 
.

.

.

Nero abriu seus olhos lentamente, sentido uma pequena dor de cabeça e que suas mãos e seus pés estavam amarrados em uma cadeira e com um saco em sua cabeça, ele não fazia a mínima idéia do que acontecia só lembrava-se de estar na Ponte de Valsa, comprando tomates frescos para comer de tarde, depois de dar uma surra em alguns guardas Piltolvenses que queriam prender uma criança por simplesmente ela ser Zaunita, quando sentiu uma enorme carga elétrica em seu corpo, fazendo seu corpo amolecer rapidamente, e quando tentou ver quem efetuou o disparo elétrico  foi surpreendido por um soco na cabeça. Analisando estar em uma pequena sala, porém, o lugar estava estranhamente, silencioso e com cheiro de algo queimado, o garoto acabou por tossir um pouco o que provavelmente chamou a atenção de seu 'sequestrador', mas ja estava cansado desse mistério e decidiu se manifestar.


- Eer.....seja lá quem for que me arrastou pra esse lugar com cheiro maravilhoso, seu almoço queimou ai, caso não tenha percebido, parça - Zombou, sentindo logo em seguida o saco que estava em sua cabeça ser arrancado de maneira bruta, vendo Ekko e Jinx a sua frente. Estavam com uma face de irritação e com suas respectivas armas apontadas para o moreno, o moicano branco apontava sua espada de neon para próximo de sua garganta, enquanto a azulada só tinha em mãos seu querido Zap, mesmo que Pow Pow e Fishbones estivessem perto de sí,  parece que ela preferiu a arma de choque não desejando feri-lo gravemente, analisando por essa perspectiva Nero via que eles não tinham intenção de mata-lo, mas então por que simplesmente não foram até ele de uma maneira bem... menos ameaçadora?


- O que... - Ele não sabia nem o que perguntar. Os dois continuavam encarando-o de maneira silenciosa até certo momento


- O que diabos você tava fazendo Nero? - Ekko murmurou, sem desviar o olhar de seu rosto. 


- Comprando alguns deliciosos tomates pra comer assistindo tv mais tarde, até vocês me fazerem essa recepção calorosa depois de 3 anos sem a gente se ver, bem tirando o fato do soco e da eletrocussão é bom ver vocês dois, mas bem que podiam ter me trazido de uma maneira mais formal  - O velocista retrucou um pouco irritado com a situação, soltando um suspiro. 


- Meu deus é você mesmo... - Jinx o encarava com os olhos arregalados era como se tivesse vendo um fantasma, Nero olhava confuso para os dois, tinha certeza de ter deixado um recado de que estava bem.


- COMO VOCÊ PODE FICAR TÃO TRANQUILO? TODO MUNDO ACHOU QUE VOCÊ TINHA MORRIDO NAQUELA EXPLOSÃO, ATÉ COLOCAMOS FOTOS SUA NO MURAL, E VOCÊ ESTAVA ESSE TEMPO TODO VIVO SEM DIZER NADA E VOCÊ PODE MOVER SUAS PERNAS DENOVO - Ekko agitava os braços enquanto gritava com ele, como se a qualquer momento fosse golpea-lo, vendo isso Nero vibrou suas mãos e seus pés para se desamarrar e se ajeitar na cadeira.


- EU ME ENVOLVI EM UM MONTE DE COISAS, DESCULPA, ACHA QUE EU NÃO QUERIA VOLTAR PARA CÁ ESSE TODO ESSE TEMPO? EU AMO ZAUN POR ISSO ESTOU AQUI DE VOLTA, E QUE PAPO É ESSE DE QUE VOCÊS ACHARAM QUE EU TINHA MORRIDO, EU SEI QUE EU TAVA NO LABORATÓRIO QUE EXPLODIU, MAS, EU FIQUEI VIVO E FIQUEI MELHOR DEIXANDO DE SER UM ALEIJADO INUTIL, VOLTEI 1 ANO DEPOIS E PEDI PRO AJUNA ENTREGAR UMA CARTA PRA VOCÊS DIZENDO QUE EU ESTAVA BEM E QUE EU IA PARA IONIA - Nero tentou explicar da maneira mais clara possível, deixando escapar alguns tiques devido ao seu estresse, mas achava estranho que Ajuna não tivesse entregado a carta. ja estava esperando ser atingido por Jinx denovo, por ter se soltado, o que acabou não acontecendo, ela ainda continuava olhando para ele da mesma maneira estranha de antes, quando virou seu olhar para Ekko esperando que ele tivesse entendido seu lado da história, porém, viu que ele ainda irritando parecendo se segurar para não dizer algo, até finalmente dizer:


- AJUNA ESTÁ MORTO - Ekko gritou com os olhos lacrimejando, limpando as lágrimas com uma de suas mãos. Não queria lembrar do que havia acontecido com Ajuna nunca mais, enquanto Nero sentia como se seu coração tivesse parado de bater com a notícia, o pequeno Ajuna havia morrido à anos e ele nem fazia idéia.

 

- Como...? - Nero indagou timidamente.


 - Um pilte gordo atirou nele, eu rebobinei tantas vezes pra tentar salvar ele que seria impossível contar, até que em uma tentativa consegui chegar antes que ele estivesse morto, mas, ainda estava ferido fatalmente e fiquei com ele até seu último suspiro, não tinha como salva-lo, nem preciso dizer que Ajuna não foi o único a morrer naquele dia em Zaun - Ekko suspirou pesadamente e se ajeitou em sua cadera.


Nero tentava manter a calma para não matar cada cidadão de Piltolver,  ao saber que um de seus melhores amigos tinha morrido nas mãos de um Pilte, mas, ao mesmo tempo ficou surpreso com a atitude de Ekko, não era algo do estilo dele, deixando exibido um pequeno sorriso no rosto para Ekko, sendo novamente surpreendido só que dessa vez por um forte abraço de Jinx que finalmente conseguiu digerir toda essa informação.


- Que bom que esta aqui, foi difícil. - Jinx disse calmamente, enquanto Nero acabou por corresponder o abraço. Ela era um dos poucos além de Vi(Antes de perder a memória é claro, mas isso também tem haver :v) que realmente entendiam o que era ser um monstro de laboratório com problemas psicológicos como Jinx, o que era muito importante para a garota. 


- Desculpe por isso irmã de laboratório - Nero disse com um sorriso no rosto, enquanto observava a garota se sentar novamente. 


- Bem... o que você fez todo esse tempo que estava sumido? - Perguntou Ekko, mais calmo.


- Hummm, pra contar vou ter que contar minha história desde o início vocês tem tempo pra isso? - Os dois apenas acenaram com a cabeça.

Ele não se lembrava muito de seu passado, sua lembrança mais antiga era de estar em um laboratório de Piltovense de uma orgnanização chamada Rumart  aos 6 anos, onde médicos e cientistas piltolvenses faziam vários experimentos com ele a pedido de seu pai que ele nem se lembrava como ele era, diariamente foi submetido a todos os tipos de testes e experiências possíveis,  o que aumentou drasticamente seus sentidos, sua força, resistência, velocidade, reação e agilidade, mas, o experimento teve como efeito colateral muitos transtornos mentais como bipolaridade, tiques nervosos e inúmeros outros, nada que sua mente  distorcida não pudesse suportar. 
Os dias eram meio chatos até ele conhecer outros três garotos no laboratório.
 


Notas Finais


Ekko putasso heueheuheu, pra quem não entendeu o que o Nero quis dizer é pq a Jinx e a Vi foram meio que cobaias saca?,vou postar o proximo capitulo domingo, bem é isso fui.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...