História Nerve - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias Nick Jonas, Shawn Mendes
Tags Nerve, Nick Jonas, Shawn Mendes, Shawnick
Exibições 37
Palavras 2.573
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Aventura, Crossover, Drama (Tragédia), Romance e Novela, Slash, Suspense
Avisos: Bissexualidade, Homossexualidade, Tortura
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oi gente! Tudo bem com vocês? Obrigado pelos comentários 7 favoritos <33 espero alcançar bem mais daqui pra frente! o/ mas deixar um comentário não dói nada, né?
Estou postando um capítulo mais cedo porque eu estou muito animado e não aguentei esperar ♥ boa leitura para vocês, espero que gostem :3

Capítulo 3 - Beijo caro


Abro meus olhos com um susto. Ecoa pelos meus ouvidos aquele horrível som de mensagem recebida. Plim, plim, plim. Ah, cala a boca! Eu estou dormindo! Percebo que meu gato, Miles, está dormindo ao lado de meus pés, esquentando-os. Plim, plim, plim. Argh! Que inferno! Meu celular está carregando em cima da minha escrivaninha, não irei me levantar tão cedo para ver quem está me mandando mensagens. Então, ele começa a tocar. Quem está me ligando? Miles, vá lá atender! Eu te dou dois Biscoitos Scooby. Sim, eu sei que você é um gato e não um cachorro.

O celular para de tocar. Perdi completamente o sono, levanto meu corpo. Coço os olhos e olho no meu relógio digital, são somente 07h25. Bufo. Tiro o cobertor de cima de mim e caminho como um morto até o banheiro. Olho profundamente para dentro dos meus olhos através do espelho. Estou com olheiras. Escovo rapidamente os meus dentes. Ainda sinto o gosto do café em meu hálito. Sim! O café! Minha nossa, isso realmente aconteceu.

Cuspo na pia e enxaguo minha boca, enxugando-a em uma toalha. Saio do banheiro e tiro o meu celular da tomada. Dou um pulo na cama, fazendo Miles dar outro pulo para fora. Vejo todas as mensagens; nenhuma importante. Abro rapidamente o navegador e entro no site do NERVE. Já está conectado na minha conta.

Toco no vídeo que fiz ontem na cafeteria. Tem centenas de visualizações. Centenas. Tem também um bocado de comentários. Alguns pervertidos, como “Eu lamberia o café por trás dessa blusa”. Outros nojentos, como “Por 10 paus eu lamberia essas gotas de café no chão”. Outros mais honestos, como “Minha nossa, que quente! Ele está bem?”. E outros comentários com risadas. Tem também alguns mais pervertidos ainda, como “Olha como o safado mama o leitinho quentinho”.

Credo.

Fecho rapidamente o site. Nossa, que humilhante! Espero que nenhum dos meus amigos veja isso! Ou ninguém da escola, ou o cara que eu gosto. Estou ridículo. Vejo as minhas notificações. A última é uma mensagem de Connor. Opa, do Connor. Ela diz:

PARECE QUE VOCÊ AGUENTA MUITA COISA.

Eu simplesmente não entendi absolutamente nada do que ele quis dizer com isso. Mas foi bem tentador... As outras mensagens são de Camila.

EU JURO QUE NÃO FIZ NADA.

ALGUÉM DEVE TER COMPARTILHADO.

Sinto um frio na nuca ao ler isso. Minha nossa! Meu Deus! Isso quer dizer que... aquele maldito vídeo está andando por aí?! Não, não está. Eles devem estar falando de outra coisa. A última mensagem é da Lele, minha segunda melhor amiga e menos importante. Ela parece estar irritada:

NEM PENSE EM CONTINUAR!

A chamada não atendida também é da Eleonora. Puta merda! Puta merda! Acabo de me lembrar de que a Lele é uma das jogadoras de NERVE! Inclusive, ela vai dar uma festa hoje à noite com as novas ultras caixas de som que ela ganhou em um desafio do NERVE.

Lele e o resto do pessoal não fazem ideia do que aconteceu comigo. Ninguém sabe pelo o que eu passei. Apenas Camila e os meus pais. Pedi para que não espalhassem a noticia. Todos acham que eu estava viajando por alguns dias na casa dos meus parentes, no Canadá. Isso foi o que pedi para eles dizerem.

Connor Hunter é simplesmente um cara gato que está dando mole para mim. E todos sabem que eu tenho aquela queda por ele. Eu também deixo tudo muito claro, só vou para festas se ele for. Trocamos olhares, sorrisos, algumas palavras, nada mais do que isso. Mas dá para sentir que ele está dando mole para mim. Ainda mais com essa mensagem... explícita.

O celular vibra na minha mão e eu recebo outra mensagem — do Connor! Ele me pergunta se eu vou hoje à noite para a festa da Lele. Confirmo e ele me responde com um te encontro lá. Meu Deus. Hoje à noite vai rolar.

Ligo para Eleonora. Ela parece estar nervosa com algo. Ela atende no meio do segundo toque.

— Lele?

— Shawn Peter Raul Mendes, o que você pensa que está fazendo?

— Estou descendo para tomar o café da manhã. Espera aí, como você sabe meu nome completo?

— Não me refiro a isso, você sabe muito bem sobre o que estou falando.

Bocejo.

— Não sei, não.

— Então, me diga o que um vídeo seu está fazendo nos servidores de NERVE com centenas de visualizações e comentários?

Meu Deus, ela viu! E se Lele viu, todo mundo viu. Ela é como uma revista de fofoca, mas sem a revista. Espero que ninguém tire sarro de mim. Eleonora deve ter ficado com raiva por pensar que eu possa conseguir mais atenção no NERVE do que ela. Ela é meio narcisista, quer tudo para ela.

— Ah, aquilo? Aquilo foi só um desafio. Só isso. — Balbuciei todas as palavras. — Não tenho intenção nenhuma em continuar. Muito menos em competir com alguém como você.

Sinto o sorrio dela pelo celular. Sei que ela está se achando o último biscoito do pacote agora mesmo.

— Hum, ok. — Ela ri. — Não se esqueça: festa hoje à noite aqui em casa. Aquele garoto que você gosta também vai.

Viu? Eu disse; todo mundo sabe que eu estou a fim dele. E se chegar à Lele, ela divulga. Ela é como a Kim Kardashian loira.

— Sim, eu vou. A gente se vê aí. Tchau, tchau.

— Beijos.

Ela desliga. Ai meu Deus, ai meu Deus, ai meu Deus! Connor me mandou uma mensagem! Como ele conseguiu o meu número? Será que a Lele deu para ele? A única coisa que ouvi sobre ele é que ele é bissexual. Já o viram tanto com meninas como com meninos. As chances só aumentam.

Mas, infelizmente, ele viu o meu maldito vídeo passando vergonha no Starbucks. Espero que as chances não tenham diminuído. Não, não diminuiu. Tenho centenas de visualizações e comentários. O pessoal me adora. Eu estou ficando famoso.

*****


— Então, quando eu menos percebi, todo mundo estava falando sobre o vídeo que você fez. Eu acordei, peguei meu celular e vi em primeiro lugar no facebook: “jogador iniciante de NERVE se queima em desafio”; “Shawn Mendes, o menino que não fala com ninguém, está jogando NERVE”. Eu pensei: como assim? Eu juro que eu não compartilhei isso. Eu jamais faria você passar vergonha porque eu sei que você não faria comigo.

Camila está nervosa. Ela age como se a culpa fosse toda dela. Mas eu sei que não foi. Só tem uma solução.

— Deve ter sido a Eleonora — digo. — Quando eu estava fazendo o cadastro, o site pediu para eu deixar os números de contatos de emergência. Além do seu e o dos meus pais, eu deixei o número dela e eles provavelmente enviaram para ela. Você sabe como ela é. Assim que ela viu, deve ter espalhado na hora.

— Minha nossa! Essa garota é uma tremenda vadia! Por que você ainda tem amizade com ela?

Nós dois estamos sentados no mesmo banco de ontem, na frente do velho chafariz. Me sinto nu sem os meus patins, mas é bem mais confortável caminhar do que deslizar. Tem uma árvore bem atrás do banco, e ela faz uma sombra a nosso favor, felizmente.

— Ah, não sei. Somos amigos há tanto tempo, não sei se é bom quebrar a amizade. E esse lance do NERVE nem foi tão “nooooossa” assim. Pelo menos, eu estou ganhando popularidade.

— Aos custos dela — bufa.

Reviro os olhos e dou uma leve olhada em meu celular. Assim que eu desbloqueio a tela, o NERVE me manda uma mensagem. Que previsível! Espero que não seja algo como “olá, Shawn, seu desafio foi péssimo e você está desqualificado. Bem, vá se foder!”. Porra, é muito pelo contrário! A mensagem diz:

OI, SHAWN!
PARABÉNS, VOCÊ TEM MILHARES
DE NOVOS ADMIRADORES!
QUERÍAMOS TE CONVIDAR PARA UM NOVO
DESAFIO CLASSIFICATÓRIO
E VAI VALER A PENA PARA VOCÊ!
DÁ UMA OLHADA NISSO!

Outro desafio classificatório? Não sei, não.

Clico no link e sou direcionado para um gif animado. Os primeiros segundos sou eu enfiando o copo de café na boca e, depois de alguns poucos segundos, o gif é cortado para uma foto que eu tirei minha no espelho. Mas, no lugar do meu celular, o NERVE fez uma montagem minha segurando um iPhone Ouro Rosa. Sim, exatamente o iPhone que eu quero! E combina muito comigo! Sinto uma horrível dor na minha mandíbula de tanto sorrir. O NERVE me manda outra mensagem:

PARA GANHAR O CELULAR,
VOLTE PARA A MESMA CAFETERIA
DE ONTEM EM ALGUNS MINUTOS.
UM RAPAZ CHAMADO NICK (FOTO ANEXADA)
VAI ENTRAR ÀS 10H45. SENTE-SE JUNTO COM ELE (SEM
PEDIR PERMISSÃO) E CANTE OS PRIMEIROS TRECHOS DE
“LOVE ROLLERCOASTER” ANTES DE
BEIJÁ-LO POR 5 SEGUNDOS.
ACEITAR OU REJEITAR?

Quê? Por que o site do NERVE quer que eu volte para a cafeteria onde passei vergonha, pedi um café mais do que quente e bebi tudo de uma vez, molhando todo o chão e queimando minha boca? E por que querem que eu cante uma música dos anos setenta para um cara?

E por que o site do NERVE quer que eu beije um cara que eu nem sequer o conheço? E se ele for heterossexual? E se ele, além de ser heterossexual, tiver herpes? Saio sem dentes e com uma doença, mas saio com o iPhone? Se bem que ele é um gato... Não importa, não irei fazer. Prometi a Camz que não faria mais nenhum desafio.

Mas aquele celular...

— Ouvi dizer que mês passado um cara jogou até as finais e ganhou uma viagem para a Europa, junto com uma vaga em uma faculdade do curso que ele queria — comento. — Tudo pago pelo NERVE. Eu adoraria ir para uma boa faculdade de música com tudo pago

— Uau, um bom prêmio. Mas eu aposto que não foi nada fácil conquistá-lo. Vai ver ele teve de passar dez minutos em uma sala junto com o seu maior pesadelo. Como todas as finais de NERVE.

— Hum...

Balanço o celular no rosto da Camila mostrando o gif. Ela fica de boca aberta e olha para mim, ainda de boca aberta.

— Recebi outro desafio de NERVE — digo.

— Sem chances — rosna. — Shawn, combinamos que você não iria mais jogar isso.

— Camila, o que você acha que pode dar errado? Nada vai dar errado. Ontem foi só um desafio e hoje será só mais outro. Aposto que não será tão perigoso quanto ontem.

— Para começar, você nem deveria ter jogado isso. Fizemos uma promessa um com o outro de que nenhum de nós jogaria isso. A Lele joga? Que bom, palmas para ela. Mas você não pode se arriscar tanto.

Faço uma carinha bem triste.

— Não vai funcionar dessa vez — diz, virando o rosto.

— Camz, olha isso, se formos agora, talvez eu consiga cumprir o desafio antes do cara ir embora.

— Se você ama tanto assim o NERVE, mude seu status de jogador para Observador.

— Por que eu pagaria para ver, se posso ganhar para jogar?

— Meu Deus do céu, está bem. Está bem! Faça esse raio de desafio! Agora sei por que não quero ter filhos tão cedo.

Urro de alegria. Não se preocupe, celular novinho, eu estou a caminho! E tudo por um beijo e uma música!

Clico em ACEITAR e abro a câmera frontal do meu celular. Estou gato. Tiro o meu brilho labial de menta do bolso da calça e passo um pouco nos lábios. Bom, não é todo dia que eu beijo um cara gato como ele.

Seguro a mão da Camila e vamos andando até a Starbucks. Espero que aquele atendente não esteja lá, e se estiver espero que não me odeie. Ao entrarmos, vejo a cafeteria pouco movimentada. Por ser quase hora do almoço, tem ainda menos gente do que ontem à noite. Que bom, assim eu não passo muita vergonha.

Nós nos sentamos em uma mesinha um pouco afastada da entrada. Conecto-me a rede Wi-Fi da cafeteria e recebo uma nova mensagem do NERVE:

BAIXE O APP DO JOGO PARA MELHOR EXPERIÊNCIA.

Clico no link e sou redirecionado para a loja do meu celular. O aplicativo baixa rapidamente e eu o abro. Meus dados já estão inseridos. Uau, que demais. Fecho o navegador, deixando somente o aplicativo aberto. O aplicativo é bem melhor, mais eficiente, e mostra comentários e visualizações ao vivo no vídeo.

— Qual é o desafio dessa vez? — Pergunta Camz.

— Um cara chamado Nick vai entrar quinze para as onze. Eu tenho de me sentar à mesa dele sem pedir, cantar o começo de Love Rollercoaster e beijá-lo por cinco segundos.

— O quê? Tipo, e se ele for heterossexual? Isso é NERVE, eles não vão facilitar.

— Eu sei, eu também pensei nisso. Mas é só ir. Sem pensar, nem nada. Só faça, é o meu lema. Só faça e ganhe um celular caro.

— Bom saber que um beijo seu vale um iPhone, e não um BlackBerry.

— Meu beijo vale muito mais do que um iPhone. Mas o desafio só está oferecendo isso.

Meu celular vibra e toca uma música estranha e irritante. Como se fosse uma criança chorando. É uma mensagem de NERVE.

SEU BEIJO VALE MAIS
DO QUE UM IPHONE? DESAFIO
DOBRADO: BEIJE-O POR 12 SEGUNDOS
E GANHE, ALÉM DO CELULAR, TODOS OS
APLICATIVOS PAGOS QUE ALGUÉM QUEIRA
TER E MAIS DOIS ANOS DE COBERTURA ILIMITADA.
ACEITAR OU REJEITAR?

Sinto meu coração sair pela boca. Droga, eles estavam ouvindo nossa conversa? Olho ao meu redor e visualizo um garoto da minha idade com o celular apontado para mim. Observador? Esqueci que os Observadores nos gravam.

Espere aí, desafio dobrado? Dois anos de cobertura ilimitada? Dois. Fodidos. Anos. Mas é óbvio que eu quero! Toco rapidamente em ACEITAR e o aplicativo faz um som de vitória e várias estrelas explodem da palavra tocada. Agora sim meu beijo está valendo.

— Desafio dobrado — digo a Camz. — Tenho de beijá-lo por doze segundos. Irei ganhar, além do celular, vários aplicativos pagos e dois anos de cobertura ilimitada.

Camila tosse em seco. Olha para mim e arregala os grandes olhos escuros. Sim, dois anos de cobertura ilimitada.

— Você tem de beijar quem mesmo?

Mostro o celular a ela, com a foto do Nick que anexaram na mensagem. Espero que ele não recue. Ou que não goste de mim. Quem não iria gostar de mim? Sou lindo, gostoso, alegre e leonino. Todos amam um leonino.

— Uau, que bonito — opina. Concordo com ela. Um gostoso para um gato. Meow.

Quando dá 10h45, o aplicativo abre automaticamente a câmera de gravação ao vivo frontal. Ao vivo, tenho 21 Observadores. Aumenta para 24, dobra para 48. Jesus! Será que todos eles viram o vídeo de ontem? E se forem todos pervertidos? Eita. Coloco o celular virado para baixo na mesa, impedindo que a câmera frontal me grave, por enquanto.

Vamos, já estou aqui, quero saber onde está aquele lindo cara para eu ganhar aquele lindo celular.

Sinto Camila me cutucar em uma forma desesperada. Antes de eu perguntar o que ela quer, eu vejo a resposta em meus olhos. Vejo Nick entrando na cafeteria, ele está sorrindo e não está sozinho. Ele está de braços cruzados com uma mulher com, mais ou menos, a sua idade. Ela tem um corpão e cabelos curtos. Nick lança um rápido beijo em sua bochecha e eles se sentam a duas mesas atrás da nossa. Ele nem olhou para mim.

Meu senhor, como eu irei beijar um cara heterossexual acompanhado da sua namorada?


Notas Finais


E entãaaaooooo? O que acharam? Gostaram? Deixem por favor o comentário de vocês dizendo o que acharam do capítulo, se viram algum erro, e estou aceitando sugestões de desafios vergonhosos hehe, mas que não envolvam nudez. Algo como na versão do livro em que a Vee tem de pedir camisinha para dez caras e no livro que ela sai de uma loja sem as roupas de cima xD
Enfim, obrigado por lerem ♥ até o próximo capítulo o///
xxxooo


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...