História Nervos a flor da pele - Capítulo 6


Escrita por: ~

Postado
Categorias Diego Ribas da Cunha, Everton Cardoso da Silva, Paolo Guerrero
Personagens Diego Ribas da Cunha, Everton Cardoso da Silva, Paolo Guerrero
Tags Diego Ribas, Everton Cardoso, Everton Ribeiro, Flamengo, Paolo Guerrero, Réver Araújo, Rhodolfo Gaioto
Visualizações 22
Palavras 1.479
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Crossover, Esporte, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo
Avisos: Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 6 - .second time -o apito final


 

CAP 6

A ultima semana no ninho do urubu foi recheada de brigas, bate boca e broncas. Na segunda feira Rever e Rhodolfo se estranharam em uma marcação em cima de Guerrero, o mesmo teve que separar. Na quinta onde todos achavam que o tempo tinha melhorado foi a vez de Ribeiro e Everton começarem a discussão. Cardoso tinha dado uma entrada mais dura em Everton, fazendo os dois caíssem no chão. Então seus olhares se encontraram e conversavam entre si, suas mentes estavam imaginado coisa indecentes que seria pesado demais até para um site de pornô.

-Calminha –disse Diego puxando o numero 22 que tinha ficado por cima. Típico - Sem briga aqui e muito menos sexo, sua filha esta na beirada do campo e ta cheio de jornalista filmando-sussurou para o amigo, o mesmo olhou em volta.

-Passou, ele que não se meta mais na minha frente –disse tentando concertar algo mas sua falsa braveza não enganava ninguém, a não ser a sua filha que o tratava como um herói na beirada do campo.

Enquanto isso, Alves ajudava Ribeiro a levantar:

-Cara ate eu que cheguei agora percebi –rio o goleiro.

-Percebeu o que? Ta me estranhando? – o meio-campista falou se levantando e olhando feio para Alves.

-Me engana que eu gosto –disse voltando para o gol.

-Bateu com a cabeça no travessão? –disse e saiu andando para o vestiário visivelmente irritado

Em sua caminhada até os vestiários ele pode perceber alguém o seguindo. Otimo, é agora que o sermão vem? Diego ou Guerrero? Pensou e revirou os olhos

–Olha Diego, por favor mano me deixa. O que aconteceu lá não vai se repetir de novo – se virou encarando não Ribas mais sim Everton Cardoso.

-Poxa mas nem da para pensar no caso –disse rindo da expressão do companheiro

-Ah é você, eu pensei que era o Ribas –falou com desdém mas com uma certa empolgação na voz o que fez Cardoso esboçar um leve sorriso

-Ele e o Paolo resolveram ser baba de nos dois? –disse com voz de tédio

-Como se a gente iria fazer algo de errado...

-Magina... –e enfim eles se beijaram, um beijo quente e intenso demais para ficar só nisso, eles precisava daquilo. Parece que a famosa química nunca havia saído deles.

Eles pararam o beijo somente pelo ar que os faltava, se encaminharam para o lugar reservado mais próximo e se trancaram lá. Aquele era o cantinho deles e nada poderia atrapalha-los. Depois de algum tempo as primeiras palavras foram produzidas.

-Everton, nos não podemos isso é tão errado –disse Ribeiro se afastando, doía para ele falar essas palavras em voz alta.

-Claro que podemos –disse Cardoso segurando a mão de Ribeiro –Ei, não fique assim por favor.

-Você tem uma filha linda, uma esposa linda e uma família linda. –disse retirando mão

-Você também tem... –disse se afastando

-Mas é diferente, eu e minha esposa não estamos em uma das melhores fases, a famosa crise dos 7 , mas nos amamos . –disse enxugando as lagrimas que insistiam em correr pelo seu rosto - Vai melhorar

-Everton –Cardoso odiava ver Ribeiro daquela forma e sem pensar duas vezes o abraçou tão forte, para proteger ele de tudo e todos e se sentiu aliviado quando foi retribuído

-Eu sempre amarei você e você sempre  será o único homem da minha vida –disse encarando o colega

-Eu também sempre te amarei e prometo te fazer o único homem da minha vida e quem sabe o mais feliz do mundo algum dia –disse Everton lutando para as lagrimas não caírem

O abraço foi desfeito e a porta foi aberta.

-Para o meu Cardoso um adeus, para o Everton até amanha no treino. –disse Ribeiro partindo para fora do CT.

Devastação era o sentimento que tomou conta de longas semanas depois dessa despedida.

 

 

No refeitório, estava a dupla de zaga mais estrelada do brasileirão estudando algumas táticas de posicionamento mas Rhodolfo não esta muito afim de estudar, ele queria brincar:

 

-Rhodolfo aqui não –resmungava Rever quando o companheiro deixava vários chupões e mordidas no seu pescoço. –Rhodolfo... –ele gemeu baixo e suspirou pesadamente. O ponto fraco, ele ainda se lembra, pensou Rever.

-Uma rapidinha que mal iria causar –reclamou e logo depois ensaiou um bico

-Nem pense –Rever o repreendeu –Mas tudo bem, só que só temos vinte minutos até os jogadores entrarem –disse se sentando no colo de Rhodolfo, era maravilho sentar ali novamente, seu membro já dava sinais de vida quando um barulho de uma câmera se fez presente.

-Droga isso só pode ser brincadeira –disse Rhodolfo largando Rever e foi atrás da pessoa. Ele avistou Guerrero mais a frente e graças que ele estava ali –SEGURA ELA AGORA, GUERRERO.

Guerrero não estava entendo nada mas saiu em disparada atrás da mulher e a alcançou.

-Só me mandaram te agarra, você é uma mulher de muita sorte –Guerrero rio debochado e viu Rever e Rhodolfo se aproximando –Vocês podem me explicar o que esta acontecendo?

Rever tomou rapidamente o celular da mão da mulher e foi em busca da foto tirada.

-Ela tirou uma foto nossa, em uma posição não muito coerente –disse Rhodolfo envergonhado

-No meio do refeitório? Puta que pariu vocês hein. Não dava pra aguentar?

-Fudeu, mas fudeu de um jeito –disse Rever olhando para os colegas. –O Bandeira acabou de visualizar a foto, é o fim é o fim –e em seguida jogou o celular no chão

-Respira e não pira, capitão –Guerrero estava quase rindo da situação

-O Bandeira só queria saber se o esquema que montaram deu certo, mas o Guerrero e o Diego só são bons dentro de campo e do banheiro mesmo. –a mulher se pronunciou após ser solta pelo centro avante e pode perceber nos zagueiros uma expressão de duvidas. –Eles cuidariam de vocês pra não ter nenhum vexame, mas eles estão ocupados demais se pegando.

-Seu filho da mãe –disse Rhodolfo indo para cima de Guerrero

-E do pai também –disse indo para cima também

-Não era você que botava banca de que era o certinho? Encheu a nossa cabeça, você merece uns tapas

-Vem, vem.

-REVER E RHODOLFO NA MINHA SALA AGORA –Caetano se fez presente antes que solução piora-se. Guerrero se sentiu aliviado e teria que lembrar de agradecer o Caetano mais tarde.

A dupla de zaga entrou na sala que tanto temiam, se sentaram na cadeira nauseados por tamanho nervosismo. Depois de sermões e mais sermões eles foram liberados:

-Eu estou com a orelha quente, cara –disse Rhodolfo e pode sentir a mão de Rever se juntando a sua

-Vamos enfrentar isso juntos, eu prometo – disse o capitão e sorriu

-Juntos? –Rhodolfo esboçou um sorriso

-Juntos!? só se você quiser é claro –disse Rever acanhado.

-É o que eu mais quero –Rhodolfo selou um acordou com um beijo na bochecha do companheiro

-Mas só isso? –disse Rever frustrado e pode ouvir a frase que tanto esperou

-No meu carro ou no seu? –disse Rhodolfo segurando na cintura de Rever

 

 

-Isso é inaceitável –disse Diego no colo de Guerrero –Sabe, levar uma suspensão por se amarem? –falou indignado

-Não foi por se beijarem e essas coisas foram mais pelo local onde foi e como aconteceu –Guerrero alisava as lindas coxas de Diego.

-AHÁ –disse Rodinei entrando no banheiro, o que fez Diego levantar rapidamente –Guerrero e Diego estam esvazeando no banheiro –disse cantarolando

-Cala boca, Carabão. Acho que você esta sonhando –disse Guerrero segurando a cabeça do lateral e colocou na pia ligando a torneira, o que fez Diego rir desesperadamente. –Bom dia, Rodilindo! Já lavou o rostinho já?

-Me larga Guerrero –disse choramingando

-Isso é para você aprender a não entrar no banheiro sem bater –disse Diego firme e depois se pôs a rir

-Será que já refrescou a mente que chega? –disse Guerrero irônico

Guerrero o soltou.

-Mano cês tão tendo aula com os traficantes do morro pra saber como torturar? –disse brabo

-Rodinei você é muito chato –disse Guerrero rindo –Acho que você entendeu o recado, então vaza –disse abrindo a porta

-Meus olhos não viram nada, peruano. Nem sem que vocês são –e saiu em disparada para o fora do banheiro.

Diego só ria vendo aquele dialogo de Guerrero e o Rodinei.

-Como um homem pode ser tão adorável morrendo de rir? – o centro avente disse fechando a porta e se aproximando de Ribas.

-Me pergunto isso a cada olhar seu, a cada sorriso, a cada gesto –disse Diego segurando no pescoço de Paolo –Alias uma boa noticia, meu divorcio sai em breve –ele pode perceber um lindo e enorme sorriso surgir no rosto do companheiro.

-Eu amo você –disse Paolo segurando na cintura de Ribas.

-Eu também amo você –disse Ribas já imaginando na linda família que eles iriam formar daqui para frente.

E assim foi mais um dia no Ninho do Urubu.

fim



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...