História New Age - Capítulo 34


Escrita por: ~ e ~Taly_Salvatore

Visualizações 3
Palavras 1.525
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Colegial, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Festa, Ficção, Hentai, Magia, Mistério, Romance e Novela, Sobrenatural, Violência
Avisos: Álcool, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Unicórnios! Que saudades, aqui está mais um capítulo fresquinho para vocês. Vamos descobrir algumas coisas aqui...

Capítulo 34 - Really?


Pov’s Isobel


Não posso acreditar, não pode ser ele. Dirigia rápido, queria apenas a minha mãe. O Dylan irá me odiar quando souber a verdade. Entro em casa gritando pela minha mãe.


Caroline: o que houve filha? – a abraço querendo tirar essa dor de mim. Uma dor que não sentia ha muito tempo.


Isobel: o Dylan, ele irá me odiar mamãe. – digo entre soluços.


Caroline: por que? – sentamos no sofá.


Isobel: porque é ele, seus olhos tão familiares. – deito minha cabeça em seu colo.


Caroline: filha, ele sabe? – ela acariciava meus cabelos.


Isobel: não, ele parece não se lembrar. Mão quando ele lembrar irá me odiar, irá querer vingança. – tento parar de derramar lagrimas.


Caroline: meu amor, você não teve culpa, também foi uma vitima. Ele irá lhe entender, vocês perderam quatro pessoas importantes para dos dois.


Isobel: diferente dele, eu tenho o sangue do assassino nas veias.


Caroline: esqueça um pouco isso, vá para o quarto e tente descansar. 


Eu não podia fazer isso, esquecer, eu quero saber toda a estória. Preciso conversar com John, ele sabia o tempo todo que eu estava me apaixonando por meu noivo. E agora perderia tudo.


Isobel: preciso ir para Escócia.


Caroline: tem certeza? Irei com você. – sorrio fraco e ela retribui.


Subimos para meu quarto, vou até o fim do meu closet e abro uma porta. Pego dois vestidos, entrego um á minha mãe. Nos vestimos e faço um feitiço para irmos para corte. Posso perder o meu noivo, o garoto que amo, e o meu futuro.


 


Pov’s Joe


Fui para casa de Amber pela tarde conversar com Ric, sobre o treino de amanhã com os caçadores. Meu sogro estava confiando mais em mim, pela Amber quero melhorar essa convivência.


Sinto cheiro de mirtilo e sei que é ela, minha garota. Olho para porta e vejo-a entrando, o vento bagunçava seus cabelos e trazia ainda mais o cheiro até mim.


Joe: Oi querida. – o cheiro de sangue entra em minhas narinas e olho para sua mão. – o que aconteceu com sua mão?                        


Amber: um pequeno corte. Estão conversando civilizadamente, qual o milagre? – ela olhava para mim e Ric com espanto.                        


Ric: me pediu para aceitar, estou tentando. – ele fala com um pequeno sorriso, ainda me odeia.                        


Joe: onde estava?                        


Amber: fazendo um trabalho da escola.                        


Joe: com quem? – ela ficou nervosa com minha pergunta.                        


Amber: Sarah, Bill, Tony, Celeste e Brandon. – agora entendo o nervosismo dela, ela sabe como não gosto dele.                        


Joe: com o Brandon? – levanto do sofá indo até ela.                        


Amber: e mais quatro pessoas.                        


Joe: com o cara que roubou meu lugar?! – não dou a mínima para o que ela falou.                        


Amber: eu sei amor, mas vale ponto, não poderia deixar de fazer e não fiz a escolha do grupo.                        


Ric: não preciso assistir isso. – ele vai para cozinha.                        


Caminho de uma lado para o outro, tenho que controlar meu ciúmes. Ele ficou dez vezes pior por ser um vampiro.


Joe: se acalme Joe, ele não pode roubar sua namorada. – falo comigo mesmo respirando fundo. 


Amber: isso, sou sua garota lembra? – ela me para passando as mãos pelo meus braços.


Ela me acalma com um simples toque, minha respiração se acalma e ela sorrir para mim.


Joe: saudades dos seus lábios nos meus. – mudo de assunto.


Ela coloca os braços ao redor do meu pescoço e eu a puxo mais para mim segurando sua cintura sentindo seus doces lábios. Um beijo calmo.                         


Amber: está mais calmo?                        


Joe: acho que sim, mas ainda quero bater nele. O treinador não quer me deixar voltar ao meu posto. – ela bagunçava meu cabelo, o hobbie favorito dela.                      


Amber: é uma pena.                        


Joe: vamos para minha casa? Pedi ao seu pai para deixar você dormir na mansão hoje.                        


Amber: ok, tchau pai. – ela grita e logo ouvimos um tchau.                        


Entramos no carro e sigo o caminho para casa. Quero saber mais sobre como foi esse trabalho, aperto ainda mais o volante.


Joe: como foi o trabalho?                        


Amber: discussão, dor de cabeça por sorte terminamos tudo a tempo. – ela segura minha mão que estava em sua em perna.


Entramos em casa e vejo minha irmã sentada no sofá encarando a TV.                        


Joe: ei pequena, onde está a família? – beijo o topo da cabeça de Emma.                        


Emma: não sei, acabei de chegar. 


Decidimos ir jantar fora, Emma foi se arrumar enquanto eu fiquei com Amber em meu colo na sala.                        


Joe: e você o que irá fazer agora? – aperto a cintura dela, sorrimos um para o outro.                        


Amber: dar alguns amassos por aí com meu namorado. – a beijo mordendo seu lábio, ela revira os olhos sorrindo.                        


Joe: o mesmo gosto de mirtilo e cheiro de mirtilo.                        


Amber: você gosta?                        


Joe: minha fruta favorita. – ela dava pequenos beijos no pescoço.                        


Em: vamos casal? – concordo e jogo as chaves para Emma.                       


Joe: você dirige.                        


Em: por que?                        


Joe: quero aproveitar minha garota. Não tivemos nenhuma aula juntos. – levantamos e abraço Amber por trás.                        


Em: meu Deus, nunca pensei que veria o Joe assim com alguma garota. – rimos e fomos para o carro.


Chegamos ao restaurante japonês e logo encontramos uma mesa, fizemos os pedidos. Um barco de sushi com alguns drinques sem álcool, Amber não gosta que bebo. Ela ainda procura o motivo.


Joe: como esta indo o relacionamento do casal enrolado? – olho para Emma, é a cupido que mais amo.


Em: bem. – ela passa o sushi no molho colocando na boca. 


Joe: avançaram?                        


Em: sim, até onde eu vi sim.                        


Joe: será que estão namorando? – aperto a cintura de Amber e ela percebe onde quero chegar, eles não podem.                                                


Emma: será? Devem estar. – minha irmã sempre tem esperança, isso a ajuda acreditar.                        


Joe: acho bom não avançarem muito. Irão se machucar. – paira um silencio. – sabem que estou certo.                        


 Emma: e não podemos fazer nada. – um fogo de esperança ainda está em seu olhar.                        


Joe: conhece esse olhar, esta planejando algo?                        


Em: queria esta planejando algo. – sorrio para ela.                        


Joe: você sempre encontra uma saída. – pago a conta e voltamos para casa.


Emma se joga no sofá, enquanto eu e Amber subimos as escadas parando em frente aos nossos quartos.                        


Joe: querida quer um blusão meu? Ou uma camisola sexy que amo? – sorrio para ela que ri.                       


Amber: blusão. – me aproximo dela sussurrando em seu ouvido enquanto a prenso na porta do meu quarto.                       


Joe: consigo lhe convencer do contrário. – ela respira pesado mordendo o lábio.


Abro a porta do quarto puxando Amber para entrar. Fecho a porta voltando a prensa-la na mesma.  Ela rir nervosa e me beija, a maneira dela ficar mais calma, nosso beijo transmite tranquilidade para nós dois.                            


Joe: dorme comigo, fica comigo, por favor. – peço a ela passando o polegar por seus lábios vermelhos.                       


Amber: até se cansar de mim. – sorrimos.                        


Joe: baby, vamos fazer um trato? – quero treinar sua timidez.                        


Amber: qual? – ela pergunta com tom de curiosidade.                       


Joe: você fica muito tímida quando está de lingerie perto de mim. Quero quebrar essa timidez aos poucos, então todas as noites irá dormir de lingerie e eu não tocarei mais na sua bunda. – ela parece pensar.                        


Amber: tudo bem. – sorrio, pensei que ela não aceitaria. Isso será difícil, amo tocar em sua bunda.                      


Joe: se quiser pode ir ao banheiro.                        


Amber: não preciso. – fico surpreso com o que ela diz, acaricio seu rosto para ela se acalmar. 


Joe: o que preferir.                        


Amber: aprendi no teatro que não devemos ser tímidos e eu não sou na maior parte do tempo. – essa ultima parte foi para mim, ela fica somente quando eu estou por perto.  


A observo tirar a jaqueta e jogar pelo quarto, me afasto dela para ela conseguir tirar o resto. Quando está só de lingerie ela começa a corar violentamente. Abraço-a para transmitir segurança, ela enterra a cabeça na curvatura do meu pescoço.                       


Joe: você é maravilhosa. Esta igual um morango, muito vermelha.                        


Amber: por que você me deixa assim? – sorrio e a levo para cama.                        


Joe: porque eu amo você. – a deito e tiro minha roupa ficando apenas de cueca. A beijo tentando tranquiliza-la. – vamos dormir, amanhã será um longo dia. Vou treinar com seus amigos. – deito ao seu lado, ficamos um de frente para o outro.                        


Amber: oh céus, sem ciúmes, por favor. – eu nem tinha pensado nisso.                       


Joe: mas eu só falei que será um longo dia, no sentindo de que vamos treinar muito.                        


Amber: espero que seja só isso. – ela suspira.                        


Joe: eles só não podem olhar com desejo para minha garota.                        


Amber: só são meus amigos de treino.                        


Joe: e? Você me batia só por olhar para você. – a abraço rodeando sua cintura enquanto a mesma me abraça.


Amber: mas eu não gostava de você antes. – para mim já nos gostávamos, mas o que aconteceu quando tínhamos dez anos estragou tudo. 


Olho para cabeceira do lado dela com meu celular vibrando.                      


Joe: baby pode pegar meu celular? Ele está vibrando. – ela me entrega o celular, é uma mensagem da Bel. 


Quando leio não sei se fico feliz ou triste, ela está com medo de perdê-lo. Saio do meu quarto indo para sala com Amber me chamando. Vejo Emma assistindo TV.                     


Joe: Emma, é ele! – ela me encara sem entender.


Emma: ele o que? – ela desliga a TV.                       


Joe: Dylan é o noivo. – ela deixa o controle cair e me olha abismada.




Notas Finais


Segredos serão revelados no próximo capítulo!! Beijos. Até a próxima.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...