História New Rebels - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias EXO, F(x), Super Junior
Personagens Baekhyun, Chanyeol, Chen, D.O, Kai, Kris Wu, Krystal Jung, Lee Donghae, Lee Hyukjae "Eunhyuk", Park Jungsu, Sehun, Suho
Tags Chansoo, Exo!superpowers, Kaistal, Krystal, Newrebels!au, Nossasenhoraquantatag, Park Yoora, Pseudo-drama-comédia, Superhero, Superhero!au, Superpower!au
Visualizações 47
Palavras 3.758
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Crossover, Drama (Tragédia), Ficção Científica, Magia, Romance e Novela, Sci-Fi, Universo Alternativo, Yaoi
Avisos: Heterossexualidade, Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


*Joga o plot e sai correndo*
Yoyo, faz décadas que não posto nada e nem sei se isso tá bom mas... vamos lá, né?
Plot diferente e que representa a era dark que tem em mim, rs

(Eu revisei mas... né)

Capítulo 1 - The Beginning (Pilot)


Fanfic / Fanfiction New Rebels - Capítulo 1 - The Beginning (Pilot)

Preparar modo de destruição em 1... 2...

– Abaixa! – Junmyeon gritou, rapidamente todos estavam estirados no chão e o alarme apitou mais uma vez. O barulho incômodo passou e aos poucos foram levantando.

A voz robótica também fora desativada.

Jongdae grunhiu desgostoso e Kyungsoo seguiu o mesmo caminho. Tinha que ser.

– Eu tô definitivamente morrendo, será que já é a idade? – Baekhyun comentou quando Jongin ajudou o mesmo a levantar-se do chão. Os outros deram de ombros.

Estavam em mais uma sessão de treinamento e o cansaço era totalmente mútuo. Junmyeon cismou em treinar o team naquele dia, alegando que estavam preguiçosos comparados ao que eram antes. Ainda de forma relutante, ficaram praticando o dia todinho – ocorrendo muito protesto, mas ainda sim –, com Junmyeon gritando nos ouvidos alheios e assoprando o seu apito desnecessário. Poxa, eram super-heróis, mas o cansaço bate para todos os lados.

Quando saíram da sala de treinamento, a primeira coisa a fazerem foi: correr até a cozinha e dá uma limpa em toda a comida ali.

– Antes de qualquer coisa, eu tô com muita preguiça pra voltar à minha casa. Nossa, só quero dormir... – Jongin falou, os olhinhos fechando-se ao comer frango frito. Jongdae riu.

– Eu também, mano. Não sabia que o hyung ia pegar tão pesado hoje – resmungou, uma mão massageando a cabeça.

– Ô, eu tô escutando tudo isso aí! – Junmyeon revirou os olhos, ajeitou-se na cadeira e pigarreou antes de falar novamente. Todos prestando atenção no líder agora – Fiquei guardando uma informação e notícia por um período de tempo até esse momento. Primeiro de tudo: espero que vocês sejam esses amores que são e recepcionem muito bem uma pessoa aí... – mordeu os lábios.

Os cinco pares de olhos observavam o líder com atenção. Uma expectativa pairava no ambiente e Junmyeon sentia o estômago revirando.

– Pessoa?

– Nova pessoa?

– Recepcionar?

– Amores de pessoas?

– O que é isso tudo? – Jongin franziu o cenho, sendo o último a falar algo.

Junmyeon suspirou. Essas crianças... nem mesmo esperam o cara continuar.

– Uma nova pessoa entrará na nossa equipe. Ele foi encontrado recentemente e precisa da gente, okay? O cara é inexperiente e nem sabia da existência dos seus poderes. Desta forma, nossa obrigação é fazer ele se sentir em casa e ajudar em tudo o que for preciso, preciso da coletividade de vocês – suspirou, as mãos juntas em cima da mesma e um silêncio absurdo também.

Ficaram um tempão assim, até Baekhyun se manifestar pela maioria.

– E quando ele chega? Digo... quando iremos conhecê-lo? – Junmyeon inclinou a cabeça para o lado.

– Amanhã. Ele tá sendo transferido para cá.

E eles levantaram das cadeiras, uma onda de gritos e perguntas como: Você só avisa agora? Como se apresenta para uma nova pessoa? Hyung, eu preciso tá nesse dia? Ainda havia toda a confusão que eles possuíam ali também. E Junmyeon continuou sentado, vai que ele surtava também?

No dia seguinte, quando todos voltaram das atividades de civis comuns, sentaram-se como criancinhas nos sofás da sala esperando a tal pessoa nova. Seguiam uma listinha dada por Junmyeon, contendo nela:

1. Ser social e amigável;

2. Não falar merda no primeiro contato;

3. Não usar violência (Kyungsoo, me obedeça);

4. Sem gritos histéricos (Dae... por favor);

E eles seguiram tudinho. Até o momento em que começou a demorar muito e Kyungsoo começou a reclamar no cantinho que estava. Baekhyun preparando-se para ligar o vídeo-game e Jongin sendo anti-social com os fones de ouvido. Nesta altura do campeonato, o Kim mais velho entre todos tentava contatar a liga, que estava com a nova pessoa e trazendo-a até lá.

– Vem cá... a gente vai ficar plantado aqui até que horas? – Kyungsoo perguntou quando voltou de sabe-se lá onde (ele tinha saído da sala depois de uns minutos). Junmyeon bufou antes de desencostar-se da parede.

– Não sei, já era para ele ter chegado. Vou tentar contatar a Liga novamente, que estranho...

– Como assim? Essa pessoa está vindo com a liga? – Jongin perguntou atônito.

Mas nem houve tempo para responder. Quando deram por si, a voz robótica tão comum para eles declarava a chegada de uma nova pessoa, a qual cruzava a sala de estar e já entrava no campo de visão. Pararam as suas atividades de distração e a famosa curiosidade pairava no ar, tanto pelo lado do team quanto do mais novo membro presente ali.

– Nossa, pensei até que não vinha mais! – Junmyeon aproximou-se do novo membro.

– Me desculpe. Ocorreu um atraso no meio do caminho – mexeu nos cabelos por puro hábito. Junmyeon assentiu em compreensão.

– Bem, meninos, conheçam Park Chanyeol! Ele é o mais novo integrante do team e será o nosso querido Flamer.

E o tal Chanyeol sorriu acanhado, um nervosismo palpável e a sua animação também.

– Prazer, espero que vocês cuidem bem de mim... – falou, os dedos sendo torcidos. Os outros caras se aproximaram e uma sessão de pergunta e resposta iniciou-se.

Vale falar que Chanyeol prestou mais atenção em um tal de Earth Warrior.


Como todo mundo possui tarefas e outras responsabilidades, era dia de não ficar no QG e morrer na escola. Kyungsoo estava nessa situação e não via a hora de ser liberado daquele inferno, se ele pudesse provocar uma tempestade de areia...

Ia ficar só na vontade mesmo.

– Por hoje é só, não esqueçam da atividade para a próxima aula. Um bom dia! – o professor saiu e o Do só faltou pular da cadeira ao sair dali. Quase.

– Kyungsoo! Espera! – virando a cabeça para trás, os olhos do Do arregalaram-se mais ainda por ver Park Chanyeol na sua escola?

– Hã? – piscou os olhos lentamente. Chanyeol ainda apoiava as mãos nos joelhos, respirando pesadamente. Que diabos?!

– Preciso conversar com você – encarou o mais baixo. Kyungsoo apenas assentiu com a cabeça antes de ser arrastado pelo Park à saída do colégio.

Caminhavam rapidamente, quer dizer, Chanyeol continuava arrastando Kyungsoo e não falando absolutamente nada. Era óbvio que o Do precisava saber o que estava acontecendo e não via a hora de fazer isso rolar. Continuaram assim até chegarem perto de um beco vazio, onde Chanyeol certificou-se que realmente não tinha mais ninguém ali com eles. Suspirou ao notar que não; estavam completamente sozinhos.

– Então... o que você quer? – franziu o cenho. Chanyeol encarou-o nervosamente.

– Junmyeon-hyung disse que eu deveria escolher um tutor e-e eu acabei escolhendo você... p-para me ajudar com tudo isso, entende? Você só precisará ficar um tempinho a mais comigo, porque ainda sim eu treinarei com vocês – Kyungsoo assentiu meio assustado – Aí, hmm, eu só queria saber se você aceita, sabe? A m-me ajudar...

Kyungsoo arregalou os olhos ao realmente perceber do que se tratava aquilo tudo. Ele aceitaria ajudar outra pessoa? Poxa... até estava honrado e essas coisas, mas imagina ajudar uma pessoa? Com os seus poderes?

Ficou pensativo, observando a feição do mais velho em sua frente. Até que realmente obteve a sua resposta.

– Tá tranquilo. Eu posso sim te ajudar nisso – começou, percebeu que Chanyeol iria falar algo mas interrompeu-o – entretanto... como te ajudarei se, bem, os meus poderes são diferentes dos seus?

O biquinho que possuía nos lábios fez o Park refletir sobre aquilo também. Piscou os olhos antes de tentar comentar sobre.

– Não tem problema, Soo. Só preciso que me ajude no que puder... obrigado! De verdade, obrigado! – abraçou-lhe apertadinho, os batimentos cardíacos extremamente acelerados e que eram semelhantes ao do outro.

Estão aí coisas que Kyungsoo não esperava naquele dia: um abraço afetuoso de Chanyeol e o mesmo chamando-lhe pelo apelido. Park Chanyeol demonstrou ser imprevisível.


– Como assim teremos visitas? Tipo... mais pessoas? Não!

– Jongin, pelo amor que sua mãe tem por você... para com o drama! Não é como se não conhecesse quem viesse – Baekhyun resmungou, os olhos atentos ao jogo no celular.

– Exatamente por isso! Ninguém merece, hyung... por quê temos que ver os outros? – arregalou os olhos. Baekhyun bufou, entediado com aquilo.

– Porque não devemos ser anti-sociais como o Baekkie, vamos, Nini. Aposto que isso é só birra – Junmyeon falou ao chegar perto dos mais novos. O Byun deu língua ao comentário sobre si e o mais novo suspirou.

– Hyung...

– Isso é por causa da missão de ontem? – perguntou preocupado. Os olhos analisando cada mínimo detalhe, como uma mãe. O mais novo negou repetidas vezes. Junmyeon estalou a língua, estranho.

– Nem me lembre da missão de ontem. Foi um saco ter erva-daninha no meu uniforme, que lugar ruim hein – Jongdae apareceu, saía da ala dos dormitórios e sentou-se ao lado de Baekhyun no sofá.

– Sim... inclusive, será que Jun-hyung tem um uniforme extra para mim? O meu ficou horrível, tudo culpa do Jongdae! – Baekhyun pausou o jogo e direcionou o olhar para o líder. Jongdae reclamou e deu um empurrão no outro.

– Chega, crianças! – Junmyeon revirou os olhos – Cadê o Soo e o Chan? Só faltam os dois!

– Ah... sala de treinamento. Kyung faz o coitado de escravo...

– Não é assim também, Baek. É só a recuperação do tempo perdido – Jongdae deu de ombros.

– De qualquer forma, preciso que alguém chame eles. Jongin, vai lá – o Kim mais velho pediu e Jongin saiu preguiçosamente – Uh, como se ele não usasse do teletransporte para fazer isso...

– Ele já saiu totalmente?

– Já, Baekkie. Por quê? – Baekhyun aproximou-se mais dos dois antes de encarar-lhes atentamente.

– Não notam um comportamento anormal no Jongin durante esses dias? Tipo... ele vive mais calado do que o normal e só falta se casar com o celular – fez um expressão preocupada. Junmyeon e Jongdae compartilhavam da mesma expressão e sentimento.

– Não é problema familiar, falei com a Sra. Kim ontem mesmo... por causa do braço quebrado do filho dela... – Junmyeon inclinou a cabeça para o lado. Mil e uma teorias surgindo em sua mente.

– Talvez na escola? – Jongdae sugeriu, pensativo.

– Eu tenho os meus contatos. Não é nada de lá.

– Droga, o que está ocorrendo então? – Baekhyun fez um bico.

– Uh... vamos ter que ficar de olho no nosso maknae – Jongdae espremeu os olhos. Junmyeon e Baekhyun assentiram.

– É bom reparar nele hoje – Junmyeon sugeriu. Estava deveras preocupado.

Foi aí que o papo morreu e os três apareceram ali. Kyungsoo e Chanyeol possuindo o aspecto de recém-banho tomado e Jongin com preguiça – não era uma novidade.

– E aí, como foi o treinamento hoje? – Kyungsoo sorriu antes de responder.

– Foi muito legal e agonizante ver ele pegando fogo! Apesar de vermos isso frequentemente... continua legal – sorriu. Chanyeol abaixou a cabeça, estava envergonhado.

– Woah, significa que ele está alcançando um nível para sair em missão com a gente? Quero tanto ver as habilidades dele contra algum inimigo! – Jongin sorriu.

– Ahn, que isso, cara? Não me ilude – Chanyeol falou, antes de fazer um toque estranho com o Kim. Kyungsoo ficou incomodado.

– Quem sabe daqui a algumas semanas, hein? Não depende só de mim, – Junmyeon encarou-lhes – mas estou ansioso para ver o nosso Flamer em ação. Mais um orgulho e mais um pupilo.

– Argh, lá vem esse sentimentalismo barato – Kyungsoo fingiu vomitar. Os outros riram.

– Eu já falei que o Kyungsoo é o diferente entre todos? – Junmyeon resmungou – Mas eu ainda o amo igualmente.

– Mais sentimentalismo barato... – revirou os olhos.

– Desculpa incomodar o amor do team, mas já chegamos! – Yifan exclamou animado. A atenção agora estava na equipe do mais alto, que chegava com as mãos cheias.

– O que é isso? – Chanyeol perguntou baixinho à Kyungsoo.

– Reunião entre as equipes amiguinhas, acontece uma vez por mês – respondeu baixinho também.

– Dessa vez tem até pratos típicos da China, ideia do hyung –  Sehu comentou. Os meninos soltaram gritinhos animados e já iam observar de perto, quando Junmyeon e Yifan surgiram novamente.

– Nada disso. Vai para a cozinha.

E eles seguiram animadinhos.

Enquanto todos organizavam as coisas na mesa, Kyungsoo e Chanyeol continuaram na sala. Por alguma razão, queriam ficar juntos ali; sem ninguém por perto.

– Soo...? – Chanyeol começou baixinho, o Do virou-se em sua direção, esperando o mesmo continuar – Obrigado.

– Pelo o que? – balbuciou confuso, ué.

– Por estar me ajudando nisso tudo. Acho que seria uma merda aprender algo sem ajuda, obrigado por ser o melhor tutor do mundo – sorriu, a franja cobrindo uma parte do seu rosto. Kyungsoo sentiu as bochechas esquentarem e ficou encabulado.

– Hey, não faz assim. Eu tô me sentindo estranho agora – riu nervosamente, não era tão acostumado com elogios assim. O mais alto aproximou-se mais e encarou-lhe por um tempinho, até o momento em que sorriu para o mais baixo e mexeu nos cabelos negros alheios. Foi o suficiente para Kyungsoo arregalar os olhos e os batimentos cardíacos acelerarem pra caramba.

Por quê diabos ele está fazendo isso?!, mas acabou apenas encarando o mais velho demoradamente.

– De nada – e sorriu de novo. Park Chanyeol estava gostando de provocar a oposição.

O jantar seguia bem, uns comentários sobre a vida dupla de todos os jovens ali juntamente com umas piadinhas infames porque ninguém tem só o que quer. Quando a comida acabou, saíram da cozinha e as vítimas escolhidas para arrumar toda a bagunça feita anteriormente caíra nos ombros dos mais novos – vida que segue, não é mesmo?

Jongin recolhia os pratos utilizados enquanto Soojung jogava fora o lixo e Sehun preparava-se mentalmente para lavar tudinho – maldita hora em que perderam no melhor de três.

– Então, como estão as coisas para o lado de vocês? – o Kim indagou, arrumando a pilha de louca suja na pia. Sehun deu de ombros e encarou a única garota presente, Soojung bufou.

– Tá indo bem, agora Sooyeon não me pertuba indo no QG com frequência e finalmente os meus pais aceitaram todo esse rolo de identidade secreta. Ah, semana que vem teremos treinamento com a Mirror! – sorriu, Jongin abriu a boca de forma surpresa.

– Wow, não acredito nisso... tipo, a Mirror mesmo? Deu um vontade de fazer parte da equipe de vocês – reclamou, os ombros curvados.

Sehun riu ao jogar respingos de água no mais velho.

– Ninguém mandou se juntar ao Jun-hyung... – provocou, Jongin cerrou os olhos e Soojung apenas balançou a cabeça. Idiotas.

– Mas não será apenas para a gente, vocês também irão ficar conosco! O idiota do Sehun não me deixou terminar... – a Jung comentou, fuzilando o mais velho com o olhar.

– Então quer dizer que teremos missão juntos, não é? Se a Mirror vem treinar a gente e serão ambos os grupos... uau! – o Kim exclamou animado.

– Sim, sim. Tudo indica isso, mas o nosso líder sequer revelou algo. Será que ele não sabe? – Sehun franziu o cenho para a pergunta do mais velho.

– Acredito que sim, de qualquer forma, Yifan-ssi disse que Junmyeon revelaria esse treinamento hoje para vocês! Fica quieto e com a boca bem fechada, Nini. Não conte para ninguém ou eu farei questão de acertar um feitiço em você – Soojung crispou os lábios.

– Hey, Soo... também não é assim! Eu não sou fofoqueiro, tá? – bufou frustrado.

– Uh, estou me sentindo uma vela aqui. Deixarei vocês namorando em paz – Sehun reclamou e saiu da cozinha, um guardanapo nos ombros. Apesar de sair dali para não lavar a louça também.

– Ei! – os dois gritaram em indignação. As bochechas queimando pelo comentário.

– Já terminaram de organizar tudo? – Jongdae perguntou confuso ao ver Sehun chegar calmamente ali. O mais novo bufou.

– Dei um tempinho para os pombinhos namorarem.

– Pombinhos? – Junmyeon perguntou sem entender aquilo.

– Sim, pombinhos. Jongin e Soojung – constatou o que parecia óbvio.

Os outros ficaram perdidos.

– Soojung e Jongin namoram? – Chanyeol arqueou a sobrancelha.

– Não exatamente. Quer dizer, sei lá – Kyungsoo deu de ombros, não importava realmente.

– Estranho – o Park pareceu pensativo. Logo, aquele assunto morreu e retomaram ao que faziam antes da chegada do Oh.

Soojung e Jongin saíram da cozinha minutos depois, os rostos ainda corados e com indignação.

– Você ainda deixou louça suja, a gente teve que fazer tudo! – o Kim jogou um guardanapo na cabeça do mais novo. Soojung correu em direção de Sehun para dar-lhe um tapa na testa.

– Cabeção, não te perdoo por isso e nem o comentário infame.

– Vocês são tão dramáticos. Eu pago na próxima, certo? – os dois acenaram e acomodaram-se por ali.

– Bem, já que os ânimos estão calmos, hora de informar vocês sobre algo muito importante, okay? – Junmyeon começou. A atenção era centralizada no Kim – Recentemente a equipe principal e que vocês conhecem muito bem, nos contatou e informou sobre a nossa primeira missão oficial ao lado deles. Tirando este fato, o nosso team receberá um nome oficial, espero que vocês estejam preparados para essas mudanças significativas – sorriu com excitação. Todos abriram as bocas em choque e até mesmo paralisaram por um tempo.

– Nós seremos oficialmente membros da Liga? M-mano... – Baekhyun arregalou os olhinhos.

Era óbvio que o team ficaria daquele jeito, uma notícia daquelas possuía um peso significativo de mais para eles.

– Para isso, a partir da semana que vem haverá treino com os integrantes da liga. Nós seremos treinados em todos os aspectos: físico, mental... tudo isso para uma boa impressão. Apesar dos  não – Yifan complementou.

– Como nossa primeira mentora, teremos a Mirror. Então, já estejam preparados para combate corpo a corpo. E, Chanyeol... você finalmente participará de um treino com mais pessoas; além do Flamer ser apresentado finalmente. Parabéns! – Junmyeon sorriu como o bom líder que era, o Park possuía uma expressão incrédula e aos poucos os outros parabenizavam o mesmo.

Continuaram assim, até os ânimos se acalmarem e a outra equipe ir embora.


– Parabéns, Chan... – Kyungsoo murmurou quando engoliu a água que bebia. Só restava os dois na sala de treinamento (porque o próprio Park pediu isso) e encontravam-se no chão, os corpos suados e a respiração irregular pelo treino rápido que tiveram.

Chanyeol continuava encarando o teto, imaginando as mudanças bruscas que ocorreram na sua vida. No auge dos seus 18 anos possuía super-poderes e fazia parte de um grupo repleto por jovens assim, faria sua primeira aparição como herói e de quebra possuía um novo amigo.

– Obrigado, sério – respondeu depois de um longo tempo em silêncio.

– Nem acredito que isso tá acontecendo, eu tô berrando – Kyungsoo falou, os dois riram.

– Pô... imagina eu! Até uns meses atrás só era mais um civil normal – colocou as mãos atrás da cabeça, apoiando-se. E ocultando uns fatos também.

– Não posso dizer o mesmo porque sabia dos meus poderes há muito tempo... – Do comentou brincalhão. Ajeitaram-se no chão e podiam encarar um ao outro agora.

– Ei, Kyung...

– Hmm? – perguntou manhosinho, os olhos observando cada detalhe do outro.

– Acho que tenho um novo amigo e é você – o Park coçou a nuca num claro sinal de nervosismo. Kyungsoo aproximou-se mais e deu-lhe um peteleco na testa.

– Eu também, cara... eu também – sorriu e Chanyeol resmungou pela dor na testa.

– Você estragou o momento usando essa sua força! Poxa, Soo! – e fez drama. O Do apenas riu da desgraça alheia.



A semana de treinamento começou oficialmente, sendo o verdadeiro inferno aos adolescentes. Porque, veja bem, eles teriam que conciliar ainda mais as obrigações civis e as da vida secreta, tentando assim um equilíbrio entre todas as funções. No entanto, não podiam negar a ansiedade em ver bem de pertinho uma integrante da liga... ainda mais treinar com ela!

– Eu estou ficando com fome, não é momento, hein? – Baekhyun ou melhor, Bright Soul falou. Earth Warrior encarou o amigo e apenas deu de ombros.

– Mal posso esperar para ver a Mirror pessoalmente – Lightning declarou, ansioso.

– Uh, já prevejo o seu lado fanboy – Bright fingiu vomitar.

– Será que as madames podem ficar em silêncio? Não consigo me concentrar – um dos membros da equipe de Yifan falou, Lu Han ou Mind Blow, na verdade.

– Lá vem todo aquele papo de telecinese e que a concentração é fundamental – Wildwind resmungou, fingindo chorar.

Estavam naquela atmosfera agradável, afinal, conheciam-se há um tempo relativamente longo. Era bom aliviar a pressão que Aqua e Brave Dragon sabiam que os outros possuíam, assim como os mesmos. Logo, era melhor começarem o treinamento de forma mais descontraída.

– Cadê o Yeol? – durante um dos assuntos aleatórios, Place-control perguntou curioso.

– Hmm, verdade. Era para ele já está conosco há tempos – Wildwind franziu o cenho.

Ao falar do diabo, Chanyeol apareceu no exato momento, a voz robótica anunciando a sua chegada pelo uso do tubo-zeta. Kyungsoo rapidamente olhou naquela direção, o coração acelerando um pouco. Aquela era a primeira vez que o Park utilizava e por quê diabos Kyungsoo gostou?

– Oi – assustou-se ao possuir o mais alto tão próximo de si.

– Hmm, oi – respondeu, os olhos tentando capturar cada mínimo detalhe do mais velho. Ele estava tão lindo.

– O spandex nem é tão incômodo assim – comentou depois de sorrir, Kyungsoo riu.

– Uh, mal colocou o traje e já pensa assim? – inclinou a cabeça para o lado, uma sobrancelha arqueada.

– Não me julgue por ter menos tempo com isso, idiota – resmungou.

– Mas eu não estou... de qualquer forma, preciso comentar sobre outra coisa, – Flamer arqueou a sobrancelha para o mais novo – eu acho muito injusto você já chegar e ficar todo bonito no uniforme. Nessa época de recém super-herói, eu ficava ridículo usando esses trajes.

Warrior bufou e Flamer riu levemente.

– Não tenho culpa de ser bonito...

– Espero que eu tenha escutado errado. Irei ignorar essa fala cheia de egocentrismo – revirou os olhos e bateu-lhe levemente na testa. Flamer resmungou.

Continuaram comentando sobre outras coisas esperando o tempo passar, uma forma de disfarçar o nervosismo, na verdade.

Reconhecido: Mirror - A06

A atenção dos dois, assim como a do resto do grupo concentrou-se na mulher que aos poucos aproximava-se. O traje roxo e o sorriso bonito encantava até mesmo os inimigos.

– Olá, gente! Sei que é nosso primeiro contato e espero seriamente que gostem de mim. Vai ser um prazer ensinar algo para vocês – o sorriso continuava ali – Oh, acabei me esquecendo... a Liga falou que somente eu estaria aqui, hein? É mentira! É meio impossível eu dar atenção para todos e, bem, há mais 2 pessoas vindo.

Silêncio. Uma pausa longa e enfim o entendimento daquelas palavras. Eles iam conhecer mais pessoas da Liga principal!

– Acho que esse dia é um dos melhores da minha vida... – Flamer declarou. Earth Warrior sorriu e concordou mentalmente.

O tubo-zeta logo mostrou a figura de outras 2 pessoas. A voz robótica anunciando a chegada e fazendo os ânimos gerais aumentarem.

Reconhecido: Illusion - A08. Spark - A04.

– S-spark? – Flamer gaguejou, Earth Warrior estranhou.

Fora preciso menos de 1 minuto para uma reviravolta acontecer ali. Num momento Flamer estava excitado e no outro o mesmo empalideceu complemente.

Os olhos do mesmo encarando o membro da League e um desmaio repentino ao observá-lo devolver o olhar espantado que possuía.

– O que diabos está acontecendo aqui?! – gritou Warrior assustado. Todos os olhos concentraram-se na figura caída no chão. Logo um amontoado reuniu-se ao redor de Flamer.

– Flamer? Vamos, cara... não é hora para brincadeiras! Acorda, mano! – Lightning exclamou, Aqua abaixou-se ao lado do Park e tentava acordá-lo suavemente.

Aquilo era muito estranho. Muito estranho. Afinal, quem desmaiava daquela forma?



– Vamos, Flamer... acorde. Eu sei que é mais forte do que isso.


Notas Finais


Eu deveria esperar mais um tempo para postar essa história mas não resisti. Gostaria de agradecer a @sEXOplanet por ter me dado mais estímulo para postar meu novo neném.
Não tenho previsão de atualização porque a escola tá me fodendo até o talo e... é isso aí. Obrigada pelo review e tals.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...