História New Stage - Capítulo 16


Escrita por: ~ e ~monogatari

Postado
Categorias Os Heróis do Olimpo, Percy Jackson & os Olimpianos
Personagens Annabeth Chase, Frank Zhang, Hazel Levesque, Jason Grace, Leo Valdez, Nico di Angelo, Percy Jackson, Piper McLean, Reyna Avila Ramírez-Arellano, Will Solace
Tags Hdo, Lemon, Percy And Nico, Pernico, Pjo, Yaoi
Exibições 399
Palavras 5.109
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Bishoujo, Colegial, Crossover, Drama (Tragédia), Ecchi, Escolar, Famí­lia, Festa, Ficção, Hentai, Lemon, Mistério, Musical (Songfic), Romance e Novela, Saga, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo, Yaoi
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


~ Monogatari.

PELOS DEUSES, desculpa a demora meus amores! Juro que só tive esse tempo para postar o capítulo. Pensando bem... foi até melhor, assim vocês apenas vão sofrer a noite e não o dia todo. O que? Se esse capítulo tá arrasador? Só muito :)
Pegaram seus coletes, lenços, armas e almofada? Então estão preparados, certo?

Sem muitas delongas, apresento a vocês a melhor colheita da árvore da treta \oo/ boa leitura <3

~Liilyca

Olá amores! como estão!? Espero que bem já que esse final de semana está recheado de caps 😘

***(ultimo cap da minha fic 50 shades of blue e sim faço propaganda mesmo)
é triste, mas é a vida. então la no final deixo o link para vocês que shippan solangelo darem uma lida e verem se gostam 😉***

Voltando a esse Pernico que está uma LOUCURA! Espero que vocês gostem desse cap porque olha... dificil não surtar kkkk sério ;x

Bom... Sem spoilers suauhsa até as notas finais 😘
Boa Leitura ❤

Capítulo 16 - Death


Fanfic / Fanfiction New Stage - Capítulo 16 - Death

2 meses depois

Percy estava estranho. Muito estranho.

Desde aquele dia quando a Annabeth o chamou para conversar a sós ele vem andando estranho. No mesmo dia chegou quieto e ficou calado a maior parte do tempo, quando perguntei o que havia acontecido e sobre o que a garota queria falar com ele, apenas mandou eu esquecer e logo vi seu corpo enrijecer. O resto da noite ficou grudado em mim.

Estava mais possessivo do que antes.

Primeiro eu pensei que deveria o deixar esfriar a cabeça. Confiava que logo me contaria que o perturbava, mas isso não aconteceu. Durante uma semana ele chegou tarde em casa e na maioria das vezes alterado pelo álcool. Quando ia ajudar ele um ar de tristeza e carência tomava o seu corpo repetindo atrás de lamentos o quanto estava arrependido de eu o ver daquele jeito, porém em seguida mudava de humor distribuindo beijos por todo o meu corpo e me agarrando como se a qualquer hora alguém me tirasse de perto dele.

Foi só depois de uma noite quando ele não voltou para a casa que Jason e eu fomos procurar por ele o encontrando em um bar embriagado.

Jason pareceu ter uma conversa séria com ele o fazendo despertar sobre o que estava fazendo.

O que me entristeceu mais era estar fora dessas conversas. Eu não era mais o irmão mais novo dele, era o namorado do Percy e é direito meu saber o que estava acontecendo com ele. Estava preocupado... Muito preocupado. Porém, sempre que pedia explicação os dois pareciam desviar da conversa.

Logo depois de dois meses insistindo muito e não tendo respostas, desisto de tirar algo deles. Não podia exigir muito, estava escondendo algo também do Percy. Sei que não era justo, mas não podia contar ainda o que estava acontecendo. Não antes confirmar tudo.

Sobre as sessões: hoje era a minha última. Durante esse tempo todo Jason e Hazel ficaram do meu lado me acompanhando em cada uma.

Fiquei muito agradecido por isso, ter aquelas hipnoses fazia minha mente doer e sentia que ela tentava me avisar para não recuperar a memória, por mais que tentasse e tentasse.

Não tive muito resultados nas sessões anteriores, apenas via cenas felizes da minha mãe sorrindo para mim e do meu pai me tratando carinhosamente.

Hades Di Angelo. Sempre que recordava aquele nome sentia um arrepio no corpo. Ele me apavorava.

Quando descobri que Hazel era a minha irmã, e sobre o pouco de mistério que rodeava o nome do meu pai uma onda de esperança tomou meu corpo. Estava crendo que poderia finalmente descobri quem eu era e por onde andava a minha mãe. A garota dizia que era melhor terminarmos as sessões para começar a investigar. Precisávamos de mais provas.

Junto ao sentimento de esperança vinha também o medo. Meu corpo parecia me alertar que eu não deveria descobrir o que me aconteceu no passado.

Não tive mais sonhos assustadores. Não via mais as cenas de minha mãe apanhando. Era como se tudo isso sumisse da minha mente, o que me deixava mais desconfiado.

Será que isso realmente aconteceu comigo?

Quiron me alertava todas as sessões sobre os possíveis vultos que poderia ver. Não confessei a ele sobre o dia que quase fui atropelado ou quando vi o vulto de minha mãe em casa. Apenas isso seria um grande motivo para ele querer parar de me consultar.

O problema é que aquelas não foram as únicas visões que tive. Certa noite enquanto acordava vi deitado do meu lado o vulto de minha mãe acariciando meus cabelos. O toque era real demais, mas foi quando a visão focou mais e percebi que quem realmente estava comigo era Percy.

Outro dia enquanto saia do trabalho, como estava com a cabeça cheia decidi parar em um parque perto de casa. Foi quando eu vi no balanço do parque uma criança sendo balançada por um adulto alto. Era eu e meu pai.

O que era mais assustador é que havia vezes que eles falavam comigo. Noites em que escutava no quarto o som de uma voz cantando uma canção de ninar. Era uma voz doce e feminina. Outras noites quando eu acordava e via na minha frente meu pai deitado ao meu lado com um livro na mão contando histórias para mim.

Durante o dia elas também apareciam, quando não estava com Percy sentia alguém me seguindo sempre. Vez ou outra conseguia pegar de surpresa os vultos me seguindo. Era sempre a mesma cena: uma mulher alta, cabelos longos escuros, um menino pequeno com a mesma cor de cabelos e ao seu lado um homem alto. Eu, minha mãe e meu pai.

Eles me seguiam até em casa e conseguia ouvir em minha mente ecoar a conversa deles.

Era perturbador.

Por conta disso acabei voltando a tomar meus remédios antigos. Os que o Quíron havia me indicado não estavam trazendo meus sonhos de volta, então decidi por hora largar eles e voltar aos medicamentos antigos.

Houve dias em que acabei abusando deles e passava mal vomitando e sentindo tonturas, mas logo ingeria outro remédio e me sentia melhor. Por sorte em nenhuma vez Percy pareceu perceber. Estava conseguindo esconder bem tudo isso.

- Tá pensando em que? – diz Percy me encarando.

Estávamos na sala vendo um filme. Era sábado de manhã. Nesse momento ele se encontrava deitado no meu colo no sofá e eu acariciava seus cabelos. Sua voz me tirou do transe reparando que eu estava encarando o dedo pensativo.

- Em como as coisas mudaram tão rápido. – digo finalmente encarando aqueles olhos verdes.

Fazia já quatro meses que estávamos juntos e eu não poderia estar mais feliz. Ainda escondíamos nosso relacionamento de algumas pessoas, praticamente os mais próximos mesmo sabiam sobre nós, excluindo, lógico, nossos pais. De vez em quando Sally ligava para cá perguntando como as coisas andavam, podia sentir na sua voz como estava feliz por me ver animado com tudo isso. Podia até deduzir que ela desconfiava de alguma coisa, mas ela sabia como eu ficava feliz ao lado de Percy.

Não podia negar que sentia falta da minha antiga casa e deles. Acordar com o cheiro das panquecas da minha mãe era nostálgico demais. Prometi a mesma que no natal iria visitá-la. Com isso, Percy dizia que era melhor contarmos para eles pessoalmente sobre nós.

No começo questionei, mas logo percebi que mais cedo ou mais tarde teríamos que contar. E eu não aguentava mais me segurar em lugares públicos não podendo abraçá-lo ou beijá-lo.

- E mudaram para melhor? – Diz ele sorrindo.

Como eu amava aquele sorriso dele.

- Lógico que sim idiota. - Digo dando um peteleco em sua testa.

- Não queria trabalhar hoje. Quero ficar com você. – suspira e logo envolve seus braços em minha cintura.

- É só meio período e eu também vou sair à tarde. – digo mudando o canal da TV.

- Vai sair com quem? – Diz curioso.

-Com o Jason. - Minto para ele. Na verdade, ia aproveitar que ele ia trabalhar e iria à sessão.

- Não gosto dessa aproximação de vocês. Quando ficaram tão inseparáveis assim?

- Ainda com esse ciúme Percy? Ele é meu irmão, é normal eu querer passar um tempo com ele. – digo suspirando.

- Você deveria passar mais tempo comigo.

Sorrio ao ouvir aquilo. Não me pergunte como conseguia aguentar aquele ciúme possessivo dele.

- Você vai me aguentar por muito tempo ainda, não se preocupe. – digo voltando a acariciar seus cabelos.

- Nico... – diz ele me chamando e se levantando – Eu te amo.

Coro ao ouvir aquelas palavras de repente, aquilo estava se repetindo muito de uns tempos para cá, mas ainda assim era desconfortável ouvir tão abertamente.

- Eu também te amo Percy. – digo sorrindo.

- Você promete ficar do meu lado sempre? – Ele agora me abraçava forte.

- Aconteceu alguma coisa? – Digo preocupado.

- Só me promete Nico, por favor. Eu não sei o que vou fazer se um dia você me deixar. Quero te lembrar sempre como eu te amo, nunca senti isso por outra pessoa. – agora sentia o desespero e tristeza na sua voz.

Aquilo machucava meu coração. Lembrar que eu estava escondendo tudo àquilo dele e que futuramente eu iria procurar pelos meus pais verdadeiros, trazia um aperto no meu peito. Não era como se eu fosse abandoná-lo, mas lembrava como ficou inseguro e desesperado quando eu insinuei saber do meu passado.

Ele achava que se isso me acontecesse o deixaria.

Ah Percy, eu não pretendo sair do seu lado nunca.

- Eu não vou a lugar nenhum Percy, você sabe disso. – digo dando um selinho em sua testa – Não vou sair do seu lado. Agora para de drama que você esta atrasado pra o trabalho.

- Você consegue estragar mesmo um clima. – diz ele dando um empurrão de leve em mim – Vou ter minha atenção depois do trabalho?

- Vai sim. – digo sorrindo.

- Vou esperar ansioso por isso então, vou preparar uma surpresa. – ele agora se aproximava de mim e depositava um beijo em meus lábios.

Sem pensar eu acabo retribuindo ao beijo. Estava repleto de carinho e desejo.

Beijar o Percy era uma das coisas que mais amava no mundo. Eram macios e tentadores.

Quando dou conta do que estava acontecendo percebo que Percy estava me deitando no sofá e movendo suas mãos para a minha nuca aproximando meus nossos corpos. Em resposta, levo as minhas para debaixo da sua blusa tocando a sua pele quente nua.

Quando o ar se faz necessário sinto beijos sendo distribuídos em meu pescoço.

- Você vai se atrasar. – digo tentando controlar meus desejos

- Eu posso dar uma desculpa depois. – sussurra em meu ouvido.

Ia questionar de novo, quando o interfone começa a tocar.

- Preciso atender. – digo tentando me livrar dos beijos dele.

- Não precisa, deixar tocar. – ele continuava distribuindo beijos em meu pescoço e começava a colocar sua mão embaixo da minha blusa.

O interfone não parecia querer desistir.

- Ah droga, quem será? – diz Percy irritado e indo até ele.

- Alo? – diz ele já o atendendo – O que? Hazel?

Meu corpo gela ao ouvir o seu nome. Droga, tinha esquecido que havia combinado com ela para me encontrar em meu apartamento para irmos juntos na consulta. Não tinha pensado na possibilidade do Percy se atrasar para o emprego.

Vou até ele e tiro o telefone da sua mão.

- Oi é o Nico. Sim, pode mandar ela subir. – Digo e logo desligo o interfone.

- Você não ia sair com o Jason? – Escuto a voz irritada de Percy. Ele ainda implicava com ela.

- Eu vou sair com o Jason e com a Hazel. Sério que você ainda implica com ela? – Digo já vendo onde a conversa levaria.

- Por que me escondeu que ela ia junto? Eu já disse que não gosto que você ande com ela.

- Porque eu já sabia da sua reação. Somos só amigos Percy, já cansei de falar isso. – Digo indo em direção ao quarto para pegar minha jaqueta e a carteira.

- Nico, o que você está escondendo? – Vejo ele entrar no quarto junto e ficando na frente na porta impedindo a minha saída.

- Não estou escondendo nada. Não confia em mim depois de todo esse tempo? – Digo suspirando.

- Cancela esse compromisso.

- O que? Ah fala sério Percy, o Jason vai estar comigo e eu volto antes de você chegar ao trabalho.

- Então vai sem ela.

- Isso ta sendo infantil já. Confia em mim, assim como eu confio em você. Já disse que ela não está conspirando para me tirar daqui ou descobrir sobre meus pais.

Com aquelas palavras Percy imediatamente me envolve em seus braços em um abraço.

- Você ainda confia em mim? – Sua voz estava triste de novo.

- Lógico que confio, agora é a sua vez de fazer isso. Eu tenho que ir agora. – digo dando um selinho em seus lábios – Te vejo mais tarde.

Não espero ele responder e já saio do apartamento encontrando já vindo em minha direção Hazel.

- Cheguei cedo demais? – Diz ela preocupada.

- Não se preocupa. Vamos logo antes que ele mude de ideia. O Jason vai encontrar a gente lá. – digo segurando na mão dela e para acelerara as coisas vou descendo pelas escadas.

(...)

- Hoje é a última sessão Nico, está ciente disso certo? Sua última chance, não poderei prolongar isso mais, pois vai ultrapassar a quantidade adequada para sua mente. – diz Quíron me olhando e se ajeitando na cadeira

- Estou ciente disso. – concordo com ele.

- Vamos começar então. De primeiro já digo para focar em uma lembrança ou visão que teve. Vou trabalhar em cima dela. Pode se deitar e fechar os olhos. – diz Quíron – Vou colocar esse aparelho em seu pulso para controlar os batimentos. Se eu perceber que está indo longe demais vou interromper a hipnose.

Ele agora estava conectando o aparelho em meu pulso e ligando o aparelho, deixando o barulho dos batimentos ecoando no ambiente.

Respiro fundo e olho para Jason e Hazel que estavam sentados do meu outro lado.

- Fica tranquilo Nico, a gente vai estar aqui. – diz Jason me reconfortando.

Suspiro de novo e fecho os olhos.

Lembre-se Nico, você tem que se lembrar daquela visão.

- Pronto? – diz Quíron esperando minha reafirmação.

Apenas balanço a cabeça e em seguida escuto ele falar as palavras para iniciar a hipnose, seguido por um estalar de dedos.

- Onde você está Nico? – ouço a voz de Quíron ecoar na minha mente.

- Na minha casa...

Estava na mesmo ambiente das minhas antigas visões. Encontrava-me dentro do quarto escuro e conseguia ouvir um som de batidas na porta incansáveis.

- Nico, vem comigo amor. – escuto o som de uma mulher me chamando e puxando o meu braço. – Fica embaixo da cama quietinho ok? Não saia daí até eu te chamar.

- O que ta acontecendo mamãe? – Diz a criança assustada.

- Só fica aqui meu amor. – diz ela beijando a minha testa – Agora vai.

Via agora ela indo para debaixo da cama e logo a mulher saindo do quarto fechando a porta.

- Quem está com você Nico? – diz Quíron.

- Eu e minha mãe... Mas parece que alguém vai entrar em casa... – digo confuso.

Então, no ambiente mudava comigo estando na cozinha. Via a mulher indo até a porta e a abrindo fazendo assim dois homens altos e fortes entrarem em casa.

- Cadê o Hades? – Diz um dos homens.

- Ele não está aqui, o que vocês querem? – Diz a mulher tentando manter a calma.

- Droga, ele deve ter fugido! – Grita o outro homem irritado – Vamos pegar as garantias. Cadê a criança?

- Saiam da minha casa já! O que vocês querem com meu filho? – Diz a mulher desesperada.

- Nico, controle a respiração. – ouço Quíron me falando fazendo eu reparar em como estava tremendo e ofegante.

Respire fundo Nico, não deixe que essa lembrança vá embora.

- Ora minha querida, deveria saber que seu marido nos deu a garantir de levá-los. A gente avisou a ele isso: o menino ou a família.

- O que...? Saiam daqui logo! – Via a mulher segurar no braço de um dos homens e tentar empurrá-lo dali.

- Me larga vadia. – Agora via o homem deposita um tapa forte na cara da mulher.

Mãe... Um nervosismo começava a tomar conta do meu corpo. Sentia meu corpo tremer e meus punhos serrarem. Sentia-me um inútil por não poder fazer nada.

- Me diz onde está o garoto? – O homem que havia batido nela agora a agarrava pelos cabelos – Cadê ele?

A mulher em um ato de rebeldia cospe na cara do homem o fazendo ficar furioso e mais uma vez dar um tapa em sua cara também chutando a sua barriga fazendo um grito de dor ecoar no ar.

“Filho, no final do ano vamos nos mudar para a casa do seu avô ok?”

“Eu não quero sair daqui mamãe”

“Vai ser melhor para o seu irmãozinho filho. Ficar aqui não vai ser bom”

Aquelas vozes ecoam na minha mente. As lembranças estavam confusas agora.

Meu irmãozinho...?

Grávida. Ele estava grávida naquela época. Sim eu me lembrava agora no dia em que havia me contado que eu teria um irmão.

- Mãe!! – ouço a voz de uma criança vindo do quarto.

Minha atenção é desviada com a minha visão quando pequeno sair do quarto e ir em direção a minha mãe estirada no chão.

Não podia sair do quarto... Volte para lá...

- Nico, o que ta acontecendo? – a voz de Quíron preenchia minha mente agora.

Estava tudo acontecendo muito rápido.

- Achei você pirralho. – via agora um homem segurar forte no braço da criança.

- Solta... Solta ele! – diz minha mãe ainda estirada no chão com a mão na barriga.

- Me solta! Mamãe!! – Os meus gritos faziam minha cabeça doer.

Eu queria poder gritar junto, ir até lá e tirar aqueles homens da minha casa. Conseguia sentir que as coisas não acabariam bem, mas o que ia acontecer... Não conseguia lembrar.

- Cala a boca garoto! Vamos embora logo. – via o homem me arrastando para longe.

- Não! Larga ele! – Agora a mulher agarrava a minha cintura impedindo que eu fosse tirado dali. Via incansáveis lágrimas escorrerem dos seus olhos.

- Eu disse para você soltar! – O outro homem que até agora estava apenas observando a cena, solta os braços da minha mãe fazendo eu me afastar dela de novo.

- Solta ele! Nico! – A mulher gritava o mais alto possível- Socorro!!

Não grita mãe... Não grita... Se você gritar...

- Socorro!! – Ela continuava gritando.

- Eu mandei você calar a boca porra!

Não! Você não pode gritar... Senão...

Meu corpo estava estático e sentia meu coração acelerar. Eu tinha que ajudar ela. Se eu não a ajudasse ia...

Então a cena muda e quando percebo estava de volta no consultório do Quíron.

Arregalo meus olhos e logo vejo Jason e Hazel do meu lado, assustados.

- O que...? Por que você fez isso?! Eu tenho que voltar! – Falava desesperado.

Estava tão perto, eu ia ajudar ela.

- Nico, seus batimentos começaram a acelerar demais. Você não me escutava mais e seu corpo estava tremendo. Tive que para a hipnose, chegamos a um ponto onde você não pode se lembrar. Se fizer isso sua saúde ia ficar comprometida. Sinto muito... – Ouço Quíron falando me olhando.

Ele não entendia, eu precisava voltar. Tenho que saber o que aconteceu comigo, com a minha mãe... Estava tão perto. Preciso voltar.

- Quíron por favor, eu preciso lembrar! – Sentia agora lágrimas escorrerem pelo meu rosto. Estava desesperado por aquilo, pela minha lembrança.

- Sinto muito Nico, eu não posso. Seu corpo se recusa a continuar isso, está acabando com você.

- Não! Você não entende, eu estava perto! – Ouço minha voz alterada.

- Nico olhe para mim. – agora via os olhos azuis tempestades me olhando. – Desista. Não pode continuar com isso, eu vi seu estado aqui... Por favor Nico, esqueça isso.

Eu não podia esquecer. Ninguém entendia.

- Eu... Jason, por favor... – imploro.

- Vamos embora daqui Nico... – sentia agora a mão da Hazel pousando encima da minha – Você precisa descansar a mente.

Ainda sentia as lágrimas descerem do meu rosto. Não queria desistir, mas sabia que ficar aqui insistindo nisso não ia levar em nada.

- Só deixa eu ir lavar meu rosto... – digo sussurrando e levando com dificuldade da poltrona, indo em direção ao banheiro.

Ao chegar lá olho direto para o espelho e vejo meu estado. Estava horrível. Meus olhos estavam vermelhos por conta do choro incansável, minha pele aparentava estar mais branca que o normal e ao olhar para minhas mãos via elas tremendo.

Estava tão perto...

Tateio meu bolso lembrando o que havia trazido: meus remédios. Sim, por precação tinha pegado dois frascos de remédios no meu quarto. Sentia que apenas a hipnose não iria ser efetiva para fazer eu recordar sobre meu passado, então minutos antes de começar a sessão tinha tomado dois comprimidos.

- Eu preciso lembrar... – digo baixo e despejo na minha mão mais quatro comprimidos. Iria ser o suficiente, se tomasse agora o efeito viria provavelmente quando estivesse já em casa e assim poderia me lembrar.

Ingiro os remédios e abro a torneira da pia para tomar alguns goles de água para facilitar.

De início sinto uma ânsia de vômito, mas ignoro e lavo o meu rosto.

Saio do banheiro e encontro na recepção Jason e Hazel me esperando.

- Vamos embora Nico... Isso não está te fazendo bem. – ouço Jason me abraçar – Já falei com o Quíron, só vamos para casa.

Apenas balanço minha cabeça em concordância e seguimos para fora do consultório. Logo sem demora pegamos um táxi em direção ao apartamento.

Hazel se recusava a me deixar sozinho, dizia que me ver daquele estado a tinha deixado em desespero e culpa. Então avisou que ficaria comigo até que melhorasse.

Sigo o caminho calado, não queria conversar com ninguém ou explicar o que tinha visto. Eu só queria poder chegar em casa logo e dormir.

Pela primeira vez tinha chegado perto sobre o possível motivo de eu ter parado no orfanato e saber o que tinha acontecido com a minha mãe. Jason disse para eu desistir daquela ideia, mas eu não podia agora que havia chegado tão perto. Precisava saber mais, lembrar muito mais... Aquilo não era o suficiente.

Olho para o lado de fora da janela do táxi e mais uma vez consigo vislumbrar a grande movimentação da cidade de NY: luzes por todo o lado, carros passando constantemente na rua, pessoas andando na calçada, grupos de amigos rindo.

“Solta ele!” “Nico!” “Mamãe!!” ouço aquelas vozes na minha mente.

Eu vou lembrar... Preciso me lembrar.

Como doía. Minha cabeça latejava agora.

Fecho os meus olhos e sinto novamente as lágrimas invadirem o meu rosto. Eu realmente queria lembrar?

- A gente está aqui Nico. – Sinto a mão de Jason segurar a minha e a outra acariciar meus cabelos.

Meu pai fazia aquilo em mim... Meu pai que sumiu e deixou como garantir seu filho.

Minutos se passaram e por fim o táxi para em frente ao nosso apartamento.

Jason paga o táxi e ele, Hazel e eu saímos dele indo em direção ao nosso apartamento.

Percy... Droga, nessa hora ele já deve ter chegado. O que vou dizer a ele quando me ver nesse estado? Não tinha como mentir mais, não ia acreditar se dissesse outra coisa...

- Nico, não se preocupa. Eu vou estar com você. – olho para Jason assim que ele fala aquilo – Eu sei que Percy entenderá. E vamos conseguir um tempo até você se acalmar, conta comigo.

Sorrio amigável para ele e sinto um conforto em meu coração. Jason estava comigo e Hazel também, você não está mais sozinho nisso Nico.

Por fim, chegando a porta do meu apartamento pego minhas chaves e abro ela.

Meu corpo estava pesado já, os remédios já devem estar fazendo efeito. Logo vou poder descobrir o que tinha acontecido no passado.

Entretanto esse pensamento é desviado da minha mente quando entro no apartamento e vejo na minha frente à pessoa na qual eu menos queria ver hoje: Annabeth.

- Nico? – Vejo Percy levantar do sofá me olhando assustado – Jason, você não olhou a mensagem que te mandei?!

- O que ela faz aqui? – Digo confuso. Não estava no meu melhor humor e ver a cara daquela garota apenas estava piorando tudo.

Ninguém responde a minha pergunta.

- O que ela faz aqui? – Repito a minha pergunta em um tom mais forte.

- Ora Nico, não está feliz em me ver? Vai ter que se acostumar com a minha presença agora. – diz Annabeth sorrindo.

- Nico, calma, eu vou explicar o que está acontecendo. Espera... O que aconteceu com você? – Diz ele me olhando analítico.

- Por que vou ter que me acostumar com a sua presença? Percy o que está acontecendo? – Digo já sentindo a fúria em meu corpo.

- Nico, é melhor a gente ir embora. – ouço Jason falando atrás de mim.

- Deixa ele ficar Jason, na verdade vocês chegaram em uma boa hora. Não acha que é melhor contar para eles logo? – Annabeth agora levantava do sofá, podia ver em sua mão um envelope de uma clínica.

- Não se intrometa Annabeth. – ouço a voz firme de Percy ecoar no ambiente – Vai embora.

- Contar o que? – Ignoro a ordem de Percy e apenas desvio meu olhar para a loira.

- Não ouse falar Annabeth. – Percy estava alterado demais, podia ver o desespero estampado na sua cara. Aquilo estava muito estranho.

- Uma hora ele vai ter que saber meu amor. – ela parecia feliz demais com tudo aquilo – Vamos aproveitar que os dois tios estão presentes.

- Tios? – Agora era Jason que falava – Que história é essa?

- Por favor, Annabeth! Não faz isso... Tira o Nico daqui. – Percy olhava o Jason implorando aquilo.

- Por que? Ele é o principal que deve saber, sei que vai amar o sobrinho. – ela estava adorando aquilo – Eu estou grávida Jason. Percy vai ser pai.

Tudo parecia ter calado agora. Ao ouvia mais nada e não conseguia raciocinar direito.

Grávida...? Annabeth estava grávida do Percy...

- O que...? – Digo baixo.

- É isso mesmo Nico, você vai ser tio. Não é um máximo? – Annabeth sorria de ponta a ponta.

- Nico eu... – via a silhueta de Percy se aproximar de mim.

- Não toca nele. – Jason agora se posicionava na minha frente – Não ouse chegar perto dele.

Isso realmente era verdade? Será que estava entregue aos meus sonhos já?

Não... Aquilo não podia ser verdade.

Ela estava grávida dele. Iam ter um filho, os dois.

Minha cabeça estava com um branco enorme, não conseguia pensar em mais nada. Apenas via pequenos flashbacks dos momentos que eu passei com Percy durante aqueles meses.

Como tudo foi perdido em apenas uma notícia?

- Quando...? – Minha voz estava abafada, então percebo que estava chorando de novo.

- Ora, você não desconfiou? Aconteceu naquela festa de alguns meses atrás. – diz a garota.

- Chega! Annabeth isso foi longe demais! – Grita Percy, a sua voz também parecia um pouco abafada.

A festa na qual ele foi com o Jason. Sim, quando ele não voltou para casa.

A festa. Namorávamos já e ele dormiu com ela. E agora estavam esperando um filho.

Eu confiei nele. Confiei...

Minha visão começava a ficar embaçada agora, os remédios pareciam estar fazendo efeito.

Meu corpo tremia e o desespero tomava conta do meu corpo.

Percy. O garoto pelo qual eu estou perdidamente apaixonado, aquele que contém os olhos verde-mar que me encantavam, que contém o melhor abraço que senti na vida, meu porto seguro enquanto dormia, que tinha o toque suave e que dizia que me amava.

Percy, a pessoa pela qual me entreguei e jurei amar até o ultimo dia da minha vida. Aquela na qual eu faria de tudo para ver sorrindo e ficar do seu lado.

Sim, essa mesma pessoa agora tinha me traído e iria ser pai da pessoa que eu mais guardava rancor e mágoa.

Ele disse que me amava não disse? Não era ele que falava para eu confiar nele? Que minutos antes de sair para a festa me deu um beijo e disse que me amava. Era a mesma pessoa né? Então por que...?

Eu confiei nele, me entreguei de corpo e alma. Agora essa mesma pessoa pisou no meu coração.

É isso que dá confiar nas pessoas Nico. Você não estaria machucado agora se não tivesse confiado nele. Por que é isso que acontece quando você quer ser feliz, alguém brinca e te tira tudo isso.

- Nico eu posso explicar. – minha atenção é desviada para a voz de Percy.

Me explicar o que? O quanto me amava, mas mesmo assim me traiu? Se é que um dia aquelas palavras foram verdadeiras.

Como eu não esperava aquilo? Namorar o próprio irmão. Isso é hilário.

Claro que ia te trair Nico. Você não podia dar a ele o que uma mulher tinha, o mesmo prazer e nem ao menos um filho.

Como não percebi que ele apenas estava brincando comigo e que apenas estava junto a mim por curiosidade? Ele sabia que me tinha na palma da mão.

Como não percebi?

“Nico eu te amo”. Escuto a sua voz na minha mente.

Sim, ele disse que me amava. Por isso confiei e me entreguei. E ele mentiu.

- Nico por favor, me deixa explicar. – a voz dele estava mais perto de mim.

Agora o sentimento de raiva tomava conta do meu corpo.

- Some da minha frente. – digo firme.

- Nico...

Não posso ficar aqui mais, ele vai inventar alguma desculpa e eu vou acreditar. Não posso fazer isso.

- Nico, vamos sair daqui. – ouço Hazel me chamar por trás.

Hazel. Minha querida irmã, será que mentiu para mim também? Quem falava a verdade agora?

- Deixa eu explicar Nico! – a voz de Percy parecia desesperada.

Não quero ouvir nada.

O que aconteceu depois foi muito rápido.

Viro para a porta e corro em direção a ela saindo do apartamento. Atrás só conseguia ouvir a voz do Percy me chamando.

As lágrimas agora estavam invadindo meu rosto e a tristeza consumindo todo meu corpo. Minha cabeça já não sabia mais em qual pensamento focar.

Estava na rua de NY quando, sem olhar para trás, continuo correndo. A cidade não parecia dormir, as ruas estavam movimentadas ainda.

“Nico! Soltem ele”. A voz da minha mão tomava o ambiente.

Fecho os olhos e balanço a cabeça para tentar desviar eles.

“Eu mandei você calar a boca porra!”. Agora era o homem que falava em minha mente.

Entro em um beco escuro e posiciono a mão em meu rosto sentindo as lágrimas escorrerem e o desespero tomar conta de mim.

“Mãe!”. A voz da criança ecoa na minha mente.

Em seguida escuto dois tiros. E tudo novamente se vai ao silêncio.

Tiro as mãos do meu rosto e arregalo meus olhos quando as vejo cheias de sangue.

O que...?

Desvio meu olhar para frente e vejo, estirado ao chão, o corpo de uma mulher ensanguentada. Ela tinha cabelos longos escuros, uma pele branca, lábios rosados e agora seus olhos sem cor.

Mãe. Eu me lembrava do seu rosto agora.

Lembra-me de tudo agora. Ela morreu naquela noite.

Ajoelho no chão e solto um grito de agonia.

Foi então que na mesma noite eu descobri que minha mãe havia morrido por minha causa e que havia perdido a única pessoa que me fazia acreditar ainda no amor.


Notas Finais


~Monogatari
EITA... EITA.... MINHA GENTE, QUE CAPÍTULO... Alguém sobreviveu a isso? Eu estou em choque relendo tudo. Conseguiram entender o que aconteceu com a mãe dele e do motivo deles terem sido afastados? Hades foi bem fdp né?!
Nesse final, para quem ficou confuso, é como se o Nico estivesse sonhando acordado. Mas, tudo o que ele viu realmente aconteceu no passado.... Tenso demais né? :/
Ele sofreu tanto tanto...

Agora e essa revelação no final do capítulo?! Annabeh grávida meu povo... E olha só como todos descobriram :o
Como falam: mentira tem perna curta ou sempre vai existir alguém para revelar tudo. Nunca escondem nada viu?!

O que vocês acham disso? O que será de fato que aconteceu naquela noite? AHH ISSO VAI RENDER MUITO AINDA :O

Jason protetor <3 <3

Sabe o que mais dói? Nico ter descoberto tudo isso de uma vez só, alguém ainda tem dúvida que isso não vai dar nem um pouco certo?

Eu disse para vocês se prepararem HAHAHA. Digerem esse capítulo e se preparem para os próximos, há muitas frutas ainda na árvore. Até o próximo capítulo *-*

~Liilyca

Então alguém tem alguma duvida de que o Hades é um completo fdp?
acho que não ;x

MUITO tenso.

Alguém diz pro Percy parar de ser neurotico? Não é porque ele fez merda que... esquece, não sei quem defender ;x

Jason meu crush supremo ❤

E essas sessões? muito tenos cara ;x nem sei o que comentar sobre isso.

Bom, espero que tenham gostado 😘

Aqui está o Link da minha fic que acabara hoje </3 pra quem quiser ler ;(
https://spiritfanfics.com/historia/50-shades-of-blue-5795703

Obrigada e até quarta o/


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...