História New Stage - Capítulo 27


Escrita por: ~ e ~monogatari

Postado
Categorias Os Heróis do Olimpo, Percy Jackson & os Olimpianos
Personagens Annabeth Chase, Frank Zhang, Hazel Levesque, Jason Grace, Leo Valdez, Nico di Angelo, Percy Jackson, Piper McLean, Reyna Avila Ramírez-Arellano, Will Solace
Tags Hdo, Lemon, Percy And Nico, Pernico, Pjo, Yaoi
Exibições 239
Palavras 3.124
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Bishoujo, Colegial, Crossover, Drama (Tragédia), Ecchi, Escolar, Famí­lia, Festa, Ficção, Hentai, Lemon, Mistério, Musical (Songfic), Romance e Novela, Saga, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo, Yaoi
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


~Liilyca:
Ola amores!! como vão?
Recuperados? espero que sim porque tem que ser forte pros proximos hahaha

espero que gosteem! <3


~monogatari:
Oi oi meus queridos. Estão vivos depois do capítulo anterior? Estou tão feliz com a reação positiva e doida de vocês hahaha. Finalmente o shipp vai reinar e Annabeth se ferrar.

Agora aguardem que tem mais algumas coisinhas nesse capítulo, muararara. Preparem o colete que os tiros estão vindo ❤

Capítulo 27 - Evidences


Fanfic / Fanfiction New Stage - Capítulo 27 - Evidences

POV NICO.

 

Depois do acidente eu fiquei no hospital com o Percy até ele sair, porem não conversamos muito já que sempre tinha alguém por perto. Quando ele finalmente saiu do hospital e foi para casa eu voltei para o dormitório já que no dia seguinte teria aula.

Pelo que soube Annabeth estava bem, ouvi Jason dizer baixo para Piper que um garoto havia ido visitar ela e ele não sabia se ela tinha irmão. Tentei ignorar a parte racional e cismada do meu cérebro sobre isso, afinal o que me importava era que Percy estava vivo e bem então eu não me permitiria pensar em Annabeth agora.

Pelo menos foi o que eu achei ser capaz de conseguir.

Assim que cheguei no dormitório me deparei com Reyna no meu quarto e dos meninos. Leo estava sentado na cama dele no meio olhando para ela que sentava na minha ao canto e virou o rosto para me olhar quando cheguei.

- Nico. – ela suspirou de alivio. Fui até ela e lhe dei um abraço rápido. – como ele está?

- já ficou sabendo? – perguntei sem esperar uma resposta me sentando. – está bem, com um braço e uma perna quebrada, mas vai sobreviver.

- como é que isso foi acontecer cara? – Leo disse mais para si mesmo.

- parece que eles estavam brigando e ele perdeu o controle do carro. Jason contou que ele tentou protege-la por isso... – parei de falar quando me toquei o que estava dizendo.

Eles estavam brigando no momento do acidente, Percy tinha contado quando eu ainda estava la e até agora eu não tinha parado pra pensar nisso. Ele parecia ter mesmo total certeza de que o filho não era dele, mas mesmo assim ele o protegeu.

- deve ter sido difícil. – Reyna disse colocando a mão na minha, a olhei confuso. – pra você.

Respirei fundo sem olha-la.

- ele vai ficar bem e é isso que importa. Afinal é filho dele, ele deveria mesmo protege-lo.  – falei por fim.

- mesmo você dizendo isso... – Leo disse nos fazendo olha-lo. Ele estava distante. – essa historia é tão mal contada. – concluiu o pensamento e quando ninguém falou nada ele se sentou ereto e olhou para mim. – sabe o que eu vi naquela noite?

- acho que você viu muita coisa naquela noite Valdez. – Reyna disfarçou a tensão, mas ele a ignorou ainda me olhando serio.

- drogas. – concluiu. – e não estou falando de maconha cara, era coisa mais pesada. Estou dizendo tem algo estranho ai. Aquela loirinha estava com o dono das drogas, eu vi.

Com isso minha boca se abriu sem evitar.

Seria possível?

- você acha que... Acha que ela drogou ele? – perguntei incrédulo e Leo deu nos ombros.

Na verdade Jason já tinha me dito sobre essas suspeitas, mas ouvir isso de outra pessoa deixava tudo ainda mais surreal.

- não estou acusando ninguém, só contando o que vi e ressaltando que essa historia sempre foi mal contada. – ele se esquivou, mas ainda estava serio e pensativo.

Olhei para Reyna que encarava o nada com as sobrancelhas franzidas.

- o que você acha? – perguntei a ela que torceu o lábio sem me olhar.

- acho que é possível. – concluiu antes de me olhar. - Olha só Nico, você pode não conhecer ela, mas nós conhecemos.

 - o que quer dizer? Como ela é realmente? – perguntei intrigado aos dois que se entreolharam.

- Possessiva, eu classificaria. – Leo respondeu. – ela está no ultimo ano agora assim como o Percy e nós penúltimo, ou seja, Reyna e eu vimos muito deles por aqui. Annabeth tratava o Percy como sua propriedade, chegava a ser maníaco.

Fiz uma careta para mim mesmo. Ela não parecia assim quando cheguei, na verdade parecia apenas ciumenta, mas não possessiva.

- Leo tem razão. Ela queria ele para ela. Perto dele era um anjo, mas longe... ela lançava olhares ameaçadores para quem quer que se aproximasse sem contar a própria amiga, Piper. Fiquei sabendo que as duas chegaram a brigar porque a Piper dormiu no apartamento deles com o Jason quando eles ainda moravam juntos. Isso para mim foi ridículo! Piper é uma boa pessoa e todos que a conhecem sabem o quanto ela só tem olhos para o Jason. – suspirou. – Resumindo: só os deuses sabem do que ela é capaz.

Minha cabeça girou tentando processar aquilo. Respirei fundo.

- ok, mas não tem como sabermos disso ou provar. – falei tristemente.

Houve um silencio breve.

- Eu posso conversar com ele. – Leo disse de repente. – o cara que estava com as drogas. Ele é do meu curso, posso tentar conversar com ele indiretamente, descobrir algo.

Considerei aquilo, mas fitei Leo serio.

- porque você faria isso? – perguntei sem conseguir me conter.

Ele sorriu de leve para mim sem se preocupar com a pergunta.

- porque vocês são meus amigos. Percy me ajudou muito quando precisei e não vou deixa-lo na mão agora.

Assenti me sentindo tosco por perguntar.

- pode ser perigoso Leo. Tem certeza? – Reyna disse para ele que deu nos ombros.

- tudo bem por mim, sou bom de lábia e sei disfarçar. – garantiu presunçoso.

Fiquei encarando a figura de Leo Valdez a minha frente. Talvez aquilo realmente ajude em algo, quem sabe eu deva me permitir duvidar? Percy garantia não se lembrar de nada naquela noite e isso poderia fazer sentido.

 - Obrigado Leo. – falei sincero e ele sorriu abertamente para mim.

(...)

uma semana se passou. Estávamos no meio da semana agora, uma quarta-feira.

Jason me ligou pedindo que eu ficasse com o Percy já que ele tinha que trabalhar e Piper também. Eles haviam alternado os horários para ajudar meu irmão com membros quebrados, mas parece que não tinha mais como mudar o horário e eu era a ultima opção dele.

Mesmo naquele dia do acidente eu ter dito que o amava e decidido não mais fugir, nós não tínhamos nos falado ainda. Não porque eu não queria, mas porque estava com medo. Medo de vê-lo tão frágil.

Sem ter escapatória desta vez fui para o apartamento deles depois da aula. Ao chegar e entrar no elevador me peguei pensando que mesmo em pouco tempo eu já sentia falta daquele lugar.

Quando a porta do elevador se abriu eu segui para o apartamento de Percy e toquei a campainha sentindo um estranho nervosismo repentino. Segundos depois Piper abriu a porta e sorriu ao me ver, seus olhos esverdeados brilharam com certo alivio.

- Oi Nico. Que bom que chegou, entre. – ela disse já abrindo espaço.

Entrei receoso e me deparei com um Percy jogado no sofá de olhos fechados e o lado do corpo engessado. Ele parecia dormir tranquilamente. Piper percebeu meu olhar e sorriu, foi quando vi que ela estava colocando o casaco e pegando a bolsa para sair.

- ele tomou os remédios para dor que da sono. Apenas impeça que a teimosia dele quebre mais algum osso. Jason chega de noite. – ela me deu um beijo rápido na bochecha. – desculpe, tenho que ir estou atrasada.

Com isso saiu fechando a porta atrás de si e me deixando sozinho com meu irmão apagado.

Respirei fundo e coloquei minha bolsa no outro sofá. A TV estava ligada com o som baixo passando um filme de romance antigo, sentei-me no sofá ao lado da bolsa e fiquei encarando Percy permitindo minha mente vagar.

Ele estava com o rosto sereno, respirava devagar e constante em seu sono profundo. Seus cabelos negros pareciam maiores agora e caiam um pouco na testa e na bochecha.

Ele sempre foi tão lindo? Sempre dormiu tão suavemente?

Talvez fosse apenas meu recente choque por quase perde-lo, mas eu parecia conseguir vê-lo melhor agora. Como se por muito tempo eu não tivesse olhado para ele realmente, não como agora.

- Nii...co. – ele disse em um suspiro baixo fazendo meu coração parar.

Por um momento achei que ele tinha acordado, mas seus olhos não abriram e sua respiração continuava constante.

Ele estava sonhando.

Senti como se uma onda de choque elétrico percorresse meu corpo o acelerando. Eu queria tanto ele...

Sem conseguir me conter eu me levantei e me aproximei dele debruçando-me sobre seu rosto sereno e sentindo o calor de seu corpo mesmo sem toca-lo. Apoiado no encosto do sofá e no acento com as mãos eu me inclinei para ele observando de perto a linha de expressão em sua testa, o contorno do nariz e da boca... eu queria beija-lo. Ouvir ele me chamar enquanto dormia só fez todos os sentimentos que eu tentava reprimir nesses dias transbordarem.

Inclinei-me ainda mais e toquei levemente seus lábios com os meus. Um beijo singelo e delicado, quase quebradiço de tão frágil. Senti seu rosto contorcer e me afastei rapidamente, mas sem movimentos bruscos, pude ver ainda de perto seus olhos estremecerem e abrirem mostrando um tom verde-mar-neon o qual eu amava.

- Nico? O que? – ele disse confuso com uma careta, eu teria rido se não estivesse tão entretido em seus detalhes.

- Oi. – falei com um leve sorriso percebendo segundos depois como isso era idiota.

- Oi. – ele sorriu de canto o que fez meu coração derreter. – o que você estava fazendo? – perguntou por fim contendo um sorriso malicioso.

Me senti corar.

- estava vendo se você ainda estava vivo. – falei constrangido e me preparei para me afastar. Percy foi mais rapido, ele pegou minha cintura com sua mão inteira e me puxou para perto. Controlei o impacto para não machuca-lo, mas ele mal pareceu perceber. Seus olhos estavam nos meus, seu rosto a centímetros me fazendo sentir sua respiração. – Percy! O que..?

- você estava me beijando enquanto durmo Nico? – perguntou divertido, mas tentava ficar serio. Meu coração acelerou e eu não fui capaz de responder o que fez ele sorrir abertamente e apertar sua mão em mim prensando nossos corpos. – sabe, eu prefiro que faça isso quando eu estiver acordado e consciente.

- como você sabe de algo se estava dormindo? – falei tentando me safar sem sucesso.

- eu estava sonhando com você, e então abri os olhos e vi que meu sonho era real.

Tentei me lembrar de respirar. Quando não consegui pensar em nada para dizer Percy levantou um pouco a cabeça e tocou seus lábios nos meus, estavam mais quentes agora, acordados e pulsantes. Percy apertou os dedos em mim me fazendo segurar o gemido de saudade de seu toque e retribuir seu beijo já o aprofundando.

Movi minha mão que estava no assente do sofá ao seu lado para seu pescoço e cabelo, Percy por sua vez passou sua mão em minha cintura para baixo da minha camisa. Seu toque quente me fez arrepiar e mordiscar seu lábio inferior com desejo.

Eu sentia tanta falta dele. Eu o queria tanto que mal conseguia me controlar.

Percy soltou um gemido baixo e subiu sua mão pelas minhas costas levantando minha camisa até a metade e arranhado de leve minha pele me fazendo suspirar de desejo inevitável. Prensei-me mais contra ele involuntariamente e o ouvi grunhir engasgado de dor.

Afastei-me rápido o olhando preocupado. Havia esquecido seu braço quebrado sobre o abdômen.

- desculpa. Você está bem? – perguntei o olhando analítico.

Ele sorriu com seus olhos marítimos brilhando. Percy soltou minhas costas e passou a mão pelo meu rosto delicadamente.

- estou melhor do que estive em muito tempo. – disse em um suspiro me puxando para si e me dando um selinho longo. – eu amo você. Eu senti tanto sua falta e por tudo que é mais sagrado eu amo você.

Suas palavras saiam como sussurros entre os beijos rápidos que ele me dava e eu não podia negar, estava mais do que feliz em poder beija-o de novo.

Então o meu telefone tocou.

- deve ser o Jason. – falei me afastando, mas ele me puxou de volta.

- deixa tocar. – disse indiferente.

 - Percy. – o adverti e ele bufou rendido.

- ta bom! – disse birrento.

Enquanto eu me levantava e ia até minha mochila pegar o celular pude ver ele se sentar.

- Alo? – falei sem prestar atenção.

- Nico? É o Leo.

Fiz uma careta.

- Oi Leo. Está tudo bem?

- sim. Quer dizer, descobri algumas coisas e achei que estaria no dormitório...

- é, eu tive que vir cuidar do Percy pro Jason. – respondi indiferente e Percy revirou os olhos. – o que você descobriu?

De repente eu fiquei tenso.

- eu falei com aquele cara. O nome dele é Dakota, mas não revele isso. – ele fez uma pausa nervosa. – Parece que a loirinha solicitou algumas drogas em troca de... bem, outras coisas. Dakota disse que não estava afim então fez um favor a um amigo.

Minhas mãos tremeram e eu não conseguia ver nada a minha frente.

- que amigo?

Leo respirou fundo.

- o nome dele é Luke Castellan. Um garoto loiro de olho azul do ultimo ano de Engenharia Civil.

Assim que Leo falou minha mente trabalhou rápido: “um garoto loiro de olho azul veio ver ela. Estranho não sabia que ela tinha irmão”. A voz de Jason conversando com Piper me veio a mente.

Me obriguei a respirar.

- então ela dormiu com ele? – perguntei incrédulo, mas minha voz saiu neutra pelo choque.

- Nico tudo bem? – percy perguntou preocupado me lembrando de sua presença. O olhei, mas minha mente estava vagando.

- parece que sim. Dakota disse que ele é um ex namorado. – Leo respondeu.

- um ex namorado. – repeti pensativo. – espere. -  disse a Leo no telefone depois me virei para Percy. – não pergunte apenas responda. Annabeth tinha um ex chamado Luke?

Percy fez uma careta confusa antes de responder desconfiado.

- sim. Eles namoraram antes...

- certo. – o cortei sem querer saber detalhes e voltei para Leo no telefone. – Parece que é verdade.

- é uma boa ideia falar com Percy sobre isso? Ele pode não gostar... – Leo começou receoso.

- ele não tem que gostar Leo e só quero saber a verdade.

Ele suspirou do outro lado da linha.

- Nico tem mais... – começou a dizer e vendo a expressão do Percy eu o cortei.

- espera ai. – coloquei no viva-voz. – diga.

- Dakota contou que depois da festa ela cobrou alguns “favores” dele sem o ex saber. Parece que pediu ajuda para levar um garoto ao apartamento dela.

Assim que Leo contou não soube quem ficou pior, eu ou Percy. Ele arregalou os olhos verdes de forma assustadora, minha mão que segurava o celular tremia e soava, já não conseguia sentir minhas pernas então sentei no sofá.

- Nico? – Leo perguntou depois de um momento de silencio.

- ele... – minha voz falhou então eu limpei a garganta. – ele não disse quem era o garoto?

- não, mas não acho que ele conheça o Percy. – respondeu pensativo. – parece que Dakota lida com muitas pessoas e não tem boa memoria. De qualquer forma é uma prova de como aquela cadela loira é louca.

Percy continuava estático, os olhos grandes fixos no nada.

- parece que sim. – suspirei entre agulhadas de frustração. – obrigado Leo. Te devo uma.

Leo sorriu satisfeito.

- tudo bem. Diga ao Percy que vou visita-lo no fim de semana. – respondeu tranquilamente.

Era incrível como Leo sempre mantinha o bom humor em qualquer situação.

- Ok. Te vejo depois. – respondi desligando o celular rapidamente.

Olhei para Percy que tinha diminuído sua expressão de choque para raiva e me olhava de forma estranha.

- vai acreditar em mim agora? – perguntou nervoso e eu não soube se ele estava nervoso comigo ou com a situação.

Senti como um tapa no rosto e apertei os lábios.

- você teria acreditado? – rebati e isso pareceu fazer ele perceber as coisas.

Percy suspirou e se ajeitou no sofá olhando as mãos.

- tem razão, desculpe. – disse em um suspiro. Ficamos em silencio por um momento até ele apontar para o raque a frente, abaixo da tv. – pegue aquele envelope, por favor.

Olhei para onde ele apontava e vi um envelope branco de tamanho médio retangular, me levantei e peguei me sentando ao seu lado ao ler: “Teste de DNA”.

- como você...? – tentei perguntar, mas não consegui completar a frase.

Percy olhava para o envelope com raiva e desprezo.

- no hospital eu pedi para o medico fazer o exame e contei a historia a ele, parece que ele foi empático o suficiente para fazer. De qualquer forma chegou hoje e eu quero que você abra. – ele olhou para mim com firmeza, os olhos verdes escuros e firmes. – quero que veja que eu jamais trairia você.

Engoli em seco tentando amenizar as batidas aceleradas do meu coração.

- Percy eu...

- Abra. – ele disse ainda firme. – apenas abra o envelope Nico. – sua voz estava mais dura do que eu estava acostumado o que me intimidou.

Lembrei-me de quando éramos crianças e eu pulei de um brinquedo o que quebrou meu braço. Percy brigou comigo naquele tom: “Eu disse para você não pular! Eu disse!” ele repetia nervoso.

Mesmo que eu não visse o resultado daquele exame eu já sabia que não importava. Era como se eu tivesse pulado daquele brinquedo de novo, ferido pela minha própria teimosia.

Mas percy me olhava serio então eu apenas desviei meus olhos dele e abri o envelope desdobrando o exame e lendo o “DNA INCOMPATÍVEL” em negrito no final da pagina. Soltei o ar que nem lembrava estar prendendo e mostrei a ele, mas ele não olhou para folha, seus olhos estavam fixos em mim.

- então? – disse ele me analisando.

Estreitei os olhos para ele.

- o que quer que eu diga Percy? Que eu errei? Que eu deveria ter confiado em você? Bem eu já sei disso e você também. Não preciso dizer. – falei irritado mais por meu constrangimento do que pelo fato em si.

Os ombros dele murcharam e seu olhar ficou derretido.

- não quero que diga nada disso Nico. Quero que diga que me perdoa por ser um imbecil medroso e esconder isso de você. – ele pegou minha mão soltando-a da folha do exame e apertando de leve. – quero que diga que ainda me ama e vai me dar outra chance.

De repente ao ouvir aquelas palavras todo meu corpo relaxou. Quando vi já o estava beijando nos lábios com vontade e todo o amor que sentia, minhas mãos estavam em seu rosto o puxando para mim. Percy retribuiu o beijo segundos depois e quando precisei de ar me afastei encostando minha testa na sua e mantendo minha mão em seu pescoço.

- eu te amo e você não é o único que precisa de outra chance. Sei que também errei... – suspirei. – eu só não quero mais ficar longe de você.

Com isso quando eu mal acabei de falar ele me beijou novamente sorrindo entre nossas bocas em resposta.


Notas Finais


~Liilyca:
aaaaah ANNABETH! tu ta mto loka rapá!!! u.u
Leo causando discordia (ou reslovendo ela) amoo <3

Percy sonhando com o Nico UI UI hsuahusahusa
aaaah PERNICO ESTA TÃO SHIPPAVEL!!! <3

ps tenho problemas serios com Italicos '---' espero que não se incomodem e automatico kkkk

eae o que acharam!? até que enfim neh? kkkkk

Até sábado o/


~monogatari:
E mais uma carta é desvendada! Ah queria Annabeth, o que você pensou? Que isso iria durar muito tempo? Miga, aqui é fandom e o shipp sempre reina. Então, vai procurar outras pessoas para infernizar que aqui você não mexe mais hahaha. Mentira, até parece que ela vai deixar por isso :x

Falta só eles falarem com ela, o que isso significa? Barraco \ooo/. Isso é mania de áries, desculpa galera.

Enfim, não esqueçam de comentar ❤ atá o próximo


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...