História New World, New History - Capítulo 19


Escrita por: ~

Postado
Categorias Os Heróis do Olimpo, Percy Jackson & os Olimpianos
Personagens Annabeth Chase, Calipso, Frank Zhang, Grover Underwood, Hazel Levesque, Jason Grace, Leo Valdez, Nico di Angelo, Percy Jackson, Personagens Originais, Piper McLean, Rachel Elizabeth Dare, Reyna Avila Ramírez-Arellano, Will Solace
Tags Caleo, Franzel, Jasiper, Percabeth, Solangelo
Exibições 66
Palavras 3.109
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Crossover, Ficção, Magia, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Suspense
Avisos: Homossexualidade, Insinuação de sexo, Spoilers
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Oiiiie, gente!! Como estão?

Primeiro, perdoem pelos erros, porque eu escrevi todo o capítulo hoje em, tipo, três horas para postar logo para vocês então não deu para fazer uma revisão geral.

Seguinte, esse capítulo se passa uns três dias depois do Dia de São Valentim e é narrado na maioria pela Annabeth, embora lá no final seja contado pelo narrador (ou seja, Eu).
Não tenho muito o que falar a não ser: segurem os corações, porque agora as coisas vão ficar sérias!!

Espero que gostem!!

Capítulo 19 - A luta final tem inicio


Pov Annabeth

 

A manhã estava ensolarada e bonita, ótima para ser aproveitada... Menos para aqueles que estavam passando pela inspeção de chalé. Annabeth estava parada do lado de fora da cabine de Hermes, esperando alguém abrir a porta.

- Connor, Travis? Vocês sabem que não vão conseguir arrumar tudo em questão de minutos. Então, se não abrirem essa porta em dez segundos, eu mesmo vou abri-la no chute.

Um barulho soou dentro do chalé, como se alguém tivesse tropeçado em algo e caído no chão, e logo depois a porta se abriu.

- E aí, Annabeth? - Connor falou, ao vê-la. - Não esperava te encontrar tão cedo.

- Está esperando há muito tempo? - Travis logo apareceu também. Uma mancha vermelha em sua testa indicava que ele que tinha caído.

- Não. Só estou gritando faz tipo uma, sei lá, meia hora. - ela bufou e passou pelos dois, entrando no chalé. 

Como sempre, lá dentro estava uma bagunça: várias camas espalhadas pelo local, algumas sem arrumar ainda; roupas apressadamente colocadas dentro de armários; revistas e outro tipos de coisas jogadas pelo chão ou em cima de estantes. Mas, para surpresa da filha de Atena, estava melhor do que das outras vezes que estivera ali.

- Parece que realmente o tempo que vocês me enrolaram ajudaram em alguma coisa. - ela falou, erguendo sua prancheta. - Eu daria um seis a vocês dessa vez.

Travis e Connor abriram um enorme sorriso.

- Mas como me enrolaram propositalmente, vão receber um cinco. - ela terminou, fazendo o sorriso dos dois murcharem.

- Ah, quer saber? - Connor falou. - Melhor do que nada.

- Não é? - Travis concordou, enquanto fechava a porta. - Se brincar levaríamos um três sem aqueles minutos adicionais.

- Ora, vocês dois... - Annabeth falou, mas foi interrompida com a porta fechada em sua cara. Ela suspirou. Ninguém conseguia mudar os irmãos Stolls.

Ela seguiu para os próximos chalés, continuando sua inspeção. Faltavam só os chalés dos três grandes quando de repente, Percy apareceu.

- Bom dia, Annie. - ele se aproximou e deu um breve beijo nela.

- Bom dia, Percy. - ela sorriu, principalmente quando viu o anel no dedo do filho de Poseidon reluzir com a luz do sol. - Como sabia onde eu estava?

- Bem, dia de inspeção sempre é uma bagunça, então todos acabam acordando mais cedo. Principalmente quando é você que está na frente do trabalho. 

- Ei, o que você quer dizer com isso?- ela ergueu uma sobrancelha.

- Ah, Annie, não faça essa cara. Todos nós sabemos que você é uma das mais perfeccionistas em relação a arrumação por aqui.

- Não sou. Eu só gosto de tudo no seu devido lugar.

- Eu sei. E quase enlouquece todo o Acampamento nesse dia especifico. - ele murmurou a última frase.

- Eu ouvi isso, Perseu. - ela falou, fazendo-o rir.

Os dois seguiram para o chalé de Zeus. Annabeth bateu na porta, mas ninguém atendeu. Percy a cutucou e apontou para a maçaneta, onde ela reparou que tinha um pequeno pedaço de papel grudado. Ela pegou e abriu, sorrindo com o que tinha escrito: 

"Fui tomar café com a Pipes. Não me leve a mal, Annie, sua perfeição com limpeza me dá medo, mas nada supera uma namorada com fome. Fique a vontade para entrar no chalé (espero que pelo menos um sete eu tire).

                                                                                                    Jason"

 

Ela balançou a cabeça, ainda sorrindo, e mostrou o bilhete a Percy, que riu. Ela abriu a porta e entrou, avaliando  chalé a sua volta rapidamente. Jason era uma pessoa organizada e como tinha o beneficio de não dividir o chalé com ninguém (exceto Piper, quando esta dava umas escapadas para lá) sempre conseguia ter um bom rendimento. E não foi diferente, dessa vez ele tinha conseguido um oito e meio.

- Está vendo o que eu estou falando. - Percy começou quando voltaram a andar. - O chalé de Jason estava impecável para mim e você deu oito.

- E meio.

- Tanto faz. - ele exclamou. - Quanto você deu para o Chalé de Atena?

- 9,2. Tinha alguns livros fora de lugar. - ela completou ao ver a expressão do namorado.

- Eu até estava confiante dessa vez, mas se nem para seu chalé você deu dez, imagina o que vai sobrar para mim.

- Bem, vamos descobrir. - ela falou ao chegarem no chalé de Poseidon. - Faça as honras, Percy.

O menino revirou os olhos e abriu a porta. O cheiro de maresia a atingiu como sempre fazia ao entrar naquele chalé. Ela observou rapidamente as coisas a sua volta, afinal conhecia cada pedaço daquele lugar, saberia se estivesse algo fora de ordem.

- Hum, algumas coisas arrumadas de última hora e um pouco de lixo que poderia ter sido jogado fora. - ela falou, enquanto erguia a prancheta. - Mas no geral, tudo bem. Sete pontos, Percy. 

-Poxa, Annie, eu me esforcei tanto dessa vez. E você mesmo falou que estava tudo bem. Não custa aumentar um pouquinho? - ele olhou para ela com uma cara de cachorro que caiu do caminhão de mudança. Suspirou.

- Tudo bem, sete e meio. Você se esforçou dessa vez.

Percy riu e a puxou para um beijo. Os dois ficaram um tempo assim, até Annabeth se separar, com um certo esforço.

- Vamos lá, Romeu, eu ainda tenho que avaliar o chalé de Nico.

Percy soltou um resmungo, mas a seguiu. Ao chegarem no chalé de Hades, Nico já os esperava na varanda com Will ao seu lado, o que explicava a ausência do filho de Apolo quando ela chegou no chalé do Deus do Sol.

- Bom dia, gente!! - ela falou ao se aproximar.

- Vocês por acaso dormiram juntos? - Percy falou estreitando os olhos e fazendo Nico corar.

- Jackson! - o filho de Hades exclamou. - Cuide da sua vida.

O filho de Poseidon ergueu os braços na defensiva, fazendo ela e Will rirem e Nico revirar os olhos.

- Bem, vamos ao seu chalé, Nico.

O filho de Hades fez um gesto para ela entrar, o que logo fez. Ao abrir a porta, não pôde evitar uma cara de surpresa. O chalé estava completamente arrumado, as camas em perfeito estado, as roupas em seu devido lugar e alguns livros organizados nas estantes. Ao seu lado, Percy soltou um assovio.

- Eu iria mentir se não dissesse que estou surpresa. - ela falou e ergueu a prancheta. - 9,7. Parabéns, Nico, a nota mais alta.

- Você tem que comemorar, Nico. Arrancar um nove dessa aí é quase um milagre. - O filho de Poseidon sorriu e ela deu um soco de leve nele.

- Parece que você ganhou, raio de sol. - Will falou e abraçou o namorado por trás. - Embora eu não saiba como.

- Eu falei que ia ganhar. - Nico deu um sorriso vitorioso. - Mas tenho que admitir que Hazel teve parte nisso.

- Disso eu tenho certeza.

- Alguém pode me explicar o que está acontecendo. - Percy falou, lendo a mente de Annabeth.

- Will tinha duvidado se eu conseguiria tirar uma nota melhor que o chalé de Apolo dessa vez. Então, nós apostamos que quem tivesse a menor nota ficaria devendo algo para o outro. - o filho de Hades deu um sorriso provocador para o loiro. - E eu ganhei!!

Annabeth riu diante do carinho e da brincadeira daqueles dois. Ela e Percy se despediram, e seguiram para a Casa Grande para levar o resultado da inspeção à Quíron.

- Admita, você só deu 9,7 para o chalé de Hades porque 0,3 representa seu orgulho, hein?- Percy deu um sorriso, a provocando.

- Ah, cala a boca.

Ele riu e a abraçou. Na Casa Grande, eles encontraram Quíron correndo de um lado para o outro, preocupado com algo. Assim que os viu, ele parou e deu um sorriso, se aproximando.

- Olá, Annabeth. Percy. – ele cumprimentou, mas logo se virou para ela. – Já terminou toda a inspeção?

- Sim. Aqui estão os resultados. – ela estendeu a prancheta.

- Muito bem, Annabeth. Obrigado pela ajuda.

- Não foi nada. – ela sorriu. – Você precisa de ajuda com algo?

- É, você parece meio ocupado por aqui. – Percy completou, observando tudo ao redor deles.

- Ah, sim, as coisas estão meio corridas hoje. Mas não se preocupem, eu dou conta de tudo aqui sozinho. - ele deu um sorriso cansado.

- Se não se importa que eu pergunte, Quíron, mas para quê toda essa pressa? – ela falou, sua curiosidade falando mais alto.

- Nós vamos receber algumas visitas hoje, então estou certificando que tudo esteja arrumado. - o centauro respondeu, mas parecia não querer revelar toda a situação.

- E que visitas seriam essas, Quíron? -  Percy falou, tão curioso quanto ela.

- Daqui a pouco você vai ver, Percy. Tenha calma. - ele sorriu. - Agora é melhor vocês irem aproveitar o dia. Está uma linda manhã.

Eles concordaram e se despediram do centauro, saindo logo em seguida.

- De quem será que ele estava falando? - Annabeth refletiu consigo mesma, enquanto andava com Percy até o pavilhão.

- Não sei, mas eu espero até Zeus em pessoa com toda aquela pressa do Quíron.

Annabeth não pode deixar de concordar, sempre que Quíron se preocupava assim eles poderiam se preparar para algo grande.

- Mas não vamos se preocupar com isso agora. Você já tomou café? - Percy olhou para ela, com um sorriso no rosto.

- Não, acordei e fui logo para a inspeção.

- Ótimo, então vamos comer.

Ela sorriu e concordou. O pavilhão estava quase vazio, já que estava tarde, então os dois pegaram suas comidas e foram comer em baixo de uma árvore ali perto. Os dois ficaram conversando por um tempo, até que Percy teve que ir dar aula de esgrima.

- Eu odeio o Nico. Depois que ele pegou a turma dos mais novos, eu fui obrigado a ficar com os mais experientes. Sabe como é difícil evitar que os filhos de Ares matem os filhos de Hermes durante a aula? - o filho de Poseidon suspirou e seguiu para a Arena.

Annabeth riu e decidiu procurar algo para fazer também. Enquanto andava em direção ao seu chalé, ela passou pelo lago onde Noah, Felipe e Rose estavam lutando entre si. Passado cinco dias desde o ataque ao Acampamento, Rose estava se recuperando bem e já tinha voltado a lutar, muito mais determinada agora a vencer qualquer inimigo que  aparecesse na sua frente.

Ela reparou que Reyna estava sentada acompanhando a luta, com Nico e Will ao seu lado. Angel, Laura e Melissa estavam lá também, aparentemente cuidando de Meg, Max e Draco. Ela se aproximou e sentou junto a eles.

- Bom dia, Annabeth. - Reyna a cumprimentou quando chegou e ela respondeu com um aceno.

- Como está a luta?

- Bem equilibrada, no geral. - Nico respondeu. - Noah e Rose formam uma boa equipe, assim como Rose e Felipe. Mas os três sozinhos batalhando uns contra o outro... Chega a dar medo.

- É como uma luta entre gigantes. - Will completou.

Annabeth desviou seu olhar para os três, acompanhando a luta. Noah baseava seus ataques em seus poderes e utilizava o lago como fonte de energia. Felipe se defendia com uma parede de pedra, mas também atirava pequenos blocos de terra nos outros dois. Rose estava em sua prancha e voava, desviando do jato de água e das pedras, ao mesmo tempo em que atirava flechas nos meninos (todas com pontas feitas para não perfurar).

Era uma luta equilibrada. Não dava para dizer quem iria ganhar, mas não era com isso que Annabeth se preocupava e sim com a habilidade dos três. Os movimentos executados eram tão bem feitos e exibiam uma graciosidade que encantavam todos que viam. Agora entedia o que Nico e Will tinham dito há alguns minutos atrás.

Annabeth não soube quanto tempo se passou até o fim da luta, mas assim que os três se aproximaram no final ela pôde sentir a energia de poder que emanava deles. Rose, Felipe e Noah caminharam até eles e sentaram para recuperar o fôlego, pegando algumas garrafas de água que provavelmente tinham trago até lá.

- Vocês foram incríveis. – Will foi o primeiro a se manifestar.

- Tenho que admitir, a precisão dos ataques foi de tirar o fôlego. – Nico emendou, o que fez os três sorrirem.

- Nós temos que batalhar juntos um dia. Eu adoraria ver esses movimentos em campo. – a filha de Atena falou, juntando-se aos dois.

- Ok, eu estou ficando sem graça já. – Noah disse, fazendo todos rirem.

- Mas é verdade, Noah. A técnica de vocês é impressionante, faço das palavras de Annabeth as minhas: gostaria de batalhar ao seu lado um dia. – Reyna falou, o que fez com que o rosto de Noah adquirisse um leve tom avermelhado. Ele murmurou um obrigado.

- Esse dia vai chegar. – Felipe falou, pegando Max nos braços. – E vai ser algo no mínimo inusitado.

- Concordo. – Rose deu um sorriso.

Eles passaram um tempo discutindo alguns movimentos de batalha e também sobre a habilidade que os nomeadores tinham. A maior parte do tempo, a nomeadora conversou entusiasmada, mas fazia uns cinco minutos que Rose mantinha uma expressão estranha em seu rosto.

- Está tudo bem, Rose? – Annabeth perguntou, ao notar a preocupação da menina. Todos olharam para ela.

- Eu não sei. Eu estou sentindo vibrações ruins. – ela olhou para os lados. – Uma energia negativa.

E como se tudo estivesse sincronizado, uma luz branca brilhou colina acima chamando a atenção de todos ali, principalmente de Rose. A menina franziu as sobrancelhas e correu em direção da luz, com Meg logo atrás. Todos se entreolharam e a seguiram. A filha de Atena notou que muitos também estavam indo para a entrada do Acampamento, para descobrir o que estava acontecendo, inclusive o restante de seus amigos.

Ela podia ver Rose parada lá em cima, assim como Felipe que já a tinha alcançado. Os dois exibiam expressões neutras, mas ela sabia pela suas posturas, que eles estavam tensos. Ela esperava encontrar diversas coisas ao chegar perto daquela luz: monstros estranhos, deuses fazendo uma festa, um exército pronto para atacá-los... Mas não um homem sentado tomando chá.

- Ora, ora. Parece que eu chamei atenção demais. – ele falou.

O homem tinha em torno dos trinta anos, tinha cabelos morenos amarrados em um rabo de cavalo e olhos azuis da cor do céu. Estava vestindo um paletó e sentado no que parecia uma mesa no estilo vitoriano, enquanto tomava uma xícara de chá. Ele percorreu o olhar pela multidão com descaso até parar em Rose.

- Então, você é a Escolhida não é mesmo? – ele falou, com um sorriso sarcástico. – É um prazer finalmente conhecê-la.

- Você sabe quem é esse cara, Rose? – ela pôde ouvir Felipe perguntando, enquanto se movia protetoramente para o lado da menina.

- Não conheço, mas reconheço sua voz. – o tom de Rose era distante, mas firme. – Você falou comigo no dia que Evan ativou o feitiço, não foi mesmo?

- Oh, então você se lembra? – o homem parecia levemente impressionado.

- No inicio pensei que era Evan, mas eu sabia que a voz estava diferente. Não tinha certeza de quem era. – ela deu um passo para frente ultrapassando a barreira, a postura firme. – Até agora.

O homem sorriu e se levantou, colocando a xícara na mesa.

- Você é bem corajosa. Sabe que a barreira desse local é a única coisa que pode me impedir de te atacar.

- Se você estivesse aqui, sim. Mas isso é só uma ilusão, uma mensagem gravada, por assim dizer – ela retrucou. – Mas é bom finalmente conhecê-lo, Chaos.

Annabeth arregalou os olhos, como todos ali presentes. Só quem não parecia muito surpreso eram os nomeadores. Ela não conseguia associar toda a história cruel que Rose contara com aquele homem. Ele poderia ser seu pai, se ela pensasse bem.

- Você é esperta, como Evan dizia. – Chaos sorriu. – Mas não é um pouco prepotente?

Rose ergueu uma sobrancelha e o homem sorriu, se aproximando dela até ficarem a poucos centímetros de distância. Todos ali seguraram a respiração.

- Não acha que eu poderia machucá-la mesmo assim se eu quisesse? – ele fez um movimento com a mão, fazendo uma pedra levemente grande se mover até perto do rosto de Rose.

- Talvez você possa. – a nomeadora moveu a mão para o lado, fazendo a xícara que estava na mesa cair. – Mas você não ousaria. Não me conhece, não conhece minhas habilidades, não conhece meus limites.

O homem se afastou, com uma expressão impressionada no rosto. Ele se abaixou para pegar a xícara, ou o que restara dela, e abriu um sorriso.

- Não esperaria nada menos de você, depois de tudo o que eu ouvi falar. – ele falou baixo. Sua imagem começou a tremeluzir. – Como um primeiro encontro, devo dizer que estou satisfeito. Mas não pense que serei tão misericordioso da próxima vez que nos encontrarmos.

Chaos começou a andar de volta para a mesa, onde se sentou.

- Afinal, isso é uma guerra. E a batalha final acabou de começar. – seus olhos adquiriram um tom vermelho e o sorriso deixou sua expressão. – Nos veremos novamente, Rose Evans.

E rápido como apareceu, Chaos foi embora, deixando para trás uma multidão silenciosa e um clima tenso no ar. Felipe se aproximou de Rose, assim como Noah.

- Então, ele realmente apareceu. – Noah falou.

- Acho meio difícil de evitar uma luta agora. – Felipe suspirou. – Mas você foi incrível, Rose. Mostrou que não o importa o que esteja por vim, você tem coragem para enfrentar.

- Felipe está certo. – Noah falou. – Chaos agora conhece quem ele vai ter que enfrentar.

Rose abriu um pequeno sorriso para os amigos, mas logo voltou a encarar o local onde Chaos estava há poucos minutos.

- O que faremos agora? – ela murmurou.

- Isso, minha querida, nós podemos te ajudar a responder. – uma voz falou atrás dela.

Todos se viraram e arregalaram os olhos de surpresa. Muitos semideuses se ajoelharam diante das figuras que estavam ali presente.

- A ajuda acaba de cair do céu. Ou do Olimpo. – o cara de aparência de 20 anos com um sorriso brilhante, falou. – E do Mundo Inferior, claro.

- Menos, Apolo. Não me faça arrepender de ter vindo contigo. – o outro homem, com cabelos pretos e olhos mais escuros, respondeu.

- Sei que adora vim nos meus passeios, Hades.

A dupla mais inesperada estava ali. Os deuses tinham se juntado a luta. 


Notas Finais


Mano, Apolo e Hades, melhor dupla dinâmica kkkkkkkkkkk
Tô louca pra escrever o próximo capítulo com esses dois!!
Então, gostaram?


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...