História Next To You - Capítulo 11


Escrita por: ~

Postado
Categorias Justin Bieber
Visualizações 29
Palavras 2.755
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Crossover, Famí­lia, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Álcool, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Mais um capítulo pra conta! Espero que gostem e boa leitura.

Capítulo 11 - Emotions


Fanfic / Fanfiction Next To You - Capítulo 11 - Emotions

 

Justin Bieber 

 

Despertei com a forte luz do sol sobre meu rosto, semicerrei os olhos ao sentir a claridade quase me cegar. Com toda certeza, essa era uma das piores maneiras de se acordar. Virei o rosto para o lado oposto da cama e Nicola não estava lá. 

 

Me espreguicei, indo até o banheiro fazer minha higiene matinal. Tudo estava um completo silêncio. Será que Nicola havia saído, ou ido à universidade sem mim? 

 

Não me limitei a vestir nada, andei de cueca pelo corredor até chegar na cozinha. Encontrei Nicola escorada na beira da pia, tentando pegar algo no armário acima. Meu olhar desceu quase que automaticamente para sua camisola levantada devido ao esforço que ela fazia, deixando parte de sua bunda descoberta. 

 

Fixei meu olhos naquela área por longos minutos. O que? Sou homem, e tenho meus desejos. Senti meu pau latejar, e rapidamente coloquei a mão, apertando-o. Maldita ereção matinal! E aquela visão então, não estava ajudando.

 

— Bom dia. — disse, fazendo ela dar um pequeno pulo. 

 

— Ai que susto! — virou-se rapidamente com a mão sobre o peito.

 

— Desculpa, não queria assustar você. — ri da cara que ela fez.

 

— Tudo bem, esqueci que você estava aqui. — falou ela, indiferente.

 

— O que tem pro café da manhã? Estou faminto! — falei sentindo minha barriga roncar. 

 

— O que tem pro almoço você quis dizer  — riu — Já passam das duas da tarde. 

 

— Quase merenda. 

 

A campainha tocou e Nicola correu para atender, fechando minutos depois a porta atrás de si, com um pacote em mãos. 

 

— Como acordamos tarde, tomei a liberdade de pedir comida. — colocou os pratos sobre a mesa.

 

Assenti sentindo o cheirinho de lasanha adentrar em minhas narinas, fazendo minha barriga roncar mais uma vez.

 

Nos servimos e Nicola permanecia quieta, até mais que o normal. Ela olhava apenas para o vidro da mesa, e só se ouvia som de nossas respirações. E assim seguiu o nosso almoço, trocamos poucas palavras e ela quase nunca olhava diretamente para mim. 

 

— O que você tem? — perguntei. Nicola levantou os dois ombros e pendeu a cabeça para o lado.

 

— Nada. 

 

— Está assim pelo que aconteceu ontem? — questionei fazendo-a parar o seu mastigar por alguns instantes. 

 

— E o que aconteceu ontem? — respondeu fingindo não saber do que eu falava. Deu mais uma garfada em seu prato, levando-o a boca sem me olhar.

 

— Você sabe muito bem do que eu estou falando. Do beijo, Nicola. Por favor, não finja não lembrar. — falei sério e ela comprimiu os lábios em uma linha fina.

 

— Você prometeu não mudar comigo. — soltei os talheres na mesa. — Poxa, foi só um beijo. — me arrependi de ter dito a última frase.

 

— Não estou estranha — levantou-se com o prato vazio em mãos. — E eu entendo que aquele beijo só aconteceu para sairmos daquela situação constrangedora. 

 

Respirei fundo fechando os olhos. 

 

— Não foi isso que eu quis dizer Nicki...

 

— Está tudo bem, Justin. — respondeu — Já terminou? — se referia ao meu prato.

 

“Não, não está tudo bem”, pensei.

 

Assenti e ela levou os pratos para pia, começando a lavar a pequena quantidade de louça que se formara ali. 

 

Nicola Peltz

 

Acordei um pouco antes que Justin, e o observei dormir por alguns minutos, em sua típica posição de bruços e a boca amassada pelo travesseiro. Eu já estava me acostumando com sua presença rotineira, talvez eu até sentisse falta dele me fazendo companhia na cama. Afinal, eu sou a única da fraternidade que não tem uma colega de quarto.

 

“Não Nicola, você não pode se dar ao luxo. Você não é pra ele.“ Meu subconsciente advertiu. 

 

Estou tentando tirar da cabeça. Sim, aquele maldito beijo! Acho que o melhor a se fazer é fingir que não havia acontecido, e eu não estou afim de clima estranho, se der um tempo a gente esquece e tudo volta ao normal. Tinha que mostrar que esse beijo não havia mexido nem um pouquinho comigo, sabia que isso não ia levar a lugar algum, a menos que eu permitisse. Tenho que parar com isso!

 

Embora eu tenha prometido a Justin que não mudaria nada entre nós depois do beijo, não quero que ele ou as pessoas pintem algo que está totalmente fora de cogitação. 

 

— É sério mesmo que você vai ficar desse jeito? — sua voz tinha um pouco de indignação. 

 

— Não sei do que você está falando. — disse ainda de costas para ele. 

 

Fui surpreendida com Justin me puxando fortemente pela cintura. Nossos corpos se chocaram e eu engoli em seco, ao contrário de mim, Justin sorriu maroto e apertou os braços ao meu redor. 

 

Nossos corpos ficaram à centímetros de distância e minhas mãos começaram a suar repentinamente. Bieber adentrou minha camisola com sua mão e apertou a pele de minha cintura. Estremeci com seu toque, e ele pareceu perceber, pois seu sorriu se alargou ainda mais. 

 

Ele prensou seu corpo contra o meu, e deu impulso, fazendo-me sentar na bancada da pia. Pareceria que todos os meu sentidos haviam se perdido naquele momento, não conseguia exercer nenhuma reação, apenas seguia seus atos. Ele levou minhas mãos até seu pescoço, fazendo-me abraçá-lo, diminuindo ainda mais qualquer distância entre nós. Passei meus dedos por sua nuca e senti seus pelos eriçarem. Justin fechou os olhos por alguns instantes e balançou a cabeça, parecendo espantar algo de seus pensamentos. 

 

Justin Bieber

 

Estávamos próximos, tão próximos, que bastava eu inclinar meu rosto e nossos lábios se tocariam, fazendo aquela história de me evitar parecer bobeira. 

 

Eu tinha atração por ela. É isso, estou confessando que sinto uma puta atração por ela, e ela sabia disso. Ela também tinha atração por mim, e eu também sabia disso. 

 

Por que tudo parecia tão complicado para ela? 

 

Aproximei ainda mais meu rosto do seu, a distância entre nossos rostos era questão de milímetros agora, bastava um único movimento...

 

A campainha tocou novamente me fazendo parar estagnado. Nicola desceu rapidamente da bancada, ajeitando a camisola em seu corpo.

 

— Mas que porra! — murmurei baixo. Ainda arranco essa campainha filha da puta! 

 

Batidas incessantes vieram a seguir, Nicola olhou pelo olho mágico da porta, e respirou fundo antes de abri-la. 

 

— Até que enfim! Como você pôde me deixar sem notícias suas? Você é uma amiga desnaturada! — Emma surgiu falando alto. Nicola gargalhou ao ver a amiga falando tudo de uma vez, quase sem respirar.

 

Permanecia parado do outro lado do balcão, perto da pia. 

 

— Do que você está rindo, huh? — esbravejou Emma cruzando os braços. — Eu quase morri sem notícias suas, estava preocupada e... — parou de falar percebendo minha presença.

 

— Justin? — ela franziu a testa. Seu olhar se intercalou entre mim e Nicola. Emma soltou uma risada abafada. — Agora eu entendi tudo! 

 

E foi a minha vez de franzir a testa, Nicola repetiu meu ato e pareceu ainda mais confusa que eu.

 

— Ai gente, me desculpem! — falou cessando o riso — Não queria atrapalhar, hm... vocês. 

 

— O que? 

 

— Emma, não é isso que você está pensando — Nicola disse rapidamente. 

 

— Relaxem, eu não vou contar pro resto do pessoal, se é isso que vocês temem. — disse ela, sentando-se no sofá.

 

— A gente não dormiu junto, Emma... Quer dizer, a gente dormiu junto sim, mas não... — Nicola tentou se explicar.

 

— Acho que vou tomar banho. — cortei Nicola, antes que aquela cena se tornasse ainda mais constrangedora. 

 

 

Nicola Peltz

 

Justin me cortou antes que eu pudesse deixar claro que não transamos. Emma abriu a boca em um perfeito “o” e eu segui para onde ela estava olhando. Justin estava apenas de bóxer preta no meio do corredor. Droga! Como eu explico isso pra ela agora?

 

— Oh, minha nossa! — falou quase em um sussurro.

 

— Emma? — a chamei — Emma! 

 

— Ah, Oi? Desculpa, é que eu me distraí com toda aquela poupança. — sorriu maliciosa. 

 

— Não é isso que você está pensando! — Cruzei os braços abaixo dos seios.

 

— Eu não estou pensando, estou vendo minha querida. — falou e eu revirei os olhos. — Vai, me conta tudo amiga, sem esquecer dos detalhes. 

 

— Já disse, não aconteceu nada entre nós. — disse mais uma vez. 

 

— Então como você explica ele andando de cueca pela casa, huh? — questionou.

 

— Resumindo? Fomos ao Club Trio, bebemos alguns drinks, dançamos, sofri assédio, nos beijamos, depois fomos à praia e para fechar a noite fiz uma tatuagem. — falei de uma vez só para não ter que explicar de um por um. — Depois viemos pra cá porque estava muito tarde, mas não aconteceu nada mais que isso, apenas dormimos. 

 

— Espera aí, vocês se beijaram? — arregalou os olhos — E que história é essa de assédio, tatuagem? — franziu o cenho — Que loucura de noite! 

 

— Sim, Sim... Longa história! — suspirei.

 

— Me conta, agora! — ordenou. 

 

Expliquei a ela a confusão no bar, que eu tive que beijar Justin como uma estratégia de fuga, do beijo na praia e mostrei a ela minha nova tatuagem. Ah, e sem esquecer do momento anterior à sua chegada.

 

— E eu achando que tinha acontecido algo com você — gargalhou — Justin aconteceu! 

 

— Isso não vai se repetir. — afirmei. 

 

— Ué, porque? 

 

— Você sabe bem o porque, Emma. — ela rolou os olhos para cima. — Sem clima estranho! 

 

 

Justin Bieber 

 

Tomei um banho demorado para acalmar a cabeça de cima... e também a de baixo. Também queria deixar as meninas a sós para conversar. 

 

Quando voltei para a sala, foi a vez de Nicola ir tomar um banho. Joguei conversa fora com Emma por um bom tempo, até ela voltar. Nicola sugeriu que voltássemos para a universidade ainda hoje, e também disse que voltaria com Emma em seu carro, para não levantar muitas suspeitas. 

 

Eu particularmente não me importaria com o que as pessoas pensariam a nosso respeito, porém aceitei sua decisão. 

 

No dia seguinte fui para as primeiras aulas do dia, e ao final de todas, segui novamente pelo corredor. Encontraria com Nicola na última aula, não falava com ela desde o dia anterior, e nem esbarrei com ela pelos corredores.

 

Senti uma mão quente segurar meu braço, virei com a esperança que fosse Nicola. Encarei os olhos castanhos a minha frente. 

 

— Gatinho! — falou Avery sem soltar minha mão. 

 

— Ah, Oi Avy — falei com uma pontinha de decepção.

 

— Faz tempo que não te vejo — sorriu — Por onde andou? 

 

— Por aí... — respondi vagamente — Muito conteúdo para estudar, cê sabe como é né?

 

— Claro que sim. — mordeu o lábio inferior. Sabia que ela estava muito na minha. Ela era linda, tinha um corpo maravilhoso e era inteligente, mas não era ela quem eu queria. 

 

— Aparece lá na fraternidade qualquer dia, podemos sair para comer algo... Ou podemos ficar no meu quarto e comer por lá mesmo — ela quis dizer isso mesmo que eu entendi? 

 

— Apareço sim, pode deixar. — sorri gentilmente. Ela me olhou profundamente com aqueles olhos bem desenhados, e sorriu de canto. 

 

— Bom, vou indo se não eu chego atrasado na aula. — apontei com o polegar em direção à sala. 

 

— Tudo bem — riu. — Justin? — voltei a olhá-la e ela me surpreendeu com um selinho, pouco se importando se havia gente nos olhando ou não. Sorriu e saiu rebolando. Fiquei olhando o movimento que sua bunda fazia dentro daquela mini saia. 

 

Rodeei meu olhos por toda a sala, a fim de verificar se Nicki já havia chegado. Fiz um toque com Kyle e os meninos do time ao passar por eles, e sentei do outro lado da sala. 

 

Coloquei meus livros na cadeira ao lado, guardando o lugar para Nicola. Esperava que ela não continuasse me evitando. 

 

Aquele beijo tinha sido o auge, depois daquilo não consigo parar de vê-la com outros olhos. Os seus lábios pareciam ainda estar junto aos meus, o cheiro de sua pele parecia ainda estar em meu nariz. O calor que emanava de seu corpo ainda podia ser sentido por meus dedos que passearam em sua pele quente, aqueles olhos lindos pareciam ainda me encarar permitindo que eu a beijasse. 

 

Meu pensamentos foram interrompidos pelo o som de sua risada. Que merda era aquela? Ela estava conversando e rindo com o... Kyle? 

 

De onde eles se conheciam? Como eles se conheciam? 

 

“Calma Justin, respira, eles só estão conversando e...”   Se abraçando??? 

 

Respirei fundo desviando o olhar. Eu não sabia o que estava sentindo, não podia sentir ciúmes de uma pessoa que eu só beijei uma vez... duas vezes... Tanto faz! E que não era minha. 

 

Ou podia? 

 

— Bom dia, Justin. — falou sorridente. Eu acharia aquele sorriso lindo minutos antes, se não soubesse o porque dele estar em seu rosto. — Este lugar é pra mim? — perguntou me olhando atentamente.

 

— Uhum. — respondi sem olhá-la. 

 

Ela abriu a boca para falar algo, mas a professora Köller entrou na sala, chamando a atenção de todos. 

 

Não consegui me concentrar inteiramente na aula, queria questionar Nicola e perguntar de onde ela e Kyle se conheciam, sobre o que estavam conversavam e se eram amigos ou se ela estava interessada nele. Mas eu não tinha esse direito, não tinha direito de nada na verdade. 

 

Nicola Peltz

 

Entrei na sala de aula, e logo avistei o garoto que esbarrei no dia anterior, Kyle. Ele estava sentado no canto da sala com alguns garotos do time de basquete. Sorriu pra mim e fez sinal com a mão, me chamando.

 

— Oi, Como você está? — perguntou. — Não ficou com nenhum hematoma, né? — riu.

 

Ele era lindo! Aqueles olhos tão azuis quanto o céu, e a barba por fazer, fazia ele parecer ser mais velho do que aparentava ser. E o corpo, mesmo por baixo das roupas, se via bem o porte atlético saradão. 

 

— Ah, não. — respondi — Estou bem sim, e você?

 

— Estou ótimo. — me encarou. 

 

Deus, porque homens tão lindos? 

 

— Que bom. — sorri.

 

— É, e ainda bem que não machuquei você. — disse sinceramente.

 

— Estou começando a olhar mais por onde eu ando. — dei uma risada e ele me seguiu. Sua risada era extremamente sexy. Quem acha uma risada sexy? Isso mesmo, eu. 

 

— Que pena, porque eu adoraria que esbarrasse em mim novamente. — me abana senhor Jesus Cristo. — No bom sentido, claro. — riu sem jeito. 

 

— Estou achando que você quer me machucar, hein? — brinquei. 

 

Ele gargalhou novamente e foi a minha vez de segui-lo. 

 

— Queria saber se topa sair algum dia, como uma forma de me desculpar. — sorriu de canto.

 

— Claro, é só chamar. — disse, e nos abraçamos.

 

De canto de olho vi Justin sentado do outro lado da sala. Me despedi de Kyle e fui ao seu encontro. Ele estava estranho, calado e não deu um piu a aula inteira. Geralmente ele me irritava ou fazia gracinhas, mas nem isso. 

 

O que tinha de errado com ele? Será que ele estava estanho porque eu fiquei estranha com ele também? 

 

— Justin? — o chamei. Ele havia passado a aula inteira pensativo, longe... — A aula já acabou, vai ficar aí? 

 

— Ah — me olhou — Pode ir na frente, depois encontro vocês. — respondeu. 

 

— Tudo bem. — disse simplesmente. 

 

Caminhei até o refeitório e todos já estavam sentados na mesa que sempre ficávamos. 

 

— Ué, cadê o Justin? Vocês não tem a última aula juntos? — Chris perguntou.

 

— Sim — puxei uma cadeira — Ele disse que depois nos encontrava aqui.

 

— Ele deve estar bem pegando a Avery por aí — Ryan falou — Ouvi dizer que hoje mais cedo eles se beijaram no corredor. 

 

— Esse é o meu garoto! — disse Chris. Emma deu-lhe um cutucão e eu permanecia quieta. 

 

— Ela é uma oferecida, isso sim! — falou Emma. 

 

— Justin devia ter cuidado para não pegar herpes. — foi a vez de Alison se manifestar. 

 

— E você Nicola, o que acha? — perguntou Ryan. 

 

Emma lançou-me um olhar questionador. Todos os outros esperavam atentamente por minha resposta. 

 

— Acho que eles formariam um belo casal. — respondi indiferentemente.

 

— O que? — Alison falou.

 

— Agora só falta você arranjar alguém. — Ryan disse — Não vai querer ficar de vela, né? 

 

— Quem vai ficar de vela? — Justin falou atrás de mim. 

 

— A Nicola. — respondeu Chris. 

 

— E porque ela ficaria de vela? — perguntou ele curioso, sentando-se ao meu lado. 

 

— Porque você está com a Avery. — Chris falou.

 

— O que? De onde vocês tiraram isso? — Justin gargalhou.

 

— Sabemos que você anda beijando ela pelos corredores. — Ruan afirmou.

 

— Chega desse assunto. — esbravejou Emma. Ela me olhou, balançando a cabeça. Justin também me olhou, mas eu permaneci calada e desviei meu olhar do seu.

 

Eu não sentia nada, pouco me importava se Justin e Avery estavam juntos, mas eu não ficaria do meio disso.

 

O horário do almoço terminou e graças a Deus eu não teria mais nenhuma aula. 

 

— Amiga, não liga para aqueles dois idiotas. — Emma disse ao chegarmos no meu quarto. 

 

— Tanto faz, Em — me joguei na cama — Acho que é até melhor assim, somos amigos e é o que sempre seremos. 

 

Ela suspirou e deitou-se ao meu lado na cama.


Notas Finais


Oi, oi, oi! Desculpem a demora, troquei de celular e tive que reencrever muita coisa.

Na imagem tema do capítulo estão todos os casais da fic, Nicola e Justin estão separamos porque eles ainda não são um casal kkkk... Qual o seu casal preferido?

Comentei o que acharam do capítulo. Xoxo


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...