História Nick e Judy, a História Continua - O Crepúsculo - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Zootopia - Essa Cidade é o Bicho
Personagens Nick Wilde, Personagens Originais
Tags Fim, História, Judy Hopps, Nick Wilde, O Crepúsculo, Zootopia
Exibições 48
Palavras 953
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Romance e Novela
Avisos: Álcool, Drogas, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Suicídio
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Olá gente, como vai? Estou aqui para mandar a continuação de O Crepúsculo e é isso aí.
Espero que gostem.

Capítulo 1 - Negação


 _Como vai hoje, senhor Wilde?

_Se sou obrigado a fazer isso ao menos me chame de Nick.

_Tudo bem, Nick. Como você está?

_Por que estou aqui mesmo? Só para relembrar. A fuinha pegou uma pasta e começou a le-la.

_Senhor Nicholas P. Wilde, cometeu diversas infrações de trânsito, dia sim dia não está em coma alcoólico em algum hospital, começou a fumar absurdamente e... Você poderia parar de beber?- Ela pegou da minha pata meu cantil de álcool._ Não entendo senhor Wilde. Desculpe, Nick. Por que quer se destruir?

_Não quero me destruir.- Disse com firmeza.

_Então por que faz isso?- Ela tentou me colocar em xeque, mas não vou deixar isso acontecer.

_Eu preciso querer me destruir para fazer isso?- Ela pareceu não esperar por essa e eu aproveitei a brecha._ Touché. Como vemos que não quero me destruir e que simplesmente quero fazer algo que não é ilegal, então eu já vou indo, tudo bem?- Disse me virando, mas uma pequena pata repousou sobre meu ombro... Sentei novamente e ouvi o ela tinha a dizer.

_O DPLS me faz fazer um exame psicológico nos oficiais. Se o oficial não passar nos exames ou se recusar eu tenho o direito de retirar o seu distintivo ou não permitir que exerça sua função.

_Então vai impedir que um bom policial não exerça seu trabalho?- Até que esse jogo com ela estava interessante, mas queria sair e encher a cara.

_Senhor Nicholas, seu distintivo.- Ela falou em tom firme querendo me fazer recuar, mas não estou me importando muito. Me levantei, retirei o distintivo da carteira e coloquei em sua pata. Ela ficou pasma com minha atitude e eu fui embora. Parei em um bar e pedi todos os tipos de bebidas... Rum, conhaque, tequila, whisky, etc. E mais uma vez acordei em um hospital sem lembrar do que eu fiz.

~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

_Quem é?- Eu perguntei quando tocaram a campainha do meu apartamento. Não morava mais onde eu e Judy ficávamos... Era doloroso ver onde estivemos e ela não estar mais lá.

_Sou eu, Nick. Abra por favor.- Ouvi a voz de Johnny e abri a porta. Eu e Johnny nos tornamos amigos desde o enterro de Judy, até mesmo antes._ Precisamos conversar.

_Em que posso ajudar?

_Você entregou seu distintivo. Eu não esperava isso.- Ele disse um pouco decepcionado, mas contrabati com força, até demais.

_E você espera o que? Que eu ficasse sentado em uma mesa para dois e esperasse por ela? Ficar o dia inteiro do banco do passageiro esperando que ela abrisse a porta? Ir para a PORRA de um apartamento para dois e estar sozinho?- Quando terminei me vi acabado... Estava em pânico e ansiando por uma saída.

_Quero que você vá à psicóloga. Se não for por você, vá por mim que se preocupa com você.

Ele usou outros artifícios para me convencer. Eu resisti mas no fim perdi...

~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

_Senhor Nicholas, voltou?- Eu sou orgulhoso demais para ouvir isso.

_Se continuar com essa eu vou embora.- Eu disse e ela se sentou mais ereta na cadeira.

_O que lhe fez voltar?- ela perguntou em tom sincero.

_É uma longa história...

_Sente-se por favor.- Disse ela me apontando uma poltrona grande tão reclinada que parecia uma cama.

_O que te incomoda?

_Nada.

_E se eu disser que você está em negação?

_Por que? Ou melhor, adianta eu dizer que não estou?

_Sofreu uma perda muito recente e muito grande, Nick. O que era, quem era a Judy para você?

_Uma amiga.- Eu disse mas estava mentindo. Provavelmente Johnny havia falado o quanto tempo eu fiquei ao lado de seu túmulo até ser retirado de lá, já que a doutora não mudou a expressão.

_O que mais?

_Uma colega de trabalho, só isso.

_Como é estar no departamento e ficar olhando para uma cadeira durante horas, Nicholas?

_Estou pensando quem vai substitui-la.- A pergunta dela me pegou de surpresa, mas o quanto mais eu mentisse e fingisse meu bem estar mais rápido eu sairia dali.

_Ouvi dizer que você se mudou recentemente. Por que?

_Queria uma melhor localização na cidade.

_E se eu disser que ela ainda está viva?- Olhei para ela com esperança e vi no golpe que cai. Com minha atitude revelei muito mais do que eu poderia mentir e esconder.

_Ela se foi, é isso. Ela era uma amiga querida e minha parceira de operações. A perda dela foi grande mas já passou. Eu vou para casa.- Eu não queria aceitar o que dizia, mas mentia para terminar aquilo logo.

_Vai se demitir de novo?

_Volto em alguns dias, tudo bem? Nem vi a expressão dela. Me levantei e sai do consultório.

Na sala de espera vi Johnny que lia uma revista de celebridades e havia a Gazella na capa. Ele olhou para seu relógio de pulso.

_Sabe que vou te infernizar com isso, né?!- Ele disse voltando o olhar para mim._ E não vou poder devolver seu distintivo.

_Eu sei. Vou para casa.

_Você quer uma carona?

_Não precisa.

Todo o percurso eu fui andando e sem querer fui ao apartamento que dividíamos. Bati na porta.

_Judy, abre a porta por favor.- A porta se abriu e vi uma loba bem idosa.

_A coelhinha não mora mais aqui, ouvi dizer que morreu.- Apesar dela falar gentilmente meu olhar e minhas feições caíram. E ela percebeu._ Você quer entrar?

_Não, obrigado.- Disse e fui embora, na saída peguei o maço de cigarros do meu bolso e fumei um atrás do outro na esperança de que... Nem se de que.

Fui a um bar e bebi até não lembrar nem do meu nome. Um dos poucos momentos em que eu não sentia a dor da perda.


Notas Finais


Tá aí gente, o primeiro capítulo...
Favoritem para saber quando o próximo sair e comentem sobre, dando opiniões.
Até o próximo capítulo.
Ah, agradeço a "TheSecret_321" por me incentivar, dar animo e inspiração para continuar a estória.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...