História Nina - A garota de Staten Island - Capítulo 33


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Bdsm, Drama, Hot, Melhor Amigo, Original, Professor, Saga, Teen, Vizinhos
Visualizações 52
Palavras 4.024
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Hentai, Romance e Novela, Saga
Avisos: Álcool, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


MEUS AMORES EU TO DE VOLTA!
Ai como eu tava com saudades. Sei que demorei séculos pra voltar mas minha vida estava/está uma loucura e eu não tinha tempo nem paciência pra sentar e escrever. E esse capitulo foi um desafio em especial pra mim - eu perdi a conta de quantas vezes reescrevi algumas coisas - porque eu simplesmente não sei mais escrever sexo baunilha. Faz MUITO tempo desde que eu tive que lidar com toda essa coisa de relacionamento baunilha e eu estou tendo que reaprender algumas coisas pra manter os personagens o mais próximo da realidade possível. Toda essa dificuldade que eu tive acabou gerando um puta bloqueio, mas eu finalmente consegui terminar e vou tentar ao máximo não sumir de novo. Prometo ♥
Em breve teremos algumas surpresas por aqui, só não posso dizer se serão boas ou ruins u.u
Enfim, espero que gostem (:

Capítulo 33 - It don't matter because it's enough to be young and in love.


Love - Lana Del Rey

Eu estava tão livre na quarta que passei a manhã inteira balançando minha perna e pensando no que estava por vir. Ir a escola fora um desperdício completo de tempo. Não conseguia me concentrar em nada, minha mente vagando para imagens ilusórias de nós dois. Ele se manteve quieto durante todo o dia, apenas levantando o olhar e respondendo nossos amigos quando necessário. Não era preciso ler mentes para saber que ele estava pensando no mesmo que eu.

Não quando ele apertava minha mão por baixo das mesas como se eu fosse sua tabua de salvação.

A tensão crescente dentro de mim era palpável. Eu estava esperando a muito tempo por aquele momento e saber que ele estava tão perto quanto o fim do dia letivo era uma bela mistura de tortura e antecipação com um leve toque de alivio. Mas mesmo sabendo do meu delicado estado psicológico, Logan ainda manteve segredo sobre seus planos até o fim do dia.

Eu estava começando a temer que aquela tivesse sido uma proposta do calor do momento e que não fosse levar a nada de fato. A possibilidade do desconhecido, junto a minha ansiedade natural e necessidade de sexo, era quase insuportável e eu me encontrava constantemente distraída de tudo. Para minha sorte, minha atenção não era extremamente necessária para assuntos escolares desde que eu apenas estava ali para cumprir minhas obrigações com as últimas aulas antes das notas das provas saírem e eu estar oficialmente livre daquele lugar.

Nesse sentido a ansiedade parecia ser geral.

-Quer um pouco? -Mia perguntou enquanto estendia uma colher carregada de chilli na minha direção. O cheiro forte de tempero me atingiu como um soco no estomago, que imediatamente se revirou. -O que foi? Geralmente você cai em cima de qualquer coisa apimentada.

-Eu sei... Mas não acho que seja uma boa ideia comer algo que possa irritar meu estomago mais do que ele já está. Todas as besteiras que comi enquanto Logan e eu não estávamos nos falando definitivamente não me fizeram bem. – Murmurei ao voltar a mordiscar meu inofensivo bolinho de baunilha. A última coisa de que precisava era me sentir mal agora que as coisas finalmente poderiam estar encaminhadas. A expressão dela mudou imediatamente de adolescente distraída para mãe dando sermão e eu sabia exatamente quais palavras iriam sair de sua boca naquele momento.

-Eu já te disse um milhão de vezes que a sua alimentação é horrível e que você, sendo alguém que pretende ganhar dinheiro sendo modelo, deveria cuidar melhor dela. Seu corpo pode continuar todo lindo agora, mas esse metabolismo de super-herói não vai durar para sempre. Você deveria... -Não precisava ouvi-la para saber que ela iria tentar, mais uma vez, me convencer a frequentar uma academia com ela.

Não é que eu odiasse academias, era apenas que eu tinha coisa melhor pra fazer.

Avistei Logan voltando até nossa mesa com o canto do olho e suspirei em alivio. Havia um período limitado de tempo que eu podia passar ouvindo Mia falar sobre exercícios e dieta antes de manda-la calar a boca. Ele empurrou uma lata de suco gelado na minha direção e passou o braço por trás da minha cabeça para que eu pudesse ter onde me apoiar quando ele me beijasse.

O suspiro de Mia preencheu o silencio entre nós, acompanhado de perto pelo som de pequenas palminhas.

-Pode me cobrir durante a última aula anjo? Tenho umas coisas para resolver antes do fim das aulas. Prometo estar de volta antes do sinal tocar pra te buscar. -Meu coração deu um salto involuntário. Não era preciso ser um gênio para perceber sobre o que ele estava falando, mas eu esperava que Mia não estivesse prestando muita atenção na conversa.

-Quer que eu pegue alguma coisa pra você? -Ele abriu um de seus belos sorrisos e moveu a cabeça para que seus cabelos soltos caíssem como uma cortina entre nós e Mia.

-Não, mas recomendo que você se alimente bem. Vai precisar de forças. -Apesar do tom baixo, Logan deu uma piscadela exagerada que me fez soltar uma gargalhada estrondosa. Ainda com um sorriso no rosto, ele se inclinou e beijou a ponta do meu nariz antes de beijar minha boca. -Te vejo daqui a pouco anjo.

Ele saiu do refeitório sendo seguido pelos olhares de todos ali.

-Ainda não acredito que isso é real. Vocês dois são lindos juntos. -Mia suspirou e voltou a comer alegremente.

-As vezes nem eu acredito.

***

Toda aquela espera estava me deixando ainda mais nervosa. Se é que isso era possível. Uma pequena parte de mim até se sentia culpada por não estar “presente” nas aulas, mas ela tinha sido facilmente calada pela parte que queria sair daquele lugar o mais rápido possível. Os ponteiros se arrastavam e sentia como se o tempo estivesse passando cada vez mais devagar, porém, quando o sinal da última aula finalmente tocou, foi como se quem o estivesse controlando finalmente tivesse apertado o play.

Tive que lutar contra mim mesma para não correr através dos corredores porque isso me parecia extremamente desesperado. E, mesmo que eu estivesse de fato desesperada, jamais deixaria que os outros soubessem disso. Quando finalmente consegui passar pela horda de alunos desesperados e chegar ao estacionamento, foi como se meu mundo tivesse mudado em questão de minutos. Honestamente, eu quase esperava que as nuvens fossem se afastar e que uma luz desceria dos céus para iluminar Logan, montado em sua moto e exalando toda a sensualidade que um bad boy em couro podia ter.

Não posso negar: meu coração de um salto.

Ele parecia tão lindo sentado descuidadamente em sua moto, os cabelos soltos lhe caiam sobre o rosto e a jaqueta de couro reluzindo no sol quase inexistente daquela tarde. Ainda me parecia um sonho que estivéssemos mesmo juntos. Era difícil de acreditar que aquela coisa pela qual eu tinha ansiado o ano inteiro finalmente era minha.

-O que está olhando anjo? -Perguntou ele quando percebeu que eu continuava parada feito uma idiota ao seu lado.

-Nada... -Ele me estendeu sua mão apenas para puxar a minha e depositar um beijo nas costas dela. -Apenas admirando a vista. -Logan levantou os olhos e abriu um sorriso digno dos príncipes dos contos de fadas. Essa fachada, porém, foi substituída imediatamente por uma expressão casual de alguém que sabe que é a melhor parte da festa.

-Vou lhe dar uma coisa pra admirar quando chegarmos. -Sua expressão alinhada ao tom de voz baixo e a forma como ele começava a agarrar minha cintura fizeram com que minhas pernas virassem água.

Geralmente eu teria sido contra um beijo tão público, afinal minha reputação não precisava de muita coisa para ser abalada, mas naquele momento a única coisa em que eu conseguia pensar era em como as mãos dele pareciam quentes e maravilhosas contra minhas costas. Logan era uma droga eu me isolava do resto do mundo de um jeito bom e que era exatamente o que eu precisava.

Eu estava completamente perdida e nem ao menos me ressentia por isso.

-Pra onde estamos indo? -Ele passou os dedos por entre os cabelos longos para os tirar dos olhos e me deu uma piscadela.

-Isso é uma surpresa. -Seu sorriso me dizia que ele tinha lido minha reação perfeitamente. -Eu sei, você odeia surpresas. E esperar. Mas eu prometo que vai valer a pena. -Algo dentro de mim gritava para que eu subisse logo na maldita moto porque isso significava que teria de esperar por menos tempo, mas mantive meus pés no chão enquanto me inclinava na direção dele para mergulhar meus dedos em seus cabelos também.

-Só de estar com você tudo já vale a pena. -O sorriso de príncipe estava de volta e acompanhado por um leve rubor que ele tentou esconder ao balançar o rosto.

-Isso foi muito careta.

-É, eu sei. -Lhe dei um beijo na bochecha antes de seguir para o meu lugar ainda com um sorriso satisfeito no rosto.

***

De acordo com eu telefone nos levou apenas vinte minutos para chegar no hotel. De acordo com meu relógio interno foram duas semanas de pura agonia enquanto atravessávamos toda a cidade e íamos em direção a Manhattan. O lugar era lindo de um jeito não convencional. Normalmente os hotéis naquela parte da cidade eram o clássico e impessoal cinquenta tons de branco, mas aquele, apesar de ter suas paredes brancas, era delicadamente decorado com moveis antigos de madeira escura. Havia diversas cores salpicadas por todo os lugares, em pétalas de flores coloridas e quadros de figuras reais que fugiam das artes abstratas que geralmente eram vistas.

Os sofás eram simplesmente magníficos, dignos de uma casa de luxo em um filme sobre o velho oeste, e por um segundo eu quis me deitar sobre eles apenas para ver se eu podia me sentir como uma daquelas mulheres. Mas Logan tinha outros planos e isso me fez lembrar que tipo de planos eram e esqueci completamente dos sofás. Passamos direto pelo balcão no salão principal e entramos no elevador quando ele estava prestes a fechar as portas.

Havia um outro casal lá dentro e, como todas as vezes em que pessoas desconhecidas dividem um elevador, permanecemos em um silencio um tanto quanto constrangedor enquanto Logan segurava minha mão com força. O suspiro harmonizado que se seguiu no momento em que ficamos sozinhos quase quebrou a fina película de ansiedade que pairava sobre nós. Quase.

Logan não ousava desviar os olhos dos números subindo na tela, quase como se temesse que se o fizesse o elevador fosse cair e todos os nossos planos iriam literalmente á baixo. Era compreensível desde que, depois de tudo o que tinha estado em nosso caminho e da forma como eu sentia como se fosse explodir se não chegássemos ao maldito quarto logo, quiséssemos tomar todas as precauções, fazendo sentido ou não, para que nada desse errado e/ou nos atrapalhasse.

Voamos para fora assim que as portas se abriram e eu o segui apressadamente pelo corredor enquanto ele tirava um cartão de dentro do casaco sem soltar minha mão no processo. O lugar estava silencioso e eu temia que ele pudesse ouvir a forma como meu coração batia descontroladamente. Mas, julgando pela respiração errática dele, não me parecia que ele iria se importar.

No momento em que conseguimos fechar a maldita porta tudo ficou realmente silencioso e em paz. Por cerca de dois segundos. E então nossos casacos estavam no chão e eu estava sendo erguida do mesmo, sentindo suas mãos agarrarem minha bunda com certa força enquanto sua boca tomava a minha quase violentamente e tentávamos atravessar o quarto parcialmente escuro. Foi por pura sorte que encontramos a cama porque eu não podia ver ou sentir nada que não fosse ele e suas malditas mãos que sabiam exatamente onde me tocar.

Quando eu aterrissei sobre o colchão extremamente macio sua camisa já tinha saído do meu caminho. Apesar da urgência daquele momento, tirei alguns segundos para apreciar a obra de arte em forma humana que eram aquelas tatuagens. As malditas tatuagens. Todos os centímetros visíveis de seus braços estavam cobertos de linhas negras, algumas desciam sobre seus ombros e eu sabia que elas terminariam nas incríveis assas que ele carregava em suas costas. E haviam aquelas cujas linhas desapareciam dentro do cós dos jeans dele. Aquelas com as quais eu tinha sonhado tantas vezes que já perdera a conta. As mesmas que minha língua e dedos imploravam para traçar.

Mas isso poderia esperar.

Decidi aproveitar o momento para me livrar da minha camisa também, que rapidamente desapareceu atrás de mim. Um arrepio correu por minha espinha quando peguei aquele olhar. Eu costumava sentir algo parecido quando pegava James me olhando durante as aulas, mas nunca tinha sido com aquela intensidade. Podia sentir minha calcinha se tornando descartável enquanto os olhos negros de Logan percorriam cada centímetro de pele nua.

Sem dizer uma palavra sequer, ele colocou uma das mãos sobre minha barriga e lentamente começou a leva-la para cima. As pontas de seus dedos deixavam para trás uma sensação mista de cocegas e calor que estava tornando a tarefa de respirar ainda mais difícil. Se é que isso era possível. Ele alcançou o fecho frontal do sutiã, passando apenas o dedo indicador pelo pedaço de plástico antes de puxar com força e libertar meus seios.

Suas mãos fizeram um movimento brusco pra frente mas imediatamente se retiraram e apoiaram-se no topo nos meus joelhos. Logan mantinha seus olhos fechados enquanto respirava vagarosamente. Os músculos de seus braços estavam tensos e as tatuagens saltavam ainda mais aos olhos, quase se tornando objetos vivos.

-Droga anjo. -Ele abriu os olhos, que estavam carregados de puro desejo. -Eu ia tentar ser romântico, mas você está tornando isso impossível. -Um sorriso abriu caminho pelo meu rosto enquanto eu me apoiava em um dos meus cotovelos para me aproximar um pouco dele.

-Podemos deixar o romance pra depois... -Sem tirar os olhos dele deslizei o dedo indicador por entre um dos passadores dos jeans e o puxei na minha direção. -Tenho outras prioridades agora.

Seu rosto estava a milímetros do meu agora e seus lábios roçaram os meus delicadamente quando ele sorriu.

-Você é inacreditável. -Ele olhou para baixo e um gemido torturado escapou de sua boca. Seus lábios tocaram a pele nua de meu pescoço, deixando uma mordida leve e um beijo suave para trás ao seguir seu caminho cada vez mais ao sul.

Eu estava bem ciente do quão grandes eram suas mãos, mas tê-las envolvendo meus seios sem nada no caminho dava uma nova dimensão para a coisa. Os bicos se eriçaram no mesmo momento, querendo serem notados a qualquer custo. Ele tocou a carne macia com sua boca com tanta leveza que por um momento pensei ter imaginado aquilo. A sensação se tornou bem real quando logo em seguida ele fechou os lábios ao redor dos pontos rígidos e cravou os dentes em torno deles.

Meus quadris foram de encontro aos dele sem que eu precisasse sequer pensar nisso. Sua língua tinha entrado no jogo também, acalentando a pele maculada com tal habilidade que simplesmente usar aqueles jeans se tornara insuportável. Eu precisava dele. Senti-lo contra minha pele. Absorver todo o calor de seu corpo. Meus instintos me diziam para ser uma boa menina e esperar e eu quase os obedeci.

Até que me lembrei de que ele não era James e ninguém estava no poder ali. Eu podia fazer exatamente o que quisesse sem ter de temer que isso fosse levar a uma pequena sessão de tortura ou alguns tapas extras. Naquele momento uma nova sensação entrou para a mistura que se agitava dentro de mim: liberdade.

Apoiei as mãos em seu peito e o empurrei para trás até que tivesse espaço suficiente para me mover e tirar aquela coisa. Minha pele se arrepiou ao entrar em contato com os lençóis, mas a sensação passou quando Logan correu uma das mãos por minha coxa. Lava fervente corria por minhas veias, fazendo com que eu me sentisse quente e molhada. Principalmente naquele ponto entre minhas pernas que implorava por qualquer tipo de toque desde que aquela “dor” fosse aliviada. Eu queria fechar minhas pernas para conseguir um pouco de pressão e aliviar a mim mesma, mas o olhar de adoração no rosto dele me impedia de fazê-lo.

-Porra. -Logan suspirou por fim. Seus continuavam a percorrer todo o meu corpo junto a suas mãos. -Vou guardar essa imagem na minha cabeça até o dia em que eu morrer anjo.

-É bom saber que estou agradando aos seus olhos. -Murmurei em resposta.

-Eu tenho que dizer anjo... Pensei nisso muitas vezes, mas nenhuma das suas versões imaginarias pode fazer jus a você. -Ele sorriu enquanto abria seu cinto com uma habilidade e graça invejáveis. Eu queria me mover e aproveitar o momento para toca-lo também, mas a única coisa em que conseguia pensar enquanto assistia a aquelas tatuagens se moverem junto aos seus músculos era em como ele era ridiculamente sexy.

E no quanto eu queria que ele me fodesse. Rápido e bruto.

A melhor forma de se acabar com todo aquele fogo acumulado entre nós.

Tive de me agarrar aos lençóis quando finalmente ficamos iguais em níveis de nudez. Eu tinha ouvido os boatos, afinal ele era famoso por ter muitas namoradas e as garotas falavam sobre ele e suas habilidades na cama, mas ainda assim... Era surpreendente. Se eu não tivesse aprendido o quanto meu corpo podia aguentar durante todo o tempo em que estivesse com James eu definitivamente teria me apavorado diante daquilo. Mas esse não era o caso e eu estava mais do que pronta para recebe-lo em toda a sua gloria. Logan segurou um dos meus tornozelos e deu um beijo em minha panturrilha antes de encaixar minha perna contra seu corpo.

-Tem certeza de que está pronta pra isso anjo? -Uma mistura de riso e suspiro atravessou meu corpo em uma onda.

-Se eu ficar mais pronta do que isso vou acabar explodindo. -Ele sorriu também, mas o sorriso jamais chegou aos seus olhos. Eles estavam ocupados demais mergulhados em puro tesão.

 

Pela forma como suas mãos me tocavam de leve, eu podia dizer que ele estava tentando ser delicado para não me machucar.

Mas eu não poderia ligar menos.

O desespero começou a subir por minha garganta, agravando a necessidade e fazendo minha cabeça girar. Assim que pude senti-lo posicionado em minha entrada, empurrei meus quadris de encontro aos dele. A leve ardência dentro de mim era prova suficiente de que eu havia sido um tanto quanto desajeitada, mas a sensação de ser completamente preenchida vencia qualquer outra coisa. Eu provavelmente deveria tentar ser silenciosa, desde que estávamos em um hotel e provavelmente tínhamos vizinhos, mas era tarde demais para o gemido satisfeito que ecoou pelas paredes do quarto.

Aquilo era bom. Muito bom. E eu queria mais.

Os dedos dele afundavam na carne de minha coxa enquanto mantinha seus olhos fechados.

-Jesus... -Logan suspirou e abriu os olhos. Eu me perguntava como pareceria para ele; vermelha como um tomate e me esfregando contra ele. Definitivamente não era nada sexy. -Vai com calma anjo, ou pode acabar de machucando.

-Eu não ligo. -Eu pretendia soar confiante e decidida, mas, ao invés disso, minha voz saiu como se eu tivesse acabado de correr uma maratona. Logan levantou uma das sobrancelhas daquele jeito extremamente sensual que me fazia querer socar a cara dele.

-Ah, não? -Ele moveu seus quadris e minha resposta se dissolveu entre o gemido que me escapou pelos dentes intrincados. Jesus, aquilo era o paraíso.

-Não... -Me vi agarrando os lençóis a baixo de nós enquanto ele vinha de encontro a mim mais uma vez. Suas mãos agarravam minha cintura e me puxavam em sua direção, servindo como mais uma fonte de puro prazer e fogo.

-Tem certeza? -A força de sua investida dobrou junto a velocidade e senti os dedos dos meus pés se curvarem.

-Sim... -Não tenho exata certeza se foi isso o que respondi desde que minha capacidade de pensar e dizer frases coerentes tinha desaparecido completamente. A deliciosa sensação de ser esticada e preenchida por completo junto a fricção de seu corpo contra o meu era tudo o que eu podia sentir.

A forma como Logan trincava sua mandíbula e respirava pesadamente, seu perfume mesclado com o cheiro de sexo, os cabelos caindo ao redor de seu rosto belamente desfigurado pelo prazer, seus dedos afundando em minha carne, os músculos de seus braços e barriga se contraindo com o leve esforço... Era perfeito. Ele tinha se tornado o mundo. Por mim tudo poderia ir para o inferno lá fora que eu nem ao menos desviaria os olhos dele.

Era difícil me concentrar em qualquer outra coisa, principalmente quando o bloco de prazer bruto começou a ser construído dentro de mim. Tudo fora completamente apagado da minha cabeça. Não havia quarto, hotel, cidade ou nada. Apenas eu, ele e aquele instinto primal que também vinha carregado de amor.

Eu o amava. Amava tanto que essa era a única coisa capaz de atravessar a nevoa intoxicante do sexo. As palavras foram formadas por minha língua e começaram a escapar durante um beijo. Escorregavam entre nós e eram jogadas para fora por entre gemidos e suspiros que me arrepiavam desde o sangue.

Estrelas explodiram por trás dos meus olhos em perfeita sincronia com o resto das explosões ao longo do meu corpo. Era como tomar um banho na fonte da juventude. Todos os problemas, responsabilidades, toda a merda pelo qual tínhamos passado... Não era nada.

Ele me amava.

Eu o amava.

E isso era o suficiente.

***

Logan foi o primeiro a se mover, depois de passar o que me pareceram horas simplesmente deitados na cama, ao se jogar para o outro lado da cama e pegar alguma coisa do chão. Não me dei ao trabalho de abrir os olhos, aquela onda de preguiça pós-sexo era uma das minhas coisas favoritas, até que escutei sua voz.

-Anjo, levante um pouco a cabeça. -Em um reflexo automático fiz o que ele pediu para apenas depois notar a câmera em sua mão.

Meu primeiro instinto foi puxar os lençóis para me cobrir, mas havia algo na forma como ele olhava para a câmera que me pegou de surpresa. Eu tinha visto aquele olhar antes em James. Quando ele me pedia para que deitasse na cama, para que ele pudesse me observar enquanto escrevia. Eu podia fazer o que desejasse desde que ele pudesse manter os olhos em mim.

Não eram fotos para meramente serem guardadas de lembrança. Ele estava fazendo arte. E havia uma coisa em artistas que fazia meu coração acelerar e despertava a necessidade que eu tinha de ser perfeita. Uma das coisas que me fazia tão boa em ser uma modelo. Era um trabalho que eu jamais teria esperado ter, mas que satisfazia coisas em mim que eu também não tinha consciência da existência.

Depois de algumas fotos ele soltou um suspiro satisfeito e se deitou ao meu lado na cama de novo.

-Não se preocupe, não peguei seu rosto em nenhuma delas. Mas se quiser eu vou apagar.

Eu sabia que era bonita. As pessoas viviam me dizendo isso. Porém, me ver pelos olhos dele era sempre uma surpresa. Podia me olhar no espelho todos os dias e ainda assim, todas as vezes em que Logan tirava uma foto nova minha, acabava descobrindo coisas novas. Uma sarda em que nunca tinha prestado atenção, a forma dos meus quadris, uma mecha de cabelo onde a tinta não havia pego direito e tinha se tornado mais clara, as linhas de meus olhos... Sempre uma surpresa dentro do rotineiro.

Dessa vez tinha sido a expressão corporal. James tinha estado certo esse tempo todo: eu me parecia com uma gata que tinha acabado de comer um passarinho. A forma com que me deitava sobre os lençóis, de barriga para baixo e com os braços junto ao corpo, a cabeça levemente virada na direção da câmera e as pernas espalhadas. A imagem de um gato preguiçoso.

Havia também o lado da visão de Logan sobre as fotos. Dependendo do ângulo eu também me parecia com aquelas mulheres em pinturas antigas, sempre descansando casualmente sobre pedras. Quase uma sereia. Era lindo.

-Eu jamais poderia pedir que você jogasse coisas tão lindas fora. Você tem talento, deveria começar a apresentar sua verdadeira arte pro mundo. -Ele riu e colocou a câmera sobre a mesa de cabeceira.

-Talvez um dia. Se você for a minha musa. -Logan beijou meu pescoço, trazendo arrepios gostosos a tona novamente. Minha boca procurou a dele em um reflexo automático. Havia alguma coisa naquele homem maldito que sempre me atraia de volta para ele.

-Bem... Sua musa está com fome. -O sorriso que eu tanto amava estava de volta ao seu rosto. Ele afastou os cabelos de seus olhos e deu um último beijo na ponta do meu nariz.

-Que bom que escolhi um hotel com um ótimo serviço de quarto então. Porque não vamos sair daqui até amanhã.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...