História No amor e na guerra - Capítulo 3


Escrita por: ~ e ~aldinemendes

Postado
Categorias Orange Is the New Black
Personagens Alex Vause, Piper Chapman
Visualizações 69
Palavras 1.047
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Romance e Novela
Avisos: Adultério, Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Olá pessoal!

Antes de mais nada, gostaria de agradecer à todos que estão acompanhando o desenrolar desta trama, e especialmente aos que estão se manifestando, deixando seus comentários, suas opiniões.

Este é um capítulo curtinho, mas acreditem, é um capítulo de passagem e a emoção começará pra valer a partir dos próximos, podem acreditar.

Obrigada pelo carinho e ótima leitura a todos!

Capítulo 3 - Capítulo 2



Fort Dix, New Jersey
20 de agosto de 1990

 

A tensão no Oriente Médio, como era de se esperar, afetou diretamente a rotina dos militares no Fort Dix. Treinamentos físicos e táticos exaustivos passaram a  ser parte do cotidiano daquelas homens e mulheres, tudo isso além do clima de preocupação era motivo suficiente para tornar dias de raras folgas como hoje, ocasiões festivas.

A idéia como sempre era simples, ir até algum bar ou boate em Georgetown, passar a noite bebendo, e com um pouco de sorte, encontrar alguma mulher com quem passaria a noite, e para a qual nunca ligaria no dia seguinte. Sim, este sempre era o plano, pelo menos para Nichols.

Após finalizar o dia de treinamento tático com os soldados que haviam chegado a base nas últimas semanas, Capitão Vause seguia em direção à seu dormitório quando foi interceptada por Nichols em um dos corredores.

- E aí Vause, preparada para daqui a pouco? - Pergunta Nichols.

- Creio que não Nichols, já tive minha quota de idiotas para lidar por hoje. - Responde Vause com o semblante sério como sempre.

- Desta vez não terei um Não como resposta Vause. Vá para o seu alojamento, Mendes e eu passaremos lá em uma hora, e isso não está aberto a discussão. - Disse Nichols enquanto já saida andando pelo corredor.

Revirando os olhos, Alex entra em seu alojamento e começa a se arrumar, pois sabia que Nichols não estava brincando quando disse que não aceitaria um Não como resposta.

Algumas horas mais tarde, Nichols, Mendes, John e Vause estavam sentados à mesa de uma bar em Georgetown em uma discussão bastante animada acerca da última partida de bilhar, onde Nichols e Vause limparam os bolsos dos rapazes.

- Se você estivesse prestando atenção no jogo e não na vadia latina sentada no bar, ainda teríamos dinheiro para a próxima rodada. - Reclamava Mendes para John, que continuava a olhar para a mulher morena no bar.

Vause e Nichols riam descaradamente do comportamento dos rapazes, enquanto tomavam suas cervejas. A verdade é que nenhuma das duas precisava fazer qualquer esforço para chamar atenção de qualquer mulher no bar, e isso incomodava profundamente os rapazes, especialmente Mendes., o que tornava a situação ainda mais divertida para ambas.

Nichols normalmente não perdia tempo, e fazia bom uso de seu jeito extrovertido e charmoso para encantar as mulheres. Já Alex era bastante reservada, não dava muita abertura para aproximação de ninguém, mas sempre acabava envolvida em algum esquema de Nichols.

Naquela noite em especial Nichols estava bastante agitada, Alex chegou a pensar em sugerir à loira que pedisse às várias mulheres com as quais ela estava interagindo para que formassem uma fila na frente da mesa, assim facilitaria a ordem de quem teria os seus cinco minutos com Nichols primeiro. Porém, guardou seu pensamento para si e voltou-se para a loira quando a mesma chamou seu nome.

- Alex o esquema para hoje é o seguinte, faremos isso em duplas. Primeiro saímos daqui com Sandy e Rachel, depois quando voltarmos podemos sair com Lana e Sylvie, depois… - E Nichols é cortada por Alex.

- Você só pode estar brincando! O único lugar para onde eu pretendo ir é minha cama, e isso será em breve. - Responde Alex, ainda descrente da idéia de Nichols.

- Ah, qual é Vause! Você por acaso não estava lá hoje quando a Major Reznikov informou que estamos TODOS em alerta?! - Diz Nichols em tom exasperado. - Alex, a qualquer momento essa bomba pode estourar e nós seremos enviados para Alá sabe onde! Você tem certeza que vai ficar contando com o fato de que pode haver virgens por lá?

- Você sabe que não será dispensada por conta de sífilis, não sabe? - Responde Vause em um tom ácido.

- Você não pode culpar uma garota por tentar. - Diz Nichols com deboche.

- Nicky, o que está acontecendo é muito sério, e temos a oportunidade de fazer o que viemos aqui para fazer. Ajudar pessoas, salvar pessoas que estão sendo oprimidas, maltratadas e muitas delas mortas. - Diz Vause com certa indignação pelo comentário da amiga.

Vause e Nichols se conheciam há pelo menos 10 anos. Na época, Vause, já em carreira militar ha alguns anos, estava alocada no Fort Devens e cursava Engenharia Aeronáutica na MIT, enquanto Nichols, que é de Massachusetts, cursava Engenharia de Telecomunicações e acabara de ingressar nas forças armadas.

Apesar do jeito sério e áspero de Vause, Nichols conquistou sua amizade sendo extrovertida e por vezes até bastante rude, porém de caráter e dedicação incomparáveis. Quando Vause desde aquela época viu em Nicky um potencial incrível, ela não estava enganada, ambas fizeram uma carreira brilhante no exército e embora houvesse uma diferença de patentes, Alex tinha Nichols como uma profissional de igual competência.

- Vamos lá Vause, vai dizer que você não sente receio? Que não te assusta a idéia de ir parar numa linha de frente desse confronto? - Diz Nichols.

- Eu sei disso Nichols, e sim como você, todos nós temos receio do que possa acontecer. Mas você tem que enxergar o todo. Pode ser assustador, é claro que sim! Mas pense o quão assustador e também para aquelas pessoas que estão sofrendo com a invasão Iraquiana. E para as que sofrerão no mundo todo caso eles tomem posse do Kwait definitivamente. - Vause havia ganho a atenção, não apenas de Nichols, mas dos rapazes à mesa, que  olhavam espantados para a mulher determinada.

- Então, não. Eu não vou ficar pensando que isso pode ser ruim para nós. Eu não vou ficar com medo de fazer o que é certo e sendo egoísta. Nem sempre é fácil fazer o que é certo, mas eu não vou ficar aqui tomando cerveja e pegando qualquer uma em algum canto, quando eu posso fazer a diferença na vida dessas pessoas que precisam. Não é para isso que nós servimos nosso país?

Com estas palavras Vause se levanta da mesa e deixa o bar. Seus companheiro permanecem na mesa por mais alguns instantes e então, um a um também tomam seu caminho de volta à base com as palavras de Alex em mente.

“... nem sempre é fácil fazer o que é certo….”

 


Notas Finais


O próximo será em breve, prometo.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...