História No caminho para nós dois - Interativa - Capítulo 16


Escrita por: ~

Postado
Categorias Saint Seiya
Exibições 4
Palavras 3.130
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Bishoujo, Bishounen, Comédia, Drama (Tragédia), Fantasia, Festa, Ficção, Harem, Hentai, Mistério, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 16 - Dupla Surpresa


Viollet acordou mais cedo que o normal, andava zonza pelos corredores do castelo, até que foi tomada por uma sensação estranha. A loira decidiu seguir sua intuição e correu até a biblioteca. Chegando lá, caiu de joelhos com que viu.

-Cid? -Viollet perguntou incrédula, olhando para o homem à sua frente. El Cid vestia roupas da época atual, deixando a amazona em choque. -É você mesmo?

-Claro que sou eu, e quem mais poderia ser? -O capricorniano andou em direção a moça, fitando-a intensamente. -Eu estou aqui, e não pretendo ir a lugar algum.

-Mas como isso é possível? Achei que nunca mais te veria de novo. -Os olhos da loira se encheram de lágrimas, comovida com o reencontro. El Cid não se conteve e puxou Viollet para um beijo cheio de desejo e saudade, que foi retribuído com urgência. -Senti tanto a sua falta.

-Eu também, e me perdoe por nunca ter dito o quanto eu te amava. Você é a melhor coisa que já me aconteceu, e estou decidido a nunca mais permitir que fique longe de mim. -El Cid disse sério, abraçando Viollet apertado. -Você é minha.

-Sou sim, e não desejo pertencer a mais ninguém. -Viollet sorria para o capricorniano, que delicadamente enxugou suas lágrimas. -Mas eu ainda estou confusa: como conseguiu vir para a minha época?

-Foi a Nina. -El Cid comentou desconcertado. -Ela apareceu no passado, mas não foi nada bom.

-Como assim? -Viollet perguntou incrédula. -A Nina voltou ao passado e não disse nada? O que está havendo aqui?

-De início eu não a reconheci, por causa da cor dos cabelos. Mas quando eu olhei melhor para o rosto dela, pude reconhecer melhor. Pelo pouco que eu entendi, ela brigou com o Sísifo.

-Entendi. -A loira respondeu pensativa. -Depois eu converso com ela, agora vem que eu quero te mostrar o castelo.

-Que lugar é esse? Tem a energia parecida, mas não é o santuário. -El Cid perguntou confuso.

-O castelo dos deuses gêmeos, Thanatos e Hypnos. -Viollet normalmente.

-O que? -El Cid chocado. -Por acaso estão sendo mantidas como prisioneiras aqui?

-Claro que não, seu bobo. Thanatos e Hypnos são pais de Nina e as gêmeas, portanto são aliados de Atena. Fique tranquilo. -A loira sorriu, dando um tapinha nas costas de El Cid. -Agora vamos logo.

-Tudo bem. -El Cid deu de ombros e seguiu Viollet até o jardim.

Natsuhi e Aiolia foram convocados por Saori e Shion. O leonino e a pisciana aguardavam impacientes, e estavam odiando o fato de estarem sozinhos no mesmo ambiente.

-Não precisa fingir, você está odiando estar aqui tanto quanto eu. -Aiolia disse ácido, sem olhar para o lado.

-E não estou, meu silêncio demonstra todo o meu desprezo por você. -Natsuhi disse maldosa.

-Qual o seu problema, hein garota? Eu não te fiz nada. -Aiolia disse irritado, cruzando os braços.

-Você é atirado e sem noção, saliente até demais. -Natsuhi respondeu indiferente. -Detesto homens como você.

-Credo, coitado do cara que namorar você. -Aiolia respondeu debochado.

-Nem ouse falar mal do Albafica, você nunca vai chegar aos pés dele, seu retardado. – A pisciana disse entredentes. -Você me dá nojo.

-E você me entedia, garota irritante. -Aiolia cruzou os braços, olhando para o trono de Atena. -Seu namoradinho ficou no passado, melhor seguir em frente.

-Ora seu... -A ruiva se preparava para atacar o leonino, quando a deusa Atena e mestre Shion adentraram o salão.

-Mas o significa isso, amazona de peixes? -Shion perguntou irritado. -Você é uma amazona de ouro agora, comporte-se como tal.

-Me desculpe mestre Shion e deusa Atena, prometo que isso não acontecerá novamente. -Natsuhi respondeu envergonhada, se ajoelhando perante a deusa.

-Eu também peço desculpas. -Aiolia disse sem jeito, se ajoelhando ao lado de Natsuhi.

-Dessa vez passa. -Shion disse sério. -Nossa deusa tem uma missão muito importante para vocês dois.

-E que missão seria essa? -Aiolia perguntou curioso.

-Levantem-se. -Atena pediu gentilmente, Aiolia e Natsuhi prontamente a atenderam. -Sei que muitos acreditam que Nikki seja o meu báculo, mas na verdade ela reencarnou faz alguns anos, e preciso dela ao meu lado. Aqui está uma foto dela atualmente.

Aiolia ficou atônito ao ver o rosto da garota, era como se a conhecesse. Ele tentou disfarçar sua confusão e perplexidade, mas foi inútil, todos os presentes perceberam que havia algo errado com ele.

-Aiolia, você está bem? -Atena perguntou preocupada.

-Estou sim, não se preocupe. -O leonino respondeu sem jeito. -Quando devemos partir.

-Amanhã. -Respondeu Shion. -Retornem para suas casas imediatamente e se preparem.

-Sim. -Aiolia e Natsuhi responderam em coro, saindo do templo de Atena.

No covil de Ares, Seth e Cali não paravam de brigar, quase levando o deus da guerra a loucura. Ele já estava bastante arrependido de ter se aliado a eles, até que teve uma ideia para se livrar dos dois: ele preparou um grande banquete, alegando querer acalmar os ânimos de todos.

-E a que vamos brindar? -Cali perguntou desconfiada.

-A queda de Atena, que acontecerá muito, mas muito em breve. -O deus da guerra respondeu com um sorriso assustador, causando arrepios em todos no salão.

-Você está fazendo muito mistério sobre esse tal plano, se é que ele realmente existe. -Seth disse irritado, bebendo a taça de vinho de uma vez só. -Tenho a ligeira impressão de que está nos enganando.

-Mas é claro que meu plano para destruir Atena existe, só estou esperando o momento certo para colocá-lo em pratica, tenham paciência meus caros. -Ares respondeu despreocupado. -Enquanto não guerreamos, vamos beber mais!

-Se você diz... -Cali encheu sua taça de vinho, fazendo a vontade do anfitrião. Cerca de minutos depois ela começou a se sentir estranha, e percebeu que Seth estava da mesma forma. -Espera um pouco. O que você colocou nesse vinho, seu desgraçado?

-Um presente muito raro de uma velha amiga. -Ares sorriu maldoso, vendo os outros dois deuses caírem no chão em agonia. -Seus tolos, acham mesmo que eu preciso de dois inúteis feito vocês para me ajudarem a destruir Atena? Quanta burrice.

-Seu monstro miserável, eu vou acabar com você. -Seth tentou se levantar para atacar Ares, mas em vão. A dor e a agonia o consumiam lentamente, fazendo-o urrar de dor. -O que fez com a gente?

-Um veneno muito raro, capaz de matar deuses. Vou varrer suas existências desse mundo, e isso é só começo. -Ares respondeu sádico, se divertindo com o sofrimento de Seth e Cali. -Eu vou destruir todos os deuses que ficarem no meu caminho, e tomarei o controle do submundo, a Terra e o Olimpo. Todos se curvarão perante mim.

-Você é doente. -Cali disse quase sem forças. Ela e Seth continuaram definhando até se tornarem folhas secas.

-Enyo e Anteros, apareçam imediatamente. -Ordenou Ares, e logo aparecem dois bersekers trajando armaduras negras com detalhes em vermelho na sua frente. -Joguem essas porcarias no lixo.

-Como quiser, meu senhor. -Enyo disse normalmente, sumindo com os restos de Cali e Seth.

-Atena, você não tem ideia do quanto sofrerá... -O deus da guerra disse para si mesmo, rindo diabolicamente.

No castelo dos deuses gêmeos, Rin estava trancada em seu quarto. Os pesadelos com a mãe a atormentavam mais que o normal, desde sua última conversa com Saga. Ela acordou aos gritos e suando frio, se agarrando ao golfinho de pelúcia que Saga lhe dera na infância, antes de ser corrompido pelo mal. Ela ainda estava tentando processar tudo quando seu celular tocou.

Rin: A-alô?

Ren: Nee, sou eu. Você está bem?

Rin: Não, meus pesadelos voltaram com força total desde que eu vi Saga pela última vez. Sinto que vou enlouquecer.

Ren: Oh não, isso é péssimo. Estou indo para aí agora mesmo.

Rin nem teve tempo de responder quando sua irmã mais nova apareceu ao seu lado. As duas se abraçaram apertado, sem conter as lágrimas de emoção. As duas sempre foram muito unidas, e era Ren que acalmava a irmã mais velha quando ela tinha pesadelos.

-Ren nee, que bom que está aqui. Eu senti tanto a sua falta. -Resmungou a gêmea mais velha. -Não tem sido nada fácil esses dois meses aqui, todas ainda estão muito mal.

-Eu sei nee, lá no santuário não é muito diferente. -Suspirou Ren. -E como está a Nina san? Também estou preocupada com ela.

-Não sei, ela está sumida desde ontem. Na verdade, ela mal sai do quarto, tio Thanatos tem passado trabalho. -Rin comentou triste, pensando em sua prima.

-Entendo, deveríamos ter dado mais ouvidos as ordens de Atena. -Ren séria. -A propósito, eu tenho uma coisa para você.

Ren entregou um envelope dourado para a irmã, que sentiu seu coração disparar ao reconhecer a letra. Era uma carta de Saga. A gêmea mais velha leu a carta apressada, arregalando os olhos em cada palavra. Ao final seus olhos se encheram de lágrimas, molhando o papel.

-O que foi nee? O que dizia a carta? -Ren curiosa e preocupada ao mesmo tempo.

-Não quero falar sobre isso. -Rin virou o rosto, tremendo os lábios. -Vou me trocar, papai vai ficar feliz em te vez.

-Espero que sim. -Ren sorriu tímida.

No passado Sísifo fazia suas malas, estava com tanta raiva de Sasha que estava disposto a desertar do santuário. Ele já estava na casa de áries quando foi parado por Shion, Dohko, Régulus e Asgard.

-Você enlouqueceu, tio? -Régulus perguntou incrédulo.

-Por que quer fazer isso, Sísifo? Esqueceu que a pena para os cavaleiros que fogem do santuário é a morte? -Protestou Dohko.

-E se eu quiser morrer? -O sagitariano questionou irritado.

-O que está dizendo? Qual o sentido em querer morrer agora? -Asgard indagou.

-Não vejo mais sentido em ser um cavaleiro de Atena, aquela megera me tirou o que eu mais amava. Se eu ficar aqui vou matá-la. -Sísifo espumava de ódio ao falar de Sasha. -Aquela maldita destruiu a minha vida, eu a odeio!

Os quatro dourados tiveram dificuldades em controlar Sísifo, até que Shion lhe deu um golpe certeiro, fazendo o sagitariano cair desmaiado no chão.

-O que vamos fazer agora? -Régulus perguntou preocupado.

-Por hora acho melhor trancá-lo no Cabo Sunión. Vou relatar a Senhorita Atena o ocorrido.

-Está bem. -Asgard normalmente. -Dohko, me ajude a levar Sísifo para a prisão.

-Certo. -O libriano deu de ombros, segurando Sísifo de um lado.

-Tem algo muito estranho acontecendo aqui. -Shion murmurou para si mesmo, pensativo. -Espero que a minha pupila esteja bem.

Ainda sem conseguir processar direito tudo o que havia visto no passado, Nina olhava com os olhos cheios de lágrimas para a pulseira que Sísifo lhe dera. Tinha vontade de destruir e atirar longe o delicado adorno, mas os sentimentos que nutria pelo sagitariano a impediam.

-Mas que droga! Onde é que eu estava quando fui cair na lábia daquele safado? – A morena murmurou para si mesma. -Foi muita inocência da minha parte achar que ele me esperaria ou daria um jeito de me encontrar.

Nina continuou chorando e lamentando seu coração partido, até que Viollet entrou em seu quarto abruptamente, descabelada e esbaforida.

-Bater na porta antes é bom, sabia? -A amazona de serpentário disse ácida, limpando as lágrimas.

-Nina minha amiga, o que houve? -A loira perguntou preocupada, abraçando a amiga apertado. -Você está bem? E o que aconteceu com seu cabelo?

-Outra hora eu te conto. -A morena disse indiferente. -Por que está assim? Onde está seu amado?

-Então foi mesmo você. -Viollet disse debochada. -Ele está com Lilly e Akira, elas precisam de você urgente, Dra. Orso.

-Está bem, vamos lá. -Nina foi até o banheiro, lavou o rosto e seguiu Viollet.

Akira e Viollet estavam deitadas na cama de Thanatos, bastante confusas e atordoadas. As gêmeas não saiam do lado das duas, aflitas. El Cid apenas observava, sério e calado. Rin e Ren estavam quase surtando quando Viollet finalmente apareceu trazendo Nina.

-Por que demoraram tanto? Achei que você tinha ido fabricar a Nina. -Rin disse impaciente.

-Cale a boca, todos aqui temos nossos problemas. -Nina disse séria. -O que aconteceu com elas?

-Elas estavam passeando pelo jardim quando se sentiram mal e desmaiaram. Seu pai viu tudo e as trouxe para cá. -El Cid finalmente se manifestou. -Ainda não consigo acreditar que você é filha do deus da morte.

-E a sua namorada é filha de Eros, neta de Ares. -Nina respondeu indiferente, quando percebeu a expressão de perplexidade do capricorniano. -O que foi? Não sabia? Tirando a Lilly, todas aqui somos filhas de deuses, está rodeado de semideusas.

-Isso não importa agora. -Ren disse séria. -Nina-san, por favor, examine as meninas logo.

-Certo. -Nina alongou os dedos e se aproximou das duas. -Então senhoritas, digam-me o que estão sentindo.

-Me sinto tonta, enjoada. Tenho vomitado quase todas as manhãs e tenho a impressão de estar um pouco enjoada. -Akira respondeu manhosa.

-Eu me sinto da mesma forma, e tenho andado com uma vontade louca de comer caju, que é uma fruta que eu detesto. -Lilly disse calmamente. -Por que só nós duas estamos assim?

-Tem mesmo certeza de que não sabe por que está assim? -Nina perguntou irônica. As duas negaram, então a morena elevou o cosmo e colocou a mão na barriga das duas. Quando terminou, sorria convencida. -Eu já sei o que vocês duas tem. Mas meu maior questionamento é: Quem são os pais?

-O QUE? -Todos no quarto perguntaram incrédulos.

-Quer dizer então que elas estão grávidas? -Viollet estava de olhos arregalados.

-Não é preciso nem ser médico para saber disso, é só observar o comportamento delas recentemente. -Nina estava um pouco mais animada, sorrindo fraco. -E vocês estão atrasadas, não estão?

-Estamos. -Akira e Lilly responderam em coro.

-Suas desmioladas, como vocês puderam fazer uma besteira dessas? -Luka apareceu do nada, berrando no meio do quarto. Ela estava acompanhada de Maya. -E eu também quero saber quem são os pais.

-Contem logo. -Rin disse impaciente. -Camus/Milo ou Asmita/Kárdia?

-Camus, com certeza. -Akira respondeu envergonhada.

-Milo. -Lilly corou.

-Hades vai mata-lo. -Maya riu.

-Verdade, eu não gostaria de estar no lugar do picolé. -Luka debochada.

-Esperem um momento. O que vocês duas estão fazendo aqui? -Nina encarava as duas, com os braços cruzados.

-Não tem clima para permanecer no santuário por enquanto, por isso decidimos vir para cá. -Luka normalmente.

-Sim, tem acontecido muitas coisas. Estamos muito magoadas com Dohko e Shion. -Maya comentou cabisbaixa.

-Entendi. -Viollet suspirou, abraçada em El Cid. -Esse castelo se tornou um refúgio para corações partidos.

-Mas pelo visto o seu está bem inteirinho, não? -Luka riu, olhando para El Cid. -Tem muitas coisas acontecendo aqui. O que estamos perdendo?

-Eu fui para o passado ontem à noite e El Cid veio comigo. -Nina normalmente. -E meu cabelo mudou de cor porque meu pai removeu o selo que não permitia que eu usasse todo o meu poder.

-Eu não quero ser intrometida, mas... -Akira levantou a mão. -O que eu vou fazer agora? Como eu vou contar ao Camus que eu estou grávida?

-E como eu vou dizer ao cabeça oca do Milo que vamos ter um bebê? -Lilly nervosa.

-Primeiro de tudo eu vou levar vocês duas ao hospital para fazerem exames mais precisos. Tenho que saber de quantas semanas estão, se está tudo bem com vocês. Quem sabe até o sexo dos bebês. -Nina comentou sorridente. -Agora se arrumem e vamos!

-Sim senhora! -Akira e Lilly atenderam ao pedido da morena, indo para seus quartos.

Todos saíram do quarto de Thanatos, se dispersando. Luka e Maya se juntaram as gêmeas, enquanto Nina acompanhou Viollet e El Cid até a sala de entrada. Os três pareciam os menos chocados com todos os acontecimentos.

-Vocês viram meu pai e meu tio? -Nina perguntou curiosa.

-Eles foram visitar Atena. -Viollet normalmente.

-Oh, entendo. -Nina riu baixo.

-E quanto a você, o que vai fazer agora? -A loira estava preocupada com a amiga.

-Foi um choque ver o Sísifo dando uns amassos na Sasha, mas eu vou seguir em frente. Não há mais nada a ser feito. -A morena deu de ombros. -Até mais tarde.

-Tchau. -Viollet se despediu. El Cid apenas acenou com a cabeça. -Nunca achei que Sísifo fosse capaz de algo assim, estou decepcionada.

-Não sei o que está acontecendo, mas o Sísifo que eu conheço nunca faria algo assim. Ele realmente amava a Nina, tem algo muito errado. -El Cid comentou pensativo.

-Concordo. -Viollet abraçou o capricorniano, puxando-o para um beijo.

No santuário Aiolos, Milo, Camus, Saga e Dohko estavam reunidos em frente à casa de escorpião. Os cinco cavaleiros estavam muito tristes e cabisbaixos, sofrendo por suas amadas amazonas.

-Credo, essas caras de enterro de vocês está me dando dor de barriga. -Afrodite apareceu acompanhado de Máscara da Morte, os dois riam dos outros cinco. -Principalmente você, Aiolos.

-Não enche, florzinha. -O sagitariano respondeu mal-humorado.

-Você debocha da gente porque é um dos únicos que está numa boa com sua amazona. -Resmungou Milo.

-Eu não tenho culpa se vocês só fizeram cagada com as mulheres que amavam. -O pisciano ria maldoso.

-Continue me provocando que eu vou arrancar essa sua peruca, flor do santuário. -Milo disse alterado, sendo segurado por Camus e Dohko.

-Escuta Afrodite, você não tem nada melhor para fazer? -Saga perguntou irritado.

-Não, mas eu tenho uma proposta para vocês. -Afrodite disse convencido.

-E o que você quer em troca? -Aiolos perguntou desconfiado.

-Não queremos nada, mas temos que pensar em todo o resto. -Máscara da Morte disse sério. -O santuário pode sofrer um ataque a qualquer momento, e estamos desfalcados de cavaleiros. E nós temos uma ideia que pode convencer as amazonas a voltarem para cá.

-E que ideia seria essa? -Dohko curioso.

-Muito simples. -O canceriano disse levantando o indicador. Ele contou detalhadamente todo o plano, enquanto os demais prestavam atenção. -O que acham?

-Realmente é uma boa ideia, mas será que elas vão ceder tão fácil assim? -Aiolos levantou uma sobrancelha, duvidando dos dois.

-Confiem na gente, vai dar tudo certo. -Afrodite disse convencido.

-Está bem. -Saga cruzou os braços. -Digamos que concordemos com isso, dentro de quanto tempo vamos até o castelo?

-Três dias. -Máscara da Morte normalmente.

-Três dias? -Os cinco perguntaram em coro.

-Mas é muito pouco tempo. -Reclamou Dohko.

-Não vamos estar prontos até lá. -Resmungou Milo.

-Isso é loucura. -Camus fechou a cara. -Me recuso a participar.

-Então diga adeus a filhinha de Hades. -O pisciano disse maldoso.

-Tá bom, tá bom. Pela Akira, -Camus rabugento. -E também pela Nina.

-Eu é que deveria dizer isso. -Aiolos enciumado.

-Calem a boca! -Afrodite gritou irritado. -Nos encontrem hoje à noite na casa de peixes.

-Ok. -Os cinco disseram em coro, dispersando. Afrodite e Máscara continuaram conversando entre si, pensando e planejando melhor o plano que colocariam em prática muito em breve. As amazonas teriam uma surpresa e tanto.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...