História No fundo ... Eu sempre soube. ( Reescrita ) - Capítulo 5


Escrita por: ~

Postado
Categorias Naruto
Personagens Kakashi Hatake, Naruto Uzumaki
Tags Kakashi Hatake, Lemon, Naruto, Naruto Uzumaki, Yaoi
Visualizações 174
Palavras 2.487
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Drama (Tragédia), Lemon, Luta, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Yaoi
Avisos: Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 5 - A verdade é revelada.


- Isso não foi impressão minha ... Foi? Perguntou ele sério.

- Não, alguém estava nos observando. Respondi enquanto aproveitava a ausência da bandana para usar o sharingan. Porém não obtive o resultado esperado, encontrando apenas uma fraca aura de chakra que não podia ser rastreada.



- Tem alguma possibilidade, de ter sido um animal? Perguntou Naruto, enquanto voltavamos.

- Não .. Eu tenho certeza que era humano e sem sombra de dúvida estava nos observando. Agora só resta saber se nós somos o alvo ou o que está no caminho do alvo. Expliquei enquanto formulava uma ideia, para acabar de vez com as dúvidas.




Capítulo 5: A verdade é revelada.




Alguns minutos mais tarde chegamos na construção. Ajeitei a bandana sobre o sharingan e depois fui até Jah, o responsável por supervisionar a obra. Ele era um homem trabalhador, e muito alegre.

- Que bom, que voltaram. Venham temos muito trabalho para fazer. Naruto porque não vai até as mulheres e ajuda a ...

- Desculpe, mas não iremos agora. Eu tenho algo a tratar com o chefe da vila. Expliquei interrompendo - o seriamente e vendo - o me olhar surpreso e um pouco preocupado. Ele estava temeroso ... Como alguém que esconde um segredo e sente que foi pego.

- C..certo. Vejo vocês mais tarde. Encerrou ele já se retirando. A sua fisionomia agora estava tensa. Ele caminhava rapidamente, como se quisesse fugir de mim ... Aquela era a resposta para as minhas suspeitas ... Agora eu só precisava descobrir o tamanho do problema no qual estávamos envolvidos.

- Kakashi Sensei ... Você vai falar com ele sobre o que aconteceu, agora à pouco? Perguntou Naruto referindo - se ao nosso misterioso observador.

- Mais ou menos. Respondi virando - me para ele e me aproximando, para que ninguém mais ouvisse nossa conversa.

- Escute. É difícil explicar todos os detalhes, mas eu acredito que tenhamos sidos enganados. Acho que esse pessoal pode estar sendo alvo de ninjas. O por quê, eu ainda não sei. Mas a cada minuto fico mais convencido de que em breve estaremos com grandes problemas. Disse - lhe vendo um semblante preocupado aparecer no seu rosto.

- Então seria como aquela missão aonde encontramos o Haku e o Zabuza? Perguntou ele já entendendo o que eu queria dizer. A nossa missão era de nível C, ajudar na construção e proteger os habitantes dos animais ... Porém há uma alta probabilidade de que eles estejam sendo caçados, por ninjas, fazendo com que o nosso trabalho seja muito mais perigoso. Transformando - a numa missão nível A, ou até uma de nível S, dependendo de quem são os inimigos.

- Para ser honesto, eu não quero me envolver em problemas desnecessários, então eu pretendia apenas descobrir a verdade e depois voltar para a vila. Afinal se eles realmente mentiram, é uma quebra de contrato e não precisamos mais segui - lo, mas ...

- Não podemos fazer isso. Se nós abandonarmos essas pessoas elas irão morrer. Disse Naruto com um tom de voz firme e decidido. Algo que eu já esperava

- Eu sabia que você diria isso. Lamentei com um suspiro. Ele sempre se preocupava com os outros e não abandonaria alguém que precisasse de ajuda. Eu não podia força - lo a desistir, então a única alternativa era ajudá - lo.

- Eu preciso fazer o chefe nos dizer a verdade. Quanto mais informações tivermos, mais preparados estaremos quando o inimigo chegar. Esclareci vendo - o abrir um leve sorriso.

- E como faremos isso? Perguntou curioso.

- Deixe comigo apenas observe e não diga uma palavra ... Independente do que ouvir. Pedi recebendo um aceno de cabeça afirmativo. Logo em seguida, fomos até a casa do chefe. Que após saber que gostaríamos de conversar, nos levou até um quarto cheio de livros e documentos, algo como um escritório.

- Então ... Sobre o que querem conversar? Perguntou ele depois de se sentar em uma almofada e gesticular para que o acompanhassemos, sentando à sua frente.

- Senhor Garo. Eu vou ir direto ao assunto. O que você está escondendo de mim? Perguntei vendo - o apertar a mão com força em um sinal de nervosismo.

- Eu não sei do que está falando. Disse ele com uma voz tranquila. A voz de alguém que estava decidido a esconder algo. Porém o seu corpo rígido e tenso entregava - o. Eu não era um mentiroso tão convincente, mas sabia usar uma mentira quando fosse necessário.

- Hoje, enquanto estávamos na floresta, eu e Naruto fomos atacados por um grupo de ninjas. Saímos completamente ilesos, com um pouco de sorte. Ao mentir, você coloca a nossa vida em risco assim como de toda a sua vila. Fale a verdade ou irei abandonar a missão? Insisti colocando - o contra a parede.

Como o prometido Naruto apenas escutou, sem mencionar uma única palavra. Porém eu podia ver em seu rosto o desagrado ... Por ter mentido sobre o ataque e por ter ameaçado o chefe da vila. E embora eu não quisesse deixá - lo triste, não havia outro caminho a ser seguido.

- Tudo bem ... Eu irei lhe contar toda a verdade ... Então por favor, prometa que não nos abandonará. Pediu ele abaixando sua cabeça em um pedido humilde. Diferente de antes, aqueles palavras estavam cobertas de desespero e medo. Por um instante me senti culpado, por fazer aquele senhor se sentir de tal maneira.

- Conte - me a verdade e não volte a guardar segredos. Se fizer isso não irei a lugar algum até que estejam seguros. Garanti dando - lhe a minha palavra. E vendo - o concordar com um sorriso.

- Pode parecer mentira, mas eu juro, pela vida de todo o meu povo, que não sabemos o motivo pelo qual estamos sendo atacados. Começou ele despertando o meu interesse.

- Há seis meses atrás, a nossa antiga vila foi atacada ... De 500 habitante que viviam nela ... Apenas 300 sobreviveram. Perdemos muitas crianças, quase todos os idosos e nossas casas. Com medo de um novo ataque, nós começamos a viajar, assim como os nômades, não ficávamos muito tempo em um único lugar, e isso nos protegeu por cerca de um mês.

- Depois os ataques recomeçaram, enquanto estávamos viajando, de um acampamento até outro. A cada ataque várias pessoas eram mortas e uma mulher era sequestrada. Nos últimos meses fomos atacados mais 7 vezes. Dos 300 habitantes da antiga vila apenas 73 restaram e 7 mulheres foram sequestradas. Explicou ele, dando - me uma pista do que estava acontecendo.

- Dentre o nosso grupo há 5 grávidas. Nós decidimos então parar de fugir. E tentar sobreviver, e foi ai que contratamos os ninjas. Encerrou, com uma expressão séria.

- Alguma semelhança entre as mulheres que foram sequestradas? Perguntei curioso.

- Todas eram herbalistas, que deixaram suas vilas e antigas casas por motivos pessoais. Não se sabe muito sobre a história de cada uma, pois a maioria das pessoas que estão aqui, não querem lembrar do seu passado, ou querem esquecê - lo. Respondeu ele fazendo com que as peças se encaixassem.

Herbalistas são famosas por estudar e preparar medicamentos à base de ervas. Dependendo do lugar aonde é criada, uma herbalista pode ser uma ótima médica ou uma arma mortal e dependendo das ervas que tem a sua disposição, a sua experiência e conhecimento é diferente, fazendo com que cada uma seja única. Esse era o motivo dos sequestros, alguém que desejava conhecimento, planejou o sequestro das mulheres ... Porém ainda faltava algo.

Se o objetivo era o sequestro, porque não fazê - lo todo de uma única vez. Em cada ataque apenas uma mulher foi levada, não podia ser coincidência. Era premeditado .... Mas por quê? E por que aquela vila?

- Tem mais alguma coisa que eu precise saber? Perguntei apenas para garantir.

- Ainda sobraram duas herbalistas que se encaixam no padrão de sequestro, uma delas esta grávida e é ...minha filha. Encerrou ele com lágrimas nos olhos. Naquele momento eu não olhava para o chefe Garo e sim para o pai de Sandra.

- Naruto reúna a vila, eu tenho um comunicado a fazer. Disse - lhe já vendo - o sair. Uma hora mais tarde todos se encontravam em frente a casa do chefe e me encaravam com olhos que variavam de preocupação a raiva. Após dar um longo suspiro eu comecei a falar.

- O chefe me contou a verdade, sobre o ataque dos ninjas e os sequestros. Expliquei vendo o pânico tomar conta de seus rostos. Era muito fácil ler o que se passava em suas mentes, provavelmente algo como " Essa não, agora ele vai ir embora ".

- Eu estou disposto a ajudar, mas só farei isso se vocês me ajudarem. Preciso que respondam as minhas perguntas e que sigam minhas ordens, ou não poderei ajudar. Esclareci recebendo um grande silêncio. Todos pareciam pensar e estavam relutantes.

- Se você está disposto a ajudar ... Eu farei o mesmo. Disse um rapaz do grupo mais jovem.

- Ele tem razão. Eu também ajudarei, disse outro rapaz começando a convencer os mais velhos.

" É isso, vamos todos ajudar " concordou um senhor. " Eu não posso fazer muito ... Mas ajudarei como puder " disse uma das mulheres e assim um a um proclamaram a sua decisão de ajudar. O que facilitou muito a minha vida.

- Aí está a sua resposta Sensei ... E agora o que deseja de nós? Perguntou Jah tomando o direito de ser o porta voz de seus camaradas.

- Eu soube que Sandra é uma das possíveis vítimas para um próximo sequestro, quem é a outra? Perguntei vendo em seguida uma jovem de no máximo 25 anos sair da multidão. Dando alguns passos à frente.

- Sou eu. Respondeu ela timidamente. Parecia ser do tipo reservada e não gostava de ter atenção, mas mesmo assim se mostrou, uma atitude no mínimo admirável.

- Como se chama? Perguntei gentilmente chegando um pouco mais perto.

- K..Karin. Respondeu de cabeça baixa. " É um belo nome " Disse - lhe calmamente, como uma forma de agradecer por ter me respondido, antes de voltar a minha atenção aos demais.

- Sandra e Karin, serão nossa prioridade, assim como as grávidas. Se uma invasão acontecer ou eu der a ordem Jah, você deve reuni - las e escoltá - las até aqui, na casa do chefe. Escolha 5 ou 6 homens para te ajudar. Expliquei recebendo apenas um sinal afirmativo.

- Eu tenho uma suspeita, sobre o motivo pelo qual vocês foram atacados ... Mas preciso fazer uma pergunta para ter a certeza. Como ocorreram os ataques? Descrevam a maior quantidade de detalhes que conseguirem. Pedi já escutando atentamente as primeiras respostas.

- Eles sempre atacavam em muitos. Disse alguém para a minha surpresa.

- É verdade eram dezenas. Disse outro já confirmando as minhas suspeitas.

Durante os próximos dois minutos obtive mais algumas informações de fato úteis. " Eles não pareciam se importar com seus companheiros, eu mesmo vi, dois deles tentando se matar " Disse um dos mais velhos. " Pareciam crianças, sem a supervisão de um adulto. Se eu não estivesse vendo não acreditaria que era um ataque " Disse uma mulher grávida. " Para ninjas eles eram bem desorganizados " Disse um ex ninja. Antes da conversa se encerrar.

- Eu já cheguei à uma conclusão. Mas antes de dizer o que é ... Eu vou fazer uma correção. As pessoas que atacaram vocês não eram ninjas, eram pessoas que almejavam ser um. Expliquei vendo seus rostos confusos.

- O que isso significa? Perguntou a esposa de Garo e antiga Kunoichi.

- Os ninjas de hoje, são muito bem treinados. Não seria necessário dezenas de ninjas para aniquilar uma pequena vila de 500 habitantes. Dependendo de quem for ... Um único ninja é suficiente. Expliquei vendo seus rostos se tornarem expressões de medo

- Kakashi Sensei ... Você está assustando todo mundo. Sussurrou Naruto para que eu ouvisse.

- O que você quis dizer com " não eram ninjas " eu consegui entender mas e a parte do " almejavam ser um "? Insistiu a antiga kunoichi.

- Vamos dar um exemplo. Imaginem que eu sou o inimigo, um ninja extremamente habilidoso e de grande reputação e todos vocês são ninjas iniciantes e querem me servir. Eu preciso de um modo de fazer uma seleção. Comecei indo até Karin e estendendo a mão para ela, que com um pouco de hesitação a segurou.

- Digamos que eu deseja conhecimento médico, eu faço uma pesquisa e descubro que em uma certa vila a uma grande quantidade de herbalistas e então decido juntar o útil ao agradável, conseguindo o que eu quero e testando a todos. Terminei colocando Karin diante deles.

- Por fim, só é preciso uma ordem. Primeiro eu Defino o alvo. Que será Karin e depois repasso da seguinte maneira. Eu a quero e aquele que a trouxer a mim, terá treinamento e poderá trabalhar comigo, ou algo assim. Encerrei explicando da melhor maneira que pude, antes de soltar a mão dela e sussurrar um gentil obrigado.

- Por isso o seu ataque é desorganizado, inexperiente e por isso eles não se importam com seus companheiros. Bom ... é isso. Agora continuando. Os animais da floresta tem desaparecido em grande quantidade e eu e Naruto já fomos observados. O próximo ataque acontecerá nos próximos dias. Então fiquem alertas.

- A probabilidade de eles atacarem a noite é grande. Pois durante o dia seriam alvos fáceis para um ninja mais experiente. E o medo dos animais atacarem é maior quando não se pode vê - los. Expliquei vendo - os não dizerem nada.

- A partir de hoje eu e Naruto vamos descansar durante o dia para fazermos rondas à noite. E por estarmos fora de vista, faremos eles se entregarem com mais facilidade. Voltem ao trabalho normal, eu e Naruto estaremos no quarto. Se virem ou ouvirem alguma coisas estranha nos chamem. Encerrei dando - lhes uma ordem.

" Certo " " Tudo bem " " Como quiser " concordaram eles já se dispersando. Antes de nós voltarmos para dentro.

Eu me sentei, encostando - me na parede, enquanto observava Naruto revirando em sua bolsas, como se procurasse por algo que não estava ali.

- Tudo bem? Perguntei achando o seu comportamento estranho.

- Você prefere garotas tímidas? Perguntou ele do nada me encarando com uma expressão séria.

- Acho que não ... Nunca pensei nisso. Por que? Perguntei surpreso pelo assunto que surgiu de modo tão súbito.

- Você estava bem atencioso com a tal de Karin. Disse ele com um tom de pura e simples raiva. Eu mal podia acreditar, mas estava vendo com meus próprios olhos ... Aquilo definitivamente era ... Ciúme.

Contínua..

Notas Finais


O próximo capítulo será postado dia 11/08 na sexta - feira a noite. Até.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...