História No Romeo, No Juliet - Capítulo 4


Escrita por: ~

Postado
Categorias Dylan O'Brien, Gigi Hadid, Justin Bieber, Kendall Jenner, One Direction, Teen Wolf, Zayn Malik
Personagens Dylan O'Brien, Gigi Hadid, Justin Bieber, Kendall Jenner, Niall Horan, Zayn Malik
Tags Drama, Fanfic, Romance, Zayn Malik
Exibições 23
Palavras 2.098
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Colegial, Crossover, Drama (Tragédia), Escolar, Esporte, Festa, Ficção, Luta, Mistério, Policial, Romance e Novela, Saga, Suspense, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Olá, meus amores. Demorei, mas voltei com mais um capítulo pra vocês.

Segue os personagens:

Zayn Malik como Zayn Malik
Gigi Hadid como Alexia Bernardi
Justin Bieber como Justin Bernardi
Zoe Kravitz como Tessália Abrams
Dylan O’brien como Nico Bustamant
Niall Horan como Niall Horan
Maluma como Priam Malik
Halsey como Rúbia Ramirez
Kendall Jenner como Susan Brandon

Aproveitem a leitura.

| Fanfic escrita e totalmente desenvolvida por mim, com todos os direitos reservados. PLÁGIO É CRIME.| Obs: não pratique certos atos ilícitos contidos na fanfic. |

Capítulo 4 - Capítulo 03. No control


Fanfic / Fanfiction No Romeo, No Juliet - Capítulo 4 - Capítulo 03. No control

 

POV: ZAYN MALIK.

 

Já não tinha controle sobre meu corpo, meu rosto estava ficando perto demais do dela, meus batimentos se descompassarão no mesmo instante, podia até sentir a respiração da morena sobre meus lábios... 

Tessa rapidamente deitou seu rosto em meu ombro, me impedindo de fazer o que estivesse tentando. Confesso que fiquei um pouco decepcionado com a atitude da garota, mas ela estava certa, um beijo poderia estragar nossa amizade, além disso, eu estava envolvido com outra pessoa.

— Zayn?

Ouvi a voz de Alexia lutando contra o som pesado de Tyler, The Creator que começara a tocar. Movi meu corpo na direção da loira, afastando-o de Tessália.

Alexia estava num vestido vermelho justo e curto demais em seu corpo, estava sem maquiagem e seus cabelos estavam lisos.

— Alexia! – sorri, abraçando Tessália de lado e me aproximando da loira, que não fazia uma cara muito boa – Essa aqui é a Tessália, a aniversariante que te falei.

Então larguei o corpo da morena, esperando que as duas sorrissem e se cumprimentassem.

— Oi – disse Tessa.

— Oi, muito prazer, me chamo Alexia – a cumprimentou com um beijo no rosto – Meus parabéns, que festa incrível de aniversario!

Se cumprimentaram, mas não sorriram.

— Obrigada – suspirou Tessália e enfim sorriu – Achei um pouco exagerado, mas o que poderia esperar dos irmãos Malik?

Rimos.

— Bom, vou indo pegar uma bebida. Vou deixar vocês dois sozinhos... – continuou a morena, sorridente – Aproveitem bem a minha festa de aniversário, foi um prazer te conhecer.

 

            Tentei dançar com Alexia, fiz piadas tentando fazer ela sorrir, mas nada tirava aquela cara amarrada em seu rosto. Decidi subir com a loira até meu quarto, para uma conversa.

            Fechei a porta, observando a garota se sentar em minha cama ainda com aquela expressão fechada, cruzando os braços quando me viu se aproximar e sentar-se ao seu lado.

            — Ah, qual é hein, Alexia? – toquei em seu braço gelado.

            — Zayn, o que foi aquilo lá em baixo? Me explica porque estou bem confusa com o que vi! – me encarou, descruzando seus braços.

            — Especifique melhor...

            Sabia bem sobre o que ela estava se referindo, mas precisava ganhar tempo.

            — Como assim “especificar melhor”? Caramba, vocês estavam tão grudados um no outro. Você fica com ela também, ou o quê? – apertou os olhos rapidamente e voltou a me encarar.

            — Você está com ciúme? – quis rir.

            — É claro que não... – me deu um tapa para que eu parasse de sorrir, funcionou – Só acho que você deve ser sincero comigo, ué. Sei que não sou sua namorada, nem nada... Mas acho que mereço saber se sou a única garota da sua vida.

            — Para de ser boba, Alexia – quis rir novamente – A Tessália é minha melhor amiga, quase uma irmã pra mim, a gente só estava dançando, não tinha nada demais ali... Mas até que valeu a pena te ver com ciúme sabia? – aproximei meu rosto do dela.

            — Ah é? – ela se segurava para não sorrir, arqueando uma das sobrancelhas enquanto voltava a cruzar seus braços – Por quê?

            — Porque você fica extremamente linda desse jeito...

            Ela sorriu, então aproveitei aquele sorriso pra amolecer qualquer marra daquela garota, a beijei.

 

            Minutos depois, meu corpo já estava em cima do dela. Minha respiração ia contra sua boca que entreaberta procurava meus lábios, minha mão passeava indecentemente sobre seu corpo, deixando subir um pouco seu vestido e as mãos da loira acariciavam minhas costas por dentro da blusa. Estava cada dia mais difícil ficar perto daquela garota.

            — Acho melhor você ir com calma... – sussurrou ela entre meus lábios, enquanto afastava meu corpo de cima do seu.

            A loira respirava ofegante, provavelmente estava em chamas, assim como eu também estava. Alexia se levantou e foi até o banheiro de meu quarto, enquanto me concentrava tentando comportar meu corpo. Suspirei alto e em seguida fitei o teto, ouvindo a música alta transpassar as paredes.

 

            Na manhã seguinte, abri meus olhos e dei cara com Alexia deitada sobre meu braço, me olhando de pertinho, vestida com uma das minhas blusas, que estava enorme em seu corpo.

            Fiquei um pouco sem jeito em vê-la admirar meu rosto amassado pelo sono e ainda sorrir por conta disso. Tentei esconder meu rosto, enquanto dizia contra minhas mãos:

            — Bom dia, loirinha... – livrei minha mão do rosto e ela ainda me olhava daquele jeito. Ajeitei minha blusa em meu corpo.

            — Bom dia, moreno.

A loira piscou pra mim, passando sua mão em meu rosto e o puxando pra selar seus lábios nos meus. Fui me afastando dela com delicadeza, me levantando da cama sem o menor jeito, ainda meio perturbado com o sono. Logo ela veio também, caminhamos juntos pro banheiro, fazendo nossa higiene bucal juntos, dividindo a pia pra lavar nossos rostos, como um casal sobre o mesmo teto.

— Vou preparar seu café... – beijei sua testa – Fica a vontade, depois é só descer...

— Está bem – sorriu agarrando a toalha de rosto em sua mão.

 

Desci a escada, ainda meio pesado pelo sono. Mal dormi, pensando em como não querer acordar Alexia o tempo todo para que terminássemos o que sempre começávamos, estava louco pra sentir aquela garota. Apertei meus olhos descendo os dois últimos degraus e ao terminar vi algumas armas de fogo espalhadas no carpete, era em torno de cinco armas de espingardas a revolveres. Em seguida, vi meu irmão sair de trás do balcão da cozinha limpando um revolver dourado com uma flanela.

Fui até ele com um olhar desesperado.

— O que significa isso, Priam?! – segurei seu braço esticando a arma aos meus olhos, vi que a mesma trazia o apelido “Primo”, como Priam era conhecido criminalmente – Está montando um arsenal agora?!

— São meus novos brinquedinhos, precisava de mais – sorriu ele, ainda limpando seu revolver dourado – Essa aqui é minha preferida, é de ouro, feita especialmente pro Primo aqui – esboçou uma gargalhada baixinha e convencida.

— Você tem que levar isso lá pro porão agora! Estou com alguém lá em cima, Priam! – continuava surrando nervosamente, soltando seu braço e levando minha mão à minha cabeça.

— Quem é a gatinha? Se for a Tessália, está em casa, irmãozinho!

— Tessália? Por que seria ela? Ficou maluco?

— Qual é, Zayn? – riu – Todo mundo viu como vocês dois estavam ontem. Não te culpo, maninho, deve ser muito difícil ser apenas amigo de uma gata daquela.

— Não, não tem nada a ver. Ainda sou amigo dela, não rolou nada ontem. Todo mundo está imaginando coisa! Estou com a Alexia lá em cima, cara...

Priam revirou os olhos no mesmo instante que pronunciei o nome dela, ele ainda achava burrice ficar insistindo naquela história.

— Zayn?...

Ouvi a voz de Alexia ecoando, enquanto escutava seus primeiros passos na escada... Sacudi o ombro de Priam em desespero:

— Se livra disso agora!

Corri pra escada a encontrando nos primeiros degraus, a segurei pela nuca, nem sei se havia me livrado daquele olhar desesperado, só sei que beijei sua boca e em seguida disse:

— Não tem nada de muito especial pro café, que tal se a gente for comer fora? Hm? – segurei seu rosto, acalmando meus batimentos e a olhando nos olhos, ela parecia confusa.

— Vamos sim – sorriu ela, relaxando sua expressão.

— Então, vamos pro quarto trocar de roupa... – abracei seu corpo de lado, terminando de subir as escadas.

 

Parece que não teríamos sossego no dia de hoje, aliás, parecia que todos os dias seriam assim.

Levei Alexia numa cafeteria pequena, era a mais conhecida na região, riamos bastante e conversávamos. Depois que paguei a conta, segurei a mão da loira e caminhamos para fora local. E lá estava Justin, com suas roupas largas, encostado em seu carro BMW branco, dessa vez ele estava sozinho.

Alexia tentou soltar minha mão, mas apertei a mão da loira com força para que ela entendesse que devia, ou podia, continuar de mãos dadas sem se preocupar com o babaca de seu irmão. Ela tentou se soltar mais uma vez, mas eu insistia.

— Zayn, por favor... – pediu ela num sussurro desesperado.

Então a soltei. Ela caminhou cabisbaixa até o irmão, parecia estar muito envergonhada. A acompanhei dando passos vagarosos, até ficar cara a cara com o moleque.

— Casa da Bianca, né Alexia? – disse Justin segurando o rosto da irmã com força para que ela o olhasse, em seguida soltou bruscamente o mesmo – Se o papai soubesse o que você anda fazendo quando inventa essas desculpas na certa morreria de desgosto – a olhou enojado.

— Ela não fez nada, cara – respondi por Alexia, cruzando meus braços.

— Não acredito em você – me encarou.

Logo em seguida ele olhou para a irmã para que ela o respondesse. Alexia se encolhia envergonhada, mas olhou nos olhos do irmão balançando a cabeça positivamente confirmando minha resposta.

— Entra no carro – ordenou ele para a loira.

— Justin, por favor, não faça nada com ele, não aconteceu nad...

— Entra na droga do carro agora!

Gritou ele, enquanto eu ria da fala de Alexia. É claro que aquele babaca não faria nada comigo, eu acabaria com ele em um segundo.

Alexia obedeceu ao irmão, me olhando com os olhos marejados enquanto adentrava no carro.

Justin deu dois passos em minha direção e me encarou profundamente.

— Fica longe dela... Quantas vezes, eu vou ter que repetir? – sussurrou ele baixinho e de forma grosseira – Nós dois sabemos que essa história não vai acabar tão bem assim pra você, fica esperto...

Não tive mais argumentos diante aquele fato. Realmente, Justin poderia colocar tudo a perder, uma palavra fora do lugar ao contar o que nós dois sabíamos e tudo iria por água a baixo. Apertei meu punho com força pensando no quanto queria acertar aquele garoto e engolindo o seco ao perceber que o erro era meu naquela história. Nunca devia ter me aproximado de Alexia.

 

            POV: ALEXIA BERNARDI.

 

            Estava envergonhada. Justin não podia ter descoberto aquela mentira. E se ele contasse pro papai? Eu morreria de vergonha.

            Desci do carro arrumando minha aparência diante do vidro do BMW, percebi Justin me encarar furioso. Entramos juntos em casa e fomos recebidos por meu pai, que veio sorrindo ao me encontro.

            — Filha, como foi lá na festa da Bianca? – me abraçou, em seguida deu um beijo na minha testa – Se divertiu?

            — Sim... A festa foi ótima, pai – soltando seu abraço e sorrindo para ele – Só estou com um pouco de dor de cabeça... Vou deitar...

            Estava sem ânimo algum pra ficar encarando meu pai sorrindo e Justin me encarando o tempo todo.

 

           

POV: ZAYN MALIK.

 

            Anoiteceu. Algo na fala de Justin me perturbara e tudo o que sabia pensar era que tinha que tentar ver Susan mais uma vez. Inúmeras foram às tentativas desde o acidente. Sempre tentei visitá-la, mas seus pais me proibiram de entrar no hospital, chegaram até a transferi-la de unidade, mesmo assim eu continuava insistindo... Precisava saber como ela estava.

            Essa vez não foi diferente das outras, fui jogado para fora do hospital por dois seguranças enormes.

            — Vê se desiste! – disse um deles.

            Murmurei alguns palavrões e em seguida me virei, ajeitando minha roupa amarrotada pela agressão dos seguranças. Havia ido a pé pro hospital, então me dispus a caminhar até minha casa. Foi quando ouvi uma voz familiar me chamar:

            — Ei, Zayn! Espera! Me espera, cara!

            Gritou a voz de Tessália fazendo eco na rua vazia, enquanto eu continuava andando rapidamente beirando o meio-fio.

            — ZAYN!

            Foi quando cessei minha fuga, me encostando à parede de um prédio, esperando que a morena se aproximasse.

            — Que pressa é essa? – Tessa riu depois de recuperar o fôlego.

            — Você vai contar pro Priam que me viu, não é? – perguntei num tom nada agradável.

            Estava completamente perdido se isso chegasse acontecer. Tessália não podia contar de maneira alguma que me viu saindo daquele hospital.

            — Por que eu faria isso, cara? – quis me confortar, segurando meu ombro e me olhando nos olhos.

            — Porque você sabe o que aconteceu e sabe que meu irmão não aprova minhas tentativas de visitá-la... – esquivei meu ombro do toque da pequena Tessa - Por isso você contaria.

            A morena suspirou de maneira profunda e parecia confusa.

            — Acho que você está muito enganado em pensar que eu contaria essa idiotice pro seu irmão. E outra coisa, aquele babaca vive esnobando minha amiga, então eu estou pouco me lixando em fazer a diferença pra ele nesse momento!

Agora quem parecia aborrecida era Tessa. A pequena me lançou um olhar decepcionado e virou-se pronta pra ir embora, mas antes que ela fosse a segurei pelo cotovelo.

            — Ei, Tessa. Me desculpa?

            Ela virou-se pra encarar de perto aquele meu pedido de desculpa.

            — Eu nem sei o que ando falando ultimamente – continuei, ainda segurando a garota só que agora pela mão – Podemos esquecer essa noite, por favor?


Notas Finais


E aí, gatinhxs, o que acharam do capitulo? Espero que tenham gostado. Fiquem a vontade pra deixar comentários.
Leitores novos/fantasmas deixem aquele fav, isso me motiva muito a continuar postando no site.

Não deixem de ver o trailer: https://www.youtube.com/watch?v=z1cy1L4aLFU


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...