História No silêncio das estrelas. - Capítulo 8


Escrita por: ~

Postado
Categorias Guns N' Roses
Personagens Axl Rose, Duff Mckagan, Izzy Stradlin, Slash, Steven Adler
Tags Duff Mckagan, Guns N' Roses, Izzy Narigudo Stradlin, Romance
Exibições 37
Palavras 3.053
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Booom dia!
Como estão? Espero que bem!
Trouxe mais um capítulo aqui para vocês e eu espero muito que gostem , porque eu particularmente gostei rs.
Boa leitura ♥

Capítulo 8 - Frágil.


Fanfic / Fanfiction No silêncio das estrelas. - Capítulo 8 - Frágil.

POV.  STEVEN

- Você  quer nos matar desgraça?  - Izzy reclama da forma insana com que Slash está dirigindo o carro. 

Estamos voltando para casa depois de um porre daqueles.  Eu estou o menos bêbado dos três , mas em compensação eu usei umas "paradinhas" nada legais. 

- Eu sou o rei do trânsito!  - Slash exclama quase batendo em um carro em nossa frente. 

- Rei do meu cu. - Izzy responde.

- O rei desse cu arrombado é o Axl. - Slash ri sozinho e volta a dirigir , sem respeitar o nenhuma lei de trânsito. 

- Deixa que eu dirijo essa bosta - Izzy tenta avançar sobre o volante e o carro quase sobe na calçada.

- Porra vocês dois heim! - exclamo.

Estou morrendo de sono que poderia passar o resto da noite aqui , estou com um pouquinho de falta de ar também , e isso eu devo graças a Izzy que com esse nariz suga além do ar permitido para um ser humano normal. 

X

Finalmente chegamos em casa são e salvos. Dessa vez Salsh não nos matou.

Ele estaciona o carro em frente de casa e Izzy sai . Cambaleando ,  os dois sobem os degraus da varanda. 

Saio do veículo e estranho o fato de o carro de Adriana estar estacionado aqui em frente … Opa! Será que minha donzela está me esperando no meu quarto para me fazer uma daquelas " surpresinhas? ". Sorrio malicioso e adentro a casa em seguida.

Izzy se joga tonto no sofá e eu vejo quando Slash sai rindo para a cozinha. 

- Essa noite foi uma das melhores.  - a voz de Adriana preenche o espaço. 

Meus olhos se enchem de sangue e meu corpo entra em colapso de raiva ao ver Axl encochando Adrina por trás , enquanto ela morde os lábios com prazer.

- AXL SEU CANALHA!  - grito avançando pelos degraus.  

Adriana arregala os olhos e se afasta de Axl. Pego-o pelo colarinho da camisa desabotoada e o empurro contra a parede , precionando seu pescoço contra a mesma.

- Fala grande Steven. - Axl me cumprimenta irônico.

Desfiro um soco certeiro em seu olho e ele não parece se abalar pois logo solta um risinho abafado. 

- Eu saio para beber e quando chego te encontro com A MINHA GAROTA?  - pergunto cuspindo as palavras. 

- Ela deu mole cara. - ele fala.

- Stee não é o que você está pensando , eu te amo meu bebê! - Adriana fala manhosa e tenta tocar em meu braço. 

- E VOCÊ PIRANHA? O QUE AINDA FAZ AQUI! - grito com ela.

- Em pensar que eu também te fodi,  heim Adriana - Slash fala adentrando a sala , fazendo minha raiva crescer.

- Cala a boca Slash! - Adriana manda em desespero. 

-Aceita o fato de que você é um corno e para de drama porra - Axl grita em meus ouvidos.

Não me aguento e Desfiro outro soco direto em seu estômago  , o soltando em seguida. Ele leva a mão aonde tomou o soco e faz uma cara de dor . Axl volta seus olhos para mim me olhando com raiva. E então tudo acontece em rápidos segundos , Axl me empurra e eu rolo escada a baixo caindo somente no pé da escada. 

Sinto minhas costas doerem e ninha cabeça tontear , não demora muito para que a inconsciência me leve ,  como o vento levando as folhas de outono. 

POV. ESTER

- O que aconteceu meu Deus? - saio do quarto as pressas , abaixando a roupa de dormir. 

Paro no pé da escada e arregalo os olhos de espanto. Steven está caído lá embaixo , com a cabeça repousada no colo de Slash.

- Axl matou o Stee. - Slash fala grogue. - Porque Stee flagrou Axl e Adriana juntos.

Ouço um barulho e instantaneamente levo meus olhos a Izzy que solta um gemido de dor após cair do sofá.  Ele está bêbado. 

Ignoro isso e volto a atenção para Steven.

- Fiz sem pensar , não foi por querer - se defende Axl.

Desço a escada e me aproximo de Steven. Me agacho até ele e toco em seu pulso ,  constatando que ainda há pulsação. 

- Ele não está morto - falo calmamente - Levem ele rápido para o hospital.

 Eles se entreolham e acentem com a cabeça. Izzy começa a roncar.

Slash e Axl conseguem levantar Steven do chão. Eles o arrastam para fora da casa e eu os acompanho até lá fora. Vejo Adriana sair sorrateiramente da casa.

Um vento sopra minhas madeixas as tirando de meu rosto. Me encolho pois a noite está gélida. Observo quando eles colocam Steven no banco de trás e Axl vai para o banco de motorista. Ele dá partida , acelera e sai dali a toda velocidade. Slash sai correndo cambaleando para dentro se casa.

Pobre Stee… Foi traído pela mulher que ama e ainda por cima sofre um acidente desse? Ele não merece isso. Não mesmo.

Caminho de volta para a casa , ao atravessar a soleira da porta vejo que tudo está um silêncio , Izzy dormiu mesmo no chão. E Duff , Ele já deve estar no décimo terceiro sono.

 POV. DUFF 

Na manhã seguinte.    

Abri meus olhos em pequenas frestas , sentindo-os se encolher com os raios solares. O céu azul límpido resplandece a frente de mim. Minha cabeça dói e meus ossos se contraem em estalar no momento em que me levanto. 

É dormi no gramado…

Levo a mão a cabeça e praguejo a mim mesmo. Caminho até a porta e adentro a casa , sentindo cheiro de suco de laranja preenchendo o ar. Ester está sentada na mesa bebericando um copo de suco. Observo -a até que ela me perceba ali. Ela me olha porém logo desvia os olhos para a toalha da mesa. 

- Bom dia - balbucio e ela não responde. Aperto os lábios e saio dali indo em direção as escadas , observo izzy se lavantar do chão e coçar os olhos. 

Ele está com uma cara péssima de quem dormiu bêbado , assim como deve estar a minha. 

O cumprimento com um aceno de cabeça e subo os degraus. Arranco minha jaqueta e adentro banheiro ainda não ocupado. Tranco a porta e jogo a jaqueta no chão. Me despi e encarei meu cabelo todo desgrenhado no pedaço que resta do espelho , suspiro e me enfio debaixo do chuveiro.

X

Longos minutos eu passo ali , Slash já bateu aqui três vezes querendo usar o banheiro. 

Eu estou me sentindo estranho , algo em mim está me atormentando e meu ser me recusa a dizer do que se trata. 

Outra vez sonhei com ela , com Ester. Sonhei que estavamos deitados os dois na areia da praia , era noite e seu rosto reluzia iluminado pela lua crescente. Ela sorria para mim enquanto eu acariciava seu belo rosto , seus olhos perambulavam pela extensão do meu rosto e sua mão passeava por meu peito descoberto. Havia tanto sentimento ali , tanto desejo. E quando suas mãos pararam no cinto da minha calça eu me estremeci , sentindo um volume subir e a excitação se fazer presente.  Foi ai então que o rei sol com raiva de mim resolveu me acordar. 

Desejei que ela nunca tivesse aparecido em minha vida , Ester está me fazendo se sentir estranho . O desejo de faze-la minha cresce a cada instante ,  que as vezes sinto medo de estar sendo dominado , dominado por sentimentos que jamais senti na vida. 

Respiro fundo e deixo o ar se esvair lentamente , desligo o chuveiro ouvindo os últimos pingos fazerem barulho no assoalho. 

Enrolo uma toalha na cintura e saio do banheiro , pingando água pelo corredor. Corredor vazio. 

Adentro meu quarto e retiro do guarda roupa uma calça apertada sem cinto e sem botões.  A visto sem cueca mesmo. Bagunço meu cabelo e finalmente consigo sorrir , sorrir para meu reflexo no espelho. 

POV. AXL

- Posso entrar para ve-lo ? -pergunto a uma enfermeira gostosa , do bumbum farto. 

- Sim , o rapaz está bem. - ela diz e sai rebolando aquele belo traseiro.

Adentro o quarto e encosto a porta suavemente , avanço em passos lentos e vacilantes até Steven. Ele está fitando o teto , uma faixa enrolada em sua cabeça e os lábios secos. 

- Eai Stee , tá bem? - pergunto lutando para que ele me olhe.

- Cara , larga de ser hipócrita e sai daqui. - ele fala calmamente ainda sem me olhar. 

- Olha. Eu não quis te empurrar , fiz por impulso.  

-Aaah então foi por impulso que pegou minha garota? 

Sua voz está firme , nunca vi Steven falando assim. Poh eu não sou de ferro! Não foi minha culpa se Adriana quis foder comigo. Não tenho culpa se ela é uma qualquer. 

- Só você ainda não tinha visto quem era a Adriana. -falo sério. 

- Você , Slash e sabe lá quantos estavam rindo de mim.

- Você é muito gay Steven. Olha desculpa pelo acidente e Tchau.

Caminho até a porta do quarto e saio batendo a porta , o médico que estava para adentrar me olha com reprovação. Sorrio falsamente para ele e sigo para a saída , odeio cheiro de hospital.

 POV. ESTER

Termino de tomar meu café , um café preto que afagava minha língua a cada gole derramado sobre ela. Hoje tenho de ir para a floricultura , afinal não fui ontem por causa da minha dor de cabeça matinal. 

Levanto da mesa e caminho com a xícara na mão. A lavo na pia , junto de alguns copos sujos. 

Vou para a sala e meus olhos cruzam com os de Duff no sofá , ele está lindo e um desejo queima dentro de mim. Logo miro Izzy debruçado na janela , sem camisa os cabelos balançando com o vento , com um ar sexy. 

- Ester. - o cabeludo me cumprimenta , ele está dedilhando seus dedos sobre uma Les Paul. O cumprimento de volta com um aceno de cabeça. 

- É… vou para a floricultura.  Até depois. - balbucio as palavras e saio pela porta a deixando aberta.

- Até - Izzy responde.

Sigo pelas calçadas estreitas esburacadas. Estou acompanhada de uma brisa maravilhosa , que me segue até que eu adentre a porta da floricultura  ouvindo o sininho soar através dos meus tímpanos. O senhorzinho Toni me dirige o olhar e eu lhe explico porque não vim trabalhar ontem. Ele me compreende e diz que não vai descontar em meu salário. Tomei o lugar dele e agora sou eu quem está atendendo os pedidos , fazendo arranjos e atendendo o telefone para pedidos.

Observo as tulipas,  como parecem mais vivas do que o dia em que vim aqui. Aaah como eu adoro tulipas , elas representam o amor verdadeiro e eterno . Representam o amor que nesse momento eu posso estar sentindo em meu coração dividido.  Ou talvez o que sinto aqui dentro no peito não seja amor e sim um desatino que logo passará quando ver que não passo de uma louca.

- Caladinha que isso aqui é um assalto.  - meu corpo gela e minhas pernas bambeiam ao ver três mascarados adentrarem o local.

Um deles está segurando uma pistola ,  meus olhos marejam quando o mais baixo dentre eles se aproxima de mim e tampa minha boca com sua mão enluvada em couro. 

- Ela é uma gracinha não é?  - o homem que me mantém presa passa o cano da pistola em meu rosto. 

As lagrimas já descem desesperadas pelo meu rosto. O homen deposita um beijinho cheio de baba em minha testa que se contrai. 

Tento me soltar mas é em vão pois ele me aperta ainda mais. Com isso uma vaga lembrança passeia em minha mente perturbada , uma lembrança daquele homem em meu quarto ; aquele homem que queria arrancar minha blusa… Aquele homem. 

Observo enquanto eles roubam tudo do caixa , todo o dinheiro que continha. 

- O que está acontecendo , Jesus Cristo!  - o senhor Toni adentra o local e arregala os olhos levando sua  mão ao peito.

- CALA A BOCA VELHO IMBECIL - O cara que estava arrancando o dinheiro do caixa grita con Toni.

Toni me olha e seus olhos marejam , sinto pena dele ao ver a dor com que eles olham seus narcisos sendo arrancados de um vaso pelo terceiro cara.

- É brothers , vamos levar essas flor aqui também. Devem custar algum dinheiro - ri sacana

- Acabou nossa limpa aqui , vamos! - o outro diz.

- Quem sabe não nos encontramos por ai docinho. - o homem que me prendia me solta e eu caio sentada no chão. 

O sininho toca , anunciando a saída dos três bandidos dali. Começo a chorar , sem medo de fazer barulho. Soluço enquanto as lágrimas descem em turbilhão. 

- O dinheiro , os narcisos… - senhor Toni murmura.

Pobre senhor Toni ; perdeu todo do seu dinheiro e os narcisos que se recusava a vender para qualquer pessoa, seja lá por qual preço.  Ele amava aqueles narcisos.

Me levanto apressada e saio correndo dali , corro pelas calçadas com toda pressa sentindo olhares estranhos sendo jogados sobre mim.

Corro para a varanda e empurro a porta com força , tombando assim com alguém que ousou me impedir de correr. Abraço sem pensar duas vezes o corpo esguio de Duff , o apertando contra mim querendo sentir toda sua proteção , esquecendo o dia de ontem.

- O que aconteceu ? Porque seus olhos choram? - ele me encaminha para o sofá e eu o abraço ainda mais , deixando o choro outra vez me levar. - Não chora. Me conta o que houve Ester.

- T-três bandidos mascarados - começo , as palavras tropeçando na escadaria de minha garganta - Roubaram a floricultura.

Omito a parte em que aquele cara me apertada , omito a lembrança que ele fez voltar das trevas a minha mente. 

- Fica calma , eu estou aqui. - ele me coloca em seu colo , minhas pernas cada uma de um lado da sua cintura. 

Duff me faz fita-lo. Ele enxuga minhas lágrimas com seus dedos de seda e leva seu rosto ao meu. Duff deposita um beijinho suave no canto de meus lábios . Uma única lágrima escorre do meu olho e ele a beija , ele secou a lágrima com seus próprios lábios.  Ele afasta bem pouco seu rosto , ainda posso sentir o cheiro de cigarro que emana dele. E então nossas bocas se encontram febris uma pela outra. 

Duff me beija com delicadeza , seus lábios finos movimentam juntos dos meus.  Minha língua encontra a dele e elas se explodem , posso sentir particulas de estrelas dançarem dentro de minha boca.  Eu estou tão frágil.  

Nossas bocas se separam e minha respiração falha se mistura com a dele acelerada. Passos pesados na escada me fazem saltar do seu colo e limpar o rosto.

- Eu estou indo ver o Steven , alguém quer ir? - Slash pergunta olhando de mim para Duff.

- Eu… eu vou. - Duff se levanta desnorteado do sofá e veste uma camisa que estava repousada sobre a mesa do centro. - Até Ester. 

Os dois saem e eu fecho os olhos , já não me sinto mais atordoada minha alma se aquietou.

POV. DUFF

(…) Oito da noite. 

Depois do hospital nós fomos para um bar e encontramos com Axl lá , ele estáva completamente bêbado e tinha fumado maconha que só ele. Sai do bar só agora , bebi apenas uma vodka. Steven está bem , vai vir para casa amanhã de manhã , ficou reclamando o tempo inteiro pada mim e Slash sobre Axl e Adriana. 

Beijei Ester outra vez , não devia mas beijei e isso não sai da minha cabeça. A lua parece flutuar e as rosas dos jardins por onde caminho parecem descansar mimosas.

- Duff! - Kenia se joga aos meus braços assim que chego em frente a Hell House.

- O que você quer? - pergunto baixo.

- Eu estou com saudades.  Desde aquela transa que não nos falamos mais. - ela fala bem próxima a mim , o seu cheiro de perfume barato me causa enjôo como sempre. 

- Olha Kenia , vai embora eu…

Sem que eu possa terninar de falar ela ataca meus lábios em uma beijo urgente. Tento a afastar e ela me puxa para mais junto dela. 

- Porra Kenia!  -tenho que empurrar ela para que ela me solte.  Passo a mão em meus lábios os limpando e suspiro.  Essa garota é um pé no saco.

POV. ESTER

Pela jenela observo Duff beijar a tal Kenia em frente a casa. Meu coração se aperta e eu me encho de raiva por dentro , sentindo meus olhos queimarem os dois lá fora.

- Duff seu otário.  - murmuro

Ando apressada pela escada , seguindo meus instintos. Corro pelo corredor e empurro a porta do quarto no final ,a porta estava apenas encostada. Talvez essa porta já estivesse a minha espera. 

- Izzy eu preciso de você.  - adentro seu quarto e tranco a porta.

Ele me olha sem entender , fecha as cortinas e apaga seu cigarro. Avanço sobre ele e ataco seus lábios em um beijo ardente , Jeffrey leva suas mãos a minha cintura apertando ali. Aos poucos esse beijo fica mais calmo , como se estivesse desmoronando. Inconete como se fosse o primeiro. 

Sua boca suave se movimenta lentamente sobre a minha , puxo alguns fios de cabelo em sua nuca e suspiro em meio ao beijo. Sinto como se estrelas caissem sobre mim quando ele morde minha orelha ,  no momento em que a falta de ar nos interrompe. 

Me afasto lentamente de Izzy e faço sinal para que ele se deite. Ele assim faz. 

Me deito ao seu lado com o rosto na curvatura de seu pescoço. Izzy ri baixinho e eu apenas fecho meus olhos. Eu não devia ter beijado Duff , nem Izzy. Eu não devia ter saído daquele manicômio , eu sou uma louca. 


Notas Finais


Genteeee socorro!!!! Eu também estou em dúvida agora , Duff ou Izzy ;-;
COMENTEM por favor , amo os comentários de vcs e me incentivam muito!
Bjs até o próximo :3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...