História No Way (Lauren G!P) - Capítulo 75


Escrita por: ~

Postado
Categorias Fifth Harmony
Personagens Ally Brooke, Camila Cabello, Dinah Jane Hansen, Lauren Jauregui, Normani Hamilton
Tags Ally Brook, Camila Cabello, Camren, Camreng!p, Celebridades, Dinah Jane, Fifth Harmony, Lauren Jauregui, Laureng!p, Normani Kordei, Romance
Visualizações 2.158
Palavras 2.159
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Drama (Tragédia), Famí­lia, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Intersexualidade (G!P), Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Taí vinhadxs. Espero q curtam. Qlqr coisa fico devendo mais no próximo. Foi um pouco diferente escrever esse. Enfim, desculpem os vacilos... Boa leitura e inté a prox ;)

Ahhhh como eu queria colocar aquelas fotos hot na capa do cap... Essas regras do spirit hein... 😣

Capítulo 75 - Se eu quero namorar você?


Fanfic / Fanfiction No Way (Lauren G!P) - Capítulo 75 - Se eu quero namorar você?

 POV LAUREN

- Vo-você tem certeza disso, babe? Eu posso esperar. Não tem prob-

- Shhh... - Ela me cala com os seus dedos - Eu sei que já faz um longo tempo desde a nossa última vez. Também posso perceber que você está insegura em como deve me tratar ou fazer as coisas comigo aqui. E confesso que nem eu sei direito. Mas eu quero muito você... Há meses que o meu corpo clama pelo seu, há meses que eu literalmente tenho sonhos em que estou  fazendo amor novamente com você. E, apesar de toda a confusão, não me leve a mal, mas de certa forma, Hailee estava certa quando disse aquilo sobre desejo e outras formas de sentir prazer. Eu acho que só precisava de um empurrão para sair daquele casulo de medo e insegurança... E, como tudo na minha vida, eu quero fazer junto com você.   Então, vamos pelo menos tentar, ok?

- Ok! Seu pedido é uma ordem - Eu falo sentindo aquela tensão de nervosismo e medo de fazer algo errado deixando o meu corpo  de modo que a única coisa que permanece é tensão sexual - Quero começar, então, te levando para o quarto comigo... - Digo isso levantando ela dá cadeira de rodas e a levando nos meus braços enquanto ela passava os braços pelo meu pescoço - Te deitando na nossa cama e nada disso... - Chamo a sua atenção quando percebo ela ir logo tirando a blusa - Eu quero te namorar!

- Namorar?

- Sim. Quero aproveitar o tempo aqui com você,  esquecer o mundo lá fora e qualquer outra coisa. Somos só nós duas aqui. Temos a vida toda. E quero começar matando a saudade de você toda, desde os carinhos mais simples, desde os beijos e abraços... - Confesso vidrada nos seus castanhos vívidos e brilhantes, novamente cheios de vida - Você quer?

- Se eu quero namorar você? - Ela pergunta brincalhona e eu concordo com a cabeça - É o que eu mais quero, Lolo - Responde dengosa e eu me derreto toda.

E, após a sua resposta, eu finalmente faço o que eu mais queria desde o momento que segurei a sua mão no aeroporto seis meses atrás: beijá-la! Claro que durante esse tempo a gente se beijou. Mas eu estou falando daquele beijo puro, onde só há amor, desejo, paixão e reciprocidade. Sim, pela primeira vez em todo aquele tempo, eu sabia que Camila estava tão entregue quanto eu. Dessa forma, eu não precisava me preocupar em tentar beijá-la agora e ser repelida minutos depois. Eu sabia que ela não iria me rejeitar.

E isso foi provado durante toda a noite, ainda quando estávamos só nos beijos, eu podia sentir os seus sinais de aprovação: a sua língua lutando e brincando com a minha, os seus dentes mordendo o meu lábio inferior, as suas mãos me puxando cada vez mais para ela ao acariciarem o meu rosto ou puxando o meu cabelo, o seu sorriso entre um beijo e outro, os seus gemidos quando ela não conseguia se controlar e o seu corpo começando a esquentar e a se contorcer de baixo do meu.

Sabe aquele namorinho entre adolescentes? Que dá aquele frio na barriga, você sente borboletas no estômago, aquela pegação gostosa que começa com beijinhos carinhosos e inocentes, vai evoluindo para a fase das mãos bobas até que se chega  num estágio no qual os dois corpos necessitam de mais e conseguem comunicar isso um ao outro sem nenhuma palavra?

Pois é. Isso que estava acontecendo entre eu e Camila. Estavamos nos redescobrindo, como se fosse do zero, como se fosse a nossa primeira experiência na vida. E aquilo era maravilhoso, saber o quanto ela confiava em mim para isso é vice versa. O que provava o quanto o nosso amor estava amadurecendo e se solidificando e no quanto, mesmo com o tempo, nós ainda conseguíamos superar os problemas e manter a chama acesa.

E foi justamente essa chama que começou a me fazer descer as mãos em direção a sua barriga e a sua cintura onde fui deslizando as minhas unhas curtas levemente, pois eu sabia o quanto ela se arrepiava e tremia quando eu fazia aquilo. Apriveitei sua distração com os meus toques e troquei a sua boca pelos seus seios. Aqueles seios firmes, feitos na medida certa para a minha boca,e com os biquinhos durinhos.

Nossa, eu quase gozei só de senti-los na minha boca. Se eu não estivesse com a minha boca ocupada ali, certamente eu gemeria tanto ou até mais do que ela tamanho era o meu prazer ao ter os seios na minha boca e na minha língua novamente após tanto tempo.

A coisa melhorou mais ainda quando, ainda mantendo os meus estímulos em Camila, senti ela retribuir ao levar a sua mão direita ao meu volume.

- Hmmm... Que delícia, amor... - Ela disse apertando carinhosamente o meu membro e me fazendo gemer nos seus seios dessa vez - Mexe ele pra mim, mexe... Ahhh... Assim...! - Ela aprova quando eu começo a fazer movimentos de vai e vem na sua coxa fazendo com que ela sentisse cada vez mais a minha excitação e eu delirava naquele amasso gostoso, principalmente quando ela levou as suas mãos para os meus seios enquanto eu ainda me roçava nela.

Para manter esse mesmo ritmo, também desci a minha mão para a sua intimidade, o que me fez perceber seu corpo todo estremecer e sua respiração acelerar. Ela estava tão necessitada quanto eu ao perceber que, do seu modo por causa da sua paralisia do joelho para baixo, ela desenvolvia o seu próprio rebolado de modo que os meus movimentos também se uniram aos dela e nossos corpos já estavam no mesmo nível de excitação.

- Ahhh... Que saudade do seu calor, babe girl...

- Hmmm... Amor?

- Hm?

- Assim eu não vou segurar...

- Espera... Deixa eu sentir o seu sabor antes, deixa? Quero você gozando na minha boca pra matar toda essa sede - Eu peço e ela faz um sinal positivo e dá um sorriso sacana que há muito tempo eu não via, o que só me deixou ainda com mais vontade.

Assim, parti dando mais alguns beijos na sua boca e fui descendo pelo seu corpo até que cheguei nas suas pernas e fui tirando toda a sua roupa de baixo. Não sei se ela iria se irritar com a minha próxima ação, mas eu simplesmente não pude me controlar. Eu tive que fazer aquilo.

Fui depositando pequenos beijos desde o seu dedinho do pé e fui subindo alternando entre as suas duas pernas em toda a região que ela tinha perdido a sensibilidade. A princípio, ela me pareceu um pouco surpresa e assustada. Mas conforme eu ia beijando, fui me declarando para ela:

- Eu estou fazendo isso pra te mostrar que eu amo cada pedacinho seu, Camz... E que, mesmo que você não sinta nada aqui momentaneamente, sei que você pode sentir todo o amor que eu dedico em cada beijo. Todo esse amor que, se dependesse de mim, seria o suficiente para você já estar curada há muito tempo, apesar de que eu sei que você irá se recuperar totalmente. É apenas uma questão de tempo. E por isso, quero te mostrar que eu te amava antes, estou te amando agora e continuarei te amando sempre independentemente de qualquer coisa.

Conclui a minha declaração fitando os seus olhos marejados com um sorriso bobo após eu beijar as suas pernas completamente em toda extensão e chegar nas suas coxas. E, antes que ela tivesse tempo de se articular para dizer qualquer coisa, eu dou um último sorriso para ela seguida de uma piscada e direciono a minha boca para a sua intimidade, fazendo-a gemer alto no nosso quarto, na nossa cama, no nosso lar.

- Ahhhrg... - Ela aperta os meus cabelos - Isso...

Meu corpo todo vibra ao escutar e observar os seus sinais de aprovação com o meu ato. Simplesmente pelo fato de saber que ela estava tão entregue quanto eu em todos os momentos. Seja quando eu apenas dava alguns selinhos no seu clitóris, quando eu lambia toda a sua extensão, quando eu tentava explorar só máximo o seu gosto colocando a linha língua dentro dela, quando eu literalmente beijava ela de língua ali e ainda acariciava os seu seios e a sua barriga com as minhas mãos.

Desse modo, não demorou muito até que eu senti que ela estava prestes a chegar ao seu ápice, o que só aumentou a minha ânsia e a minha dedicação para que ela sentisse tudo.

- Hmmmm... Não para, Jauregui... Vai... Hmmmm... Isso...

- Vem pra mim, babe girl... Deixa eu sentir todo o seu sabor...

- Hmmm... Hmmm... Arrhggggg...! - Ela geme alto e rebolando na minha boca perdendo totalmente o controle. E, antes que o seu orgamos terminasse, percebo outra onda de prazer alcançar o seu corpo e, caralho, percebo que Camila estava tendo múltiplos orgasmos - Vem cá... Agora! Preciso de você dentro de mim já! - Ela diz ainda no seu transe de prazer em meio às suas ondas de prazer me puxando para cima.

E eu logo obedeço ficando de joelhos na cama e tirando toda a minha roupa apressadamente enquanto ela tira a própria blusa e o sutiã. Após isso, ela logo me lança aquele olhar mortal que dispensava qualquer palavra. Aquele olhar quente e cheio de tesão que dizia algo como "Vem! Agora! A sua dona está mandando!".

E eu prontamente obedeço a minha dona ao ir me deitando cuidadosamente em cima dela e colando os nossos corpos. E, em meio a alguns beijos e arranhões agora desesperados e apressados, eu seguro na base do meu membro e vou direcionando-o para dentro dela. E, puta merda, que delícia poder sentir aquilo tudo de novo. Sentir o meu pau adentrando lentamente nas suas entranhas. Senti-lo explorar todos os cantos possíveis do seu canal até atingir o seu ponto esponjoso fazendo ela gritar de prazer e me puxar para um beijo selvagem eneuqnto começávamos a instalar o nosso ritmo.

- Hmmm... Hmmm... Vai logo, Jauregui... - Ela fala mandona enquanto eu ainda estava no início provocando-a com movimentos lentos.

- Calma, baby girl... - Respondo mordendo o seu pescoço - Eu já disse que temos todo o tempo do mundo... Deixa eu sentir você mais um pouquinho aquecendo o meu pau... Ele tava com tanta saudade de você, sabia? Do seu calor... Do seu melzinho... De te fazer gemer gostoso pra mim... De fazer você perder o controle implorando pra eu te foder...

- Você quer? Quer foder a sua mulher, quer?

- Oh yes, babe...! - Digo excitada e dou um estocada firme nela até o talo.

- Arrrhg...! Então vem...

- Assim?! - Pergunto e dou mais uma estocada.

- Sim...! Hmmmm...! Faz tudo isso que você me prometeu... A minha bocetinha tá louca pra gozar toda nesse seu pau gostoso e duro...

E pronto! Eu cheguei no meu limite. Depois daquele pedido que eu tanto sonhava há tempso, como que eu poderia negar alguma coisa a ela? Não havia mais espaço para joguinhos, provocações ou perda de tempo. Nós precisávamos atender as necessidades dos nossos corpos, das nossas carnes.

Assim, fui mantendo um ritmo rápido e desesperado, o qual percebi que estava mais do que aprovado por ela, uma vez que eu constantemente sentia seus gemidos, grunidos, apertos, unhas e pavões.

- Vai, porra... Continua... Isso, Jauregui! Bem aí, caralho! Arrrrrrrhg! - Ela explode de prazer quando eu acerto em cheio o seu ponto G - Arrrrrrrhg! Ahhhh...

- Hmmmm... Hmmmmm... Tá gostoso, babe?

- Sim, sim...! Hmmmm... Hmmmmm... Não para... Quero gozar com você.... Hmmmm... Espremendo todo o seu leitinho... Hmmmmm...

- Toma, gostosa! Hmmmm! Toma, vagabunda! Dá essa boceta pra sua mulher! Arrrrrrrhg...! Arrrrrrrrrrhg...!

- Is-isso.... Hmmm.... Vem comigo... Me dá a sua porra...! Mete em mim, Jauregui...

- Toma a minha porra, vadia...! ARRRRRHG! ARRRRRRRHG! Isso...! HMMM... HMMM... - Ia gemendo e gritando que nem louca enquanto finalmente eu gozava pela primeira vez em mais de seis meses.

- Isso.... Goza em mim!! HMMMMM! HMMMMM MM! Que delícia...! - Ela correspondia já no seu próprio transe enquanto também gozava junto comigo.

E, Wow! Aquilo foi intenso! Foi gosoto pra caralho. Eu poderia morrer que seria a pessoa mais feliz do mundo. Tem coisa melhor do que amar e ser amada? Do que desejar e ser desejada? E isso tudo com aquela pitada de reciprocidade, tesão e amor? Se alguém respondesse que sim, eu nunca seria capaz de concordar. O fato era que Camila tinha sido feita para mim. Independente de qualquer coisa, nós sempre iríamos nos entender e fazer dar certo.

E foi justamente isso que nos fez continuar a nossa maratona pelo resto da tarde e adentrando pelo inciso da noite. Vivemos ali momentos mágicos apenas de amor onde fazíamos aquela coisa realmente pura e fofa, como também momentos de puro tesão e desejo. E olhando para ela mais uma vez, após mais um orgasmo, eu podia ver em seus olhos que estávamos apenas começando! 


Notas Finais


Enton? O q acharam? 😇😈🤔

Realmente acho q elas tem entre 2 e 2 aos e meio de namoro. Vou criar coragem pra reler a fic e tentar ver se é esse tempo mesmo...

Vlws flws bjo 😚


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...