História Nobody Knows - Capítulo 4


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Rap Monster, Suga, V
Exibições 12
Palavras 1.153
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Yaoi
Avisos: Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Olá aliens ❤

Capítulo 4 - 0.3


" Não posso viver
Um dia sem você
Vou tentar te segurar
Não sou perigoso
Então, querida, não se preocupe ( Stuck - Monsta X ) " 

Min Yoongi P.O.V's 

- EI VOCÊ, CABELO DE ALFACE. - escuto alguém gritar por mim no corredor, fecho rapidamente a porta do meu armário e encaro o ser que me gritou.

- Não lembro de ter lhe dado a liberdade, de achar que tem algum tipo de confiança comigo, ou até por me chamar de qualquer coisa. - falo rude, cruzando os meus braços, ele apenas rir e volta a me encarar.

- Gosto de pessoas assim, elas me atraem. - disse ele, acho que tentando parecer sexy, só acho.

- Assim como? As que falam a verdade? porque ser for, perdeu o seu tempo aqui.

- Sabe? Achei mesmo que você fosse legal.

- Qual o seu nome mesmo?

- Hoseok.

- Então Hoseok, como eu disse antes... Perdeu o seu tempo aqui, agora se me dê licença, eu tenho aula. - falei, dei um sorriso de lado e me retirei.

- DIFÍCIL, EU GOSTO! - gritou ele, chamando a atenção de alguns alunos, me virei para ele e lhe dei o dedo do meio.

[...]

Estou na metade de uma aula de história, até que começo a tossir, não uma tosse qualquer, minha garganta ardia, tampo a boca para abafar o som da tosse, até que vejo minha mão molhar e era... Sangue!

Me desesperei e levantei rapidamente, seguindo para o lado de fora da sala, ouça quando a professora me chama, mas apenas ignoro e sigo para o banheiro masculino, mais próximo dali.

Encontro um perto do bebedouro e entro, me direcionado direto para a pia, banheiro vazio, ótimo! Cuspo o sangue de minha boca, na pia, sinto minha cabeça rodar e me desequilibro por um momento, lavo minha boca e me agacho, sentando no chão.

Sentia minha visão embaçar, eu não podia desmaiar, não aqui, não agora. Curvo minha cabeça para o lado e vejo alguém passando pela porta, eu não podia ver muito, mas ele vinha na minha direção.

- Precisa de ajuda? Você está pálido. - ele dizia enquanto checava minha temperatura.

- Me leva pra casa, por favor. - eu dizia as palavras com dificuldade e sentia que iria apagar a qualquer hora.

- Claro, eu volto já, irei avisar ao diretor. - falou e se levantou indo pra fora do banheiro.

Fechei os olhos e esperei por ele, estranhava alguém dessa escola, querer me ajudar, ou até mesmo me levar pra casa, afastei esses pensamentos e senti meu estômago queimar e lá vamos nós, começar o que há dois anos, eu acreditei que tinha acabado.

[...]

Acordei já em meu quarto, me levanto com um pouco de dificuldade e caminho para fora do meu quarto e presencio uma cena na qual, eu não via há anos.

Meus pais. No sofá. Se beijando. Trauma.

Resolvo não atrapalhar e sigo para a cozinha, bebo um copo de água e volto para o meu quarto, ouço meu celular tocar em cima do criado mudo e o pego, vendo número desconhecido piscar na tela.

Ligação ON

- Alô?

- Melhor bebê?

- Quem seria o ser desconhecido, que está me ligando? - perguntei.

- O futuro amor da sua vida. - falou com um tom suave.

- A não? Sério que é você? Como conseguiu o meu número? - bufo.

- Viu só? Não foi nem necessário dizer o meu nome. - escuto sua risada no fundo.

- Para de enrolar e diz onde conseguiu a porcaria do meu número! - me alterei.

- Que arrogância, eu ligo pra saber se está bem e é assim que você me responde? - senti sua ironia.

- Calma aí? Foi você quem me ajudou e me trouxe pra casa?

- Hm... Depende, isso vai fazer você me achar um herói e começar a me tratar melhor, porque ser for assim, sim amor, eu te salvei.

- Então " herói " no quê você me ajudou mesmo?

- Hmmmm... Pergunta difícil essa, tem como pularmos essa parte e você fingir que foi eu?

- Tentador... Até nunca mais Hoseok, te encontro no inferno.

- Inferno?

- Sim, quando você tirar o resto de paciência que eu tenho e eu te matar, é pra lá que eu irei te mandar, aí eu passo lá e te mando um beijo no ar, aí no final, anjos como eu, voltam para o seu devido lugar... O céu.

- Ixi, tá lendo muita Fanfic?

- Não, apenas Deadly machine.

[...] 

Hoseok P.O.V's

Ele desliga na minha cara e eu apenas bufo, que garoto difícil, não tinha um melhor não? Escuto a campainha no andar de baixo tocar, bufo novamente, em pensar na distância do andar de cima até o andar de baixo, coloco a cabeça pra fora do meu quarto e chamo por alguém de casa.

- LEE, ATENDE A PORTA!

- EU NÃO, APOSTO QUE SÃO OS SEUS AMIGUINHOS, DESÇA VOCÊ!

- PESTE!

- MEU CÚ.

Fico calado para não arrumar briga com a peste da minha irmã e escuto novamente a campainha tocar.

- JÁ VAI, JÁ VAI.

Desço as escadas e abro a porta, dando de cara com: Namjoon, Jin, Jimin, Jungkook e Taehyung... Taehyung?

- O que devo a honra, da visita de vocês? . - dou espaço para que eles possam entrar.

- O tédio. - responde Jungkook.

- Tenho cara de entretenimento? - perguntei me sentando no braço do sofá.

- Grosso. - respondeu Jimin.

- E grande. - completou Taehyung e todos rimos.

- Desnecessário. - falou Omma Jin.

- Sabemos. - apoiou Namjoon.

Taehyung vem até a mim e me dá um selinho, sorrio para ele, que senta em meu colo.

- Então o que vamos fazer? - pergunto.

- Cinema? - perguntou Jimin e todos negamos.

- Sabe o garoto Min Yoongi? - perguntou Tae e todos assentimos. - Hoje eu encontrei ele, lá no banheiro, quase desmaiando, eu o ajudei e o levei pra casa.

- ENTÃO FOI VOCÊ? - gritei e só aí me dei conta do que perguntei, todos me encaram e eu apenas abaixei a cabeça.

- Como assim foi eu? Quem te contou? Não tinha ninguém lá. - perguntou me encarando desconfiado.

- Bom... Eu... FILME? - me levantei rapidamente, derrubando Tae no chão.

- HOSEOK VOLTA AQUI! - gritou ele e eu rapidamente corri para a cozinha.

- ALERTA DE DR, ALGUÉM MAIS QUER IR EMBORA? - perguntou Jimin e todos concordaram se levantando e seguiram para a porta.

Grandes amigos.

- SE AMANHÃ VOCÊS RECEBEREM A NOTÍCIA DE ALGUM AMIGO MORTO, ESSE AMIGO FOI O HOSEOK. - gritou ele enquanto, corria atrás de mim.

- Para de dar a louca, Taehyung. - reclamou Namjoon.

- VOLTA AQUI, SEU CAVALO DESGRAÇADO. - Gritou ignorando totalmente o comentário de Namjoon.

A tarde vai ser longa.


Notas Finais


Fiz " propaganda " da Deadly machine mesmo.

ISA🌸


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...