História You Know I'm No Good - Capítulo 4


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Drama, Revelaçoes, Romance
Exibições 0
Palavras 2.222
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Romance e Novela
Avisos: Adultério, Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Sexo
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Eu juro solenemente que vou tentar postar um capítulo por semana toda sexta, mas conseguir mesmo é outros quinhentos.
Espero que vocês gostem.

Capítulo 4 - The Story


Alex, 3 anos e 4 meses antes.

Estava deitada no sofá, em uma tentativa falha de por Lola para dormir.

-Vamos nenê Lô! Só 5 minutos.- Ela ria enquanto se levantava para correr pela casa. Ouço 3 batidas na porta e vou atender.

-Que bom que você chegou. Ela se recusa a dormir e já são quase 20:30, e só você consegue colocar esse anjinho pra dormir.

Cristal pegou Lola e em menos de 10 minutos, Lola já estava dormindo.

-Quer tomar alguma coisa? Chegaram novas garrafas de vinho semana passada. Sabe como Annie adora colecionar elas.

-Adoraria.

Quando abrimos o vinho, ela acabou tomando quase toda a garrafa.

-Whoa, você não vai pra casa digirindo desse jeito. Se quiser pode dormir aqui.

-Alex eu te amo.-Achei que Cristal estivesse falando como falava com a Annie. Mas não.-Não como amiga, eu te amo, realmente. E dói, sabia? Te amar, dói demais.

-Você está realmente bêbada.

-Ah não, isso não é da bebida. Eu sinto isso desde que você namorava a Annie, mas nunca tive coragem pra falar. Não queria acabar com seu perfeito relacionamento. -Conforme ela falava, se aproximava de mim me pressionando contra a parede.-Não te ter é a parte que mais dói. Eu preciso disso, preciso ter você.-Antes que pudesse responder ela me beijou. Foi como se tudo tivesse parado e só existissimos eu e ela. Interrompi o beijo dizendo:

-Eu sou casada. Eu amo minha esposa. Eu amo minha filha. Eu amo minha esposa e minha filha.

-Que se foda seu casamento, eu sei que você também sente algo por mim.-Disse ela se afastando e sentando sobre a bancada da cozinha. Ela estava certa. E era isso que eu temia; eu gostava dela. Não a amava como ela me amava, mas no fundo eu sentia uma atração por ela.

-E como tem tanta certeza?-Falei cruzando os braços e olhando fixamente pra ela. Ela desceu do balcão e veio até mim me beijando novamente.

-Está vendo? Eu posso ver sua reação, talvez seja a bebida que tomei, mas eu tenho certeza de que você quer tanto isso quanto eu quero.

Antes que ela falasse algo à mais eu a beijei intensamente.

-Não fala nada, só aproveita.-Disse continuando o beijo.

Eu me sentia tão só. Annie passava a maior parte do seu tempo no hospital, sempre falando que estava salvando vidas. Mas quem me salvava da solidão?

Continuamos nos beijando até que entrelacei minhas pernas em sua cintura e fomos em direção ao quarto de hóspedes.

Nós transamos. Uma, duas, três vezes.

Até que estávamos exaustas.

-Então, desde quando?

-Desde quando o que?

-Você disse que me amava, desde quando?

-O jantar. O jantar que você se declarou na frente de todos o seu amor por Annie e a pediu em casamento. Vocês são ótimas atrizes.

-Ah, tava tão na cara que ela tirou o anel e me entregou antes do dircusso?

-Ta brincando? Enquanto fazíamos a comida tudo o que ela fazia era isso,-Disse ela movimentando a mão imitando Annie.- e isso. Ela não parava de exibir o anel.

Sorri e entrelacei nossas mãos. Ficamos ali por um tempo. Aproveitando o momento.

Então Lola acordou.

-Merda. Merda. Merda.- Disse levantando rapidamente e vestindo minhas roupas. Aí a ficha dela caiu.

-Ai meu deus, o que eu fiz? O que nós fizemos?

-Sexo. O nome disso é sexo.- Ela começou a chorar de repente.

-A gente não deveria ter feito isso, o que todos vão pensar de nós?-Ela dizia enquanto limpava as lágrimas que continuavam a cair.

-Nada, porque o que aconteceu neste quarto vai ficar neste quarto. Se vista, por favor.-Disse saindo do quarto.

-Alex.-Disse Annie com Lola que já havia acabado de chorar no colo.

-Annie, minha dália.-Falei a beijando.

-Lola estava chorando e sua mãe super protetora não estava lá?-Disse ela irônica.

-Ah, eu ouvi ela chorar e estava indo vê-la. Mas antes tinha que colocar a sua outra bebê na cama.

-Cristal está aqui?

-Eu pedi ajuda dela para por Lola pra dormir e acabamos, quer dizer, ela acabou tomando a garrafa inteira de vinho. Não podia deixar ela voltar pra casa no estado em que estava.

-Ta bem, mas eu perguntei se ela estava, não o que havia feito duranta uma semana.-Disse ela friamente. É isso que eu odeio. Os poucos momentos em que passamos juntas ela está cansada, estressada e me trata mal.

Ela me entregou Lola e entrou no quarto. Incrível como em menos de 5 minutos Cristal conseguiu arrumar tudo.

-Eu tô tão cansada.-disse ela se deitando ao lado de Cristal.

-Eu também-disse sentando na poltrona próxima a cama com Lola no colo.

-Ah, por favor, você é professora do jardim de infância. Tem até hora pra tirar um cochilo.

-É tão cansativo quanto o seu trabalho. E eu não posso dormir enquanto as crianças dormem.

-E desde quando você faz cirurgias de mais de 8 horas nas crianças?

Fiquei calada. Era sempre assim. Ela esfregava na minha cara o quanto trabalhava. O quanto eu era inútil, imprestável, como não fazia nada.

Eu também tinha um trabalho. Eu saia mais tarde que ela e voltava mais cedo, claro. Mas estava tão cansada quanto ela. Tão estressada quanto ela.

Eu a amava, ainda a amava, mas tenho certeza de que essa noite com a Cristal não foi a última vez em que dormimos juntas. Com certeza haverão mais vezes. Ela me trata melhor do que a Annie tem me tratado. Eu acho que, por ela, eu estaria disposta a abrir mão de tudo o que eu tenho com Annie. Inclusive de toda a fortuna que temos juntas.

Para evitar brigar com Annie, me levantei e saí daquele lugar com Lola. Cristal me olhava como quem não havia acabado ainda.

Olhei o relógio do corredor e o mesmo marcava 4:57.

Coloquei Lola para dormir novamente, peguei as minhas chaves e sai com o carro. Dirigi até O jardim. Não era um jardim qualquer, era O jardim, o nosso jardim. O local onde eu me casei. Onde prometi amar, proteger e respeitar Annie. As vezes parecia que só eu cumpria essa promessa.

Quando brigavamos, eu vinha até aqui e pensava no dia em que nos casamos. Eu sempre imaginava ela e Cristal entrando juntas. Agora, repensando na cena, Cristal parecia abatida. Parecia que havia chorado a noite anterior inteira. Ela sorria sempre, mas mesmo assim parecia triste. Eu poderia jurar que em momentos da cerimônia vi ela chorando. Mas sempre achei que fosse emoção, sabe? Algumas pessoas choram com casamentos, eu achei que ela fosse desse tipo.

4 anos antes, dia do casamento.

-Os votos.

O juiz de paz disse. Peguei um papel com letras que haviam me dado com o discurso que havia escrito.

-Aqui, na minha frente está a pessoa que eu amo.

A mulher que, agora, eu estou escolhendo para dividir o resto da minha vida.

A mulher que eu escolhi. A que eu escolhi para ficar comigo, ao meu lado. Que eu escolhi para amar.

Todos os dias, quando eu acordo ao seu lado eu penso: "E se Cristal não estivesse la pra falar 'vá em frente, vai logo falar com ela'?" Todos os dias eu penso "como ela é linda, como eu sou sortuda por tê-la, por poder abraçar ela, beijar ela e amar ela". E é isso que eu vou fazer, te amar, te beijar, te abraçar e te proteger até o fim de minha vida. Eu te amo, Annie.

Annie, dia da cirurgia.

-Por mais que eu não me lembre, me perdoe, vamos começar de novo? Oh babe when you talk like that, you make a woman go mad.- Cantou ela.

-Cristal vem todos os dias te ver, sabia? Deveria falar com ela.

-Eu quero falar com você.- Não pude deixar de sorrir quando ela disse isso.

-Eu tenho pena dela, você fez ela amar você e depois se esquece dela? Você é um monstro.

-Eu sei, mas olha que coisa boa, tem duas pessoas que me amam, eu sou foda.

-Três. Não esqueça da nossa nenê Lô.-Ficamos em silêncio por um tempo.-Ela tem perguntado sobre você, ela me perguntou ontem por que a mamãe Alex não vinha buscar ela pra brincar.

-Eu queria tanto me lembrar dela. Talvez com uma foto ou um vídeo, você tem vídeos ou fotos nossas?

-Eu não tenho, mas sei quem tem. Quer dizer, eu tenho fotos da minha filha, mas não de vocês duas. Posso chamar ela?

-Sim, sim, chame-a.

Sai do quarto e fui em direção de Cristal.

-Bom dia, Cristal.

-Annie? Está conversando comigo?

-Bem, não vejo mais nenhuma pessoa chamada Cristal por perto. Você tem fotos ou vídeos de Lola e Alex juntas?

-Tenho, mas por que a pergunta?

-Alex não se lembra dela também, e acha que se ver alguma foto dela vai se lembrar.

-Mas você não tem? Que dizer, fotos da sua filha no seu celular?

-Tenho, mas se ela ver só uma foto de Lola vai ser como ver uma criança qualquer. Precisa ser das duas.

-Entendo. Então, vamos?

Entramos no quarto e Alex disse.

-Aqui estão as duas mulheres que tanto me amam.

-Assim ela fica mais triste-Chochichei olhando para Cristal.

-O-Oi Alex, soube que a cirurgia é hoje. Espero que dê tudo certo.

Ela estava toda boba perto de Alex. Nem parecia a mesma pessoa que estava na primeira vez que apresentei Alex como minha namorada.

-Obrigada, e eu espero me lembrar de você.-Ela fez uma pausa.-E de Lola, claro.

-Falando nela, eu tenho várias fotos. Até mesmo de nós três com Lola.

-Mas eu achei essa foto tinha sido queimada.

-Eu ainda tenho minha cópia, lembra? Aqui, é o meu wallpaper.- Ela mostrou, mas meu rosto estava cortado.

Me lembrei que de todas as nossas fotos juntas, sempre dávamos uma cópia à outra.

-Como pude me esquecer disso? Eu poderia montar um álbum inteiro com fotos nossas.-Falei rindo.

-Aqui, ela tem uma personalidade parecida com a sua. Ela também ama quando você faz trancinhas nos cachinhos dela.

Ela dizia, sentada ao lado de Alex. Eu estava tão confusa.

Eu estava me apaixonando por Alex de novo? Eu estava esquecendo tudo o que Cristal e ela me fizeram?

Quer dizer, eu nunca me esquecerei. Mas eu poderia estar perdoando, não?

Vimos mais algumas fotos e vídeos, Alex se derreteu em todos claro, até que bateram na porta.

-Com licença? Eu estou aqui para preparar Alex para a cirurgia.- Rory, uma enfermeira já idosa entrou. Rory iria levar Alex para a cirurgia que diria se voltaríamos a viver juntas ou se ela voltaria para Cristal.

-Ah, acho melhor eu ir.

Cristal disse se retirando do quarto.

-Eu já estou indo, mas preciso falar antes com Rory sobre uma cirurgia.

-Está bem, quer que eu te traga um café? Vamos nos encontrar na porta em que nos encontramos da última vez, ok?

Balancei a cabeça afirmando. Assim que ela saiu, chamei Rory. Alex estava meio sonolenta por conta de alguns remédios que haviam dado à ela, então ela provavelmente não ouviria nossa conversa.

-Rory, eu quero que me prometa que virá me atualizar sobre a cirurgia. Vai me contar cada detalhe. E por favor, diga ao Richard que eu quero ela de preferência viva.

-Annie, não se preocupe tanto assim, eu sou um dos melhores cirurgiões deste hospital.-Disse Richard entrando no quarto. O abracei e disse:

-Eu estou com tanto medo. Eu não quero perder ela novamente.

-Ter medo é bom, significa que você tem algo a perder.

-Cuide bem da minha Alex.-Disse me soltando do abraço.

-Irei cuidar. Confie em mim.

Andei ao lado da maca até o final da linha vermelha.

-Parada final. Quer falar algo a mais pra ela antes de entrarmos?

-Sim, sim eu quero.

-Fique a vontade.

-Alex, hoje foi um dia tão bom sabe? Eu, você e Cristal, éramos uma família de novo. Eu não me importaria se ela viesse no seu "pacote" de família. Mas por favor, fica comigo, me escolhe, me ame. -Meus olhos estavam marejados.-Ah, que maravilha, a torneirinha está se abrindo.

Ela enxugou algumas lágrimas e segurou meu rosto.

-Por favor, me perdoa, eu posso não lembrar do que fiz, mas sei que o que fiz foi errado e te magoou imensamente. É você, sempre será você. Eu posso ter sido apaixonada por ela, mas é você quem eu sempre vou amar.

Eu comecei a chorar mais. Então ela começou a cantar nossa música.

E me beijou. Eu não esperava que ela me beijasse, mas quando me beijou foi como se tudo que havia nos cercando não existisse mais. Como se fosse a primeira vez.

-Temos que leva-lá agora.

Soltei sua mão e a vi sumir no meio de inúmeras portas. Essa é a primeira vez que eu fico do outro lado, o lado do acompanhante.

-Annie? Como pode?-Disse Cristal em um tom alto.

-Como pude o que?- Falei me virando e encarando ela.

-Você me traiu.

-Eu só beijei a minha esposa. A qual nunca deveria ter deixado partir.

Ela começou a bater palmas.

-A esposa arrependida está aqui. Depois de passar horas em plantões. De esquecer de sua esposa e filha.

-Eu nunca me esqueci delas, eu ligava todas as noites para falar com Lola e Alex. Eu não deixava de pensar em como estavam um segundo.

-Você sabe o quanto Alex se sentia solitária? Não, não sabe, porque você só sabe ser a médica perfeita qu salva todos.

-E quantas vidas eu salvei? Quantas pessoas tiveram outra chance? Quantas famílias estão felizes agora com seus entes queridos? Talvez você não saiba, mas todas as vidas que salvei Alex me apoiou. Eu, eu não sei o que deu nela mas ela parou de me apoiar.

-Nada do que você diz irá justificar o que você fez.

-Que bom que nada irá justificar as vidas que eu salvei nos plantões. Não posso dizer o mesmo sobre quem vai pra cama com uma mulher casada.-Disse pegando o café de sua mão e saindo.


Notas Finais


Eu acho que finalmente o capítulo ficou grande como eu queria, ou então é só impressão. Mas mesmo assim espero que vocês tenham gostado


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...