História Noctívago - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jimin, Suga
Tags Yoonmin
Exibições 69
Palavras 2.032
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Festa, Universo Alternativo, Yaoi
Avisos: Álcool, Homossexualidade
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Não foi nem de longe a melhor coisa que eu escrevi na minha vida.

Por sinal, eu estou muito insegura sobre postar, mas é que eu gostei e mesmo sendo tarde ~never too late~ eu queria algo pro aniversário do Chim Chim.

Espero que gostem <3

Capítulo 1 - Capítulo Único - Freal Luv


Fanfic / Fanfiction Noctívago - Capítulo 1 - Capítulo Único - Freal Luv

 

 

Sentia como se uma escola de samba brasileira batucasse em sua cabeça, independente do quão silencioso o ambiente pudesse estar. Seu corpo formigava e não sentia muito bem o braço direito, mesmo ciente de que ele estava ali. Os dedos da canhota passeavam por alguma superfície mole, como um tecido, ao mesmo tempo em que esta parecia terrivelmente quente.

 

 

Isso, calor. Park Jimin sentia muito calor, como se alguma coisa o queimasse as costas e como se as mãos tocassem brasa.  

 

 

Para alguém inconsciente do que fazia nos primeiros segundos ao acordar, entendia que algo de errado estava acontecendo sem muito esforço. Sentia cheiro de cigarros (?) e bebida, este segundo sendo extremamente forte e misturado a uma essência que seria gostosa se não estivesse tão envolvida nas demais substâncias. Lhe dava náuseas, fazia subir pela garganta um gosto amargo, mas sabia que nada dali sairia, certo?

 

 

Tentou abrir os olhos pequenos, sentindo as pálpebras grudadas e dificultando o mínimo de movimento que poderia fazer. A vista que começou embaçada logo tomava formas, indicando um pequeno monte escuro no qual se encostava iluminado com força pelo o que – já meio racional depois de segundos – imaginava ser o sol vindo da janela. Estava em seu quarto afinal, mas não se lembrava de seu travesseiro usar fronhas tão desbotadas e escuras.

 

 

Talvez porque aquilo no qual se abraçava fielmente não fosse realmente seu travesseiro.

 

 

Afastou-se em um pulo, ouvindo um resmungo rouco e familiar, mas sem tempo para associar a com b quando se sentiu zonzo por ter se sentado com tamanha pressa.

 

 

Não seja idiota, Jimin.

 

 

Levou as mãos ao rosto com um gemido quase mudo, tendo uma leve impressão de notar as cordas vocais falharem através do ato e por isso tendencioso a choramingar um pouco mais. O que estava acontecendo?

 

 

- Se você interromper meu sono outra vez, eu vou te jogar pela janela.

 

 

Aquela voz, aquele tom.

 

 

Jimin virou-se, desta vez sem ser tão imbecil a ponto de mover-se com desespero, fitando Yoongi deitado com as mãos debaixo da cabeça e os olhos ainda bem cerrados. Tinha uma das pernas para fora do colchão e outra bem esticada, parecendo uma posição desconfortável, mas não para alguém que tinha a capacidade de dormir em qualquer lugar e a qualquer momento. Então era ele quem fedia a cigarros e bebida ou era uma mistura do perfume do loiro com a própria desgraça? Não tinha como acertar um palpite naquelas circunstâncias.

 

 

Arrastou os dedos pelos cabelos alaranjados, considerando voltar a se deitar novamente por um segundo, mas não achou que devesse. Já tinha abusado demais da boa vontade do outro ao usá-lo de travesseiro, ainda que a tendência fosse piorar com tantas perguntas acumuladas na mente de Park.

 

 

Muitas e muitas questões, daquelas que possivelmente deixariam Yoongi nervoso àquela hora da manhã.

 

 

- Porque você está aqui? – Sua boca se moveu por vontade própria ao começar com o que sua mente achou indevido, mas obviamente estava todo descontrolado e sofrendo de uma ressaca massacrante para voltar para o lugarzinho seu filtro social. – Você não abusou de mim, não é?

 

 

Suga riu. Ele não deveria estar rindo, deveria?

 

 

- Você mal conseguia ficar de pé, Jiminnie.

 

 

Adorava aquele apelido, de verdade, mas agora soava repulsivo. Talvez porque estava claro que Yoongi debochava de sua condição – na qual valia ressaltar que não tinha a menor ideia de como deveria ter sido – e isso não era nada do que esperava quando tivesse finalmente um garoto em sua cama. Estava desconfortável, o que foi notado pelo mais velho sem que precisasse abrir os olhos para isso.

 

 

- Acha mesmo que eu seria capaz de fazer algo com você?

 

 

- Pelo jeito que você falou, se estivesse um pouquinho mais sóbrio, sim. – Admitiu um pouco envergonhado, tentando colocar uma dicção melhor nas palavras, mas elas soavam cada vez mais erradas. Sua boca secava em todas as pronuncias e não sabia quanto tempo poderia continuar passando a língua nos lábios inchados.

 

 

- Você é virgem, Park? – O rapaz finalmente abriu um dos olhos, curioso independente se não demonstrasse. O ruivo torceu o nariz.

 

 

- Isso é coisa que se pergunte? Eu acabei de acordar com você na minha cama e eu não me lembro de droga nenhuma. – Voltou as mãos aos olhos, esfregando-os compulsivamente.

 

 

- Pelo jeito que teme sua integridade, é o que parece.

 

 

Yoongi impulsionou seu corpo para cima sem pressa, levando as mãos marcadas pela posição em que deitou até os pulsos de Jimin, impedindo-o de continuar a tentar afundar os próprios olhos para dentro do crânio.

 

 

Que dramático.

 

 

- Não aconteceu nada, ok? – Afirmou convincente – ao seu ver – quando o ruivo focou os orbes pequenos em si, um tanto quanto apreensivo. Suspirou, soltando-o antes de decidir remexer nos fios descoloridos e tirá-los da frente da testa suada. – Você bebeu demais e eu te trouxe pra casa. – Passou polegar e indicador pelo canto dos olhos antes de bocejar, voltando o rosto para baixo. – Aliás, sua avó me confundiu com o meu primo. Eu tomaria mais cuidado se vocês não foram roubados ainda.

 

 

Jimin deu risada. Baixo, como se com aquele gesto tivesse forçado a garganta demais para sair um som mais alto do que o que chegou aos ouvidos de Yoongi. Deveria ter gritado muito no dia anterior para estar daquele jeito.

 

 

- Perdão se você se parece com ele, afinal vocês são parentes. – Destacou com certo tom de sarcasmo que rapidamente foi recebido pelo companheiro com uma expressão de desagrado. Park sorriu novamente. – E respondendo a sua pergunta indelicada, sim, eu sou virgem.

 

 

Yoongi apoiou as costas na cabeceira com certa dificuldade – Jimin era pesado e a posição em que o deixou acabou sendo extremamente desconfortável, causando dores inevitáveis – observando o mais novo se mover com manha pelos lençóis até se levantar, todo desengonçado. Seria adorável se não fosse tão ridículo.

 

 

- Já que você começou com a sessão de falta de bom senso, acho que tenho direito de retribuir. – Jimin voltou a se pronunciar, tirando do hyung uma imediata e seca negativa.

 

 

- De jeito nenhum. – Suga balançou a cabeça sem pressa. Não estava no estado do ruivo porque não tinha bebido o suficiente para isso. – Porque você não faz como toda pessoa de ressaca e simplesmente fica quieto?

 

 

- Porque minha mãe destaca diariamente que eu não sou todo mundo. – Deu de ombros, caminhando com os pés descalços pelo chão aquecido com o sol, ainda que de certo ângulo escaldante.

 

 

- Eu não disse que era.

 

 

- Porque você tem que ser tão difícil, hyung? – Choramingou, deixando os ombros caírem ao se virar para o loiro que imitou-o de forma claramente maldosa.

 

 

- Porque você tem que ser tão manhoso, dongsaeng? – Dificilmente Yoongi usava termos como aquele, fazendo imediatamente Jimin sorrir e ignorar o quanto o mais velho tirava sarro da sua postura destruída.

 

 

- Porque assim eu consigo tirar bons resultados de você e esse seu mau humor diurno.

 

 

- Diário.

 

 

- Que seja. – Continuou com aquela alegria estampada no rosto de bochechas gordinhas, seguindo para o banheiro com preguiça. – Como foi a noite passada? – Questionou de dentro do cômodo, abrindo a torneira para tentar tirar da cara a madrugada devastada e da boca aquele gosto terrível de quem parecia ter lambido uma barra de ferro.

 

 

Aliás, não duvidava muito que isso tenha realmente acontecido.

 

 

- Nada que não tenha sido nas outras.

 

 

- Isso significa que te beijei de novo? – Park poderia passar horas reclamando da indelicadeza de Yoongi, mas não era como se não fosse tão indiscreto quanto. Ergueu os olhos ao espelho pela falta de resposta, observando o loiro dar de ombros. – Por quê?

 

 

Suga não entendeu a pergunta. Ergueu as sobrancelhas enquanto batucava os dedos no braço cruzado, tombando a cabeça involuntariamente. Jimin suspirou.

 

 

- Porque você só fica comigo quando eu mal posso me lembrar? – Voltou a questionar, como se estivesse chateado. Aquilo era novo para o Min.

 

 

- Faz diferença?

 

 

- Claro que faz. – Virou-se de costas para a pia, apoiando as mãos na louça enquanto encarando os pés descalços no chão de tacos mais frios se comparado ao próprio quarto. – Eu não quero nada que eu possa esquecer.

 

 

- Então porque só fica com os outros quando está bêbado?

 

 

- Os outros são os outros, hyung, eu jamais atribuí eles a você.

 

 

Um silêncio constrangedor se instalou pelo lugar. Jimin viu tudo dali em diante acontecer em câmera lenta, de forma não menos desconfortável, justo o contrário. Yoongi se levantou e bateu com suavidade as mãos de marfim pela roupa, jogando o celular velho no bolso da calça jeans e buscando a jaqueta de couro deixada em um canto do cômodo. Quanto mais o ruivo observava as ações do outro mais tinha plena consciência de que faria o que sempre fazia quando chegavam naquele ponto da conversa.

 

 

Yoongi fugiria.

 

 

- Por favor, não vai embora. – Pediu com a voz baixa, não recebendo nem mesmo um olhar de retribuição.

 

 

- Eu já cuidei de você a noite toda, Park, tenho mais o que fazer.

 

 

- Porque trata isso como uma obrigação, Yoongi? Eu não pedi pra você fazer nada disso. – Questionou de forma completamente impulsiva, deixando o lugar onde estava para estacionar o corpo diante da porta, impedindo o mais velho de deixá-lo falando pelas paredes como sempre fazia.

 

 

Claro, toda a movimentação repentina de Jimin refletia nas dores no corpo e nas náuseas, mas não queria ser deixado sem explicações outra vez. Ainda que tivesse certeza que não tiraria nada de concreto vindo de quem vinha e no momento em que estavam, sem poder insistir tanto.

 

 

- Você se preocupa comigo, custa admitir? Eu sei que você não vai dizer nada, mas eu digo. Eu gosto de você, seu maldito amargurado. Eu só queria saber uma vez como é se lembrar do seu beijo e da sensação de ter você perto e não querendo fugir quando te pergunto alguma coisa! – Suspirou, desviando os olhos do loiro depois de ser consumido por uma parcela de culpa.

 

 

Estava cobrando por algo que não se pede de volta, isso era horrível.

 

 

Entretanto, o resultado de suas palavras inconscientes surgiu mais efeito em Yoongi do que imaginaria quando começou a pronunciá-las. Sentia o olhar do outro em si e não poderia fugir disso eternamente. Nenhum dos dois poderia, essa talvez fosse a pior parte na visão de quem terminou a noite mais sóbrio.

 

 

Yoongi queria tirar Jimin daquela porta e ir embora como sempre fez, mas não entendia em que momento vê-lo daquela maneira se tornou um tremendo incomodo. Ainda mais quando tinha conhecimento de que era o causador de um pequeno rage da parte do Park sempre tão alto astral.

 

 

Eles tinham o estranho dom de tirar das pessoas um pouco do que elas normalmente não mostrariam a ninguém.  Principalmente se tratando um do outro.

 

 

Suga não quis pensar muito mais quando avançou em alguns passos calmos, puxando Jimin pelo cós da calça e juntando seus lábios aos dele com perfeito encaixe. O mais novo também não levou muito tempo para considerar o que acontecia, erguendo as mãos até a camiseta de tecido grosseiro que Yoongi usava, trazendo-o para o mais perto que conseguia a medida que aprofundavam o beijo. O mais velho tinha um estranho gosto de menta que se misturava ao ferro que o Park de repente não achou tão ruim. Era uma combinação incomum, de fato, mas eles por si só eram de todo excêntricos. Na forma de demonstrar um para o outro que poderia dar certo, desde que se levasse a situação com calma, principalmente.

 

 

Sentiu-se acalentado, mas ainda inconscientemente esforçando-se a ignorar o ar que faltava cada vez mais, se negando a entender que o momento duraria muito menos do que gostaria.

 

 

Ele fugiria, afinal tudo o que se apertava tinha a tendência a escapar pelos dedos sem controle.

 

 

- Feliz aniversário, Jimin. – Ouviu-o dizer pela primeira e provavelmente última vez antes que se afastasse, passando pela porta de seu quarto sem se despedir de forma decente. Até porque, nenhum dos dois queria de fato dizer “adeus” para aquele momento, como se ele fosse algo passageiro.

 

 

O sentimento por si só não era.

 

 


Notas Finais


Hoje eu não tenho indicações e acho que qualquer palavra que eu usei dá pra entender no contexto.

Dei esse nome pra fanfic porque em primeiro lugar eu sou uma pessoa notívaga e eu gosto muito da palavra. Em segundo porque na minha mente, ao menos no caso dessa one, Jimin é uma pessoa noturna porque vai em muitas festas e Yoongi é noturno porque é canon, a gente ta ligado nessa parte.

Achei que cairia melhor que tudo o que eu pensei antes de título KKKK

Espero de verdade que tenham gostado, até uma próxima que eu espero que tenha <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...