História Noivo de Aluguel - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Amor Doce
Personagens Alexy, Armin, Castiel, Personagens Originais, Violette
Tags Alexy, Amor, Amor Doce, Armin, Atração, Calúnia, Casamento, Castiel, Comedia, Drama, Família, Farsa, Intriga, Jujuba_real, Mentira, Mistério, Misterios, Noiva, Noivo De Aluguel, Revelaçoes, Romance, Sexo, Suspense, Treta, Violette
Visualizações 236
Palavras 1.594
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Bishoujo, Bishounen, Comédia, Ecchi, Famí­lia, Fantasia, Festa, Hentai, Mistério, Romance e Novela, Saga, Shoujo (Romântico), Shounen, Slash, Universo Alternativo, Visual Novel
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Spoilers
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Hello Guys!!!! 💛

Tudo bem??? Espero que sim, perdoem por minha demora, mas creio que ela vai ser recompensada com este capítulo lindinho :) 💛

Aqui Lorey faz uma leve merda..
A identidade do noivo de aluguel é revelada e... Aaaah!! Vejam vocês mesmos 💛

Boa leitura amores 💛

Capítulo 2 - O Jantar


Fanfic / Fanfiction Noivo de Aluguel - Capítulo 2 - O Jantar

— Está aqui é a Ana quando se formou na faculdade, e está, oras! É a Ana quando foi ao baile com um dos caras mais bonitos do colégio. Também temos está onde Ana..—

— Ok. Acho que ele já entendeu que minha irmã caçula é incrível, mas nós não iremos comer? — Interropi meu pai lhe dando um breve sorriso amarelo e olhei para meu "noivo" que sorria abertamente. Só mais algumas horas Lorey.

— Olha só — O chamei — Uma foto minha de quando me formei na faculdade de Havard* — Era uma pequena fotografia com uma moldura desgastada e rude, em comparação as de minha irmã que eram grandes e chamativas. Meus pais só não compraram molduras banhadas a ouro para ela, pois o orçamento não cobririá tamanho absurdo

— Ela é... — Ele pensou um pouco antes de me dar uma resposta adequada, imagino — Pequena, não é? Em comparação as da sua irmã — Bingo! Ele pensa o mesmo que eu

— Sim, se não percebeu ainda, querido... Minha irmã é a favorita — Sussurrei a última parte para que somente ele ouvisse. 

Se meus pais escutassem tais palavras, logo iniciaram um discurso de meia hora. E seria sobre eu estar errada sobre minha irmã ser a queridinha? Não. Era um discurso inteiramente sobre os motivos dela ser tão fabulosa

— Tadinha da minha noiva — Olhei para o suposto homem que eu casaria  e ri com a careta que ele fez para mim — Veja só! Me livrei da sua cara emburrada, falei que seria melhor que o verdadeiro, aposto que ele com aquele jeito "eu sou fantástico", não lhe arrancaria este sorriso

— Engraçadinho — Revirei os olhos indo até o sofá onde meus pais olhavam - pela vigésima nona vez - os álbuns com fotos da minha irmã caçula

— Vamos mostrar as fotos de Lorey para o Castiel, querido? — Minha mãe perguntou animada olhando para meu pai que assentiu tentando os achar em meio aos outros

— Quer ajuda pai? — Sugeri me aproximando um pouco e minha mãe simplesmente fez sinal para que eu parasse meu movimento

— Não está nas caixas — Disse a grisalha pensando um pouco — Guardamos no porão, Will — Ela olhou para meu pai que pareceu pensar sobre aquilo

— Como pude me esquecer? — Ele pôs sua mão sobre a cabeça levantando suas nadegas do sofá vermelho que habituava a sala de estar da casa

— No porão? Quanto amor a filha — Sussurrou "Castiel" em meu ouvido em deboche e como de costume depois de torná-lo meu noivo de aluguel, eu revirei os olhos — Sua família te ama tanto, querida

— Calado — Mandei lhe dando uma cotovelada no estômago o vendo gemer de dor

— Ei — Reclamou me devolvendo a cotovelada de maneira mais leve — Aqui é um globo terrestre? — Perguntou apontando para o mini planeta terra que se encontrava na escrivaninha do meu pai

— Sim, porque? — Me aproximei dele observando por cima de seus ombros o Globo

— Dê a mão — Disse pegando em minha mão direita me fazendo dobrar todos os dedos, menos o indicador — Feche os olhos e só abra quando seu dedo parar em algum lugar do globo, ok?

— Ok! — Sorri meio sem jeito, não compreendendo o que ele queria. 

Fechei meus olhos e ouvi o som do globo girar, então posicionei meu dedo em cima dele o parando e olhei onde ele estava indicando

— Paris — Falamos juntos fitando o nome embaixo de meu indicador. Me coloquei a observar meu braço e ver até onde dava até notar que ele segurava em minha mão com sua bochecha quentinha próxima a minha, acabei corando

— Eles não são lindos juntos querido? — Pude ouvir a voz de minha Mãe quando desceu as escadas com meu pai atrás de si com várias caixas — Vamos servir a janta. Quando terminarem, venham conosco!

— Tudo bem — Respondi com um sorriso imenso nos lábios sem nem mesmo entender o porquê dele

{ ... }

— Querida, você pode beber? — Perguntou minha mãe dando a insinuação de que eu estava grávida pela quinta vez, em menos de vinte minutos.

— Mãe, eu já lhe disse que não estou grávida — Respondi o mais educada possível dando um gole no vinho que ela havia acabado de servir para meu noivo de mentirinha

— Ei — Ele me deu um leve empurram me fazendo quase derrubar o vinho em nós dois e acabamos rindo, não sei o porque, mas talvez o álcool que ingerimos estava fazendo efeito e pudesse explicar nossos comportamentos estranhos

— Vocês formam um casal bonito — Meu pai sorriu abertamente deixando aparente suas rugas nos cantos de seus olhos. 

Devolvi o sorriso de meu pai, um tanto sem graça com a situação lembrando que eu estava me engraçando* com um homem que nem conheço, oras. Foca Lorey! Não se envolva tanto com esse cara que você nem ao menos sabe o nome! Mesmo ele sendo gentil, fofo, gato, engraçado e... Não! Nem pensar!

— A casa de vocês é simplesmente linda — Disse meu tal noivo delizando sua mão por trás das minhas costas na tentativa falha de poder me abraçar de lado. 

Tirei sua mão de minha cintura e viajei para bem longe daquela conversa chata entre sogros e noivo de mentira, por incrível que pareça. Meu desconhecido noivo parecia se dar bem com meus pais, da maneira que Castiel os assustaria com seu jeito de ogro roqueiro. Eu gosto desse jeito dele, gosto muito, mas meus pais são do tipo religiosos que preferem os "homens do bem", vamos dizer assim.

— Querida, pode me ajudar por um instante? — Minha mãe se levantou da mesa me passando um daqueles famosos olhares de amigas fofoqueiras quando estão loucas para contar o mais novo babado da semana

· Point Of View Autora ·

Lorey limpou os requisitos de molho que sobraram nos cantos de sua boca, com o guardanapo que estava posto sobre a mesa de jantar, se despediu de seu noivo - e também desconhecido - indo com sua mãe a cozinha, deixando pai e sogro sozinhos na copa* onde a pouco todos estavam jantando

— Vamos direito ao ponto — Senhor Cameron sentou no lugar que Lorey estava a minutos atrás e olhou bem no fundo dos olhos de quem ele pensava ser seu genro — Ela está grávida? Está casando com minha filha por ela estar esperando uma criança? Seja sincero. Não precisa casar com ela, se é só por isso, somos os pais dela e mesmo sendo meio insencíveis, queremos o melhor para ela! Se não a ama, saia por aquela porta agora e só deixe o dinheiro para o filho que ela espera — Disse sério olhando fixamente para as pupilas do rapaz que apenas umedeceu os lábios e sorriu confiante e surpreso ao ato do homem

— Não senhor. Ela não está grávida e fico feliz em dizer que não vou me levantar daqui e me retirar, eu amo sua filha e vou me casar com ela por amor. Não se preocupe — Respondeu o rapaz com um belo sorriso de lado, convencido de suas palavras. Ele sabia que Lorey não estava grávida pois ela havia o avisado de tal ato dos pais e garantiu que ele poderia dizer que ela não estava em hipótese alguma, grávida.

— Will, querido — Senhora Cameron chamou o esposo apoiando suas mãos no batente da porta que levava até a cozinha — Sabe onde está meu avental?

— Na gaveta debaixo, querida — Falou sorrindo sem deixar seus dentes a mostra e se aproximou perto do ouvido de seu genro — É a primeira coisa que some, depois do sexo, é claro!

— Sim. — Concordou com seu sogro de mentira recebendo batidinhas em suas costas

— Tem certeza meu amor? Não estou encontrando — Dona Sophia lançou o típico olhar que o velho Will conhecia, o de "temos que conversar"

No mesmo momento que o pai de Lorey se levatou da cadeira para ir com a esposa, Lorey voltou para sala de jantar sentando em seu respectivo* lugar

— E então? Qual vai ser a primeira coisa que você irá perder e eu irei te lembrar assim que nos casarmos? Depois do sexo, é claro! — Brincou o rapaz fazendo cosquinhas nas costelas de Lorey que o xingou enquanto ria descontroladamente

— Quer vinho noivo? — Perguntou sorrindo para seu noivo de aluguel já o servindo — Temos que beber para comemorar o sucesso de nossa atuação. Eles estão acreditando fielmente — Disse ela bebendo todo líquido da taça de uma só vez

— Deveria maneirar no vinho — Comentou o rapaz dando apenas um leve gole na bebida. Lorey já estava um tanto alterada pelo álcool ingerido e querendo ou não o rapaz desconhecido estava preocupado com as consequências daquele ato

— Eu 'to bem, ok? Relaxa bonitinho

{...}

— Você é louca — Disse assim que Lorey o jogou em sua cama tirando a roupa do rapaz. Ela estava fora de si por conta do vinho. Seus sentimentos estavam embaralhados e a única coisa que consumia seu inconciente era "ela queria a todo custo transar com seu noivo de aluguel" — Nem sequer nos conhecemos 

— Prazer. Lorey Cameron, ex gerente publicitária, 22 anos, noiva e louca de tesão por um desconhecido — Disse a loira enquanto depositava beijos no corpo do rapaz que até então, estava submisso* aos atos dela — Se apresente

Ele riu da forma voraz* que a mulher estava agindo e então se apresentou: — Designer relativamente famoso, 23 anos, comprometido com uma maluca somente por uma noite, Alexy Style.


Notas Finais


·~ Dicionário ~·

Havard* uma universidade privada membro da Ivy League, localizada em Cambridge, Massachusetts, Estados Unidos, e cuja história, influência e riqueza tornam-na uma das mais prestigiadas universidades do mundo.

Engraçando* vem do verbo engraçar. O mesmo que: cortejando, galanteando, realçando, simpatizando.

Copa* um lugar onde se fazem as refeições (Pode-se chamar de cozinha também). O que geralmente a difere de uma sala de jantar é o fato de que na copa é anexada uma porta, ou outras maneiras de cozinha

Respectivo* Pertencente; aquilo que é devido; o que compete ou pertence a: sentaram-se nos respectivos lugares.

Submisso* que se encontra numa posição inferior, tende a ser obediente; dócil. Se submete sem reclamar; humilde ou servil. Utilizado sem demonstrar resistência; conformado.

Voraz* alguém ávido, insaciável, que consome algo com muita vontade.

💛💛💛💛💛💛💛💛💛💛💛💛💛💛💛

Fanfic sugerida: https://spiritfanfics.com/historia/hemophobia-9968106

Perfil sugerido: @TheLittleKitty @Mistic_Purpurin @NickLBBH @BeccaDoce @Melissa_Pikachu


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...