História Nos ponteiros de um relógio - Capítulo 9


Escrita por: ~

Postado
Categorias Saint Seiya
Personagens Afrodite de Peixes, Jabu de Unicórnio, June de Camaleão, Mascára da Morte de Câncer, Personagens Originais, Shun de Andrômeda
Tags Afrodite X Shun, Drama, Jabu X June, Passado, Romance
Exibições 34
Palavras 1.075
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Luta, Musical (Songfic), Romance e Novela, Shonen-Ai, Shoujo (Romântico), Slash
Avisos: Heterossexualidade, Homossexualidade, Suicídio, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Me desculpem pela demora, mas essa semana está sendo difícil na faculdade, quando o fim de ano começa a chegar eles apertam o cinto ainda mais. Boa Leitura!

Capítulo 9 - Oitava Hora - Um presente


Fanfic / Fanfiction Nos ponteiros de um relógio - Capítulo 9 - Oitava Hora - Um presente

         Shun estava sentado numa cadeira em sua pequena mesa de jantar, não conseguia tirar os olhos do pequeno papel amassado no canto ao lado do Rack que continha sua televisão.

         Queria perdoa-lo mas sabia que ele continuaria amando aquele homem que jurou nunca mais dizer o nome.

 

         Os dias passaram, nem sinal do Pisciano. Aquilo preocupava muito Shun, mas imaginava que o Pisciano estava com ele.

-...não acredito. – Ainda olhava para o papel no canto da sala, não tinha força para tira-lo dali. No fundo precisava dele. – No fim eu nem sou tão diferente dele, ligar para alguém que nem liga pra você... – Levava as mãos ao rosto e se tocava, sua pele estava marcada e vemelha.

 

         Shun andava pela casa sem nada para fazer, até que decide ir falar com Afrodite, seria uma conversa seca, apenas para esclarecer as coisas.

         Chegou e olhou pelos lados, a casa estava vazia e a porta da frente aberta. As cortinas da varanda balançavam, e o Pisciano certificou-se de que ele não estava lá embaixo, se inclinando um pouco para olhar.

-O que está fazendo aqui? – Num simples solavanco, deixou-se cair, sem nem ver quem era que o chamava.

 

         Caiu pensando que era seu fim, mas Afrodite o segurou no colo, Shun forçava seus olhos pensando que havia morrido, até abrir e ver um belo Pisciano sorrindo para si e June atrás o olhando assustada.

-Minha cabeça... – Shun fechava vagarosamente os olhos deixando os sons ao seu redor cada vez mais baixo e difícil de ser distinguido.

-June, chame uma ambulância, verei se ele está vivo! – Afrodite colocava seu ouvido no coração de Shun enquanto observava vários corpos o cercando.

 

         Depois de um tempo a ambulância chegou, levou Shun ao hospital e descobriram que por conta de sua pele frágil, é perigoso uma constante exposição ao sol. Afrodite respirou fundo aliviado enquanto abanava seu rosto com as mãos, pensou que fosse algo pior.

         Horas se passaram, June voltou ao trabalho, por mais que quisesse ficar ali ao lado de seu melhor amigo, não podia. Ao contrario do Pisciano, que fez questão de ficar ali.

         Dois dias já haviam se passado, Afrodite sentia uma imensa dor nas costas, estava dormindo em uma cadeira todo esse tempo.

-“Veja como a noite está serena... linda feito seus olhos. Às vezes eu olho para o céu e me pergunto se existe luz tão bela em toda a galáxia. Neste mundo tão cruel, onde homens matam homens e acabam com seu próprio céu. Onde acabam com sua própria natureza, com sua natural beleza. Às vezes eu olho para o céu e me pergunto se existe luz tão bela em toda a galáxia. Acordo de manhã, vejo seu nome escrito nas nuvens da janela, sinto seu corpo aquecer o meu... – Afrodite encarava Shun dormindo esperando que o mesmo terminasse a música, mas o mesmo nem se moveu. Suspirou, levantou-se e se foi, iria trocar de turno com June, ela ficaria ali e ele trabalharia, três dias fora de seu Hob era demais para ele.

 

         June estava sentada na poltrona reclinável ao lado da maca, lia um livro calmamente por conta do agradável silêncio presente.

         Alguns minutos depois, Shun abre vagarosamente os olhos, olhava em volta com as mãos na cabeça. June rapidamente fechou seu livro, mais do que depressa correu até a janela e fechou as cortinas.

-Shun, está tudo bem? – Ajudava o menino a voltar a se deitar, estava sentado.

-Só com dor de cabeça... – Deitou-se novamente olhando em volta. – Onde está Afrodite?

-Ele tinha que trabalhar, esteve aqui durante dois dias ao seu lado.

-Dois dias... – Sussurava para si. – O que aconteceu comigo...?

-Você desmaiou por conta da frequente exposição ao sol. – June colocava suas mãos em seus ombros para ajuda-lo a se deitar, mas o mesmo não queria.

-Não precisa June, eu quero vê-lo, quero ver Afrodite... – Shun quase chorava sentado na maca.

-Assim que ele voltar à noite poderemos vê-lo. – Sorriu na tentativa de acalma-lo.

-Mas...

-Sem mas, descanse, quando ele chegar te acordo. – Shun se deitou e dormiu por mais algumas horas.

         Tempo depois foi acordado por Afrodite que o sacodia levemente.

-Afro... dite...? – Virou-se devagar e sentou-se na cama.

-Oi... tenho um presente para você. – Shun se levantou e o olhou sério. – O que aconteceu?

-Fora você ter me deixado sozinho, nada. – Cruzava os braços e continuava o encarando sério.

-Shun, eu preciso trabalhar, quatro dias de falta já é muito. – Afrodite fuçava pouco sua bolsa procurando.

         Afrodite tirou de dentro da mesma um papel e uma caixinha verde.

-Tome, é seu. Eu comprei para você. – Afrodite sorria lhe entregando.

         Shun primeiramente leu o papel.

-Alta?

-Sim, você recebeu alta. – Shun o olhou feliz e surpreso. – Abra a caixinha.

         Shun o fez, abriu a pequena caixinha que continha um frasco branco.

-Filtro solar fator 60...? – Leia o rótulo da frente.

-Sim, agora poderá sair e voltar a ver o mar. – Afrodite sorria.

         Viu o rosto bravo do Virginiano se esvair e um belo sorriso sair de seu rosto.

-Eu já disse que te amo? – Shun o abraçou sorrindo enquanto June que a tudo assistia também sorriu.

-Não, mas dá pra perceber. – Afrodite viu o rosto de Shun ficar corando quando o mesmo desfez o abraço.

         Os dois coçaram a nuca por algum tempo meio corados e Shun decidiu começar, como odiava aquele agoniante silêncio.

-Obrigado, eu amei o presente... então... – Shun continuava coçando sua nuca. -...vamos para a praia? Ainda está cedo.

 

         Afrodite estava sentado ao lado do Pisciano na praia, observavam o sol se pôr. Nunca tinha visto um sorriso tão lindo e radiante no rosto. Olhava o pôr do sol como se morasse em Asgard. Realmente seria uma coisa difícil de tirar dele.

-Shun? – Afrodite olhava em seus olhos esmeralda.

-Sim? – Shun o olhava.

-Olha, eu quero fazer... uma coisa. – Afrodite o olhou o rosto curioso de Shun mais alguns segundos, fechou seus olhos e serrrou seus lábios e um doce e carinhoso beijo.

 

         June apenas observava sorrindo, estava feliz por seus amigos. Ficou completamente arrepiada quando alguém tapou seus olhos.

-Quem você acha que é? – Perguntou.

-Jabu...? – Ela sorriu e tirou suas mãos de seus olhos, abraçando-o. – Sabe, você ser o cara mais chato do mundo, mas por mais que eu queira acreditar que não, você é o homem da minha vida. – Colocou seus braços em seu pescoço e Jabu colocou seus braços em sua cintura, completando a cena com um beijo quente e apaixonado.


Notas Finais


Espero que tenham gostado dessa cena fofinha no final e no próximo capítulo iram começar as altas tretas! Bjss! (*3*)


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...