História Nos seus olhos - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Sou Luna
Personagens Gaston, Luna Valente, Matteo
Tags Amor, Drama, Lutteo, Prévia, Romance
Exibições 131
Palavras 3.123
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Aventura, Colegial, Escolar, Famí­lia, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo
Avisos: Spoilers
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


IMPORTANTE
Sim, essa fic já havia sido postada, mas pouco tempo depois, eu acabei apagando (Não me pergunte como). Agora ela tem algumas coisas diferentes, que revelam mais sobre a história da futura fic.
É uma one, pra falar a verdade; quando eu tive a ideia de escreve-la, pensei em postar apenas em Janeiro, quando alguma das minhas fic já tivessem finalizadas, mas, como alguns sabem, estou sem meu notebook (que estava pior do que pensei) e eu não consigo parar de escrever, então estou eu no celular hahaha.
Enfim, apesar de ser apenas um capítulo, ela é uma one no estilo prévia u.u ou seja, vem antes da história que logo será postada.
Ps. Qualquer errinho me avisem.
Boa leitura

Capítulo 1 - Capítulo Único - Prévia


"Aqueles olhos inocentes e beirando a loucura. Os verdes que encantaram até o inalcançável. "

O primeiro baile proposto pelo Blake estava chegando, Matteo recebia olhares incinuativos por onde passava. As garotas sorriam e jogavam seus cabelos querendo chamar a atenção do garoto que já tinha o plano perfeito em sua mente. Convidaria alguém real.

Ele não queria mais sair com aquelas que só se importavam com a sua herança e sua maldita fama no colégio e na pista. Matteo queria alguém verdadeiro ao seu lado, alguém que gostasse dele pelo que exista de bom em si, alguém que não se importasse com a conta bancária do moreno e sua popularidade gritante.

Matteo convidaria a pessoa excluida do Blake, a menina que ele tinha certeza ser boa e desinteressada. A única que mexia levemente com os pensamentos do Balsano.

A bliblioteca estava pouca movimentada, Matteo revirou os olhos ao ver seu melhor amigo encarar a melhor amiga de Jim,  a ruiva por quem o moreno estava disposto a correr o risco de perder seu título de "mais popular".

- Eu convido a morena e você convida a ruiva. Vamos lá Matteo, prometemos que não nos importariamos com o que as pessoas falariam. - Gastón lembrou exibindo um sorriso. 

Matteo não conseguia mais entender essa situação. 

Porque o colegial tem que ser tão difícil é, de certa forma, ridículo?

Ele não era acostumado a se importar em esibir uma pose egocêntrica e intimidadora, mas no último ano, Matteo pareceu amadurecer e perceber que nada daquilo fazia sentido. 

Sua imagem não valia nada se ele não estivesse feliz.

Gastón percebeu o mesmo, mesmo sabendo que o amigo desistiria na "Hora H".

- Vai lá... - O loiro riu e viu Nina se levantar e caminhar até a saída do local. Gastón suspirou e foi atrás dela, dando uma piscada para o amigo. Matteo tinha certeza que ele não falaria com a garota. 

Jim ergueu seus olhos do livro e encarou o moreno brevemente.

Faltou coragem, faltou a certeza de que daria certo. 

Matteo se levantou e caminhou pelos corredores do Blake, se arrepedendo no mesmo momento por não ser mais direto. Onde estava o verdadeiro rei da pista? Ele era corajoso, mas pareceu perder a sua capacidade de falar com uma garota.

Aquela era uma aula vaga para o segundo ano, então os corredores estavam levemente desertos, já que a maioria não perderia um horário sem aula, para ficar caminhando pelo colégio.   

O moreno estava totalmente sozinho.

- Me chamam de maluca... - Ouviu a voz baixa, a frase era cantada em um ritmo desconhecido, apenas palavras sem sentido sendo cantarolada por alguém que certamente não era nem um pouco afinada. O som agudo fez o moreno querer rir, a menina parecia prestes a quebrar os vidros que poderiam estar por perto. - Mas eu não sou...

Matteo tinha seria dúvidas sobre isso.

Como se estivesse encantado pelo canto da sereia, Matteo seguiu o som da voz da menina, o mesmo refrão voltava a ser cantado como um mantra.  Mesmo já imaginando de quem se tratava, ele não deixava de se sentir curioso.

E lá estava ela... com um vestido rodado com tons exóticos, como se tivesse sido pintado de várias cores sob o branco que aparentava ser o fundo daquele vestido estranho. Era como se a própria menina tivesse pego um pincel e jogado tintas sob a peça.

No alto da sua cabeça, um mini filhote de cachorro, feito de algo que ele não soube identificar, prendia seus cabelos em um rabo de cavalo desgrenhado, ela não parecia ter o mesmo cuidado que as outras garotas.

Ele não precisou de muito para reconhecer a figura estranha que ainda cantava a mesma frase, confirmando as suas suspeitas.

 Apenas uma pessoa se vestiria e cantaria assim.

Luna Valente, a lunática. A menina louca que vivia em outro planeta.

Maluca... Matteo respirou fundo e moveu seus pés com calma, sem querer que ela o visse.

- Oh! Não vi que estava aí. - A voz o fez paralisar. Luna tinha um sorriso gigante nos lábios e se aproximava saltitante. Sim, porque ela não caminhava, Luna pulava. - Eu estava compondo uma música pro Roller. 

- Hum... - Matteo não sabia o que falar, ele nunca tinha chegado perto da morena e agora ela estava ali, puxando assunto como se fossem amigos íntimos. - Onde está seu uniforme?

- Você é um patrulheiros?  - Os olhos verdes da garota se arregalaram, fazendo Matteo se perder no tom esmeralda que o fitava com certo receio. Ele acabou se esquecendo da sua própria surpresa, até porque, o Balsano não fazia a mínima ideia do que a menina falava.

- Não... quer dizer, pratrulha... tipo, escolar? Porque acho que aqui no Blake não existe. - Luna sorriu tocando seu dedo indicador na ponta do nariz dele, batendo três vezes. Matteo mordeu os lábios sentindo aquele toque que quase o fez fechar os olhos.

- Como é bobinho. Diz a lenda que o Blake possui um grupo de alunos que investigam as infrações e as pune severamente. - Matteo arqueou uma sobrancelha sem saber o que argumentar. Aquela menina era louca e com pessoas loucas não se discute.  - Dizem que antigamente, eles os trancavam nas masmorras.

- Ah Claro! - Ele disse avaliando o rosto sem qualquer vestigio de maquiagem da garota, incrível como ela conseguia ser linda naturalmente. Balançou a cabeça tentando afastar aqueles pensamentos insanos.

Logo o louco seria ele.

- Eu ainda procuro por aqui, sabe? Porque se essas masmorras existiram, elas ainda...

- Quem te falou isso? - O moreno perguntou com a voz calma.

- O Ramiro, eles também procuram. - Luna não tinha um ar infantil, pelo contrário, muitos professores já haviam comentado a seriedade que ela mostrava ter em certos momentos e assuntos, Matteo a considerava apenas uma total lunática, apelido que a segue pelo colégio inteiro.

Matteo deu do ombros vencendo a vontade de acabar com a brincadeira do amigo, se ele não estivesse tão concentrado em olhar os olhos lindos da maluca, estaria se divertindo com o modo fácil que a enganaram.

- O vestido me dá inspiração e eu vesti para escrever a musica. Os alunos do primeiro ano estão na aula com o treinador e eu estou de licença. - Matteo deu de ombros e assentiu sem dar importância.

Luna sentiu seu coração disparar ao falar com o dono de olhos tão expressivos e cativantes. A garota não cansava de o olhar, finalmente tão perto.

Vencendo qualquer timidez que pudesse ter, Luna ficou na ponta dos pés e beijou sua bochecha levemente.

Matteo arregalou os olhos, porém, foi gentil e forçou um sorriso, saindo de perto da garota.

Maluca... a palavra se repetia em sua mente.
 
 

"Eles eram perfeitos, o par de olhos verdes que demostravam doçura e, ao mesmo tempo, tristeza. E quem o via,  se tornava incapaz e esquece-los."

 

Matteo, apesar de todas as tentativas frustada de esquecer o rosto da menina, voltou a encontra-la. Em um momento em que não estava disposto a conversar com ninguém e sua vida descia para o fundo do poço.

Havia acabado de descobrir que Nico convidou Jim para o baile e agora Matteo teria que correr atrás de alguém que ainda não tivesse par. 

Qualquer uma largaria tudo para ir com Matteo, tinha consciência disso, no entanto não achava justo, já que foi ele que ficou com tantas dúvidas e acabou perdendo tempo.

- Luna? - A menina chorava baixinho sentada em um canto da biblioteca. Apesar de todos os avisos da sua consciência, ele se aproximou a vendo enchugar as lagrimas rapidamente. - O que aconteceu?

- Nada não... - Disse abrindo um sorriso triste. Matteo tocou seu rosto delicadamente a limpou seu choro. 

Algo o prendia a Luna, algo que fazia ele a encarar de longe, adimirando sua linda voz desafinada, ao menos agora ela cantava e não gritava. Seus pulinhos eram contagiantes, tanto que Matteo se pegou desejando ter a sinceridade, altruísmo e leveza de Luna Valente.

Ela parecia tão feliz sendo uma completa retardada. 

Algo o fez pensar nela por toda aquela semana depois do primeiro encontro e apesar de querer apagar tudo aquilo, Matteo sentia que ela já havia tomado mais do que os seus pensamentos. Luna era um mistério e isso atraía o garoto cada vez mais, contudo, Matteo não poderia pensar nessa possibilidade. Não poderia pensar estar interessado na menina.

Ela era só bonita... pensando nisso, Matteo se perguntou como nunca havia notado Luna antes. Por tanto tempo ela foi apenas a menina que todos chamavam de maluca que Matteo não deu portunidade de olha-la com atenção.

- Pode me contar... - Luna encarou o rosto do garoto e sorriu alegremente. Matteo se perguntou como ela podia mudar de humor tão rapidamente.

- Você quer ouvir? - Luna tinha um olhar sonhador e parecia ser o tipo de pessoa que vê o bem em todos, aquela garota que transborda alegria e bondade. Antes que ele pudesse responder, a garota deixou seus livros caírem no pé de Ámbar que se aproximava da mesa onde Matteo se encontrava. - Oh! Eu sou um desastre, é que eu achei que estivesse do outro lado.

- Tinha que ser a lunática... - A loira revirou os olhos e se surpreendendo com si mesmo, Matteo sentiu uma vontade incontrolável de defender a morena. - Eu estava aqui, agora além de louca, é cega?

- Tem certeza que você não estava lá? - Luna perguntou inocentemente. Matteo soltou um riso anasalar ouvindo Ámbar bufar. 

- Acho que sei onde eu estava..  - Cuspiu as palavras atraindo alguns olhares. - Olha sua...

- Chega Ámbar, foi um acidente. A Luna apenas se distraiu. - As duas olharam Matteo incrédulas. Ámbar arregalou os olhos e, sem palavras, saiu em passos ligeiros, totalmente surpresa. Matteo arqueou uma sobrancelha aliviado e curioso com a atitude da amiga, o momento foi tão estranho a ponto dela perder a voz?

Luna tinha os olhos ainda vermelhos pelo choro de segundos antes, mas sorria como se tivesse ganhando o melhor presente de Natal. O garoto havia a defendido, alguém se importou se ela seria magoada. 

- Você quer procurar as masmorras? - Matteo se sentiu um idiota ao fazer essa pergunta. Luna não era nenhuma criança, e agora, tinha certeza que ela não possuía nenhum problema mental, contudo, gostava de descobertas e era enganada facilmente. Duas coisas que juntas, poderiam causar muitas confusões.

- Acho que eles me enganaram. Desculpa se te iludi. - Ela sorriu. Ele sentiu vontade de rir como nunca antes. 

Matteo se perdeu ao olhar a boca da garota, imaginou como seria sentir seus labios tocaram os dele, o gosto que Luna Valente possuía. 

 "E quando ela chorou e seus olhos se inundaram e ele percebeu o quanto doia em si mesmo."

 

Matteo caminhava ao lados dos seus amigos rindo de alguma piada que Jazmín havia contado, lógico que eles gargalhavam mais da ruiva do que qualquer outra coisa.

Ele ainda não havia decidido quem levaria ao baile, algo que não o preocupava,  até porque odiava esse evento, mas poderia pensar o que as pessoas falariam se não o visse.

 Queria deixar aquela história de lado, a opinião dos outros, contudo, simplesmente, não conseguia. 

Matteo, surpreendentemente,  não conseguia se sentir mal por ter deixado de convidar Jim, às vezes nem se lembrava desse detalhe.

- Olá Matteo - O moreno arregalou os olhos ao ver Luna em sua frente. Ela ainda vestia o uniforme impecável do colégio, o cabelo levemente arrumado abaixo de uma presilia estranha de caracol. A menina tinha os olhos pintados com uma sombra rosa clara e possuía um colar de frutas, não verdadeiras, ao menos Matteo esperava que não fossem. - Como passou o final de semana?

O Balsano se calou, seus amigos tinham um olhar incrédulo e curioso. Matteo não sabia o que fazer, sabia que tinha dado intimidade para Luna, até porque haviam conversado várias vezes.

- Ótimo, mas mesmo se fosse ao contrário, você é a última pessoa com que eu falaria.  - Ele disse ríspido - O que a lunática gostaria de falar comigo? 

As risadas soaram no mesmo instante. Matteo viu o sorriso de Luna morrer lentamente, dando lugar a uma expressão triste e, e certa forma, desiludida. As lagrimas já se formavam nos olhos verdes e menina, fazendo o coração de Matteo acelerar e logo uma dor estranha o atingiu.

Ele sentiu seu coração se despedaçar, como se realmente estivesse sendo torturado. Mas não foi só ele.

Gastón sentiu pena da garota, algo que nunca havia sentido antes. Ele não soube explicar para si mesmo o que estava acontecendo, o porque de sentir aquele incômodo repentino ou o motivo que o levava a imaginar como era ter Luna tão perto, ou pior, qual força fazia ele não conseguir desviar dos olhos da morena.

- Nada... nada. - Luna saiu rapidamente. E foi naquele momento, um mês depois do seu primeiro contado com a morena, que Matteo se permitiu descobrir o que acontecia consigo. 

Respirou fundo e olhou para seus amigos que ainda faziam algumas piadas. Ele balançou a cabeça e caminhou em direção a Luna. 

- Matteo - O moreno olhou para Gastón e assentiu mostrando ao amigo que só precisava de um tempo sozinho. O que calou todos por breves segundos, antes de Matteo voltar a ser o centro das atenções daquela conversa.

- Luna. - A garota estava sentada no gramado da praça, ele não precisou de muito para encontra-la, apesar de estar afastada e atrás de algumas árvores, Luna era chamativa demais, principalmente quando cantava, uma tarefa nem um pouco agradável.

Matteo se sentou ao lado da garota que tinha o olhar distante, não percebendo a presença do moreno. Luna sempre fazia isso, era algo que Matteo se acostumava aos poucos.

- Eu só achei que nós éramos amigos,  não queria te encomodar. - Ela sussurrou baixo deixando transparecer sua voz falha e magoada. Matteo se sentiu, mais uma vez, o pior homem da terra. Durante um mês, se aproximou da menina e quando ela o faz, ele a trata tão mal.

- Me desculpa Luna, não foi a minha intenção. - Tentou falar mordendo os labios. Ele odiava ser o responsável pelas lágrimas de alguém que nunca fez mal a ninguém. Luna podia ter seu jeito avoada, mas isso não trapalhava de nenhum jeito.

- É que você era o único que nunca tinha me chamado de lunática... ao menos não na minha frente. - A mágoa ficou visível, seus olhos voltaram a se encherem de lágrimas, mostrando que ela sentia uma decepção ainda maior, a dor era mais profunda do que qualquer outra que já sentiu. - Mas tudo bem, eu entendo.

- Não, você não entende... - Matteo respirou fundo e tocou os cabelos da morena. Ele já não se reconhecia, pensando em Luna a todo minuto, desejando ve-la e imaginando toca-la. Não, aquele não era Matteo Balsano - Você não pode entender. 

- Não... eu não consigo entender o porque de todos me chamarem de louca, eu sou apenas diferente, tenho gostos diferentes. - Luna balançou a cabeça negativamente, enquanto mantinha seus olhos presos aos deles. - Loucos são vocês que humilham, maltratam e vivem em torno de uma perfeição que não existe.

E naquelas palavras, Matteo viu seu mundo ruir, viu a verdade ser jogada contra a sua cara arrancado a máscara que ele exibia. O moreno não era isso, não era a pessoa perfeita.. Ele era apenas humano.

- Eu posso ser distraída demais, animada demais, ingênua, louca, lunática... mas eu não sou má, e talvez essa seja uma qualidade que vença qualquer talento e suas amigas tenham. - E de repente, Luna se virou para frente e encarou as árvores, cantando uma música qualquer, suas voz era alta e Matteo simplesmente não se importou por ela estar guase gritando no seu ouvido. 

Respirando fundo, ele simplesmente mudou e assunto.

- Você é linda... - Luna o encarou como se o moreno tivesse contando uma mentira descarada. Matteo deu de ombros abrindo um sorriso. - Eu não tenho coragem, me desculpa.

- Não tem problema, eu sei que está preso nessa vida e por mais que diga para si mesmo que vai vencer essa barreira.... não irá conseguir, se não tentar. - Matteo fechou os olhos imaginado todas as vezes que ele prometeu para si mesmo que não ligaria mais para a opinião alheia, principalmente por Jim que agora nem fazia diferença em sua vida, contudo, bastava um elogio, que ele voltava a ser o Matteo mauricinho e prepotente. 

- Luna, as coisas são mais complicadas. Tem os meus amigos, meus pais. ..

- E você? - Luna perguntou com uma maturalidade impressionante considerando o histórico maluco da Valente. 

Matteo balançou a cabeça e desceu seu olhar para a boca da garota, sem se importar em responde a pergunta. Luna encarou os olhos castanhos do Balsano e arqueou uma sobrancelha percebendo para onde ele olhava.

- Porque olha pra minha boca? - A pergunta mal havia saido  quando sentiu a respiração dele perto do seu rosto que se aproximava cada vez mais. Por instinto, seus olhos  se fecharam ao sentir os lábios dele enconstarem nos seus.

Matteo selou suas bocas arrancando um suspiro da Valente, ao sentir que ela não correspondia, mordeu um dos labios puxando delicadamente, o que a vez entreabrir a sua boca. Matteo aproveitou para aprofundar o beijo, permitindo que sua língua encontrasse a dela. 

Ela sabia que quando voltassem, tudo voltaria a ser como antes. Ela a lunática, ele o rei do colégio,  e isso se repetiria nos proximos encontros.

Ou talvez não, tudo dependia de Matteo.

Luna era maluca. Vestia-se estranhamente com chapéus extravagantes e vestidos coloridos.

Ela cantava como se fosse a protagonista de algum filme da Disney e acreditava em coisas absurdas.

Ela não caminhava, ela pulava como se tivesse trampolins nos pés. Tinha os olhos curiosos e sorria feito uma criança.

Ela era o que todos a chamavam, uma completa lunática, vinda da lua. 

E no fim, quem disse que ele se importava?

- Você me beijou... - Luna sorriu e o encarou enquanto Matteo olhava ao redor. Percebendo que não tinha ninguém por perto, ele tocou o rosto da morena. - Isso pode se repetir?

- Ah Luna! Isso vai se repetir muitas vezes. - E com mais um beijo, Matteo achou o seu par para o baile. Finalmente.

"E nos olhos verdes de Luna Valente, Matteo via refletido, um amor avassaldor. Só não sabia, que pagaria caro pelo seus erros futuros. Talvez o seu amor não fosse suficiente contra o pior e improvável inimigo."


Notas Finais


Então povinho, o que acharam? Consegui deixar vocês na curiosidade? Kkkkk. A one foi um forma estranha que eu consegui paea mostrar o que vem antes da fic Enfim, ela não será postada aqui claro, mas avisarei quando ela começar u.u
Beijinhos.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...