História Nosso pequeno ômega - Capítulo 4


Escrita por: ~

Postado
Categorias One Direction
Tags Larry, Lilo, Lirry, Narry, Niam, Nouis, Zarry, Ziall, Ziam, Zianourry, Zouis
Exibições 148
Palavras 4.071
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Lemon, Mistério, Romance e Novela, Universo Alternativo, Violência, Yaoi
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Gravidez Masculina (MPreg), Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 4 - Libido


Fanfic / Fanfiction Nosso pequeno ômega - Capítulo 4 - Libido

 

Após a apresentação do filho mais algumas palavras foram trocadas entre eles, ate o Malik precisou deixar o garoto a sós com seus chefes, não por escolha e sim por necessidade.

 – Cuidem bem dele ok? – Os quatro afirmaram ao mesmo tempo, arrancando um riso do mais novo. 

Yaser deixou o escritório com a curiosidade saindo pelos poros, estava se mordendo de para saber o que aqueles cinco iriam conversar, se pudesse continuaria ali presenciado cada segundo da conversa, mas a janta não seria feita pelos fantasmas  e seria bom para o mais novo ter um pouco de privacidade.

                                                                                                              ~*~

Já era tarde quando o mais velho terminou de fazer a comida e limpar a cozinha, agora o mesmo estava indo em direção ao escritório para saber como Zayn estava, e avisa–lo de que estava na hora de se despedir dos outros quatro.

Ao que chegou ao escritório e tocou a maçaneta da porta, o som de uma gargalhada chegou aos seus ouvidos e todo o corpo do alfa parou. 

– Eu conheço esse som... – Um sorriso foi surgindo na boca do alfa a medida em que sua mente começa a imaginar coisas. – Será?

Duvidando dos próprios sentidos, Yaser não demorou a entrar no cômodo e o mesmo se surpreendeu quando encontrou um Zayn chorando de rir em cima da mesa.

Foi impossível para ele não ter o rosto rasgado por um sorriso.

Aquela era a primeira vez depois do incidente que Yaser via o ômega ria daquela maneira. Há quanto tempo ele não estava tentando arrancar uma daquelas do seu filho?

Quando procurou pelo motivo que estava fazendo seu garoto rir Yaser encontrou um Liam apertando as próprias bochechas, fazendo uma careta estranha que divertia bastante o mais novo.

– Que bonito Payne! – O alfa bateu palmas e o castanho do outro lado solto as bochechas e sorriu para ele.

– O Li é um ursinho, papa! Zayn sabe que ele é um ursinho, mas Li não diz a Zayn a verdade.

O Malik mais velho o olhou sorrindo, ele particularmente achava Payne parecido com um filhote de cachorro, mas essa era sua opinião.

– EI! Eu não sou urso nenhum, estou mais para leão. – O original tentou fazer uma expressão ameaçadora, mas tudo que conseguiu foi parecer um filhotinho bravo.

– FILHOTINHO! – O ômega  gritou antes de cair na risada.

– Eu não tenho mais moral com esse garoto... – Payne fingiu esta triste.

– Onde estão os outros? – A testa do alfa estava franzida, onde teria se metido os outros três?

Liam voltou ao normal no mesmo instante, mentalmente estava torcendo para que o segurança não desse falta dos outros, o que era de fato impossível, mas isso não queria dizer que o lúpus não tinha fé, mas quando estava prestes a abrir a boca para  contar a mentira mais descarada da galáxia, o ômega interrompeu.

– Correndo! Correndo! Correndo! – O garoto de mechas negras praticamente gritou, enquanto saltitava na cadeira.

Yaser lançou um olhar para o filho depois para Payne, como se perguntasse o que o menino quis dizer, mas Liam apenas deu de ombros, ele também não havia entendido o que o menino queria dizer. O alfa então resolveu deixar aquilo de lado e focar no que tinha ido fazer ali, Zayn tinha seus momentos de loucura às vezes.

– A conversa deve esta boa, mas já esta tarde. Zayn, se despede do Liam e vai tomar banho!

– Ah não. – Resmungou manhoso, fazendo certo castanho se derreter do outro lado.

– Nem tenta...  – O garoto fez um bico enorme e Liam teve que se segurar para não soltar um gritinho, aquilo era muito fofo para seu pobre coração aguentar.

– Zayn quer ficar falando com o Li. – O ômega cruzou os braços e aumentou seu bico.

– Zayn Malik!

Liam interviu quando notou que o menino iria tomar uma bronca.

– Tudo bem babe, é melhor você obedecer ao seu pai, nós ainda teremos muito tempo para conversar. – As iris do original quase não apareciam devido ao seu sorriso. O ômega lhe deixava como um cachorrinho de madame.

– Promete? – O garotinho questionou fazendo sua melhor cara fofa, não queria deixar de falar com o castanho, nem com ele e nem com os outros, tinha achado eles legais... e bonitos.  

– Prometo.

– De mindinho?

Com dizer não para aquele ômega?

– Prometo de mindinho. – Liam ergueu o dedo mínimo fazendo com que Zayn desmanche o bico e abrisse um enorme sorriso.

"Ele era simplesmente adorável."

– Tchau Lili! – O pequeno acenou animadamente, Payne sorriu bobo e também acenou.

– Tchau Zayn! Bye!

– Tchau Liam... – Yaser também sorriu.

– Tchau Pai...

Yaszer* desconectou...

 

Liam fechou o aplicativo e quando a tela voltou para o papel de parede o sorriso de Liam morreu e o pobre notebook, que estava sobre em suas pernas, foi arremessado contra a parede quebrando no momento em que bateu na parede.

Payne levantou da cama atordoado e uma ereção pulsando no meio de suas pernas.

"Aquele garoto só podia esta de brincadeira com a sua cara."

Liam não acreditava que alguém com tamanha beleza podia ser tão inocente, e  pior, podia ser capaz de deixar quatros homens já feitos, iguais a garotos virgens que acabaram de descobrir a masturbação, sem ao menos perceber.

Lembrava bem de como seus amigos ficaram devido as atitudes do doce menino. Horan foi o primeiro afetado, quando Zayn ficou de quatro na poltrona, deixando a mostrar a pequena, mas bonita bunda e a balançando no ar, o loiro atingiu seu limite e saiu as pressas do quarto na primeira oportunidade.

Olhando assim ninguém acreditaria que o menino não fez por mal, mas ele apenas queria seu ursinho que havia caído.

Harry e Louis foram os mais aguentaram depois de Liam, os dois continuam a falar com o menino e ate explicaram o porquê da saída apressada do de olhos azuis, mas o limite para os dois foi no momento em que o ômega achou que aquela era uma boa hora de chupar um doce, mas não qualquer doce, tinha que ser um grande e vermelho pirulito. Louis podia jurar pela alma que não tinha, que ninguém no mundo chupava um pirulito tão eroticamente quanto aquele ômega do outro lado da tela. Harry também não ficava muito atrás sobre achar que o garoto tinha altas habilidades com a boca.

 Payne sabia muito bem que os três originais iriam fazer quando estivessem entre quatro paredes, ele mesmo se sentia tentado a isso, muito tentado na verdade, mas algo dentro de si lhe impedia, o fato do original não aceitar o poder que um garotinho podia exercer sobre seu corpo. 

Liam olhava seu pau duro e se sentia no inicio de tudo, quando não controlava o que sentia, mas ele não era mais assim – ou pelo menos era o que ele acreditava. Payne não queria  seguir para o outro quarto para se aliviar como os outros fizeram, isso seria como dizer que o ômega possuía um grande poder sobre ele, sobre seu corpo e sobre os outros rapazes. Que o garoto, com toda sua inocência, era capaz de desencadear sensações primitivas em seu corpo: excitação, selvageria e inúmeras outras coisas. E isso Payne nunca admitiria, outra pessoa tento poder sobre ele, as ele não ia ceder, não ia deixar se levar por sua libido... 

Zayn foi capaz de trazer a tona aquele Liam de décadas atrás, que corria nu pelas florestas do mundo acabando com tudo que cruzasse seu caminho, sem o mínimo de humanidade, de civilidade, só pensando em si mesmo.

                                                                                                                   ~*~

Zayn seguiu para seu quarto como lhe foi mandado, mas por todo o caminho o garoto tentava entender o porquê da sua barriguinha esta tão estranha, era como se pequenos elfos estivessem dançando dentro dela, sem contar em suas mãos que estavam molhadas.

– Zayn ta dodói, olaf? – Os olhos castanhos miravam a pelúcia, esperando algum tipo de resposta dela. – E se for grave? E se Zayn tiver muito dodói e morrer?

Não demorou muito para o urso se jogado no chão e o ômega partir em disparada atrás do pai.

Zayn já começava a achar que ele tinha adquirido uma nova doença e que seus dias de vida estavam contados, bem, ele não estava de um todo errado. O que o ômega estava sentido era de certa forma uma doença, mas ela não era nova e nem levaria o mesmo a morte, ou pelo menos esse é o esperado.  

Na cozinha, Yaser se encontrava tão concentrado em cortar algumas batatas para fritar, que não ouviu quando o mais novo entrou na cozinha e acabou se assuntando quando sentiu impacto do garoto contra seu corpo, e por muito pouco não acabou cortando o próprio dedo.

– Por Alá, Zayn! – O alfa largou a faca na pia. – Eu quase me machuquei meu filho! Sem contar que eu podia ter te machuc... – A fala do mais velho morreu no ar assim que escutou um choramingo vindo do ômega. – Zayn?

– Papa... – O tom de voz do ômega saiu choroso, deixando o mais velho preocupado. – Ajuda Z, ajuda. – O garoto enterrou o rosto nas costas do pai.

O mais velho soltou os braços do menor de sua cintura delicadamente e depois se virou para o mesmo, ele encontrou seu menino de cabeça baixa e encolhido, os braços finos rodeavam seu tronco como se estivesse o protegendo ou apertando.

Yaser estranhou o comportamento do filho e seu instinto paterno foi ligado, então tratou de pega–lo no colo e leva–lo em direção ao balcão que dividia a cozinha da sala.

– O que a de errado com você, babe? – Perguntou enquanto colocava o garoto em cima do mármore, vendo que o mesmo ainda estava de cabeça baixa e com os braços ao redor do corpo.

– Zayn ta dodói. – O garoto resmungou baixo se encolhendo.

Yaser franziu a testa em preocupação, se Zayn estivesse doente as coisas começariam a ficar complicadas.

–  Mas você estava bem agora a pouco. Comeu algo que não podia hoje? – Yaser perguntou já checando a temperatura dele e suspirando aliviado ao notar que ela estava normal.

– Não.

– Comeu algo fora de hora?

– Não.

– Chupou algum doce? – Zayn balançou a cabeça em concordância, talvez esse fosse o problema. – Quantos?

– Um.

– Não tem com um doce só ter lhe feito mal. – disse mais para si mesmo do que para o menino.

– Barriguinha do Z tá estranha papai.

– Ela está doendo então?

– Não papai, ela tá estranha.

Desde que o "incidente" aconteceu, Zayn se tornou extremamente frágil para doenças, um resfriado bobo podia facilmente se transformar em algo muito perigoso para o garoto, ate mesmo um alimento errado ou fora de hora podia levar o ômega para a cama de um hospital. Yaser precisava resolver logo isso.

– Zee, olha pra mim. – Assim o ômega fez. – Preciso que me responda uma coisa ok? – O garoto balançou a cabeça em concordância. – O que exatamente, você está sentindo?

                                                                                                                  ~*~

Payne estava decidido a não ceder para seus instintos, então se sentou na cama novamente e tentou pensar em coisas broxantes. Não seria fácil abaixar seu colega la em baixo, mas ele se esforçaria. 

Mas o que Liam não sabia era que outras três pessoas também estavam decididas, mas decididas a fazer com que ele cedesse aos instintos.

E usariam de um tudo para conseguir o que queriam.

– Oh, Louis! – Esse era um legítimo gemido irlandês ecoando em alto e bom som pela mansão.

Liam estava de olhos fechados quando o som chegou ate sua audição aguçada, o que só piorou sua situação, afinal, de olhos fechados era muito mais fácil imaginar seu loiro jogado sobre a cama, com os cabelos bagunçados e as bochechas coradas. O peito subindo e descendo, a boca vermelhinha e entre aberta, a pele branca e macia implorando para ser marcada.

– Não, Liam! – O castanho balançou a cabeça, tentando jogar para longe tais imagens. – Você não pode se deixar lev... – Payne foi interrompido quando mais um gemido surgiu, mas dessa vez chamando por um nome diferente.

"DADDY!"

Às vezes era preciso jogar sujo para conseguir alto e Horan melhor do que ninguém, sabia disso.

                                                                                                                ~*~

O menino precisou pensar um pouco a respeito do que estava sentindo, eram muitas coisas estranhas acontecendo com seu corpo.

– Zee ta sentindo um monte de coisinhas bagunçando na barriga. – ômega cutucou sua própria barriga. – as mãos do Zee tão molhadas e as bochechas – o ômega colocou as mãos em cima e as apertou, formando um biquinho em seus lábios. – estão quentes.

Yaser endireitou a posição e cruzou os braços na altura do peito, sua sobrancelha direita se ergueu e com um sorriso brincando nos lábios o alfa se questionou.

"Essa bola de pelos não estaria começando a gostar de alguém? Estaria?"

– Então, papai? Zayn tá muito dodói?

– Não filho, você não está muito dodói. – Brincou. – Você não está nem doente.

– Não? – O alfa sorriu para a expressão confusa do menino.

– Não.

– Então o que é isso que o Zee tá sentindo?

Touché!

Essa havia pegado o alfa em cheio. 

Ele não estava pronto pra falar sobre isso com seu filhote, na verdade ele nem sabia como falar sobre isso.

                                                                                                               ~*~

O som de seus passos ecoando pelo corredor arrancou um sorriso diabólico do irlandês na cama e um sacana do britânico de cachos. Os passo eram pesados, rápidos e transmitiam boa parte do que Payne deveria esta sentindo.

Tesão

Raiva

Vontade de foder alguém.

– Você não vale nada loiro. – Um Harry ofegante resmungou. 

– A gente us... Oh... AHHH... tommooo... – Styles revirou os olhos, Niall não conseguiria terminaria aquele frase enquanto Louis estivesse chupando seu pênis.

Styles não podia se sentir mais realizado, a noite prometia, então se afastou da porta e se recostou na parede mais próxima... Estava quase na hora do show.

Eles tinham jogado baixo  com o castanho, usar aquela palavra contra ele era um golpe muito sujo.

                                                                                                       ~*~

– Calor! – Se apressou em dizer. – Tudo que você esta sentindo é calor!

O sorriso amarelo que o alfa tinha nos lábios fez com que Zayn ficasse desconfiado, por que de uma coisa ele tinha certeza, o que estava sentindo não era calor, pelo menos não o comum.

–  Agora já pro banho porquinho. – Zayn afirmou e saltou do balcão – dizer que o alfa não teve um mini ataque cardíaco por isso era uma mentira descabida. – saindo em disparada da cozinha. – E NÃO CORRA NAS ESC... – Yaser parou quando escutou a risada do filho junto a passos apressados nos degraus. – Ele não toma jeito.

                                                                                                         ~*~

Quando a porta do quarto abriu, os três pares de olhos foram diretamente de encontro a pessoa para ali.

E la estava ele, olhos negros, cabelos arrepiados e respiração pesada.

–Então decidiu se juntar a nós, amor? – Harry destilou a frase igual a uma cobra, enquanto trabalhava avidamente em massagear seu falo duro e inchado.

–Eu disse que ele não ia... Oooh Louis. – O baixinho de olhos azuis interrompeu a fala do loiro, quando passou a chupar avidamente o pescoço branquinho, e ate então sem marcas do loiro, complementando o ato com um roçar violento de seus membros.

– Vocês não valem nada. – Payne sorriu escarnio antes de fechar a porta a trás de si e ir em direção ao cacheado. Ele seria seu par essa noite.

Harry não se conteve e acabou soltando um gemido consideravelmente manhoso quando viu Liam andando em sua direção, vidrado em cada movimento que sua mão fazia.

Os olhos castanho chegavam a brilha em tesão.

– A–am–mor. – Styles chamou quando o outro estava cara a cara com ele, mas em troca acabou recebendo um tapa em sua mão, era um aviso para que ela fosse para longe de seu pênis.

Antes de qualquer protesto por parte do mais alto, Payne caiu de joelhos em sua frente  e caiu de boca no pênis ereto. Sem enrolação, sem conversa.

Styles mal teve tempo de raciocinar, sua boca se abriu em um perfeito "O", seus olhos abriram e fecharam algumas vezes e giraram na orbita, ele não esperava por aquilo.

Liam deu inicia o ao uma sucção rápida e precisa, estreitando suas bochechas e dilatando sua garganta. O pau do mais novo entrava em sua boca e ia parar em sua garganta, tudo rápido e firme. Harry se perguntava em como diabos ainda estava de pé, por que sua consciência já havia o abandonado, seria questão de tempo para que as forças de suas pernas fizessem o mesmo.

Eis que da mesma forma rápida com que se foi, a consciência de Harry  voltou, e quando voltou fez com que o gemido rouco, longo e alto rompesse pelos lábios vermelhos e úmidos do cacheado, dando um toque a mais de pornografia ao ar do cômodo.

– OOH LIAM! – Aquilo era musica para os ouvidos de mais velho. – Você vai...me... me... me – As falas travaram na garganta e Liam riu com o pênis do maior na boca, enviando assim vibrações prazerosas. – Li–am... – Styles estava se sentindo no céu.

Após sugar a glande rosada com mais força que o habitual e quase fazer Harry ir ao chão devido ao prazer, Payne parou o que estava fazendo e levantou, deixando que o cacheado se recuperasse e procurasse o lugar mais próximo para se sentar afinal ele não iria aguentar ficar de pé, não quando estava prestes a receber um blowjob de ninguém menos que Liam Payne, o rei do boquete.

– Você vai acabar me matando... – Um Harry descabelado e ofegante resmungou enquanto se sentava na enorme poltrona branca que havia ali.

– Sei que você sobrevive. – Payne rebateu com um sorriso ladino enquanto se levantava para retirar suas roupas, para o que estava prestes a fazer elas não seriam necessárias.

Styles sentou e esperou ate que Liam retirasse a própria roupa, já que as suas já estavam longe a tempos, e enquanto via o mais velho puxar o tecido para fora do seu corpo ele secava cada parte que ia surgindo. 

Payne sentia que Harry comia cada pedaço de sua pele com os olhos.

– Tão gostoso... – Um irlandês com o sotaque carregado colocou em palavras o que Harry estava pensando.

– Foque no pau do seu homem írish. – Payne brincou e recebeu um gemido abafado de Louis em concordância. Esses dois já estavam em um nível mais avençado que Harry e Liam, ambos já estavam nus e Niall trabalhava em bombear os dois falos ao mesmo tempo, enquanto Louis marcava seus pescoço branquinho.

Harry mirou sua atenção para os dois na cama, e considerou que Niall tivesse sido um ator pornô em alguma vida passada, pois as caras e bocas que o loiro fazia eram exatamente as mesma que os pornôs que Harry costumava ver.

– Talvez queiro se juntar a ele. uh? – A voz de Liam invadiu seus ouvidos, lhe trazendo de volta ao mundo real.

– Nah... – Harry desviou olhar do casal na cama e voltou a olhar para o mais velho. – Eu prefiro aqui.

Liam riu da cara safada que o rapaz fez e continuou a tarefa de tirar suas roupas, ate ser interrompido.

– Fica com a calça... – Payne olhou pra Harry sem entender. – Apenas acho mais excitante quando você me chupa com a calça aberta. Liam riu e balançou a cabeça negativamente, mas atendeu ao pedido. 

Seus garotos tinham fetiches estranhos. Começando por Louis, que só deixava Liam chupa–lo se ele ficasse sentado em sua cara – por vezes aquele enorme bunda quase lhe sufocou – Niall por outro lado preferia quando ele o amarrava e agora Harry, que gostava quando ele deixava a calça aberta.

– Se você diz... – Deu de ombros e terminou de abrir a peça, deixado assim sua ereção, que estava bem marcada na boxer, a mostra.

Liam viu Harry se remexendo na poltrona e esperou ate que ele achasse uma posição confortável o suficiente, quando deduziu que o mais novo tinha encontrado se aproximou do mesmo e se ajoelhou em sua frente.

Styles estava meio sentado e meio deitado na poltrona, não era a melhor posição para sua coluna, mas era a melhor para ser chupado.

De forma rude, Payne afastou as longas pernas de Harry ao máximo, deixando o mesmo completamente aberto e a sua mercê. Era uma visão dos deuses para Liam, de onde estava ele podia ter uma visão privilegiada de tudo que compunha aquele belo corpo, o maxilar marcado, a barriga branca e levemente definida, as tatuagens pintando a pele pálida e cheirosa, ainda tinha a visão das nádegas brancas e macias que pediam para serem marcados, o anel rosado que se contraria, a virilha livre de pelos e o melhor, o pênis duro com veias saltadas, clamando por atenção, implorando por sua boca e por sua língua.

Era de olhar e agradecer.

Harry sorriu quando viu a forma com que Liam olhava para seu corpo, era um olhar de adoração, de devoção. Ele tinha que admitir que adorava quando um dos rapazes lhe olhava assim, era como se ele fosse à coisa mais bonita de todo o universo e isso lhe fazia bem.

– Que bela visão. – Sussurrou Liam ao que deslizava um das suas mãos pela parte interna da coxa direita. – É tão macia e branquinha.

Harry estava adorando os elogios, fazia bem para o seu ego, mas ele também sabia de algo que faria muito bem ao ego dele, Liam Payne, de joelhos, lhe dando o melhor boquete do dia.

– Liam... – Chamou em tom de gemido, sua ereção estava começando a doer e a tentação de levar sua mão a ate ela para aliviar–se só crescia. – Eu não vou esperar o dia todo.

– Apressado... – Payne rolou os olhos.

O lúpus se aproximou mais ainda do membro rosado e teso sentido sua boca salivar, aquele falo era tão apetitoso, precisava dele na sua boca, e logo, precisa sentir cada canto dele.

Cravando seu olhar no de Harry, Liam levou uma de suas mãos ate o pênis e guiou o mesmo ate sua boca, sem quebrar o contato visual.

Harry não conseguiu manter os olhos aberto nem conter o suspiro quando a boca do mais velho lhe acomodou, aquela cavidade quente e úmida parecia ter sido feita especialmente para ele, era como provar um pedaço do paraíso. Liam, diferente do original mais alto , não desfez o contato visual, ele continuou com movimentos de vai e vem, focado nas expressões que o mesmo fazia enquanto sua boca lhe proporcionava prazer.  

– Oh yeah, assim babe... – As mãos grandes do cacheado se agarraram ao estofado do assento e ele rezou para todos os santos que não conhecia, e la no fundo da sua mente, no único lugarzinho que ainda não tinha sido afetado pelo prazer, Harry se perguntava se o companheiro realmente precisava ser tão bom naquilo, pois ele acabaria morrendo ali.

O castanho se concentrava em subir descer sua boca naquele pau mais rápido e apertado que conseguia, sem deixar seus dentes passarem ali.

– OOh gosh...

A enorme mão do lúpus deslizou pelas costas do menino, numa leve caricia, ate o momento em que Liam sorrateiramente deslizou uma de suas mãos para o saco escrotal onde deu uma apertada generosa, mas sem machucar.

– Ooohh... Fuuck! – A cabeleira encaracolada foi jogada para trás.

Aquela boca lhe fodia.

Payne era realmente bom no que fazia

Liam continuou a massagem nas bolas do cacheado, intercalado com os movimentos de sua boca. Enquanto isso Styles tentava encontra uma forma de fechar sua boca ou de gemer mais baixo, falhando miseravelmente, aquilo era bom demais para seu corpo conseguir se controlar. Ele sentia cada cantinho do seu pênis sendo engolido pela boca do mais velho, sentia a língua dele deslizando pela glande, pressionado sua fenda, esfregando seu contra seu sexo.

Aquele boquete mais parecia uma dança de tão elegante que era, e a musica que o regia era os gemidos roucos de Harry, misturado aos gemidos de Louis e Niall que se esfregavam na cama.

Aquilo era bom, muito bom, mas havia uma coisa melhor. Suas mãos então procuraram por algo onde pudesse se agarrar e ele agradeceu por os fios do lúpus no meio de suas pernas estarem consideravelmente grande, ele então puxou os curtos fios fazendo o mais velho para os movimentos.

– Agora eu irei foder sua boca uh? – Harry apenas esperou confirmação para começar a ditar os movimentos.

E foi assim que a noite dos três homens se seguiu, com gemidos, ofego, palavrões, baba, com som de sucções, de pele se chocando.

Eles eram sujos por estarem fazendo aquilo, Zayn era inocente demais, não sabia o que estava fazendo, ele não tinha ideia de que estava provocando os cantores... Certo?

 


Notas Finais


Desculpem a demora, mas eu acabei me enrolando com data e a peste toda, por isso o atraso.

- Em minha defesa sobre o smut, eu escrevi uma cena assim duas ou três vexes, então experiencia quase zero. Se ficou ruim vão me desculpando.

- Em minha defesa sobre o capitulo, eu achei ele meio pombo, tentei mudar e acabou ficando pior, então deixei assim mesmo.

É isso, ate logo.

Obs: Eu tentei postar ontem, mas o site não deixou.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...