História Nosso vizinho - Capítulo 29


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Tags Amor Proibido, Casal, Desejo, Paixão, Romance, Sexo, Vizinho
Visualizações 36
Palavras 1.980
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Famí­lia, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Insinuação de sexo, Sexo
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Capítulo 29 - Belas Flores


Fanfic / Fanfiction Nosso vizinho - Capítulo 29 - Belas Flores

- Tentei te ligar, não me atendeu. Fiquei preocupada – Digo a olhando e desvio olhar para o Carlos que se aproxima

- Estava desligado... Tem uma novidade – Diz ela sorrindo me olhando

- Fala – sorrio de canto

- O Carlos voltou a lembrar de tudo – Diz Carolina abraçada a ele e sorrindo

 Meu coração dispara de um jeito que penso que vou ter um ataque cárdico ali mesmo. Fico paralisada, sem ar o olhando

- Foi tipo um milagre, não esperávamos mais que fosse acontecer – ouço minha mãe falar e continuo o olhando

“Eu preciso que me abrace” – penso e ele finalmente olha pra mim sorrindo

Ainda ouço conversarem mas não presto atenção em nenhuma palavra, só as batidas rápidas do meu coração. Finalmente consigo abrir um sorriso e pensar em algo pra falar

- Que ótimo, fico feliz que esteja bem – Digo o olhando

- Obrigado – Ele sorri de canto

- Acho melhor a gente ir agora – Diz Carolina

- Não querem entrar? – Minha mãe convida e eles negam

Vou até meu quarto pra pegar algumas coisas do Lucas que estão por lá. Volto até onde eles estavam e entrego as coisas.

- Obrigada de novo Isabela – Carolina diz sorrindo

- De nada – Sorrio e olho para o Carlos

Ainda esperando alguma reação dele, mas nada acontece. Por que? Me despeço do Lucas e eles vão.

Primeira noite que consigo dormir tranquila, estou tão feliz que não consigo esconder o sorriso pela manhã.

- Bom dia pai, que faz aqui essa hora? – Pergunto enquanto mordo uma maçã que peguei na mesa

- Vou trabalhar em casa essa manhã. Tenho que levar uns papeis pro Carlos

- Já vai trabalhar?

- Por ele, ontem mesmo – Ele sorri - Mas o convencemos a voltar na próxima semana

- Legal... Bom, estou indo, atrasada já – Digo pegando minha bolsa – Bom trabalho – Beijo seu rosto e saio

Perdi tantas aulas que nunca mais posso imaginar em faltar alguma. Vou pra faculdade, Como disse, atrasada, chego e a aula já tem começado. Peço autorização e entro. Um tempo depois, sou surpreendida com uma mensagem:

“Vc está tão linda, e com esse sorriso que sempre te fez mais perfeita...”

Não tem identificação alguma, olho em volta procurando alguma pista, mas os poucos garotos da minha sala estão bem presos à aula e em seus cadernos.

-Será que e dele? – Penso e logo um sorriso se forma em meu rosto. PQP, o que faz comigo Carlos?

Me perco em meus pensamentos que nem vejo alguém interromper a aula

- Senhorita Isabela Santos? – Ouço meu nome e volto a Terra

Olho em volta e todos estão me olhando, inclusive o professor e o homem que está ao seu lado. Alto, vestido em um belo terno com uma maleta em suas mãos, seu cabelo grisalho entrega que já tem uma boa idade

- Sou eu – Digo ao fazer um sinal

- Poderia me acompanhar por favor? – Diz o homem

- Am... Claro – Digo e junto minhas coisas rapidamente.

Será que vou ser expulsa? Que mico!! Ou levar um belo sermão pelas minhas faltas. Vou ao seu encontro que me olhando sorrindo de canto

- Por aqui – Ele faz sinal com a mão para qual direção devo ir.

- Eu me chamo Marcelo – Ele diz enquanto caminha ao meu lado

- Prazer – Falo sem o olhar

- Podemos ir a área externa? – Ele pergunta e afirmo – Conversaremos com mais calma – Ele sorri e seguimos sem falar mais nada

Sento em uma das mesas que estou acostumada a passar o intervalo com a Amanda. De longe vejo o Jorge sentado concentrado na sua leitura, me dá um pouco mais de segurança.

- Então...

- Não fiz nada errado não é? – O interrompo o fazendo sorrir com a pergunta

- Não, fique tranquila

- Que bom – Respiro aliviada

- Como disse, me chamo Marcelo e sou orientador pedagógico em algumas instituições particulares aqui da cidade. E... em parceria com algumas escolas e outros parceiros, estamos organizando um encontro de profissões

- Entendi – Digo ainda sem saber onde tem eu nisso

- Estamos visitando algumas faculdades em procura de alunos que possam nos ajudar no dia, dando dicas, conversando com os alunos que ainda estão em duvida do que escolher. E estive com seu diretor e coordenador, eles me indicaram você e outro dois alunos que já conversei

- Tá, mas... Por que eu? – Sorrio nervosa

- Por que estamos de olho nos melhores alunos, Queremos ter certeza que está com o compromisso sério na profissão e que possa passar uma boa imagem para os alunos, e então chegamos até você – Ele sorri

- Nossa... – Sorrio olhando em volta – Não sei nem o que falar – Digo ele sorri se arrumando na cadeira – Eu não sei falar em público, muito menos dar palestra

- Olha, será montado alguns stands com dois representes de cada profissão. Será em um lugar fechado, só os alunos cadastrados que poderão entrar. Te garanto que vai ouvir muitas perguntas, mas nada precise falar pra milhares de pessoas

Depois de muitas perguntas e explicações do Marcelo, resolvo aceitar. Juro que ainda não acredito que fui indicada pelo diretor, minhas pernas tremem só de pensar, mas fico feliz que estou sendo reconhecida. Amo a profissão que escolhi e vou tentar ajudar quem precisa escolher a sua, assim como eu tive ajuda.

- Ta ok, muito obrigado pelo convite – Sorrio e aperto sua mão

- Será um prazer ter sua ajuda – Ele sorrir – Bom, não vou mais tomar seu tempo. Boa sorte e te espero lá ok?

- Pode deixar, obrigado

Mal posso esperar pra contar ao meu pai, ele que sempre me incentivou vai ficar todo orgulhoso.

Finalmente a aula termina e volto para casa. Ninguém em casa. Subo para meu quarto e corro direto para o banheiro, um belo banho é o que preciso. Espero o tempo passar enquanto olho minhas redes sociais, faz séculos que não fiz isso.

Sou tirada dos meus pensamentos ao receber uma mensagem do Jorge perguntando se estava em casa. Afirmo e ele me pede pra descer, está em frente me esperando

Olho da janela do meu quarto e o vejo sentado do outro lado da rua perto do seu carro. Apenas faz um sinal para que eu desça e assim faço.

- Hey – Diz ao me ver e vem até a mim

- Que faz aqui? – Sorrio e cumprimento com um abraço

- Mil anos que não te vi, tenho que vim atrás né? – Jorge diz tentando ser sério e me faz sorrir

- Eu te vi hoje, estava concentrado no seu livro

- Por que não foi falar comigo? – Pergunta e segura minha mão olhando pra mesma

- Estava em “reunião” com um coordenador, muito chique – Digo sorrindo

- Claro, quando ia me contar a novidade? – Ele me olha sério novamente e a olho confusa – Já sei de tudo senhorita, parabéns – Jorge sorri

- Como assim? – O olho – que contou? Amanda?

 - Não, o Pedro meu amigo, também foi escolhido, soube de você e me contou. Ah e espere aí – Ele diz levantando o dedo e logo sai correndo até seu carro do outro da rua

O observo abrir a porta de trás e pegar algo. Esconde atrás nas costas e volta até mim com um sorriso enorme

- O que tá aprontando senhor Jorge Mendes? – o olho já próximo a mim

- Depois dessa noticia, não poderia deixar de presentear a melhor aluna da faculdade de São Paulo, que dirá do Brasil – Ele diz me fazendo gargalhar e corar de vergonha

- Anda, que tem ai? – Pergunto curiosa e ele estende uma de suas mãos – Não! – Arregalo os olhos e levo a mão a boca ao uma bela caixa de chocolate

- Sei que são seus preferidos – Ele estende mais para que eu pegue – E... – Revela sua outra mão, um buquê lindo com várias rosas vermelhas e brancas – Também suas preferidas – Ele sorri

Não sei o que falar nem fazer, apenas pego as coisas de sua mão.

- São lindas, obrigada, não precisava – Digo o olhando

- Merece – Ele sorri e põe uma mexa do meu cabelo atrás da orelha – Sabe que torço muito por você, por sua felicidade

Por que tão fofo? Não mereço tudo isso – Penso

- Obrigada, tá sendo um grande amigo, nem sei o que falar – Digo e ele se aproxima

- Sabe que quero ser mais que isso não sabe? – Jorge diz já bem próximo ao meu rosto

Tento desviar o olhar mas ele puxa meu rosto me fazendo o olhar. Sinto sua respiração bem perto do meu rosto, confesso que me arrepiei do pé a cabeça. Seu cheiro é tão bom, sua mão quente em minha bochecha, sua boca próxima a minha

- Quero te fazer feliz Isa, como ninguém fez – Ele diz num sussurro e me beija

Não retribuo no começo, mas há tanto tempo que preciso de um carinho, acabo me entregando ao beijo. Seus dedos está no meu cabelo fazendo carinho enquanto sua língua explora minha boca

PQP isso é muito bom – Penso

Ele para o beijo com selinhos e um sorriso bobo.

- Saudade – Ele diz ainda próximo e me abraça – Quero tanto você

-Jorge... Não complica – Digo e sorrio nervosa

- Certo... no seu tempo – Ele se afasta e me olha – Não some ok? – Diz e afirmo com a cabeça – Agora vou, só vim te dar isso – Ele sorri e beija minha testa

- Obrigada – Digo o abraçando.

Olho por cima de seu ombro e vejo um carro se aproximar e estacionar perto de onde estávamos. Jorge se despede e sai, o observo entrar em seu carro e aceno.

Volto minha atenção ao carro que está ali parado, era do Carlos. Logo a porta se abre e ele sai, continuo parada o olhando se aproximar

- Oi – Carlos diz me olhando até seus olhos desviarem pro que está na minha mão

Fico sem reação, vê-lo perto novamente mexe com cada canto do meu corpo

- Seu pai está? – Ele quebra o silencio

Po*rra você está aqui comigo e pergunta por meu pai, me abraça logo – penso

- Am... não, deve está chegando

- Ah... me pediu pra passar por aqui – Ele passa a mão no cabelo olhando a rua

- Pode esperar lá dentro – Sorrio de canto

- OK, vou pegar uns papeis no carro – Ele diz se virando

Fico ali parada no mesmo lugar observando seus movimentos, Porque não deu nenhum sinal? Não me abraçou? Estamos sozinhos aqui, será que foi por causa do Jorge?

- Pronto – Ele diz me tirando dos meus pensamentos – Belas flores

- É... – Sorrio as olhando – Estou muito feliz que esteja bem

- Valeu – Carlos sorri

Por que não faz nada? Eu tô com muita saudade, por favor! – Penso

- Está tudo bem? – Pergunto e ele me olha – Está... distante

Antes que tenha a chance de ouvi-lo dizer algo, meu pai chega em seu carro.

- Olá – Ele diz dentro do carro – Entra aí cara, já falo com você – Diz meu pai e entra na garagem

Abro as portas para o Carlos que me acompanha em silencio. Ao chegar na sala falo pra sentar, mas ele agradece sem me olhar. Vejo que meu pai não está por perto e chamo sua atenção

- Carlos? – Digo e ele me olha – Você... Você lembra de tudo mesmo?

- Lembro

- Por que está me evitando? – Digo e não posso evitar que uma lágrima caia. Ele apenas me olha – Por favor, diz. Saudade doi muito – Falo em um sussurro com a voz embargada

- Depois a gente conversa Isabela – Ele diz sem expressão e meu pai aparece

Enxugo rapidamente as lágrimas e vou para meu quarto sem falar nada. Coloco as coisas em cima da minha mesa e me jogo na cama aos prantos

- O que eu fiz agora? – Falo sozinha em meio ao choro

(Continua)


Notas Finais


MAIS UM FINALMENTE
prometi postar ontem, mas acabei ficando sem energia
Sim, eu passe a TARDE INTEIRA sem energia, saco
Mas aí está, espero que tenham gostado
Comentem o que acharam <3
o que acham q vai acontecer com o Carlos e a Isa?


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...