História Nossos "Amáveis" Vizinhos - Capítulo 7


Escrita por: ~

Postado
Categorias Miraculous: Tales of Ladybug & Cat Noir (Miraculous Ladybug)
Personagens Adrien Agreste (Cat Noir), Alix Kubdel, Alya, Chloé Bourgeois, Félix, Gabriel Agreste, Hawk Moth, Marinette Dupain-Cheng (Ladybug), Mylène Haprèle, Nathanaël, Nino, Plagg, Sabine Cheng, Sabrina, Tikki, Tom Dupain
Visualizações 74
Palavras 1.640
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 12 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Festa, Romance e Novela, Universo Alternativo
Avisos: Adultério, Álcool, Heterossexualidade
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Hey, amores! Cês tão bem? Gente, tava sem idéias esses dias, e os professores já tão mandando mil e uma lições pra noix, e naum consegui postar, sorry.
O capítulo não tá tão bom porque a escola já acabou comigo e eu tô morrendo de sono.
Sorry, people!
Gente, tô pensando em fazer tipo um especial. Quando a gente alcançar 20 favoritos, eu faço um capítulo, que não sei se vai interfirir no enredo, esplicando tudo que aconteceu com eles no passado. Básicamente, esclarecer o mistério.
Thank you very much! Gzuis, 6 capítulos e 19 favs? Vocês são incríveis!
Bjoss!

Capítulo 7 - Superação


🦄Tikki🦄

Estava no meu quarto, tentando segurar a imensa vontade de chorar que eu sentia. Eu não queria me humilhar desse jeito, chorando por ele. Mesmo que ninguém estivesse ali para ver, eu me sentia humilhada.

Dirigi meu olhar pelo quarto, varrendo cada canto do cômodo para tentar encontrar algo que me fizesse sorrir e ter vontade de sair desse quarto. Mas, então, meus olhos pararam no espelho, espevificamente nas fotos coladas nele. Eram fotos do Plagg e eu, ou apenas dele.

Nesse momento, não aguntei mais. Me entreguei de vez à fraqueza, deixando meus olhos ardentes transbordarem. Deixando minha mente viajar para as nossas lembranças, me relembrando de que fui ingênua e boba.

Se eu fosse mais madura, talvez isso não tivesse acontecido. Tenho que parar de agir como umq criança, de pensar como uma.

Mas, não consegui ficar me repreendendo por ser infantil muito tempo, porque logo meu celular apitou e, quando o liguei, me deparei com outra foto nossa, minha foto de fundo. 

E parei de insistir em me animar, em me fazer voltar a sorrir. Pelo menos, naquele momento, eu queria poder sofrer, sem ter que ser forte ou fingir não estar mal.

Plagg era minha alegria, minha razão de continuar acordando todos os dias de manhã, e encarar todos daquela escola. Ele era a razão de todos os meus sorrisos, e de todas as minhas discussões com a vadia novata.

Ele era o meu mundo, a minha vida. E agora eu estou apenas vagando pelo Universo Paralelo, e provavelmente morta.

Mas, não vou mais chorar por ele! Se ele fez isso é porque não me amava, e não me merece! Vou achar alguém que realmente cuide de mim, me dê valor e que me ame de verdade.

Vou esquecer o Plagg, nem que isso signifique ter que arrancá-lo a força dos cacos do meu coração!

- Garotas, vamos ao shopping! - Anunciei, pegando minha bolsa.

•  •  •

🐱Plagg🐱

Meu quarto.

Era desse lugar escuro e triste que eu mais queria fugir, mas que mais me trazia segurança de chorar e sofrer em paz.

Lágrimas escorriam com uma intensidade assustadora, nunca havia chorado assim na vida.

E, só de lembrar do olhar triste e magoado dela, as lágrimas vinham ainda mais. Cada vez mais elas enxarcavam meu rosto, e cada vez mais delas se acumulavam nos meus olhos inchados e que já estavam queimando.

Meu celular costumava me distrair, mas foi só abrir a galeria para eu ter vontade de jogar o celular na parede e me atirar dali da cobertura.

Era a minha foto favorita. Eu e Tikki estávamos na Pont des Arts, ela sorria mostrando o cadeado escrito "Plakki 4Ever" para a câmera e eu abraçava sua cintura e apoiava a cabeça na curva de seu pescoço.

Essa foto era meu plano de fundo de bloqueio, da tela principal, fundo do WhatsApp e perfil do Whats, Face, Insta e Twitter.

Era a minha favorita porque, quando olhava para ela, eu sentia que era humano, e também conseguia me apaixonar e amar alguém. E me deixava feliz, por saber que uma pessoa maravilhosa como a Tikki sentia o mesmo por mim.

Mas, agora, sempre que eu olhar essa foto, ou passar por essa ponte, vou lembrar de todos os nossos momentos, e que a única prova de que existiram serão as fotos.

Eu sei que eu vou olhar para aquele cadeado, preso em meio a tantos outros, e lembrar do sorriso dela, e de todas as vezes que ela ria da minha cara.

E, depois, vou lembrar que foi minha culpa esse sorriso ter desaparecido.

Agora, eu vivo num mundo escuro e triste, como se estivesse morto, e sem nada.

Porque Tikki era meu mundo de luz e minha alegria, minha vida, meu tudo.

E eu a perdi, porque fui um babaca. Estou aqui, sofrendo, por causa das minhas atitudes infantis.

- Plagg, sai desse quarto, cara - Kim pediu, batendo na porta.

- Não - respondi com a voz falha, ainda por causa do choro.

- Plagg, chorar não vai consertar o que a gente fez. Chorar não vai trazer elas de volta! - Ele gritou, quase derrubando minha porta.

- O.k., você venceu - falei, abrindo a porta.

- Vem, vamos para a sala - ele disse.

•  •  •

Eu estava sentado no sofá, olhando Nino e Adrien jogarem alguma versão de GTA. Até que ouvimos uma conversa - gritos, para ser sincero - do outro lado da porta, indicando o óbvio: as meninas.

- Tikki, aceita, é a verdade! - Marinette disse.

- Verdade é que eu vou conseguir, sim. Eu vou esquecer o Plagg! - Tikki quase berrou, e eu pude imaginar ela revirando os olhos.

Mas, não foi nisso que me concentrei. E sim nas lágrimas que voltaram a escorrer, com mais intensidade do que antes.

- Cara, eu... - Adrien dizia alguma coisa, mas não escutei tudo.

Só corri escada acima e me tranquei no quarto de novo.

•  •  •

📱Alya📱

Nós estávamos esperando um táxi, mas meus pensamentos viajaram até um moreno que havia roubado meu coração.

Clichê, eu sei. Não entendo como caí nessa, ainda mais sendo... Eu! Alya Césarie, a expert em casos "românticos" e armadilhas amorosas! Devia ter ouvido a Alix desde o início.

Quando o táxi chegou, Marinette me empurrou para dentro, me espremendo na janela. Ao lado dela, Tikki estava com uma cara acabada, apesar de tentar esconder isso.

Na verdade, todas nós estávamos. Estávamos quebradas por dentro, mas "felizes" por fora. Mas, até superarmos isso, o disfarce vai ser parte da nossa rotina.

Não importa mais quantas vezes eu tive que me trancar no meu quarto para chorar, ou me olhar no espelho e me odiar por não estar dentro dos "padrões", os errados são eles e não eu. Não vou sofrer por pessoas que não são... Pessoas. Ninguém é um ser humano, se tem a capacidade de julgar e desprezar alguém por causa das diferenças, ou simplesmente tratar as pessoas e seus sentimentos como brinquedos. Esse tipo de ser vivo se chama monstro, e não vou sofrer por eles.

Quando me dei conta, já estávamos em frente à sorveteria ao lado do parque, que fica em frente ao colégio, praticamente.

Olhar aquele lugar agora, mais do que nunca, me fazia ter vontade de voltar para casa e pedir ajuda para minha mãe, pedir para que ela me dissesse o que fazer.

Mas ela não estava lá, e isso eu enfrentaria com as minhas amigas.

- A gente não ia no shopping? - Tikki perguntou.

- Resolvi que era bom dar uma variada. E faz séculos que a gente não vem aqui... Era tão importante para a gente - Alix disse, olhando ao redor, parecendo nostálgica. E essa era a sensação que nos envolvia agora: nostalgia.

Aquele lugar era nosso ponto de encontro, onde a gente dividia tudo: alegrias, medos, tristezas, tudo! Sempre vínhamos aqui quando a situação na escola era difícil, porque sorvete sempre nos ajudou a melhorar o humor e esquecer os problemas, por mais estranho que isso pareça.

- Se fizermos como antigamente, talvez dê certo. Porque, até hoje, sorvete me ajuda em tudo - Marinette disse, arrancando uma leve risada do grupo.

- Vamos. Tentar não vai nos matar - falei, soltando um suspiro e entrando na sorveteria.

•  •  •

O.k., agora é oficial. Esse sorvete dos deuses de baunilha que só eles têm, cura tudo! 

Mon Dieu, foi só eu tomar um pouco que meu humor melhorou totalmente! Não sei se algo do próprio sorvete, ou se algo em mim, mas ajuda para caramba!

- Meu Santo Unicórnio Colorido dos Vales de Chocolate com Glitter, isso é mágico! - Tikki exclamou, terminando seu sorvete de morango.

- Você tem que parar de inventar santidades unicórnianas - Alix resmungou, engolindo uma colherada de sorvete de chocolate.

- O.k., deixe Tikki e seus unicórnios locões e todo o caralho a 4 - Mari disse, acabando seu sorvete de flocos.

- Meninas, vamos logo. Já são 15:47, e a gente tem lição para amanhã - falei, levantando da cadeira e pegando minha bolsa.

- O.k., mãe. A gente já vai - Alix disse debochadamente e foi para o caixa, pagar os sorvetes.

•  •  •

🎧Nino🎧

Plagg se trancou no quarto e Adrien não saía do vídeo-game, sem contar que Kim praricamente se trancou na sala de exercícios, dizendo que ia levantar uns pesos.

Mas, eu não os culpo. De verdade, eu mesmo estou quase indo para meu quarto, me trancar lá, tomar sorvete de creme, ouvir Marília Mendonça e assistir filmes tristes. Pensando bem, isso não é má idéia. Acho que vou lá fazer isso, agora.

Minha mãe e minha irmã tinham me ligado, dizendo que souberam de tudo que aconteceu. Esperei ouvir um: " A gente tá aqui para te ajudar, pode contar conosco", mas é claro que me enganei. Ao invés disso, ouvi um belo sermão de como se deve tratar os sentimentos de alguém, e que pessoas não são brinquedos. Mas elas não sabem que eu dei esse sermão no Adrien, e que isso continuou por culpa dele!

Mas, colocar a culpa nele não vai adiantar de nada. Eu sei que vai continuar a mesma coisa, então...

Mas, o que eu não vou aceitar, é ter perdido a Alya. Sabendo das paranóia dela com a aparência, aposto que ela estaria se julgando, dizendo que eu fiz isso porque ela está fora dos padrões, mas iria ignorar e ser feliz do jeito que ela é.

E ela é maravilhosa daquele jeitinho. Meio gordinha, linda, teimosa, curiosa, incrível e perfeita, e eu desperdicei a chance de viver com ela, de ter uma chance de algo além do colégio. Porque fui um idiota, que não teve a capacidade de enxergar que estava machucando o amor da vida dele!

Minhas lágrimas corriam soltas, sem parar por um segundo sequer. Fiz a coisa mais inteligênte: dormir.

Se eu dormir, talvez eu acorde amanhã e tudo isso não tenha passado de um pesadelo. Quem sabe a Alya ainda esteja comigo, e eu possa ter a garota mais maravilhosa do mundo do meu lado?

Apesar das esperanças, no fundo eu sei que é uma ilusão, como tudo que eu faço.


Notas Finais


Hey, amores! Capítulo finalizado e, mesmo morrendo de sono, não ficou tão ruim.
GENTE, HOJE É O BDAY DO SHAWN!
Nosso BB tá fazendo 19 aninhos...😍❤❤❤
Mas, voltando ao assunto principal, acho que o capítulo 8 saí na quinta, ou sexta, o.k.?
Bjoss!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...