História Nossos pequenos segredos - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Amor, Drama, Família, Romance
Visualizações 4
Palavras 1.351
Terminada Não
LIVRE PARA TODOS OS PÚBLICOS
Gêneros: Comédia, Drama (Tragédia), Escolar, Famí­lia, Romance e Novela

Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Capítulo 3 - Capítulo 3


Na manhã seguinte, Jane não foi trabalhar e antes do horário da escola acordei com sons de descarga no banheiro ao lado do meu quarto. Me levantei um pouco tonta da cama e abri a porta do banheiro vendo Charlie sentado ao lado da privada, ele estava branco e com a boca seca. Nunca o tinha visto daquele jeito. Ele suava pelo rosto todo e seu corpo estava quente quando coloquei a mão sobre sua testa. A luz clara do Sol nascendo entrava pela janela iluminando o banheiro e o rosto de Charlie com o cabelo castanho grudado sobre a testa. Seus olhos estavam vermelhos como se não tivesse dormido a noite e ele respirava lentamente com a boca entreaberta, mas mostrando um pouco de dificuldade. Eu não sabia muito bem o que fazer, mas molhei sua nuca e seus pulsos, mas seu corpo estava tão mole que não mostrava reação.

 

- Charlie. Charlie.

Eu o chamei como ele fechava os olhos.

- Oi.

Ele respondeu lentamente e com a voz falha.

- Você consegue levantar?

Charlie negou com a cabeça lentamente.

- Eu vou chamar a mamãe.

Ele segurou em minha mão.

- Não. Fica aqui. Ela não dormiu de noite para cuidar de mim. Deixa ela dormir.

- M-mas você não está bem.

Eu gaguejei sem saber se poderia fazer alguma coisa.

- Estou sim. Eu sei que vai passar.

Então me sentei no chão do banheiro em frente ao garotinho pálido e tão calmo em um momento que eu me desesperaria. Charlie ainda segurava em minha mão. Eu fiquei ali até que sua cor foi voltando lentamente e sua mão criou um pouco mais de força apertando a minha.

- Agora eu consigo levantar.

Ele sorriu. Eu o ajudei a levantar e ele se apoiava em mim enquanto eu o levava para seu quarto.

- Eu vou morrer, Suzi?

Eu congelei. Nada saiu da minha boca e as lembranças da briga que tive com minha mãe no dia que descobrimos sobre o cancêr de Charlie, surgiu em minha mente. Eu neguei juntando o pouco que me restava.

- Não, Charlie.

 

Minha mãe acordou algum tempo depois. Contei à ela o que havia acontecido e sem querer como sempre, ela descontou nos outros. Ou seja, em mim.

- Por que não me chamou, Suzana?

Ela esbravejava levando as mãos a cabeça e andando de um lado para o outro na cozinha.

- Charlie pediu que te deixasse dormir. Ele não queria que eu te acordasse.

- Pelo amor de Deus, Suzana! Ele tem dez anos. Você acha que ele saberia o que fazer nessa hora? Você acha que ele sabe o que é melhor para ele?

Minha avó olhava do outro lado da cozinha encostada no balcão sem dizer nada. Abaixei a cabeça e concentrei minha vista em meus polegares, não lhe respondi até que ela se acalmasse e voltasse a falar em um tom de voz calmo e ainda preocupado.

- Tudo bem, Suzi. Está tudo bem, ok?!

Apenas balancei a cabeça afirmando que sim, a ouvi suspirar e então deixei a cozinha pela porta dos fundos sem olhá-la. Jane e minha avó começaram a discutir sobre como ela havia sido dura comigo. Jane voltou ao meu quarto de repente.

- Você está atrasada pra escola!

Eu a olhei sem entender, ainda sentada em minha cama com um livro nas mãos.

- Eu vou pra escola hoje?

- Claro que vai!

Minha mãe falou quase histérica. Ela pegou uma roupa qualquer e me entregando.

- Vamos! Eu peço para o Tyler te levar. – Ela saiu do quarto gritando. – TYLER!

Desci as escadas rapidamente com a mochila nas costas.

- E por que o Tyler não vai?

Perguntei enquanto meu irmão jogava a chave do carro para cima e para baixo.

- Porque eu sou especial.

Ele deu uma piscadela.

- Ah mas ele vai!

Ela afirmou.

- Mas mãe, eu posso te ajudar ficando aqui em casa.

Tyler tentou contestar.

- Você é mais útil na escola. Não posso deixar vocês perderem aula.

Jane nos empurrou para a porta jogando a mochila para ele. Minha barriga roncava de fome no silêncio do carro.

- Que merda é essa?

Tyler perguntou olhando para mim.

- Estou com fome.

Justifiquei. Tyler passou da escola e parou na lanchonete um pouco mais à frente.

- Eu preciso ir pra escola.

Falei olhando para trás.

- Você vai morrer se não comer, e você é mais útil viva.

Ele resmungou trancando o carro assim que descemos, e usando a fala de minha mãe para justificar sua estada em casa naquele dia.

- O que você quer?

Tyler perguntou antes de ir ao balcão fazer o pedido.

- Chocolate quente.

- E pra comer?

Dei de ombros.

- Qualquer coisa.

Sentei-me em uma mesa rente à janela que dava para a rua, e observei as pessoas passarem e os carros espirrarem água conforme atropelavam as poças de água.

- Ela brigou com você, não foi?

Tyler perguntou ao sentar à minha frente, após entregar-me o chocolate e um pão de queijo.

- Brigou.

- Ela foi injusta.

Dei de ombros sem olhá-lo. Não faria diferença se ela estava sendo justa ou injusta comigo. Comemos em silêncio, sem se atrever a olhar para um ou outro. Mas pelo menos por meu lado, eu sentia-me estranhemente confortável ao lado de meu irmão, o que não era muito comum de acontecer. E foi nessa hora que eu entendi que algo havia mudado entre nós.

 

Eu desci do carro rapidamente e corri para a escola na frente de Tyler, que despreocupado ainda pegava a mochila do banco de trás e desligava o motor do carro. Eu estava mais que atrasada. A primeira aula havia acabado completamente e eu já havia ido para a sala da segunda aula direto. Entrei na sala vazia e me sentei sozinha, consegui abaixar a cabeça e fechar os olhos por alguns segundos, era tudo tão estranho que eu não conseguia pensar sobre tudo ao mesmo tempo e sentia que poderia ficar louca a qualquer momento caso não parasse de me forçar a tentar entender. Mary entrou na sala, ela se aproximou me olhando interrogativamente enquanto eu passava a mão no rosto respirando fundo.

- Ta tudo bem?

Ela perguntou com uma certa calma.

- Ta.

Respondi quando as pessoas começaram a entrar na sala e me recostei na cadeira.

- E ai, Suzana?

Luke, o pior da minha sala passou batendo em minha mesa e sorrindo com aquele sorriso despresível nos lábios. O encarei enquanto ele passava por mim e se sentava nas cadeiras de trás. Revirei os olhos enquanto Mary o olhava torto. Já era o costume, eu era motivo de chacota para ele desde sempre, por apenas não ser como as galinhas que o cercam. As garotas mascadoras de chiclete com a boca aberta, entraram na sala e contornaram minha cadeira para se sentarem perto de Luke e seus amigos. Eu e a praga estudamos juntos desde a infância, assim como Jeff. Alguma vez na vida já fomos amigos de contar mentiras sobre termos conhecido o Naruto ou o Mickey em nossa infância. Éramos nós três falando na aula e no laboratório de ciências, tudo isso antes de Mary chegar dois anos depois. Mas crescemos e o ego de Luke também, o fez se tornar um jovem garoto agressivo e adorado pelas garotas, com aquele sorriso cafajeste dele e por seus músculos terem se desenvolvido, de certa forma. A puberdade havia feito bem para os garotos que não precisavam enfrentar uma hemorragia todos os meses. Não sei como, mas às vezes alguns garotos começam a chamar mais atenção das garotas do que outros, como Jeff, que não tinha a necessidade de chamar a atenção de ninguém, e procurava passar despercebido sempre que possível, continuando da mesma forma, com a mesma personalidade, apesar de estar bem mais, digamos, “desenvolvido” do que quando era apenas um pirralho de oito anos. A aula começou e mesmo eu sendo uma boa aluna, dessa vez estava tão cansada que não conseguia prestar atenção em nada.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...