História Nostalgia, Daddy HIATUS - Capítulo 5


Escrita por: ~

Exibições 398
Palavras 2.315
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Drama (Tragédia), Fantasia, Ficção, Ficção Científica, Lemon, Mistério, Poesias, Romance e Novela, Shonen-Ai, Shoujo (Romântico), Slash, Sobrenatural, Universo Alternativo, Violência, Yaoi
Avisos: Álcool, Drogas, Estupro, Gravidez Masculina (MPreg), Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


alooo meu povo! desculpem pela demora, estive com bloqueio criativo e trabalhando em um trailer para um fic q irei lançar. ela será ABO (Ómegaverse) só que KookMin e vai ter um pouco de shotacon XD
espero q gostem do cap e.e
sugestão musical; Shameless - The Weeknd

muito obrigado a todos q acompanham a fic
e pelos 150+ favoritos XD

Capítulo 5 - Toques Íntimos


Fanfic / Fanfiction Nostalgia, Daddy HIATUS - Capítulo 5 - Toques Íntimos

               Ele ainda faz parte da minha história, vida e coração. Não o consegui esquecer, não é amor e sim uma promessa que fiz à este, mesmo que não se lembre mais de mim.

               Min Yoongi.

 

               Jungkook acabara de ser recordar de um fragmento de sua infância, a qual envolvia Suga e Jimin. Vossos rostos eram um tanto opacos, impedindo que este os veja com mais clareza. Em um impulso, o cérebro processou que isso já havia passado e que Park estava sobre si, acompanhado de um belo sorriso malicioso.

             — Kookie? — indagou, enquanto aproximava seus lábios aos de Jungkook. — Ei!

             — Desculpa, Daddy... — limpou a garganta. — Estive pensando em algumas coisas, nada útil por sinal.

             — Cabeça de vento, lar do diabo — sussurrou baixo, mordiscando o lábio inferior da marionete. — Preciso puxar mais a cordinha, Kookie?

               Ele assentiu, fechando os olhos em seguida. A cada puxada, seu pênis endurecia e começava a expelir o pré-gozo. Lubrificando-o, e já estava preparado para receber a boca de Park. Sua língua tentava envolver a extensão, mas fora em vão. Jungkook já agarrara os cabelos de Jimin, o movimentando para logo alcançar o orgasmo. Ora se engasgava, ora conseguia engolir o pênis por completo. Senti uma leve sensação embrulhar seu estômago, mas era passageira, logo o prazer iria pulsar com fervor.

               Jimin começou a se movimentar, fazendo a glande de Kookie tocar em seu céu da boca. O qual já revirava os olhos de tanto prazer. Uma loucura, mal haviam se conhecido e já estavam transando. Às vezes, o tempo se torna desnecessário e a carência predomina ambos corpos. Principalmente, o de Kookie. O qual havia ficado na seca por um bom pedaço de tempo, por um lado era até bom. Afinal, estava cansado de relações carnais sem sentimentos. Mesmo que com Jimin seja quase deste modo.

             — Oh, Daddy... — gemeu Kookie, alguns segundos antes de gozar. — Eu... Vou...

               Jimin nada disse, apenas engoliu tudo que havia sido expelido. Um gosto peculiar, não era salgado como o de Hoseok, nem um tanto amargo como o de Yoongi. Sim, Park havia se relacionado com ambos rapazes. Mas um deles foi apenas um flerte de uma noite, já o outro... Bom, ele retirou a sanidade de Jimin. O fazendo gritar, gemer e pedir por mais. Submisso aos toque que recebia de Hobi.

               O sêmen de Jungkook era uma mistura de sabores. No princípio, se acentuava em ser salgado, logo em ser doce e no final em um gosto mais amargo. Jimin havia se viciado em tal degustação, simplesmente delicioso. Sua boca estava melada e logo passou o fluído para a de Kookie. O qual saboreou o próprio sabor, seria nojento, isso se Jimin não o tivesse beijado.

             — Daddy, tire o plug, por favor... — pediu Jungkook, enquanto abria as pernas para Jimin. — Acho que você é o único que pode fazer isso...

            — Espera... — proferiu em tom abafado, sua mão trilhava até a entrada de Kookie. — Eu vou precisar puxar com a mão...

            — Hawn! Jimin, não! — gemeu em um tom alto, o suficiente para que o próprio Yoongi pudesse acordar, pena que este não estava na casa de Park. — Com a mão não! Tem que ser com a boca...

               As palavras saíram de forma infantil, resultando em uma elevação no meios das pernas de Jimin. A cueca já não iria suportar tal volume, o qual era digamos... Bem acentuado.

             — Uh, veremos o que poderei fazer.

                Jimin não sabia que o efeito da cordinha era um tanto estranho, além de excitar Jungkook, ela também ativava alguns espinhos no plug anal. Uma forma de punir o manequim, quando alguém se atrevia a avançar o sinal. Seu antigo proprietário era obcecado por Kookie, não iria permitir que um qualquer o tocasse. Unicamente, ele. No fim das contas, Jeon fora tratado como uma mercadoria.

             — Kookie, você está sangrando... — indagou Jimin, nunca havia feito tal ferimento em alguém. — Não acha melhor... Pararmos?

             — Vem... — Kookie se levantou e levou Jimin até o banheiro, ele conhecia aquela casa. Isso depois de ter se recordado de breves memórias fotográficas. — Sangue não é problema quando temos água.

             — Mas... — era a vez de Jimin se reprimir. — E se doer muito...?

               Jungkook parou, o silêncio predomina o ambiente. Estranho.

             — Ao seu lado... Eu não sinto dor.

               Ele não sentia dor, fome, angústia, ansiedade, medo ou carinho. Era apenas um amontado de parafernálias, silicone, cabelos e olhos. Não poderia ser chamado de humano, porém, às vezes era mais que nós mesmos. Jungkook tentava ao máximo distinguir os novos sentimentos, aqueles que ele não acreditara ter sentido. Suas memórias ainda se comportavam de maneira duvidosa e incerta.

             — Hm... — Jimin assentiu e prosseguiram até o banheiro. — Água quente ou fria?

             — O que o Daddy prefere?

               Você.

             — Quente — respondeu Jimin. — E você?

             — Seja feita tua vontade, Daddy.

               A banheira começa a borbulhar um pouco, Jimin havia colocado alguns sais de banho e um pouco de shampoo, para deixar esta mais agradável. Vagarosamente, Jungkook e ele entram na água. Pela primeira vez, a marionete sentiu seu corpo relaxar com a temperatura. A maioria de seus banhos eram frios e rápidos.

             — Gosta, Jungkook? — quebrou o silêncio, a pergunta soava como uma preocupação.

             — Sim, Daddy.

               Jimin conseguia mudar de expressão facilmente, assim como de humor. Ora ele parecia preocupado e ora um tanto agressivo. Afinal, ele era um dos amantes do sexo selvagem. O que estava praticamente estampado em sua testa: Eu gosto de sexo selvagem.

             — Jungkook, fique de quatro — autoritário, Jimin ordena tal posição. A qual ele mais imaginava durante as sessões de toques íntimos, masturbação. — Baby?

              Timidamente, Jungkook obedece a ordem. O deixando em total submissão ao parceiro, fazendo alguns sentidos se aguçarem. Ele não previa o que Jimin poderia fazer com o corpo, poderia ser carinhoso ou bruto. Park é um homem de vários fetiches e comportamentos repentinos.

             — Ah... Daddy.

             — Com a boca, certo? — perguntou, deixando seu hálito bater na entrada de Kookie. — Responda, Jungkook.

             — S-sim, Daddy... — respondeu envergonhado, logo fechando os olhos para o que viria pela frente. — Hawn, Jimin!

               Jungkook berrou ao sentir a boca de Park em sua intimidade, logo esta começava a penetrar com a língua e o lubrifica-lo. Arrepios percorriam o corpo da marionete, deixando-o desconcertado. Gotículas de suor trilhavam pela epiderme, a temperatura já aumentava de forma descontrolada. Esta era a primeira vez que Kookie não se sentia forçado a se entregar. Com certeza, Jimin fora o único homem que o estava tocando de forma – quase – adequada.

               A boca de Park foi em direção aos testículos de Jungkook, mordendo e sugando um por vez, excitando cada vez mais ambos. Após essa preparação, o menor introduziu um digito dentro da marionete. O que resultou em um gemido alto e afeminado, Jungkook já não se importava com os sons que saíam de si. "Jimin" era a única coisa que conseguia proferir com clareza.

             — J-jimin! Ah... — gemia alto, instintivamente. — Ah... Daddy, eu quero mais!

               Em um impulso, Jungkook faz seu corpo se chocar contra o rosto de Park, o qual estava de volta com a boca entre as nádegas deste. A língua já procurava o plug anal, vasculhando cada parte daquele interior quente e úmido. Kookie gemia mais ainda, nem mesmo o nome de Jimin conseguia mais proferir. O prazer tomava conta de si.

               Jimin localiza o plug e o retira de Jungkook, o fazendo sentir um alívio e prazer ao mesmo tempo. Afinal, ele estava quase em seu segundo orgasmo. Sem mais hesitar, o menor abaixou as vestimentas inferiores e se introduziu dentro de Kookie. No princípio, fora uma ação impulsiva que fez o submisso se sentir como se fosse rasgado ao meio. Porém, começava a adaptar-se ao volume intruso.

             — Droga, Jungkook! Você é apertado... — gemeu sentido o interior o espremer um pouco. — Ah... Jungkook!

              O dito cujo que era chamado optou pelo silêncio, apreciando mais ainda o membro do outro em seu interior. Simplesmente, prazeroso. Aos poucos, Jungkook moveu o corpo, dizendo de forma indireta que Jimin poderia estocar. Logo fora atendido, sentindo o pênis de Park adentrando e saindo por completo. Para um jovem dessa estatura, Jimin era muito bem dotado. Não que ele seja demasiadamente baixo, mas ao lado de Jungkook...

             — Jimin... Mais rápido, Hyung! — suplicou Jungkook, rebolando ao ritmo das estocadas, que até então se mantinham em uma velocidade média. — Jimin!

               Park já não suportava, precisava de mais, atendendo às súplicas de Jungkook. Ambos não se importavam com os sentimentos, cansaço ou vergonha alheia. Unicamente, o prazer que poderiam proporcionar e sentir. Humanos são insanos, carregam o pecado dentro de si e só o compartilham com alguns escolhidos ou até mesmo aleatoriamente. Será que Kookie era assim também? Ele ainda tinha essa essência humana? Talvez, nem mesmo ele saiba disso. Cada vez mais, os toques se tornavam únicos, as mãos de Jimin foram as que mais Jungkook apreciou em seu corpo. Não sentia nojo ou medo, se entregava à total mercê do ativo.

            — Jungkook! — gemeu Jimin, ao sentir que estava próximo de atingir a tão desejada próstata. — Hm... Aonde está o seu ponto doce?

             — Ah... Daddy...

               Jungkook se masturbava, afinal ele tinha um pênis que precisava de atenção. O que aumentava o prazer que percorria o corpo, sentindo que logo chegaria ao ápice. Quando Jimin o impediu de prosseguir, algemando suas mãos e as prendendo para trás. O que deixou Kookie desconcertado, não entendendo o porquê desta ação. Logo se lembrou da pergunta de Park, se ele já havia sido algemado. Pouco a pouco, tudo fora compreendido.

              — Fica calmo, você irá gostar de ficar um pouco submisso — sorriu Jimin, enquanto acariciava o membro de Jungkook. — Sabe, para uma marionete... Você tem um grande destaque no meio das pernas.

               Jungkook apenas riu, o comentário era hilário.

             — Caramba, Kookie, você já está melado de novo — sussurrou perto do ouvido da marionete. — Será que devo te chupar novamente?

               Outros fragmentos do passado, Jungkook meio que se desconectava da realidade para vê-los com um pouco mais de clareza. Afinal, queria saber o que havia acontecido neste pedaço de tempo, o qual era duvidoso e um tanto estranho. Lembranças tem esse ofício.

 

               [Dois dias de amizade com Park Jimin. Algum tempo atrás]

 

            — Ei, Jungkook! — chamou Jimin, se levantando do sofá e indo até o garoto que estava deitado com uma revista em quadrinhos no rosto. — Acorda, dorminhoco.

             — Hã? Jimin? — perguntou bocejando, havia acabado de despertar de forma brusca. — O que aconteceu?

            — Aish, já não te disse para não dormir no sofá? Amanhã ficará com dor nas costas — posicionou-se como responsável. — Queria te perguntar uma coisa...

             — Pergunte — respondeu, enquanto se sentava no sofá. — Hyung?

             — B-bom... — limpou a garganta. — Como é um beijo?

               Jungkook se espantou com a pergunta, nunca havia se dado conta deste detalhe. Mas sabia que Jimin tinha alguma relação com isso. Eles eram ingênuos, comum quando se é uma criança.

            — Eu não sei, Jimin, por que está perguntando isso?

            — Eu queria saber como era, se você já... — fez uma pausa e logo prosseguiu. — beijou...

            — Não, eu ainda não fiz isso e nem sei quando farei... — Kookie se afundou entre as almofadas, sentia vergonha às vezes quando conversava com Jimin. Não compreendia o porquê de tal comportamento. — Jimin...

            — Esqueça, não quero te pressionar a nada — pegou a mão de Jungkook e a segurou um tanto firme. — Vamos, temos que dormir.

            — Preciso ir naquele quarto ao lado, boa noite. — soltou-se, tentando se afastar um pouco de Park. — A-amanhã nos vemos...

             — Não, eu quero dormir com você.

               As duas crianças se olharam, abrindo um breve sorriso tímidos em seus pequeninos lábios. De mãos dadas, Jungkook e Jimin se dirigem até o quarto de hóspedes. Era uma noite fria, ótima para dormirem aninhados um nos braços do outro. Trocarem o pouco de calor humano e carinhos nas madeixas macias. O cobertor vermelho os acolhe, junto ao travesseiro branco feito de penas de ganso. As duas cabeças repousam sobre esta, logo sentindo o sono de aproximar.

             — Eu te amo, Jungkook...

             — Eu te amo mais ainda, Jimin...

               Timidamente, seus lábios roçam um ao outro, insinuando um breve selinho. Que logo se transformou em um pequeno beijo, tanto Jungkook como Jimin cessaram o contato visual. Apreciando aquela sensação nova, sentir a boca de alguém na sua.

                [Tempos atuais]

 

                A boca de Jimin busca a de Jungkook, mordendo seu lábio inferior e prosseguindo com a masturbação no membro da marionete. Envolvidos pelo prazer, nem se recordaram da ligação de Hoseok. Os amigos de Park visitariam sua casa dentro de alguns minutos, já haviam passado um bom pedaço de tempo. Mesmo assim, o que mais importava era a relação carnal.

            — Eu não acredito que você seja apenas uma marionete, Jungkook — disse entre o beijo. — Não quero me separar tão facilmente de ti.

            — Eu te amo, Jimin... Desde muito tempo.

 

               "Toques íntimos fazem de dois amigos um casal, porém, também tem o poder de destruir tudo que já fora sentido"

                Min Yoongi. [Duas semanas antes do encerramento da casa de shows, Daddy’s House]


Notas Finais


espero q tenham gostado e até a próxima
beijos XD


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...