História Not Lie - Capítulo 4


Escrita por: ~

Postado
Categorias Alan Ferreira (EDGE), Felipe Z. "Felps", Flavia Sayuri, Maria Luiza Ramos (MoonKase), Pedro Afonso "RezendeEvil" Posso, Rafael "CellBit" Lange, Rafael "Guaxinim" Montes, TazerCraft, Thiago Elias "Calango"
Personagens Alan Ferreira, Felps, Flavia Sayuri, Mike, MoonKase, Pac, Pedro Afonso Rezende Posso, Personagens Originais, Rafael "CellBit" Lange, Rafael "Guaxinim" Montes, Thiago Elias "Calango"
Tags Aloid, Apocalipse, Caos, Cellps, Mitw, Zombie
Exibições 71
Palavras 1.069
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Lemon, Luta, Mistério, Romance e Novela, Sobrenatural, Survival, Suspense, Terror e Horror, Violência, Yaoi
Avisos: Álcool, Drogas, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Olá mozões <3 Como estão? Tranquilos?
Eu decidi postar hoje
Não amanhã
Porque caso o contrário taria postando amanhã
Não hoje
Então, espero que gostem
Eu to curtindo muito escrever essa historia <3
Comentem o que estão achando
Ou não
Vocês que sabem ;~;

Capítulo 4 - Mercy


Fanfic / Fanfiction Not Lie - Capítulo 4 - Mercy

    •Me sinto tão sozinho aqui, aqui não é o meu lugar e eu não consigo achar minha casa. •

Pedro Afonso, cientista chefe em uma das empresas mais famosas e inteligentes de todo o país, misterioso e com certa dose de loucura em mente. Se eu pudesse descrever o quão insano e louco Pedro é com palavras, com certeza eu atribuía ele a palavra maníaco. Já me questionaram sobre o caso das crianças passadas, no qual Pedro as sequestrou e usou como cobaias para suas experiências, se ele teria meu perdão algum dia.

Eu nunca seria capaz de perdoa-lo. Nunca seria capaz de perdoar um dia quem foi o causador de tanto sofrimento para pessoas que eu amo, eu... Eu queria vê-los de novo. Eu quero a minha família reunida novamente, quero Sayuri e meus amigos juntos de mim, assim como quero minhas crianças já crescidas também.

Maldito seja o dia que eu os deixei ir, maldito seja o dia que eu fiquei naquela droga de lugar e não os acompanhei. Minhas crianças, minha família.

Um pequeno choro se tornou audível, engatinhei receoso até onde eu havia ouvido, puxei um pano que cobria uma gaiola mediana, arregalando os olhos em seguida.

— Alan! — Gabs desesperou-se, agarrando minha mão com força. — Você precisa sair daqui, eles podem voltar a qualquer instante!

Puxei um clipe de meu bolso, encaixei na fechadura e tentei destrancar.

— Alan, escuta, por favor! — Gabs exclamou chorosa, finalmente consegui destrancar a porta e a ajudei a sair. — Nós precisamos sair daqui, os outros foram mandados para outra cidade e estão correndo perigo, vamos!

— Precisamos achar a Roxy. — Avisei, Gabs concordou receosa e começou a varrer com o olhar a sala, logo soltando um grito baixo e correndo até uma pequena porta escondida ao lado da porta principal, Gabs destrancou e de lá desceu Roxy. — Vamos sair daqui, eu tinha achado um duto de ar no final do corredor.

Corremos para fora da sala e refizemos o caminho até os dutos de ar, um alarme começou a soar por todo o lugar, de fato não era o nosso dia de sorte.

— Não os deixe fugir! — Uma voz feminina gritou no corredor, em seguida passos apressados ecoaram. — Grupo três, façam uma varredura na área de fora, vão!

Após longos minutos de desespero conseguimos sair da área, apressamos os passos entre as árvores, só descansando quando estávamos longe o suficiente dali.

— Não sei quantos meses fiquei ai, sendo tratada como uma escrava. — Gabs suspirou pesadamente, nós voltamos a caminhar. — Obrigada, eu sabia que você viria.

[Point Of View: Tarik Pacagnan]

— Rafael, levante essa bunda do sofá e venha me ajudar a arrumar a mesa para o jantar!

Sentia que todos aqueles gritos haviam sido em vão, o loiro continuava na mesma posição de antes. Meu nome é Tarik Pacagnan, tenho 20 anos e sou o melhor amigo de Mikhael Linnyker. Tenho cabelos negros e olhos castanhos escuros, sou o mais baixo de minha equipe em questão de altura, mas não é como se eu ligasse muito para isso.

Há alguns anos vivemos em uma casa perto do Laboratório central da cidade de Hoodbury, nossos amigos trabalham lá e são eles que mantem a casa, eu e Rafael apenas tomamos conta do lugar enquanto estão fora. Rafael é loiro escuro de olhos azuis, um pouco mais alto que eu e vive com um moletom preta de panda, ganhado na infância. Curiosamente no mesmo dia eu ganhei uma azul com o símbolo de Pacman.

Acabei de organizar a mesa e caminhei até a sala com minhas mãos sobre minha cintura, aproximei-me do loiro, perto o suficiente para dar um grito em seu ouvido. Rafael levantou em um pulo, assustado.

Franzimos o cenho quando alguém tocou a campainha, Cellbit empunhou uma arma em mãos e se aproximou, a abrindo. Ao contrário do que pensamos era apenas uma garota morena e um garoto um pouco mais alto, o mesmo estava com um ferimento horrível em sua barriga, junto com os dois havia uma Husky.

— Sim? — Sorri gentilmente. — Entrem, não somos muito acostumados a receber visitas, vocês são os primeiros.

— É uma honra então? — A garota exclamou sorrindo, aquilo havia soado mais como uma pergunta que uma afirmação. — N-Nós estamos andando a várias horas, será que vocês teriam... Água?

— Claro, entrem. — Rafael os deu espaço para entrar, os mesmos entraram relutantes, se sentando junto a nós na mesa. — Vocês são novos por aqui? Nunca vimos vocês antes.

O garoto concordou sorrindo minimamente, mexendo vergonhosamente na barra de sua blusa.

— Sim, nós estamos de passagem. — A garota afirmou, peguei uma jarra de agua e dois copos, voltando para a mesa. — Obrigada! Somos muito gratos a vocês.

— Que nada. De onde vocês estavam vindo? — Minha pergunta pareceu incomodar um pouco ambos. — Não são obrigados a responder se não quiserem.

— Nós estávamos com um grupo de sobreviventes em uma cidade vizinha, buscando mantimentos para mais alguns meses. Acabamos nos perdendo deles, por alguma situação do destino encontramos essa casa e aqui estamos. — A menor suspirou pesadamente, aparentava estar bastante cansada por sinal.

— Eu vou ajudar vocês. — Cellbit se empolgou, levantou-se em seguida e correu para o quarto.

— O que? Mas... — Relutei por alguns segundos, me virei para os dois que se sentavam em minha frente e balancei negativamente minha cabeça. — Eu não sei como podemos ajudar vocês, temos que esperar os outros chegarem.

— Não, você fica. — Cellbit gritou voltando para a cozinha, com uma mochila em suas costas e um sorriso em seu rosto. — Eu vou levar eles até um ponto, depois eu volto.

[Point Of View: Mikhael Linnyker]

Observei durante longos segundos o relógio preso à parede, aparentava estar sem funcionar a horas, tornava-se algo irritante por sinal. O velho discurso de que teríamos que prestar mais atenção no que fazíamos estava sendo aplicado, a culpa de que os presos houvessem fugido estava sendo jogada em nossas costas. Irritante, pensei.

Eu estava inquieto de fato, Lucas continuava com a mesma expressão séria de sempre. Meus olhos pousaram em Ketty, estava linda como sempre, conversava com Branca animadamente do outro lado da sala, enquanto o braço direito do nosso chefe nos dava um sermão.

— Agora vão e achem aqueles fugitivos, incluindo a porra daquela vira-lata! — Gritou nos dando passagem, Lucas me encarou irritado e tomou a frente. — Não voltem sem tê-los!

— Sim senhor, capitão. — Zombei seguindo Void, as duas notaram que nós saímos e correram para nos alcançar. — Babaca. 


Notas Finais


Cellbit: Oloco, chamo a Roxy de vira-lata
SAI QUE HOJE EU TO LOCA
EU TO LOCA
SAI
SÓ SAI
Cellbit: ???
To locona
nem fumei maconha
To locona de oxigênio
-q
Tia Osana love vocês <3
~Um beijo, um queijo e fui!~
Mudei d nick sim -q <3
Qualquer erro me avisem!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...