História Not Lie - Capítulo 6


Escrita por: ~

Postado
Categorias Alan Ferreira (EDGE), Felipe Z. "Felps", Flavia Sayuri, Maria Luiza Ramos (MoonKase), Pedro Afonso "RezendeEvil" Posso, Rafael "CellBit" Lange, Rafael "Guaxinim" Montes, TazerCraft, Thiago Elias "Calango"
Personagens Alan Ferreira, Felps, Flavia Sayuri, Mike, MoonKase, Pac, Pedro Afonso Rezende Posso, Personagens Originais, Rafael "CellBit" Lange, Rafael "Guaxinim" Montes, Thiago Elias "Calango"
Tags Aloid, Apocalipse, Caos, Cellps, Mitw, Zombie
Exibições 60
Palavras 1.113
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Lemon, Luta, Mistério, Romance e Novela, Sobrenatural, Survival, Suspense, Terror e Horror, Violência, Yaoi
Avisos: Álcool, Drogas, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Olá amigos <3 Como estão? Tranquilos?
Eu fiquei feliz com atualização de Yandere Simulator
E decidi vir atualizar também u_u
Espero que gostem <3
Como vocês notaram, teve atualização da Sinopse e da foto de capa.
Deêm uma olhada lá depois.
Vamos ao capitulo!

Capítulo 6 - I'm sorry, boss


Fanfic / Fanfiction Not Lie - Capítulo 6 - I'm sorry, boss

[ Sete anos atrás ]

Um bocejo cansado escapou de meus lábios assim que coloquei meus pés para fora da cama. Olhei-me no espelho por alguns segundos, antes de me colocar de pé e caminhar para fora do quarto preguiçosamente, recordo-me que era um dia de chuva, mas que ainda sim havia um arco-íris cruzando o céu. Sentei-me a mesa observando meu cuidador preparando o almoço, o mesmo se virou e sorriu ao me ver ali, de fato ele era a pessoa mais fofa que eu já havia conhecido em toda minha vida.

Tinha vez que eu passava um dia inteiro observando-o realizar seus serviços domésticos, apenas saia de sua cola quando Rafael e os outros me chamavam para brincar, me obrigando a tirar os olhos de si.

— Já de pé? — Sua voz me tirou dos devaneios, acenei positivamente com a cabeça e me levantei da cadeira, chegando próximo a si e puxando sua blusa sem muita força. — Hum? O que foi, Lucas?

O maior se agachou em minha frente e arrumou meus cabelos bagunçados com os dedos, um sorriso orgulhoso recaia em seu rosto, aquilo foi o suficiente para que eu sorrisse e pulasse em seus braços.

Em resposta o mesmo apenas riu alto retribuindo o abraço, ainda mais fortemente.

— Hey, promete para mim, promete que não vai esquecer nunca quem sou eu, que nós sempre vamos nos reencontrar?

— Claro que sim, pequeno. Agora venha, eu já acabei de fazer o almoço. Pode chamar os meninos para virem, sim?

[ •~• ]

Frustração, o único sentimento que consigo ter em troca quando tento me lembrar de quem eu tanto procuro há anos. Eu sempre procurei por uma única pessoa sem sequer lembrar-se de seu rosto e seu nome, uma idiotice, não é?

Eu busco colocar meus amigos em primeiro plano desde então, busco protege-los a qualquer custo, essa foi uma de minhas promessas antes que partisse. Cresci e me tornei forte, mas do que adianta sendo que a pessoa que eu queria ter por perto para cuidar não está aqui? Meus amigos são os únicos que fazem isso ao menos valer a pena, minha família para ser mais sincero e objetivo.

O garoto no qual eu torturei junto com Mikhael hoje, ele me transmitiu um sentimento tão diferente do comum que me fez voltar à sala após a tortura. Apenas ai notei que não era tão ingênuo quanto sua aparência transmitia de fato, o filho da puta me ludibriou e acabou me trancando naquela maldita sala.

Humilhante, diga-se de passagem.

Peguei minha arma em mãos novamente, saindo de nosso esconderijo.

[Point Of View: Gabs]

— Ek, não sei por que estou com a severa impressão que tem alguém nos seguindo. — Rafael olhava para todos os lados possíveis e existentes, há alguns minutos falava sem parar que tinha alguém nos seguindo e que nada possível faria isso sair de sua mente. — Nós precisamos sair desse lugar rápido, se meus amigos me pegarem com vocês eu viro uma salada de veado ao molho branco.

— Se acalme, a cidade deve estar há algumas horas daqui. Precisamos achar um carro, ai achamos os outros e depois deixamos você em casa, explicamos para eles tudo, assim não vai ficar ruim para você. — Sorri gentilmente para o loiro, estávamos escondidos atrás da bancada onde se pagava os bilhetes para a retirada dos carros.

— Não, Gabs. Eu concordei em vir com vocês, então a culpa também é minha em partes. — Rafael sorriu em resposta. — Não me arrependo tanto assim, a companhia de vocês é muito agradável por sinal.

Alan sorriu alegremente e puxou o loiro para um abraço, que riu como uma hiena em resposta.

— Será que dá pra pararem de enrolar? Precisamos sair daqui. — Questionei rindo baixo, sendo surpreendida pelos dois que me puxaram para participar do abraço. — Porra, vamos logo seus dois veados.

— Ah claro, hétera. — Alan brincou desfazendo o abraço, nos agachamos novamente. — Espera, isso são tiros? Tem mais sobreviventes aqui?

— Ai não, vamos correr. — Rafael se desesperou, nós nos levantamos e começamos a correr para o lugar onde havia menos mordedores. — As escadas, rápido!

Abri a porta da saída de emergência com brutalidade, os corredores realmente pareciam que levariam para outra vida, eram todos brancos e extremamente limpos, estranho demais para um período apocalíptico. Descemos voando as escadas, parando de correr assim que paramos de frente para o estacionamento do prédio.

Estava tudo lotado de mordedores.

— Vamos ter que passar silenciosamente. — Sussurrei, nos direcionamos pela lateral do estacionamento.

Pluguei meu silenciador na sniper que eu carregava junto a mim, os mordedores que estavam no caminho eu ia derrubando, tomando cuidado para que não atraísse a horda para perto de nós.

— Como eu odeio esses errantes. — Murmurei para os dois atrás de mim.

“Here we go again
I will not give in
I've got a reason to fight

Every day we choose
We might win or lose
This is the dangerous life”

Foi quando Alan nos chamou, olhamos para trás confusos e nos deparamos com uma pistola sendo apontada para a cabeça do mesmo. O garoto atrás de si pediu que nós ficássemos em silêncio e que  seguíssemos eles.

[Point Of View: Pedro Afonso]

— Chefe, acabamos de receber informações da base ao norte, parece que os presos escaparam.

A ponta da minha língua passou vagarosamente pelos meus lábios secos, minha mão parou de acariciar os pelos negros do felino deitado em meu colo, meu cenho se franziu e eu levantei meu olhar até o homem parado na frente de minha mesa, com o olhar baixo e as mãos suando, sua palidez era visível. Uma risada carregada de sarcasmo me escapou, eram aqueles homens que eu havia contratado para trabalharem nos meus laboratórios?

Inúteis, pensei.

— M-Mas parece que um grupo já se deslocou para procura-los. — Gaguejou, recuando alguns passos para trás.

Agarrei o pelo do gato que ronronava, o levantei e em seguida o atirei contra a parede, fazendo com que se levantasse em seguida mancando. Retirei minha faca de meu bolso e acertei o mesmo, começando uma sessão de miados amargurados.

— Soldado, você sabe o que acontece quando meus empregados falham? — Questionei em voz baixa, tentando manter minha sanidade intacta. — Isso mesmo, quero que escolham uma pessoa e lhe cortem a cabeça.

— Mas senhor...

— Quem é o chefe aqui?! — Minha mão varreu todos os objetos que estavam em cima da mesa a minha frente, o homem se encolheu diante dos gritos raivosos que eu acabava soltando. — Agora vá, eu quero que ache a maldita daquela garota e o Ferreira, eu o quero vivo! Já ela, tanto faz. Se livrem daquela vadia, deem um chá de sumiço e não quero falhas, eles não podem resgatar os amiguinhos queridos. 


Notas Finais


Cellbit: VOCÊ NÃO MANDA EM MIM!
Cala a boca que eu to falando com os leitores.
Alguém ai vê uns shows de Comedia?
Eu tava assistindo, muito bom
Bem, vocês foram assistir já o Filme "É fada" ?
Eu quero ver.
;_:
Espero que tenham gostado <3
~Um beijo, um queijo e fui!~


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...