História Not Thinking of You - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Tags Bts, Imagine, Kim, Kpop, Namjoon, Rap Monster, Romance
Visualizações 16
Palavras 1.028
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Famí­lia, Festa, Ficção, Fluffy, Hentai, Romance e Novela, Universo Alternativo
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Oi ッ
Ceis tao bom?
Eu voltei com mais uma fanfic
Ai Jinsuis
Rezemos para que essa termine \o/ amém
Espero que gostem, bebês :v
Boa leitura <3

Capítulo 1 - .Prólogo


Fanfic / Fanfiction Not Thinking of You - Capítulo 1 - .Prólogo

ρrσlσgΰέ


"Jung S/n é maravilhosa vista de todos os ângulos possíveis, por dentro e por fora."


 ↣《♡》↢ ↣《♡》↢ ↣《♡》↢



Narradora Onn


Era muito tedioso ver cada gota d'água escorrer naquele vidro que Namjoon fitava da floricultura que estava trabalhando. O lugar era completamente sem movimento e mesmo nos dias mais ensolarados, nem um mínimo raio de sol passava pela vitrine cheia de flores dos mais variados tipos. O moreno adorava orquídeas, as achava simpáticas o suficiente para encantar a qualquer um. Menos a mulher que todos os dias passava do outro lado da rua. Ela parecia alegre, e muito simpática – assim como as orquídeas que Namjoon tanto amava.

E do mesmo jeito que ele adorava aquelas flores, passou a adorar a mulher que todos os dias passava ali. 

Namjoon não era dos homens mais amigáveis da terra, mas procurava ser o mais doce que podia, e tinha fé que um dia iria deixar de ser o mínimo rabugento que fosse. 

Era por volta de 16:00. A mulher na qual o Kim pensava sempre passaria por volta daquele horário. Entretanto, ele continuava olhando para o outro lado da rua e escutando os estalos das gotas de chuva caírem contra o vidro da vitrine. 

Meia hora se passou. Ela não tinha passado ainda. Namjoon já tinha se preocupado. Esta que passava até nos domingos de feriado, hoje resolveu não dar as caras na rua que o rapaz trabalhava.

Sentiu falta de ver aquele sorriso da moça que sempre segurava na alça da bolsa sorridente, usando todos os dias suas roupas coloridas e algum tipo de tênis nos pés. Ao ver dele, ela com certeza não era fã número um de saltos altos.

Sentiu algo apertando seu peito cada vez mais e aquela dor estava dramatizando tudo. Sentia falta dos olhos dela e do sorriso de dentes alinhadinhos. 

Já desistia de olhar até que finalmente o sininho indicando que a porta fora aberta, tocou. 

— Posso lhe ajudar? - virou seu rosto para a porta e logo encontrou a mesma que observava nos últimos meses - Am... Tudo bem? - sorriu desajeitado

— Oi! Eu estou procurando por orquídeas. Você tem delas ou acabaram? - perguntou inocente abrindo a bolsa

— E-Eu... Eu acho q-que eu tenho... E-eu vou... - caminhou cambaleando até a preteleira com várias flores diferentes. A timidez de Namjoon o atrapalhava a todo momento - Eu vou ver. - passou os olhos pelas flores até que encontrou as últimas cinco orquídeas. Então dali elas foram para as mãos do moreno e logo ele passou uma fita vermelha envolta delas, as entregando para a mulher - São 3.240,91 Won's... - ele de fato não sabia como chamá-la

— S/n. - completou - Me chame de S/n. - sorriu de um modo doce, entregando o dinheiro para Namjoon

— Oh, certo... - coçou a nuca e sentiu suas bochechas ruborizarem. Namjoon de fato estava muito envergonhado - Quer que eu escreva algum cartão para colocar na fita, S/n? - falou mostrando os cartões pequenos na esperança de que ela escolhesse algum

— Ah, não. Obrigada. - negou - São só para um amigo meu. Ele quer ajuda com algumas coisas e eu vou ajudá-lo até o fim, afinal, amigos servem pra isso, certo? - Nam assentiu - Qual é o seu nome? 

— Namjoon. - abriu um sorriso calmo

— Bonito nome. 

— Ah... Obrigado... S/n também é um nome muito bonito... - o mais novo não estava acostumado a lidar com elogios. - Quantos anos você tem, S/n? 

— Vinte e três. E você? 

— Vinte e três também. Por algum motivo você parece ser mais velha que eu... - riu 

— Eu ainda não fiz aniversário, esse ano eu completo vinte e quatro. 

— Ah... Eu fiz vinte e três esse ano. - Namjoon sorriu de lado - Noona. - completou

— Não me chame de noona, eu me sinto velha. - riu - Me chame só de S/n. 

— Tudo bem, "Só de S/n". - gargalhou debochado 

— Para. - a mulher gargalhou junto. - Então... Obrigada por ter me atendido, Namjoon.

— Obrigado a você por ter sido tão gentil, S/n. Espero te ver mais vezes. - ela assentiu 

— Veremos.

— Eu seria muito atirado se eu pedisse seu número? - então a mais baixa riu negando enquanto pedia um papel e uma caneta.


[...]


Finalmente o expediente tinha acabado. Ao badalar das 19:00 Namjoon saía feliz da floricultura. Deu uma última regada nas flores e a duas horas atrás, o sol tinha iluminado o lugar depois de um tempo mofando na sombra.

A sensação de estar se apaixonando de novo por uma pessoa que nem conhece direito era ótima. Estava maluco para chegar em casa e mandar uma mensagem para S/n, lhe perguntando como foi o dia.

Tratou logo de juntar suas coisas e correr para casa. Pensou em passar num restaurante de comida japonesa antes, e assim fez. Comprou alguns sushis e esperou que eles fossem feitos. Se sentou nuna das cadeiras próximas ao balcão e observou os clientes comendo e rindo, nem um deles se alimentando sozinho. E então resolveu olhar para a entrada e saída de cada um. Um rosto familiar entrara ali sem acompanhante e ele tratou logo de abrir mais um daqueles sorrisos acompanhados com suas covinhas e descaradamente gritou:

— S/N!! - as pessoas não se importaram tanto o quanto S/n pensou terem se importado, e discretamente a mulher caminhou até Namjoon, se sentando ao seu lado - Qual é, está me seguindo? - riu

— Não, vim aqui porque eu adoro comida japonesa, principalmente o Yakisoba daqui. - sorriu 

— Ah, eu também adoro o Yakisoba desse restaurante. Pedi um para mim, se você quiser, eu pago o seu. - disse gentil

— Não precisa, Namjoon. Mesmo assim, obrigada. - riram

— Eu quero pagar o seu Yakisoba.

— Não precisa, já te falei. 

— Mas S/n... Por favor! - insistiu

— Nã... Ah, pode pagar. Eu sei que você vai tentar até eu aceitar mesmo. - riram

— Que bom que sabe. 

Então ficaram conversando e comendo Yakisoba, falando mais um sobre o outro e decidiram então que iriam se encontrar sempre que pudessem para comerem Yakisoba, afinal, comer sozinho não é um dos passatempos favoritos de nem um dos dois.




Notas Finais


Me desculpem qualquer errinho que eu deixei passar aí
Essa fanfic tá sendo dedicada à @ofensivo que é Namjoonie Biased e eu espero que ela goste
Eu acho :v
Não me dêem vácuo nos comentários
Um comentário na vida de quem escreve deixa mais feliz :v
Mentira não vou obrigar vocês a nada, me digam pelo menos se tá bom e vale a pena continuar, frozinhas <3
Até o próximo? 💕💕
Bai bai 🌱🌱


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...